Agro brasileiro é carro esportivo com freio de mão puxado, comparam estrangeiros

13 agosto 2019
fazendas-do-para-valadares-maraba-edmilson-duarte-40-arrobas-hectare-ano

“É um Porsche a 4.000 giros, engatado com a primeira, mas com o freio de mão puxado. E que a gente está prestes a soltar este freio de mão a qualquer momento, então ninguém segura”. Foi isto que o engenheiro agrônomo, mestre e doutor em tecnologia de aplicação de produtos fitossanitários Henrique Campos, da empresa de consultoria Sabri – Sabedoria Agrícola, escutou de um profissional dos Estados Unidos sobre a agropecuária brasileira.

Campos voltou ao Brasil depois de uma expedição de dois meses por países tradicionais na produção de carne bovina ou com mercado consumidor em desenvolvimento da Ásia, América do Norte e Europa, passando por China, Singapura, Filipinas, Hong Kong, Irlanda, Alemanha e Estados Unidos.

“Dentro desse giro todo, (chamou atenção) o medo que o mundo agrícola tem do Brasil com relação ao nosso potencial”, frisou o agrônomo. “Um detalhe que chamou mais atenção é como esses países desenvolvidos já estão no seu limite e como o Brasil está apenas começando”, completou.

Para Campos, o setor de produção de carne bovina no Brasil deve apostar no desenvolvimento do setor por meio de tecnologias que elevem a produtividade com custo baixo e qualidade de produto. Isto porque há uma grande janela de oportunidades que ele visualizou em sua expedição. “O mercado da Ásia está buscando esta fonte de proteína, um mercado já desenvolvido como nos Estados Unidos já está em seu teto produtivo, está no máximo ali, e Europa com um sistema de produção inviável. Então há uma oportunidade de vender para estar mercado europeu exigente, de vender para este mercado asiático produzindo de uma maneira muito mais barata que o mundo inteiro conseguiria”, resumiu.

Veja a entrevista completa com Henrique Campos pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Calor e tempo seco predominam sobre o Brasil Central nos próximos dias

Região já está há praticamente três meses sem chuvas; no Sul, chegada de frente fria traz geadas para o RS, SC e divisa do PR com SP

Vencedores da maior etapa do Circuito Nelore de Qualidade em 2019 são revelados

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Três dicas para ganhar dinheiro com confinamento de gado de corte

Pesquisador da Embrapa afirma que pecuarista deve fugir das “receitas de bolo” para não perder oportunidades de buscar ingredientes alternativos no mercado

Novilhas recebem bônus superior a R$ 20 por arroba pela qualidade

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Agro brasileiro é carro esportivo com freio de mão puxado, comparam estrangeiros

13 agosto 2019
fazendas-do-para-valadares-maraba-edmilson-duarte-40-arrobas-hectare-ano

“É um Porsche a 4.000 giros, engatado com a primeira, mas com o freio de mão puxado. E que a gente está prestes a soltar este freio de mão a qualquer momento, então ninguém segura”. Foi isto que o engenheiro agrônomo, mestre e doutor em tecnologia de aplicação de produtos fitossanitários Henrique Campos, da empresa de consultoria Sabri – Sabedoria Agrícola, escutou de um profissional dos Estados Unidos sobre a agropecuária brasileira.

Campos voltou ao Brasil depois de uma expedição de dois meses por países tradicionais na produção de carne bovina ou com mercado consumidor em desenvolvimento da Ásia, América do Norte e Europa, passando por China, Singapura, Filipinas, Hong Kong, Irlanda, Alemanha e Estados Unidos.

“Dentro desse giro todo, (chamou atenção) o medo que o mundo agrícola tem do Brasil com relação ao nosso potencial”, frisou o agrônomo. “Um detalhe que chamou mais atenção é como esses países desenvolvidos já estão no seu limite e como o Brasil está apenas começando”, completou.

Para Campos, o setor de produção de carne bovina no Brasil deve apostar no desenvolvimento do setor por meio de tecnologias que elevem a produtividade com custo baixo e qualidade de produto. Isto porque há uma grande janela de oportunidades que ele visualizou em sua expedição. “O mercado da Ásia está buscando esta fonte de proteína, um mercado já desenvolvido como nos Estados Unidos já está em seu teto produtivo, está no máximo ali, e Europa com um sistema de produção inviável. Então há uma oportunidade de vender para estar mercado europeu exigente, de vender para este mercado asiático produzindo de uma maneira muito mais barata que o mundo inteiro conseguiria”, resumiu.

Veja a entrevista completa com Henrique Campos pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Região já está há praticamente três meses sem chuvas; no Sul, chegada de frente fria traz geadas para o RS, SC e divisa do PR com SP

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Pesquisador da Embrapa afirma que pecuarista deve fugir das “receitas de bolo” para não perder oportunidades de buscar ingredientes alternativos no mercado

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Segundo zootecnista Antônio Chaker, o potencial de retorno financeiro da cria é de 35%; veja passo a passo para reverter o quadro

Fazendas localizadas em Tocantins, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Segundo zootecnista Antônio Chaker, o potencial de retorno financeiro da cria é de 35%; veja passo a passo para reverter o quadro

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Grupo de novilhas meio-sangue Angus de propriedade em Botucatu-SP marcou 100% Verde no Farol da Qualidade e segue para disputa de melhor do mês

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE