8 passos para inserir sua fazenda na Lista Trace

18 julho 2019
rastreabilidade-gado-de-corte-sao-paulo-eras-sisbov

Em entrevista ao Giro do Boi desta quinta, dia 18, o zootecnista Sérgio Ribas, sócio diretor do Serviço Brasileiro de Certificações, o SBC, explicou o passo a passo que o pecuarista pode seguir para habilitar sua fazenda na Lista Trace, a Lista de estabelecimentos rurais aprovados (ERAS) aptos a exportar à União Europeia do Sistema Brasileiro de Identificação Individual de Bovinos e Búfalos, o Sisbov.

Atualmente o país tem cerca de 1.700 propriedade habilitadas para este mercado, totalizando um total de 4,5 milhões de cabeças. “O boi que é entregue à indústria é desmontado em diversas peças e os principais cortes que vão para a Europa. Então este número de 4,5 milhões de cabeças é bem pouco mesmo porque vão quatro ou cinco cortes só para a Europa, então realmente a gente precisa aumentar este número”, opinou Ribas.

O zootecnista afirmou que nos últimos dois a três anos os pecuaristas aumentaram a demanda pelos serviços de certificação pelo incentivo que recebe para a comercialização de animais habilitados. “Pagando-se melhor pela arroba do boi, o produtor vai atrás da certificação. E é o que está acontecendo hoje. As indústrias estão pagando mais pela arroba do boi Europa, além dos prêmios como Cota Hilton e os protocolos que cada empresa tem, e isto tem aumentado o interesse do produtor em aderir ao Sisbov”, comentou. A adesão ao Sisbov, segundo o zootecnista, varia de 10% a 15% do prêmio que recebe o produtor na venda dos lotes de boi Europa.

Ribas fez um resumo de oito etapas que o produtor deve seguir para que tenha sua fazenda habilitada na Lista Trace, do Sisbov.

– Buscar uma certificadora credenciada junto ao Mapa – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;
– Preencher os documentos de cadastro fornecidos pela certificadora;
– Feito este cadastro no Sisbov e no Ministério, a certificadora faz o pedido dos brincos;
– Quando chegam os brincos, o pecuarista deve fazer um inventário de seu rebanho, pois é necessário brincar 100% dos animais da fazenda;
– Depois, o produtor volta a buscar a certificadora para que seja feita a primeira inspeção, que gera prazos e processos referentes à noventena dos animais e de renovação/emissão do certificado;
– Depois disto é agendada uma segunda inspeção para que, estando tudo conforme, agende-se a auditoria do Mapa;
– Com esta auditoria feita, estando tudo conforme, a documentação é encaminhada para a sede do Mapa em Brasília-DF para que a fazenda faça parte da Lista Trace;
– Quando a fazenda já consta nesta Lista Trace, já é possível negociar os animais com as indústrias.

Veja a entrevista completa com o zootecnista Sérgio Ribas no Giro do Boi desta quinta, 18:

VEJA TAMBÉM

SP e MG devem ter chuvas acima dos 100 mm nos próximos dias

Precipitações podem passar dos 200 mm em pontos localizados de Minas; pancadas devem se estender também para GO, TO, Matopiba, oeste da BA e leste do MT

Treinamentos de motoristas garantem bem-estar no transporte de gado

Além do conforto dos animais, capacitações mensais abordam também medidas de segurança na condução dos veículos ao longo do trajeto

Confira os lotes em destaque do dia 24 de janeiro de 2020

Lotes de propriedades em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Qual é o grande desafio estrutural da pecuária nos próximos anos?

Consultor destaca que para ganhar competitividade frente às proteínas concorrentes, pecuária de corte precisa de integração e salto da eficiência

8 passos para inserir sua fazenda na Lista Trace

18 julho 2019
rastreabilidade-gado-de-corte-sao-paulo-eras-sisbov

Em entrevista ao Giro do Boi desta quinta, dia 18, o zootecnista Sérgio Ribas, sócio diretor do Serviço Brasileiro de Certificações, o SBC, explicou o passo a passo que o pecuarista pode seguir para habilitar sua fazenda na Lista Trace, a Lista de estabelecimentos rurais aprovados (ERAS) aptos a exportar à União Europeia do Sistema Brasileiro de Identificação Individual de Bovinos e Búfalos, o Sisbov.

Atualmente o país tem cerca de 1.700 propriedade habilitadas para este mercado, totalizando um total de 4,5 milhões de cabeças. “O boi que é entregue à indústria é desmontado em diversas peças e os principais cortes que vão para a Europa. Então este número de 4,5 milhões de cabeças é bem pouco mesmo porque vão quatro ou cinco cortes só para a Europa, então realmente a gente precisa aumentar este número”, opinou Ribas.

O zootecnista afirmou que nos últimos dois a três anos os pecuaristas aumentaram a demanda pelos serviços de certificação pelo incentivo que recebe para a comercialização de animais habilitados. “Pagando-se melhor pela arroba do boi, o produtor vai atrás da certificação. E é o que está acontecendo hoje. As indústrias estão pagando mais pela arroba do boi Europa, além dos prêmios como Cota Hilton e os protocolos que cada empresa tem, e isto tem aumentado o interesse do produtor em aderir ao Sisbov”, comentou. A adesão ao Sisbov, segundo o zootecnista, varia de 10% a 15% do prêmio que recebe o produtor na venda dos lotes de boi Europa.

Ribas fez um resumo de oito etapas que o produtor deve seguir para que tenha sua fazenda habilitada na Lista Trace, do Sisbov.

– Buscar uma certificadora credenciada junto ao Mapa – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;
– Preencher os documentos de cadastro fornecidos pela certificadora;
– Feito este cadastro no Sisbov e no Ministério, a certificadora faz o pedido dos brincos;
– Quando chegam os brincos, o pecuarista deve fazer um inventário de seu rebanho, pois é necessário brincar 100% dos animais da fazenda;
– Depois, o produtor volta a buscar a certificadora para que seja feita a primeira inspeção, que gera prazos e processos referentes à noventena dos animais e de renovação/emissão do certificado;
– Depois disto é agendada uma segunda inspeção para que, estando tudo conforme, agende-se a auditoria do Mapa;
– Com esta auditoria feita, estando tudo conforme, a documentação é encaminhada para a sede do Mapa em Brasília-DF para que a fazenda faça parte da Lista Trace;
– Quando a fazenda já consta nesta Lista Trace, já é possível negociar os animais com as indústrias.

Veja a entrevista completa com o zootecnista Sérgio Ribas no Giro do Boi desta quinta, 18:

VEJA TAMBÉM

Precipitações podem passar dos 200 mm em pontos localizados de Minas; pancadas devem se estender também para GO, TO, Matopiba, oeste da BA e leste do MT

Além do conforto dos animais, capacitações mensais abordam também medidas de segurança na condução dos veículos ao longo do trajeto

Lotes de propriedades em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Consultor destaca que para ganhar competitividade frente às proteínas concorrentes, pecuária de corte precisa de integração e salto da eficiência

Sujeira e até pH inadequado interferem na eficácia do defensivo usado no controle de plantas daninhas nas pastagens

Lotes de propriedades em Minas Gerais, Pará, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Precipitações podem passar dos 200 mm em pontos localizados de Minas; pancadas devem se estender também para GO, TO, Matopiba, oeste da BA e leste do MT

Sujeira e até pH inadequado interferem na eficácia do defensivo usado no controle de plantas daninhas nas pastagens

5ª geração em uma família de produtores rurais, Mateus Arantes desenvolveu sistema de integração com plantio direto para solos arenosos

Envie sua pergunta sobre cruzamento industrial de gado de corte para receber as dicas no novo quadro ‘Zadra Responde’

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE