Agro brasileiro é carro esportivo com freio de mão puxado, comparam estrangeiros

13 agosto 2019
fazendas-do-para-valadares-maraba-edmilson-duarte-40-arrobas-hectare-ano

“É um Porsche a 4.000 giros, engatado com a primeira, mas com o freio de mão puxado. E que a gente está prestes a soltar este freio de mão a qualquer momento, então ninguém segura”. Foi isto que o engenheiro agrônomo, mestre e doutor em tecnologia de aplicação de produtos fitossanitários Henrique Campos, da empresa de consultoria Sabri – Sabedoria Agrícola, escutou de um profissional dos Estados Unidos sobre a agropecuária brasileira.

Campos voltou ao Brasil depois de uma expedição de dois meses por países tradicionais na produção de carne bovina ou com mercado consumidor em desenvolvimento da Ásia, América do Norte e Europa, passando por China, Singapura, Filipinas, Hong Kong, Irlanda, Alemanha e Estados Unidos.

“Dentro desse giro todo, (chamou atenção) o medo que o mundo agrícola tem do Brasil com relação ao nosso potencial”, frisou o agrônomo. “Um detalhe que chamou mais atenção é como esses países desenvolvidos já estão no seu limite e como o Brasil está apenas começando”, completou.

Para Campos, o setor de produção de carne bovina no Brasil deve apostar no desenvolvimento do setor por meio de tecnologias que elevem a produtividade com custo baixo e qualidade de produto. Isto porque há uma grande janela de oportunidades que ele visualizou em sua expedição. “O mercado da Ásia está buscando esta fonte de proteína, um mercado já desenvolvido como nos Estados Unidos já está em seu teto produtivo, está no máximo ali, e Europa com um sistema de produção inviável. Então há uma oportunidade de vender para estar mercado europeu exigente, de vender para este mercado asiático produzindo de uma maneira muito mais barata que o mundo inteiro conseguiria”, resumiu.

Veja a entrevista completa com Henrique Campos pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Pecuarista conta como superou desafio da limpeza de pasto na Região Norte

Com “eficiência e sustentabilidade”, produtor de Araguaína-TO afirmou que nova tecnologia contribuiu para controlar as plantas daninhas

Prêmio de melhor lote de novembro vai para fazenda de SP

Novilhas meio-sangue Angus gabaritaram o Farol da Qualidade e foram classificadas no Protocolo 1953

Fim de semana terá virada do tempo no Sul e temporais entre MG, GO, MS e MT

Além do volume expressivo de chuvas, temporal deve ser acompanhado por granizo; no Sul, não é descartada também a possibilidade de tempestades

Chuva engrossa e deixa em alerta pecuaristas do norte do MT e RO

Transporte boiadeiro tem mais obstáculos com acúmulo de água nas estradas de terra; veja o que produtor pode fazer para amenizar as dificuldades

Agro brasileiro é carro esportivo com freio de mão puxado, comparam estrangeiros

13 agosto 2019
fazendas-do-para-valadares-maraba-edmilson-duarte-40-arrobas-hectare-ano

“É um Porsche a 4.000 giros, engatado com a primeira, mas com o freio de mão puxado. E que a gente está prestes a soltar este freio de mão a qualquer momento, então ninguém segura”. Foi isto que o engenheiro agrônomo, mestre e doutor em tecnologia de aplicação de produtos fitossanitários Henrique Campos, da empresa de consultoria Sabri – Sabedoria Agrícola, escutou de um profissional dos Estados Unidos sobre a agropecuária brasileira.

Campos voltou ao Brasil depois de uma expedição de dois meses por países tradicionais na produção de carne bovina ou com mercado consumidor em desenvolvimento da Ásia, América do Norte e Europa, passando por China, Singapura, Filipinas, Hong Kong, Irlanda, Alemanha e Estados Unidos.

“Dentro desse giro todo, (chamou atenção) o medo que o mundo agrícola tem do Brasil com relação ao nosso potencial”, frisou o agrônomo. “Um detalhe que chamou mais atenção é como esses países desenvolvidos já estão no seu limite e como o Brasil está apenas começando”, completou.

Para Campos, o setor de produção de carne bovina no Brasil deve apostar no desenvolvimento do setor por meio de tecnologias que elevem a produtividade com custo baixo e qualidade de produto. Isto porque há uma grande janela de oportunidades que ele visualizou em sua expedição. “O mercado da Ásia está buscando esta fonte de proteína, um mercado já desenvolvido como nos Estados Unidos já está em seu teto produtivo, está no máximo ali, e Europa com um sistema de produção inviável. Então há uma oportunidade de vender para estar mercado europeu exigente, de vender para este mercado asiático produzindo de uma maneira muito mais barata que o mundo inteiro conseguiria”, resumiu.

Veja a entrevista completa com Henrique Campos pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Com “eficiência e sustentabilidade”, produtor de Araguaína-TO afirmou que nova tecnologia contribuiu para controlar as plantas daninhas

Novilhas meio-sangue Angus gabaritaram o Farol da Qualidade e foram classificadas no Protocolo 1953

Além do volume expressivo de chuvas, temporal deve ser acompanhado por granizo; no Sul, não é descartada também a possibilidade de tempestades

Transporte boiadeiro tem mais obstáculos com acúmulo de água nas estradas de terra; veja o que produtor pode fazer para amenizar as dificuldades

Fazenda localizada em Aquidauana, no Mato Grosso do Sul, foi destaque do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade.

Raça é uma grande máquina de fazer carne com base no capim e no sal mineral, reforçou executivo da ACNB em balanço do Circuito Nelore 2019

Com “eficiência e sustentabilidade”, produtor de Araguaína-TO afirmou que nova tecnologia contribuiu para controlar as plantas daninhas

Além do volume expressivo de chuvas, temporal deve ser acompanhado por granizo; no Sul, não é descartada também a possibilidade de tempestades

Transporte boiadeiro tem mais obstáculos com acúmulo de água nas estradas de terra; veja o que produtor pode fazer para amenizar as dificuldades

Raça é uma grande máquina de fazer carne com base no capim e no sal mineral, reforçou executivo da ACNB em balanço do Circuito Nelore 2019

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE