“Bombardeado” por números, desafio do produtor é transformar dados em informação e resultados

04 outubro 2019
pecuaria-4-0-dados-informacao-decisao

A pecuária de precisão está transformando o modo como os produtores gerenciam seu negócio para muito melhor. Mas ao passo que a automação aumenta o volume de dados capturados e diminui a velocidade com que são repassados a quem os analisa, traz um desafio sobre a capacidade de usá-los do melhor modo na forma de tomadas de decisões. Foi este o tema de mais um capítulo da série especial Embrapa em Ação, gravada na sede da Embrapa Pecuária Sudeste em São Carlos-SP.

“A agricultura de precisão mostrou que existe esta variabilidade no campo utilizando sensores, equipamentos muito conectados e que conseguiram levantar um grande volume de dados. Aí veio a pecuária de precisão também identificando animal por animal, mostrando que existe variação de um indivíduo para o outro e dando informação para a gente conseguir tratar esses animais individualmente, não mais pelo lote”, explicou o pesquisador da unidade, Alberto Bernardi.

Já o supervisor do núcleo de tecnologia da informação da unidade, Adilson Guimarães, esclareceu como isto impacta no dia a dia dos profissionais do campo, desde os pesquisadores até pecuaristas e a sociedade de maneira geral. “Não há mais necessidade de pegar cadeirinha, a prancheta e ficar sentado olhando, observando animais, se eles estão na sombra, no sol, se está se deslocando ou parado. Ou seja, sensores fazem isto, coletam esta informação instantânea. O volume de dados é muito maior, mas a gente utiliza este tempo deste profissional para analisar estes dados e transformar em informação para o produtor, para a sociedade”, disse à reportagem

Esta velocidade, no entanto, é que acaba estimulando mudanças na forma como a decisão é tomada. Para fazer esta transição da melhor forma, Bernardi recomendou o auxílio de dois tipos de profissional: o técnico do campo e um especialista em tecnologia da informação também. “A gente está sendo bombardeado por um grande volume de dados a todo momento. Na parte animal a gente tem informação de sensores de localização, de comportamento animal, medidas fisiológicas como temperatura, de comportamento, ingestão de alimentos, então é muito dado que está chegando. O desafio está em como trabalhar estes dados, como transformar estes dados em resultado e em informação. E aí que está o papel importante do técnico, do agrônomo, do veterinário, do zootecnista, mas a gente não vai conseguir fazer isto sozinho. Nós precisamos de outros profissionais, e aí entram os profissionais da tecnologia da informação” disse.

Veja a reportagem completa pelo vídeo abaixo:

Foto: Lilian Alves / reprodução Embrapa

VEJA TAMBÉM

Aprendendo a ensinar: veja resultados do Bifequali, programa de capacitação da Embrapa

Benefício econômico acumulado pelo programa entre os anos de 2013 e 2018 já ultrapassou marca dos R$ 23 milhões

Confira o último classificado para votação do melhor lote de novembro

Grupo de novilhas Caracu que marcou 88% Verde no Farol da Qualidade fechou o páreo para a eleição do melhor lote do mês

Canal de umidade leva chuvas desde o Brasil Central até litoral do Sudeste

Em comportamento típico do clima de verão, pancadas de chuva começam a partir do fim de tarde e atingem MT, MS, GO, TO, MG, BA e litoral no RJ e ES

Carretas adaptadas a condições locais melhoram transporte boiadeiro

Veículos que se ajustam aos tipos de estradas e demandas de cada região, além de capacitação dos motoristas, reforçam segurança das viagens

“Bombardeado” por números, desafio do produtor é transformar dados em informação e resultados

04 outubro 2019
pecuaria-4-0-dados-informacao-decisao

A pecuária de precisão está transformando o modo como os produtores gerenciam seu negócio para muito melhor. Mas ao passo que a automação aumenta o volume de dados capturados e diminui a velocidade com que são repassados a quem os analisa, traz um desafio sobre a capacidade de usá-los do melhor modo na forma de tomadas de decisões. Foi este o tema de mais um capítulo da série especial Embrapa em Ação, gravada na sede da Embrapa Pecuária Sudeste em São Carlos-SP.

“A agricultura de precisão mostrou que existe esta variabilidade no campo utilizando sensores, equipamentos muito conectados e que conseguiram levantar um grande volume de dados. Aí veio a pecuária de precisão também identificando animal por animal, mostrando que existe variação de um indivíduo para o outro e dando informação para a gente conseguir tratar esses animais individualmente, não mais pelo lote”, explicou o pesquisador da unidade, Alberto Bernardi.

Já o supervisor do núcleo de tecnologia da informação da unidade, Adilson Guimarães, esclareceu como isto impacta no dia a dia dos profissionais do campo, desde os pesquisadores até pecuaristas e a sociedade de maneira geral. “Não há mais necessidade de pegar cadeirinha, a prancheta e ficar sentado olhando, observando animais, se eles estão na sombra, no sol, se está se deslocando ou parado. Ou seja, sensores fazem isto, coletam esta informação instantânea. O volume de dados é muito maior, mas a gente utiliza este tempo deste profissional para analisar estes dados e transformar em informação para o produtor, para a sociedade”, disse à reportagem

Esta velocidade, no entanto, é que acaba estimulando mudanças na forma como a decisão é tomada. Para fazer esta transição da melhor forma, Bernardi recomendou o auxílio de dois tipos de profissional: o técnico do campo e um especialista em tecnologia da informação também. “A gente está sendo bombardeado por um grande volume de dados a todo momento. Na parte animal a gente tem informação de sensores de localização, de comportamento animal, medidas fisiológicas como temperatura, de comportamento, ingestão de alimentos, então é muito dado que está chegando. O desafio está em como trabalhar estes dados, como transformar estes dados em resultado e em informação. E aí que está o papel importante do técnico, do agrônomo, do veterinário, do zootecnista, mas a gente não vai conseguir fazer isto sozinho. Nós precisamos de outros profissionais, e aí entram os profissionais da tecnologia da informação” disse.

Veja a reportagem completa pelo vídeo abaixo:

Foto: Lilian Alves / reprodução Embrapa

VEJA TAMBÉM

Benefício econômico acumulado pelo programa entre os anos de 2013 e 2018 já ultrapassou marca dos R$ 23 milhões

Grupo de novilhas Caracu que marcou 88% Verde no Farol da Qualidade fechou o páreo para a eleição do melhor lote do mês

Em comportamento típico do clima de verão, pancadas de chuva começam a partir do fim de tarde e atingem MT, MS, GO, TO, MG, BA e litoral no RJ e ES

Veículos que se ajustam aos tipos de estradas e demandas de cada região, além de capacitação dos motoristas, reforçam segurança das viagens

Fazenda localizada em Nova Lacerda, no Mato Grosso, foi destaque do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade

Consultor responde qual a maior “planta daninha” do mundo e compara eficácia das roçadas com herbicidas

Em comportamento típico do clima de verão, pancadas de chuva começam a partir do fim de tarde e atingem MT, MS, GO, TO, MG, BA e litoral no RJ e ES

Benefício econômico acumulado pelo programa entre os anos de 2013 e 2018 já ultrapassou marca dos R$ 23 milhões

Com o desafio de otimizar o uso da terra, propriedade em Serra Nova Dourada-MT saiu da cria para a recria-engorda utilizando confinamento com grão inteiro

Veículos que se ajustam aos tipos de estradas e demandas de cada região, além de capacitação dos motoristas, reforçam segurança das viagens

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE