Estudo da Esalq afirma que pH alto compromete maciez e coloração da carne bovina

09 outubro 2018
influencia-castracao-qualidade-carne

O Giro do Boi desta terça, 09, exibiu entrevista com Carmen Contreras, engenheira de alimentos, mestre em ciência de alimentos, doutora em tecnologia de alimentos e pesquisadora do Laboratório de Qualidade de Carne da Esalq/USP.

Ela falou sobre uma uma pesquisa desenvolvida no laboratório que busca detalhar como o manejo pré-abate, incluindo o jejum, e o abate impactam na qualidade de carne por meio do pH, influenciando em maciez, retenção de água (suculência), maciez, odor e tempo de validade do produto.

Em entrevista à equipe de reportagem do Giro do Boi, a pesquisadora explicou o que é pH e como ele se altera conforme a queima das reservas de glicogênio para formação de ácido lático. “Se um animal sofreu estresse, vai gastar a reserva de glicogênio, não vai ter quantia suficiente para formar o ácido lático e o pH será alto e vai influenciar em vários parâmetros da qualidade de carne”, resumiu Carmen.

Os estudos analisaram 300 carcaças de bois inteiros meio-sangue Zebu x Taurino. Destas, 40% das carcaças apresentaram pH intermediário (entre 5,8 a 6,3), o que prejudica na maciez da carne, e outros 4% apresentam pH alto (acima de 6,3), que já prejudica outros aspectos já mencionados, como retenção de água, coloração, odor e tempo de vida do produto na prateleira (shelf life).

Veja a análise completa feita no Laboratório de Qualidade de Carne da Esalq-USP clicando no player abaixo:

VEJA TAMBÉM

Exportações de carne foram destaque em 2018, mas exigência por qualidade aumenta

Em entrevista ao Giro do Boi, Renato Costa, presidente da JBS Carnes, ponderou que clientes estão rejeitando carne de gado abatido com mais de 30 meses

Confira as fazendas em destaque do dia 19 de dezembro de 2018

Fazendas nos estados de São Paulo, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Que tal uma costela defumada como prato principal do seu fim de ano?

Corte é assado em churrasqueira tipo defumadora, também chamada de pit, e tem técnica especial para ser preparado; conheça os segredos

Mulheres do agro ainda são discriminadas, indica pesquisa feita em 17 países

De mais de 4 mil produtoras entrevistadas, 66% apontaram que sofrem discriminação de gênero; no Brasil, número sobe para 77%

Estudo da Esalq afirma que pH alto compromete maciez e coloração da carne bovina

09 outubro 2018
influencia-castracao-qualidade-carne

O Giro do Boi desta terça, 09, exibiu entrevista com Carmen Contreras, engenheira de alimentos, mestre em ciência de alimentos, doutora em tecnologia de alimentos e pesquisadora do Laboratório de Qualidade de Carne da Esalq/USP.

Ela falou sobre uma uma pesquisa desenvolvida no laboratório que busca detalhar como o manejo pré-abate, incluindo o jejum, e o abate impactam na qualidade de carne por meio do pH, influenciando em maciez, retenção de água (suculência), maciez, odor e tempo de validade do produto.

Em entrevista à equipe de reportagem do Giro do Boi, a pesquisadora explicou o que é pH e como ele se altera conforme a queima das reservas de glicogênio para formação de ácido lático. “Se um animal sofreu estresse, vai gastar a reserva de glicogênio, não vai ter quantia suficiente para formar o ácido lático e o pH será alto e vai influenciar em vários parâmetros da qualidade de carne”, resumiu Carmen.

Os estudos analisaram 300 carcaças de bois inteiros meio-sangue Zebu x Taurino. Destas, 40% das carcaças apresentaram pH intermediário (entre 5,8 a 6,3), o que prejudica na maciez da carne, e outros 4% apresentam pH alto (acima de 6,3), que já prejudica outros aspectos já mencionados, como retenção de água, coloração, odor e tempo de vida do produto na prateleira (shelf life).

Veja a análise completa feita no Laboratório de Qualidade de Carne da Esalq-USP clicando no player abaixo:

VEJA TAMBÉM

Em entrevista ao Giro do Boi, Renato Costa, presidente da JBS Carnes, ponderou que clientes estão rejeitando carne de gado abatido com mais de 30 meses

Fazendas nos estados de São Paulo, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Corte é assado em churrasqueira tipo defumadora, também chamada de pit, e tem técnica especial para ser preparado; conheça os segredos

De mais de 4 mil produtoras entrevistadas, 66% apontaram que sofrem discriminação de gênero; no Brasil, número sobe para 77%

Fazendas nos estados de Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Situação se deve à ocorrência do El Niño, que deve ser confirmado em breve. Embora as precipitações variem, índices pluviométricos devem ficar na média

Fazendas nos estados de São Paulo, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

De mais de 4 mil produtoras entrevistadas, 66% apontaram que sofrem discriminação de gênero; no Brasil, número sobe para 77%

Pecuarista deve fazer download do Termo de Adesão e entregar assinado aos compradores de gado das unidades da indústria; veja como tirar suas dúvidas sobre o processo

Situação se deve à ocorrência do El Niño, que deve ser confirmado em breve. Embora as precipitações variem, índices pluviométricos devem ficar na média

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE