Com “simbiose” lavoura-pecuária, fazenda no MT aumentou em mais de 40 vezes a produção de alimentos em dez anos

05 fevereiro 2019
grupo-roncador-simbiose-lavoura-pecuaria

Com a necessidade de aumentar sua produtividade para continuar competitiva dentro do agronegócio, uma propriedade do Vale do Araguaia mato-grossense foi além do conceito usual de integração lavoura-pecuária. Na cidade de Querência, onde se localiza a Fazenda Roncador, o sistema de produção foi se moldando até que saltasse de uma produção anual de 4,2 mil toneladas de carne em 2008 para 5,6 mil toneladas de carne mais 170 mil toneladas de soja dentro da mesma área em 2018, um aumento de mais de 41 vezes na produção total de alimentos em dez anos.

Quem contou esta história nesta terça, 05, ao Giro do Boi foi o presidente do Grupo Roncador, Pelerson Penido. Ele relembrou que, em 2008, a fazenda foi deixando para trás um sistema extensivo de ciclo completo para formar suas duas primeiras linhas de confinamento e plantar os primeiros 600 hectares de soja. “De lá para cá, nós fomos aumentando a produtividade, intensificando e construindo o sistema produtivo”, disse em entrevista ao programa.

No conceito que insiste em não chamar de integração, mas “simbiose lavoura-pecuária”, Penido explica que ao se aproximar da colheita da soja, sementes de Brachiaria ruziziensis são lançadas por avião para que já estejam brotadas no pós-colheita. Assim, no período seco do ano, os animais saem das áreas exclusivas de pecuária para se fartarem em 18 mil hectares de pasto intensivo, fruto de um solo extremamente fertilizado pela leguminosa.

A fazenda tem uma área de 152 mil hectares, sendo 80 mil de utilização e 72 mil de florestas. Da área de uso, hoje 45 mil hectares são destinados à lavoura e outros 35 à bovinocultura. Além da pecuária de corte tradicional, o Grupo Roncador buscou agregação de valor aos produtos de suas fazendas. Hoje é a fornecedora do Grupo Pão de Açúcar das carnes de animais Rubia Gallega, comercializadas nos supermercados da companhia.

Com este sistema intensivo – e lucrativo – de produção, o Grupo Roncador liderou a criação da Liga do Araguaia, um grupo que hoje reúne 63 pecuaristas do Médio Araguaia do MT em busca do desenvolvimento sustentável da pecuária de corte da região. “É uma ação com impacto de desenvolvimento regional para levar estes valores de sustentabilidade, de gestão”, resumiu.

+ Veja mais detalhes sobre a atuação da Liga do Araguaia

A entrevista completa com Pelerson Penido pode ser vista pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Confira as fazendas em destaque do dia 23 de abril de 2019

Fazenda nos estados de Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Cenário internacional é favorável para a pecuária brasileira, mas produtor deve estar atento à disputa entre China e EUA

Com os preços dos grãos atrativos e o aumento da demanda mundial por carnes, produtores brasileiros têm boas perspectivas para o mercado em 2019

Confira as fazendas em destaque do dia 22 de abril de 2019

Fazenda nos estados de São Paulo, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Definidos os dois primeiros lotes para a votação do melhor de abril

Lote de novilhas Nelore e outro de fêmeas tricross (Nelore, Angus e Wagyu) seguirão para a eleição no final do mês

Com “simbiose” lavoura-pecuária, fazenda no MT aumentou em mais de 40 vezes a produção de alimentos em dez anos

05 fevereiro 2019
grupo-roncador-simbiose-lavoura-pecuaria

Com a necessidade de aumentar sua produtividade para continuar competitiva dentro do agronegócio, uma propriedade do Vale do Araguaia mato-grossense foi além do conceito usual de integração lavoura-pecuária. Na cidade de Querência, onde se localiza a Fazenda Roncador, o sistema de produção foi se moldando até que saltasse de uma produção anual de 4,2 mil toneladas de carne em 2008 para 5,6 mil toneladas de carne mais 170 mil toneladas de soja dentro da mesma área em 2018, um aumento de mais de 41 vezes na produção total de alimentos em dez anos.

Quem contou esta história nesta terça, 05, ao Giro do Boi foi o presidente do Grupo Roncador, Pelerson Penido. Ele relembrou que, em 2008, a fazenda foi deixando para trás um sistema extensivo de ciclo completo para formar suas duas primeiras linhas de confinamento e plantar os primeiros 600 hectares de soja. “De lá para cá, nós fomos aumentando a produtividade, intensificando e construindo o sistema produtivo”, disse em entrevista ao programa.

No conceito que insiste em não chamar de integração, mas “simbiose lavoura-pecuária”, Penido explica que ao se aproximar da colheita da soja, sementes de Brachiaria ruziziensis são lançadas por avião para que já estejam brotadas no pós-colheita. Assim, no período seco do ano, os animais saem das áreas exclusivas de pecuária para se fartarem em 18 mil hectares de pasto intensivo, fruto de um solo extremamente fertilizado pela leguminosa.

A fazenda tem uma área de 152 mil hectares, sendo 80 mil de utilização e 72 mil de florestas. Da área de uso, hoje 45 mil hectares são destinados à lavoura e outros 35 à bovinocultura. Além da pecuária de corte tradicional, o Grupo Roncador buscou agregação de valor aos produtos de suas fazendas. Hoje é a fornecedora do Grupo Pão de Açúcar das carnes de animais Rubia Gallega, comercializadas nos supermercados da companhia.

Com este sistema intensivo – e lucrativo – de produção, o Grupo Roncador liderou a criação da Liga do Araguaia, um grupo que hoje reúne 63 pecuaristas do Médio Araguaia do MT em busca do desenvolvimento sustentável da pecuária de corte da região. “É uma ação com impacto de desenvolvimento regional para levar estes valores de sustentabilidade, de gestão”, resumiu.

+ Veja mais detalhes sobre a atuação da Liga do Araguaia

A entrevista completa com Pelerson Penido pode ser vista pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Fazenda nos estados de Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Com os preços dos grãos atrativos e o aumento da demanda mundial por carnes, produtores brasileiros têm boas perspectivas para o mercado em 2019

Fazenda nos estados de São Paulo, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Lote de novilhas Nelore e outro de fêmeas tricross (Nelore, Angus e Wagyu) seguirão para a eleição no final do mês

O presidente da Friboi no Brasil, Renato Costa, também disse que esta celebração do primeiro ano da marca de carnes 1953 atende às necessidades do consumidor que está cada vez mais exigente e esclarecido. “Ele sabe o que está levando para sua casa”, salientou, relembrando a importância do planejamento prévio pelos clientes/fornecedores, principalmente através de...

Expectativa de lucro pode variar de 2,8 a até 10,9@ por hectare, de acordo com exemplos reais de casos analisados pelo consultor Antônio Chaker

Expectativa de lucro pode variar de 2,8 a até 10,9@ por hectare, de acordo com exemplos reais de casos analisados pelo consultor Antônio Chaker

Queda de 15% no preço da soja diminui em 25% o lucro de fazenda que integra, enquanto o lucro de quem faz somente agricultura pode cair até 50%; veja cenário para o boi

Fazenda nos estados de Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

O presidente da Friboi no Brasil, Renato Costa, também disse que esta celebração do primeiro ano da marca de carnes 1953 atende às necessidades do consumidor que está cada vez mais exigente e esclarecido. “Ele sabe o que está levando para sua casa”, salientou, relembrando a importância do planejamento prévio...

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE