Pecuarista tem retorno de até R$ 4 para cada real investido em pastagem profissional

13 março 2018
investimento-em-pastagem-retorno-esperado

Nesta terça, 13, o Giro do Boi levou ao ar entrevista com o engenheiro agrônomo, mestre em agricultura com ênfase em pastagens e nutrição animal e PhD em ecologia, Moacyr Bernardino Dias Filho, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental.

Ele detalhou no programa cálculos feitos em conjunto com pesquisadores da unidade da Embrapa localizada em Belém-PA, e divulgados em recente artigo na revista DBO, que informam o retorno esperado do pecuarista que investe em diferentes modalidades de pastagens. Segundo Bernardino, para cada R$ 1 investido em em pastagem empresarial, pecuarista tem um retorno esperado de R$ 4. Já o mesmo investimento na renovação do pasto retorna até R$ 2,70 ao produtor. O investimento na recuperação da pastagem pode retornar R$ 2,40. Já a pastagem tradicional retorna R$ 0,85 ao pecuarista, conforme aponta a tabela em destaque acima na página.

Segundo o pesquisador, os valores absolutos variam de acordo com a região analisada, mas as proporções entre cada categoria de investimento são mantidas. “Na pastagem empresarial, que é aquela cuidada corretamente desde o início, embora seja mais cara em termos de investimento – cerca de 50% a 60% a mais do que teria que ser investido (em um pasto tradicional) para poder dar aquele empurrão para tornar a pastagem produtiva -, ela com o tempo, cerca de dois, três anos, talvez menos, vai ser muito mais rentável do outras modalidades”, analisou o pesquisador da Embrapa.

De acordo com o agrônomo, aquele produtor que faz apenas o controle de ervas daninhas e pragas pode até estar perdendo dinheiro. Isto acontece porque o pasto que não é cuidado profissionalmente como uma lavoura perde em torno de 10% da capacidade de suporte ao ano.

Bernardino complementa a informação afirmando que se tais cuidados foram completamente negligenciados, perde-se até 30% de capacidade de suporte todos os anos e, dentro de três a quatro anos, o pecuarista tem em sua fazenda uma pastagem degradada, necessitando investir novamente na formação do piquete.

“O problema é crônico, mas o horizonte à frente não é tão sombrio. Já estamos melhorando, mas há espaço para melhorar muito mais”, ponderou Bernardino. Em conversa com o apresentador Mauro Sérgio Ortega, o pesquisador detalhou várias atitudes que o pecuarista pode ter para estar em sintonia com o profissionalismo no que diz respeito à gestão sua pastagem.

“O produtor que quer se profissionalizar ou adotar um sistema integrado precisa ter visão empresarial da atividade, fazer um acompanhamento periódico da sua taxa de lotação, por meio da análise de solo monitorar a fertilidade, ou seja, ter uma constante preocupação com sua fazenda, seu pasto. Ele tem que olhar o pasto como cultura agrícola. Este é o grande segredo da atividade. Deixar de olhar só o boi e olhar para baixo, para o pasto, que é o que sustenta o boi”, resumiu Moacyr.

Veja a entrevista completa pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Mão de obra é 2ª maior preocupação do pecuarista; como formar equipe com os melhores profissionais?

Consultor Antônio Chaker elaborou lista com três passos para o fazendeiro atrair e fidelizar os melhores profissionais para a sua propriedade

Confira as fazendas em destaque do dia 14 de dezembro de 2018

Fazendas nos estados de Goiás, São Paulo e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Revelado o vencedor da eleição para o melhor lote de novembro

Lote ganhador foi composto por novilhas precoces, entre zero e dois DIPs (dentes incisivos permanentes) e marcou 99% Verde no Farol da Qualidade

Brasil perde 16 milhões de cabeças de gado por ano por falhas na sanidade

Número representa uma taxa de mortalidade de 8% no rebanho total de 200 milhões de cabeças. “É uma ineficiência enorme”, lamentou professor da Unesp

Pecuarista tem retorno de até R$ 4 para cada real investido em pastagem profissional

13 março 2018
investimento-em-pastagem-retorno-esperado

Nesta terça, 13, o Giro do Boi levou ao ar entrevista com o engenheiro agrônomo, mestre em agricultura com ênfase em pastagens e nutrição animal e PhD em ecologia, Moacyr Bernardino Dias Filho, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental.

Ele detalhou no programa cálculos feitos em conjunto com pesquisadores da unidade da Embrapa localizada em Belém-PA, e divulgados em recente artigo na revista DBO, que informam o retorno esperado do pecuarista que investe em diferentes modalidades de pastagens. Segundo Bernardino, para cada R$ 1 investido em em pastagem empresarial, pecuarista tem um retorno esperado de R$ 4. Já o mesmo investimento na renovação do pasto retorna até R$ 2,70 ao produtor. O investimento na recuperação da pastagem pode retornar R$ 2,40. Já a pastagem tradicional retorna R$ 0,85 ao pecuarista, conforme aponta a tabela em destaque acima na página.

Segundo o pesquisador, os valores absolutos variam de acordo com a região analisada, mas as proporções entre cada categoria de investimento são mantidas. “Na pastagem empresarial, que é aquela cuidada corretamente desde o início, embora seja mais cara em termos de investimento – cerca de 50% a 60% a mais do que teria que ser investido (em um pasto tradicional) para poder dar aquele empurrão para tornar a pastagem produtiva -, ela com o tempo, cerca de dois, três anos, talvez menos, vai ser muito mais rentável do outras modalidades”, analisou o pesquisador da Embrapa.

De acordo com o agrônomo, aquele produtor que faz apenas o controle de ervas daninhas e pragas pode até estar perdendo dinheiro. Isto acontece porque o pasto que não é cuidado profissionalmente como uma lavoura perde em torno de 10% da capacidade de suporte ao ano.

Bernardino complementa a informação afirmando que se tais cuidados foram completamente negligenciados, perde-se até 30% de capacidade de suporte todos os anos e, dentro de três a quatro anos, o pecuarista tem em sua fazenda uma pastagem degradada, necessitando investir novamente na formação do piquete.

“O problema é crônico, mas o horizonte à frente não é tão sombrio. Já estamos melhorando, mas há espaço para melhorar muito mais”, ponderou Bernardino. Em conversa com o apresentador Mauro Sérgio Ortega, o pesquisador detalhou várias atitudes que o pecuarista pode ter para estar em sintonia com o profissionalismo no que diz respeito à gestão sua pastagem.

“O produtor que quer se profissionalizar ou adotar um sistema integrado precisa ter visão empresarial da atividade, fazer um acompanhamento periódico da sua taxa de lotação, por meio da análise de solo monitorar a fertilidade, ou seja, ter uma constante preocupação com sua fazenda, seu pasto. Ele tem que olhar o pasto como cultura agrícola. Este é o grande segredo da atividade. Deixar de olhar só o boi e olhar para baixo, para o pasto, que é o que sustenta o boi”, resumiu Moacyr.

Veja a entrevista completa pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Consultor Antônio Chaker elaborou lista com três passos para o fazendeiro atrair e fidelizar os melhores profissionais para a sua propriedade

Fazendas nos estados de Goiás, São Paulo e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Lote ganhador foi composto por novilhas precoces, entre zero e dois DIPs (dentes incisivos permanentes) e marcou 99% Verde no Farol da Qualidade

Número representa uma taxa de mortalidade de 8% no rebanho total de 200 milhões de cabeças. “É uma ineficiência enorme”, lamentou professor da Unesp

Gado foi enviado pela propriedade da família Rojas – o pai Djalma e seu filho Rogério Catanduva, marcando 75% Verde no Farol da Qualidade

Fazendas nos estados do Tocantins, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaque do quadro Giro pelo Brasil; confira lotes e Farol da Qualidade.

Fazendas nos estados de Goiás, São Paulo e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Novo aplicador conta com protetor de agulha que reforça higiene do dispositivo e facilita na formação de pregas para vacinas subcutâneas, como a aftosa

Evento acontecerá dias 15 e 16/12 na Estância Dama, em Pilar do Sul, cidade localizada na região de Sorocaba, no interior do estado de São Paulo

Estrutura imobiliza o bezerro recém-nascido e não permite o acesso da vaca ao local de manejo, garantindo a segurança e a praticidade para o peão

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE