Investimento em limpeza de pastagens retorna ao pecuarista em até quatro meses, afirma agrônomo

11 outubro 2018
26-09 - CORTEVA DOW - FELIPE (1)

Nesta quinta, 11, o engenheiro agrônomo Gabriel Gurian participou do quadro Giro pelo Brasil para repassar dicas técnicas e financeiras de controle de plantas daninhas em pastagens.

O especialista calculou que, para uma infestação média de plantas de difícil controle e indesejáveis nas pastagens, o volume de defensivos necessário é de dois a três litros, o que representa um custo de duas a duas arrobas e meia. “Se a gente fizer o cálculo do quanto vai aumentar a quantidade de animais que o produtor vai conseguir colocar nessa área, em unidade animal por hectare, a gente calcula que ele vai esperar no máximo quatro meses, contando período de intervalo para primeiro pastejo – trinta dias -, um mês de pastejo com essa quantidade maior de animais, fazenda uma vedação e mais outro mês. São no máximo quatro meses para ele tirar o retorno. No mesmo período das águas, ele consegue aumentar a quantidade de arrobas produzidas na mesma área e pagar totalmente o investimento”, destacou.

O agrônomo também falou sobre a importância de controlar as ervas daninhas antes de pensar em adubação. “Quando a gente está adubando uma área que tenha planta daninha e a forrageira, a gente está dando alimento para as duas. E a planta forrageira tem um sistema radicular com menor força e habilidade para extrair esse adubo do solo em relação à planta daninha, que tem um sistema radicular mais profundo e consegue até levar vantagem em relação à forrageira”, advertiu.

Gurian ainda revelou qual é o melhor período para fazer o primeiro controle das plantas de infestação após a formação, ou a reforma, de uma área de pasto. “Podemos falar de 30 a 45 dias após a emergência da forrageira. Nós fazemos a aplicação do herbicida para controlar as plantas daninhas e o importante é que a forrageira esteja em condições de cobrir toda a área, ou seja, quando aplicarmos o herbicida, controlamos as plantas daninhas e a forrageira consegue vedar o solo de modo que impeça as outras sementes das plantas daninhas germinarem”, recomendou. Se o produtor não fizer deste modo, completou Gurian, é possível que tenha que fazer outra aplicação.

Ainda segundo Gabriel Gurian, a limpeza da pastagem também valoriza o imóvel, caso seja da vontade do proprietário negociar as suas terras.

Veja as explicações completas no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Exportações de carne foram destaque em 2018, mas exigência por qualidade aumenta

Em entrevista ao Giro do Boi, Renato Costa, presidente da JBS Carnes, ponderou que clientes estão rejeitando carne de gado abatido com mais de 30 meses

Confira as fazendas em destaque do dia 19 de dezembro de 2018

Fazendas nos estados de São Paulo, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Que tal uma costela defumada como prato principal do seu fim de ano?

Corte é assado em churrasqueira tipo defumadora, também chamada de pit, e tem técnica especial para ser preparado; conheça os segredos

Mulheres do agro ainda são discriminadas, indica pesquisa feita em 17 países

De mais de 4 mil produtoras entrevistadas, 66% apontaram que sofrem discriminação de gênero; no Brasil, número sobe para 77%

Investimento em limpeza de pastagens retorna ao pecuarista em até quatro meses, afirma agrônomo

11 outubro 2018
26-09 - CORTEVA DOW - FELIPE (1)

Nesta quinta, 11, o engenheiro agrônomo Gabriel Gurian participou do quadro Giro pelo Brasil para repassar dicas técnicas e financeiras de controle de plantas daninhas em pastagens.

O especialista calculou que, para uma infestação média de plantas de difícil controle e indesejáveis nas pastagens, o volume de defensivos necessário é de dois a três litros, o que representa um custo de duas a duas arrobas e meia. “Se a gente fizer o cálculo do quanto vai aumentar a quantidade de animais que o produtor vai conseguir colocar nessa área, em unidade animal por hectare, a gente calcula que ele vai esperar no máximo quatro meses, contando período de intervalo para primeiro pastejo – trinta dias -, um mês de pastejo com essa quantidade maior de animais, fazenda uma vedação e mais outro mês. São no máximo quatro meses para ele tirar o retorno. No mesmo período das águas, ele consegue aumentar a quantidade de arrobas produzidas na mesma área e pagar totalmente o investimento”, destacou.

O agrônomo também falou sobre a importância de controlar as ervas daninhas antes de pensar em adubação. “Quando a gente está adubando uma área que tenha planta daninha e a forrageira, a gente está dando alimento para as duas. E a planta forrageira tem um sistema radicular com menor força e habilidade para extrair esse adubo do solo em relação à planta daninha, que tem um sistema radicular mais profundo e consegue até levar vantagem em relação à forrageira”, advertiu.

Gurian ainda revelou qual é o melhor período para fazer o primeiro controle das plantas de infestação após a formação, ou a reforma, de uma área de pasto. “Podemos falar de 30 a 45 dias após a emergência da forrageira. Nós fazemos a aplicação do herbicida para controlar as plantas daninhas e o importante é que a forrageira esteja em condições de cobrir toda a área, ou seja, quando aplicarmos o herbicida, controlamos as plantas daninhas e a forrageira consegue vedar o solo de modo que impeça as outras sementes das plantas daninhas germinarem”, recomendou. Se o produtor não fizer deste modo, completou Gurian, é possível que tenha que fazer outra aplicação.

Ainda segundo Gabriel Gurian, a limpeza da pastagem também valoriza o imóvel, caso seja da vontade do proprietário negociar as suas terras.

Veja as explicações completas no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Em entrevista ao Giro do Boi, Renato Costa, presidente da JBS Carnes, ponderou que clientes estão rejeitando carne de gado abatido com mais de 30 meses

Fazendas nos estados de São Paulo, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Corte é assado em churrasqueira tipo defumadora, também chamada de pit, e tem técnica especial para ser preparado; conheça os segredos

De mais de 4 mil produtoras entrevistadas, 66% apontaram que sofrem discriminação de gênero; no Brasil, número sobe para 77%

Fazendas nos estados de Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Situação se deve à ocorrência do El Niño, que deve ser confirmado em breve. Embora as precipitações variem, índices pluviométricos devem ficar na média

Fazendas nos estados de São Paulo, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

De mais de 4 mil produtoras entrevistadas, 66% apontaram que sofrem discriminação de gênero; no Brasil, número sobe para 77%

Pecuarista deve fazer download do Termo de Adesão e entregar assinado aos compradores de gado das unidades da indústria; veja como tirar suas dúvidas sobre o processo

Situação se deve à ocorrência do El Niño, que deve ser confirmado em breve. Embora as precipitações variem, índices pluviométricos devem ficar na média

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE