8 passos para inserir sua fazenda na Lista Trace

18 julho 2019
rastreabilidade-gado-de-corte-sao-paulo-eras-sisbov

Em entrevista ao Giro do Boi desta quinta, dia 18, o zootecnista Sérgio Ribas, sócio diretor do Serviço Brasileiro de Certificações, o SBC, explicou o passo a passo que o pecuarista pode seguir para habilitar sua fazenda na Lista Trace, a Lista de estabelecimentos rurais aprovados (ERAS) aptos a exportar à União Europeia do Sistema Brasileiro de Identificação Individual de Bovinos e Búfalos, o Sisbov.

Atualmente o país tem cerca de 1.700 propriedade habilitadas para este mercado, totalizando um total de 4,5 milhões de cabeças. “O boi que é entregue à indústria é desmontado em diversas peças e os principais cortes que vão para a Europa. Então este número de 4,5 milhões de cabeças é bem pouco mesmo porque vão quatro ou cinco cortes só para a Europa, então realmente a gente precisa aumentar este número”, opinou Ribas.

O zootecnista afirmou que nos últimos dois a três anos os pecuaristas aumentaram a demanda pelos serviços de certificação pelo incentivo que recebe para a comercialização de animais habilitados. “Pagando-se melhor pela arroba do boi, o produtor vai atrás da certificação. E é o que está acontecendo hoje. As indústrias estão pagando mais pela arroba do boi Europa, além dos prêmios como Cota Hilton e os protocolos que cada empresa tem, e isto tem aumentado o interesse do produtor em aderir ao Sisbov”, comentou. A adesão ao Sisbov, segundo o zootecnista, varia de 10% a 15% do prêmio que recebe o produtor na venda dos lotes de boi Europa.

Ribas fez um resumo de oito etapas que o produtor deve seguir para que tenha sua fazenda habilitada na Lista Trace, do Sisbov.

– Buscar uma certificadora credenciada junto ao Mapa – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;
– Preencher os documentos de cadastro fornecidos pela certificadora;
– Feito este cadastro no Sisbov e no Ministério, a certificadora faz o pedido dos brincos;
– Quando chegam os brincos, o pecuarista deve fazer um inventário de seu rebanho, pois é necessário brincar 100% dos animais da fazenda;
– Depois, o produtor volta a buscar a certificadora para que seja feita a primeira inspeção, que gera prazos e processos referentes à noventena dos animais e de renovação/emissão do certificado;
– Depois disto é agendada uma segunda inspeção para que, estando tudo conforme, agende-se a auditoria do Mapa;
– Com esta auditoria feita, estando tudo conforme, a documentação é encaminhada para a sede do Mapa em Brasília-DF para que a fazenda faça parte da Lista Trace;
– Quando a fazenda já consta nesta Lista Trace, já é possível negociar os animais com as indústrias.

Veja a entrevista completa com o zootecnista Sérgio Ribas no Giro do Boi desta quinta, 18:

VEJA TAMBÉM

Calor e tempo seco predominam sobre o Brasil Central nos próximos dias

Região já está há praticamente três meses sem chuvas; no Sul, chegada de frente fria traz geadas para o RS, SC e divisa do PR com SP

Vencedores da maior etapa do Circuito Nelore de Qualidade em 2019 são revelados

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Três dicas para ganhar dinheiro com confinamento de gado de corte

Pesquisador da Embrapa afirma que pecuarista deve fugir das “receitas de bolo” para não perder oportunidades de buscar ingredientes alternativos no mercado

Novilhas recebem bônus superior a R$ 20 por arroba pela qualidade

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

8 passos para inserir sua fazenda na Lista Trace

18 julho 2019
rastreabilidade-gado-de-corte-sao-paulo-eras-sisbov

Em entrevista ao Giro do Boi desta quinta, dia 18, o zootecnista Sérgio Ribas, sócio diretor do Serviço Brasileiro de Certificações, o SBC, explicou o passo a passo que o pecuarista pode seguir para habilitar sua fazenda na Lista Trace, a Lista de estabelecimentos rurais aprovados (ERAS) aptos a exportar à União Europeia do Sistema Brasileiro de Identificação Individual de Bovinos e Búfalos, o Sisbov.

Atualmente o país tem cerca de 1.700 propriedade habilitadas para este mercado, totalizando um total de 4,5 milhões de cabeças. “O boi que é entregue à indústria é desmontado em diversas peças e os principais cortes que vão para a Europa. Então este número de 4,5 milhões de cabeças é bem pouco mesmo porque vão quatro ou cinco cortes só para a Europa, então realmente a gente precisa aumentar este número”, opinou Ribas.

O zootecnista afirmou que nos últimos dois a três anos os pecuaristas aumentaram a demanda pelos serviços de certificação pelo incentivo que recebe para a comercialização de animais habilitados. “Pagando-se melhor pela arroba do boi, o produtor vai atrás da certificação. E é o que está acontecendo hoje. As indústrias estão pagando mais pela arroba do boi Europa, além dos prêmios como Cota Hilton e os protocolos que cada empresa tem, e isto tem aumentado o interesse do produtor em aderir ao Sisbov”, comentou. A adesão ao Sisbov, segundo o zootecnista, varia de 10% a 15% do prêmio que recebe o produtor na venda dos lotes de boi Europa.

Ribas fez um resumo de oito etapas que o produtor deve seguir para que tenha sua fazenda habilitada na Lista Trace, do Sisbov.

– Buscar uma certificadora credenciada junto ao Mapa – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;
– Preencher os documentos de cadastro fornecidos pela certificadora;
– Feito este cadastro no Sisbov e no Ministério, a certificadora faz o pedido dos brincos;
– Quando chegam os brincos, o pecuarista deve fazer um inventário de seu rebanho, pois é necessário brincar 100% dos animais da fazenda;
– Depois, o produtor volta a buscar a certificadora para que seja feita a primeira inspeção, que gera prazos e processos referentes à noventena dos animais e de renovação/emissão do certificado;
– Depois disto é agendada uma segunda inspeção para que, estando tudo conforme, agende-se a auditoria do Mapa;
– Com esta auditoria feita, estando tudo conforme, a documentação é encaminhada para a sede do Mapa em Brasília-DF para que a fazenda faça parte da Lista Trace;
– Quando a fazenda já consta nesta Lista Trace, já é possível negociar os animais com as indústrias.

Veja a entrevista completa com o zootecnista Sérgio Ribas no Giro do Boi desta quinta, 18:

VEJA TAMBÉM

Região já está há praticamente três meses sem chuvas; no Sul, chegada de frente fria traz geadas para o RS, SC e divisa do PR com SP

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Pesquisador da Embrapa afirma que pecuarista deve fugir das “receitas de bolo” para não perder oportunidades de buscar ingredientes alternativos no mercado

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Segundo zootecnista Antônio Chaker, o potencial de retorno financeiro da cria é de 35%; veja passo a passo para reverter o quadro

Fazendas localizadas em Tocantins, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Segundo zootecnista Antônio Chaker, o potencial de retorno financeiro da cria é de 35%; veja passo a passo para reverter o quadro

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Grupo de novilhas meio-sangue Angus de propriedade em Botucatu-SP marcou 100% Verde no Farol da Qualidade e segue para disputa de melhor do mês

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE