Reposicionamento no mercado global da carne: uma oportunidade

21 março 2016
volumoso-concentrado

Por Jerry O’Callaghan, diretor de Relações com o Investidor da JBS

O Brasil começou a fornecer carne bovina de forma relevante no início dos anos 1980. Havia disputa entre Argentina e Inglaterra pelas Ilhas Malvinas e a postura tida como agressiva da Argentina prejudicou suas exportações. Os sul-americanos amargaram um tipo de bloqueio para carne enlatada, cozida, congelada e cortes nobres. Oportunidade para o Brasil. A indústria, após domínio de multinacionais (Swift, Armour, Wilson e Anglo) e liderada pela primeira vez por brasileiros (Bordon, Mouran, Sola e Kaiowa), estava preparada. Países como Nigéria, Iraque e Hong Kong aumentaram a demanda e logo a Europa se mostrou promissora, pois lá se produzia carne inferior por domínio de raças leiteiras.

Crescia a demanda para carnes superiores e o Brasil conquistou espaço. Mas veio a vaca louca e modificou a mentalidade dos consumidores. Além disso, a Europa restringiu sua produção de sorte a não premiar volume, mas conservação ambiental. Menos subsídios e mais controle eram a ordem. Enquanto a renda do produtor diminuía, crescia a preocupação com importações.

A rastreabilidade virou arma para limitá-las e o Brasil, alvo de legislação draconiana, diminuiu o volume exportado para quem mais comprava carnes nobres: de 350 mil toneladas em 2007, a Europa passou a comprar perto de 50 mil toneladas em 2009. Então, cresceu a demanda para nossa carne em países menos preocupados com qualidade e mais com preço, como no Norte de África, Oriente Médio e União Soviética. Os preços da carne de qualidade e da commodity se aproximaram, pois faltou opção para vender cortes nobres.

Hoje podemos ter abertura de mercados como China e EUA, mas ainda não temos solução para escoar cortes nobres em volumes que trariam valor para a cadeia, com premiações para o gado jovem e bem acabado, condizente com o custo de produzi-lo.

Coincidência ou não, em abril, a Europa mudou a legislação. Cotas que limitavam rebanho e produção de leite foram abolidas e mais gado leiteiro implica  menos gado de corte. O Brasil, que não devia aceitar aquela legislação de 2008, tem oportunidade de revisitar a questão para corrigir a injustiça. Com pecuaristas informados e equipados para produzir o boi de sucesso, que merece um preço condizente, podemos servir quem está disposto a pagar. É necessário abrir acordos bilaterais com urgência. Temos vocação para produzir alimentos baratos e de qualidade e não devemos restringir a união com vizinhos do Mercosul. Temos estatura para falar por nós e o caso da carne para Europa seria um bom começo.

VEJA TAMBÉM

Confira as fazendas em destaque do dia 21 de janeiro de 2019

Fazendas nos estados do Pará, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Região norte de MT tem previsão de temporais para o fim de semana

Precipitações no local já atrapalharam o embarque de gado gordo desde a última semana, quando chegaram a 150 mm; saiba como se programar para evitar problemas com o transporte

Escrituração zootécnica: como transformar dados em atitudes na fazenda?

Anotar é importante, mas ainda são poucos os pecuaristas que registram seus indicadores mais importantes. Se você não faz escrituração zootécnica na sua fazenda, veja as dicas de Antônio Chaker

Confira as fazendas em destaque do dia 18 de janeiro de 2019

Fazendas nos estados do Rondônia, São Paulo Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Reposicionamento no mercado global da carne: uma oportunidade

21 março 2016
volumoso-concentrado

Por Jerry O’Callaghan, diretor de Relações com o Investidor da JBS

O Brasil começou a fornecer carne bovina de forma relevante no início dos anos 1980. Havia disputa entre Argentina e Inglaterra pelas Ilhas Malvinas e a postura tida como agressiva da Argentina prejudicou suas exportações. Os sul-americanos amargaram um tipo de bloqueio para carne enlatada, cozida, congelada e cortes nobres. Oportunidade para o Brasil. A indústria, após domínio de multinacionais (Swift, Armour, Wilson e Anglo) e liderada pela primeira vez por brasileiros (Bordon, Mouran, Sola e Kaiowa), estava preparada. Países como Nigéria, Iraque e Hong Kong aumentaram a demanda e logo a Europa se mostrou promissora, pois lá se produzia carne inferior por domínio de raças leiteiras.

Crescia a demanda para carnes superiores e o Brasil conquistou espaço. Mas veio a vaca louca e modificou a mentalidade dos consumidores. Além disso, a Europa restringiu sua produção de sorte a não premiar volume, mas conservação ambiental. Menos subsídios e mais controle eram a ordem. Enquanto a renda do produtor diminuía, crescia a preocupação com importações.

A rastreabilidade virou arma para limitá-las e o Brasil, alvo de legislação draconiana, diminuiu o volume exportado para quem mais comprava carnes nobres: de 350 mil toneladas em 2007, a Europa passou a comprar perto de 50 mil toneladas em 2009. Então, cresceu a demanda para nossa carne em países menos preocupados com qualidade e mais com preço, como no Norte de África, Oriente Médio e União Soviética. Os preços da carne de qualidade e da commodity se aproximaram, pois faltou opção para vender cortes nobres.

Hoje podemos ter abertura de mercados como China e EUA, mas ainda não temos solução para escoar cortes nobres em volumes que trariam valor para a cadeia, com premiações para o gado jovem e bem acabado, condizente com o custo de produzi-lo.

Coincidência ou não, em abril, a Europa mudou a legislação. Cotas que limitavam rebanho e produção de leite foram abolidas e mais gado leiteiro implica  menos gado de corte. O Brasil, que não devia aceitar aquela legislação de 2008, tem oportunidade de revisitar a questão para corrigir a injustiça. Com pecuaristas informados e equipados para produzir o boi de sucesso, que merece um preço condizente, podemos servir quem está disposto a pagar. É necessário abrir acordos bilaterais com urgência. Temos vocação para produzir alimentos baratos e de qualidade e não devemos restringir a união com vizinhos do Mercosul. Temos estatura para falar por nós e o caso da carne para Europa seria um bom começo.

VEJA TAMBÉM

Fazendas nos estados do Pará, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Precipitações no local já atrapalharam o embarque de gado gordo desde a última semana, quando chegaram a 150 mm; saiba como se programar para evitar problemas com o transporte

Anotar é importante, mas ainda são poucos os pecuaristas que registram seus indicadores mais importantes. Se você não faz escrituração zootécnica na sua fazenda, veja as dicas de Antônio Chaker

Fazendas nos estados do Rondônia, São Paulo Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Fêmeas vieram de fazenda no Mato Grosso e alcançaram a marca de 100% Verde no Farol da Qualidade

Consultor relata problemas para produtores que não concluíram seu Cadastro Ambiental Rural e explica ainda a prorrogação da adesão ao Programa de Regularização Ambiental, o PRA

Fazendas nos estados do Pará, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Publicação está em consonância com os manuais de boas práticas de manejo lançados e atualizados pelo Grupo Etco e reúnes as informações mais importantes de cada um dos livretos; faça o download

Pecuarista deve fazer download do Termo de Adesão e entregar assinado aos compradores de gado das unidades da indústria; veja como tirar suas dúvidas sobre o processo

Cartaz traz dicas para a peonada manejar o gado de acordo com as boas práticas; faça o download para impressão e distribua pelas instalações de sua propriedade

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE