Com “simbiose” lavoura-pecuária, fazenda no MT aumentou em mais de 40 vezes a produção de alimentos em dez anos

05 fevereiro 2019
grupo-roncador-simbiose-lavoura-pecuaria

Com a necessidade de aumentar sua produtividade para continuar competitiva dentro do agronegócio, uma propriedade do Vale do Araguaia mato-grossense foi além do conceito usual de integração lavoura-pecuária. Na cidade de Querência, onde se localiza a Fazenda Roncador, o sistema de produção foi se moldando até que saltasse de uma produção anual de 4,2 mil toneladas de carne em 2008 para 5,6 mil toneladas de carne mais 170 mil toneladas de soja dentro da mesma área em 2018, um aumento de mais de 41 vezes na produção total de alimentos em dez anos.

Quem contou esta história nesta terça, 05, ao Giro do Boi foi o presidente do Grupo Roncador, Pelerson Penido. Ele relembrou que, em 2008, a fazenda foi deixando para trás um sistema extensivo de ciclo completo para formar suas duas primeiras linhas de confinamento e plantar os primeiros 600 hectares de soja. “De lá para cá, nós fomos aumentando a produtividade, intensificando e construindo o sistema produtivo”, disse em entrevista ao programa.

No conceito que insiste em não chamar de integração, mas “simbiose lavoura-pecuária”, Penido explica que ao se aproximar da colheita da soja, sementes de Brachiaria ruziziensis são lançadas por avião para que já estejam brotadas no pós-colheita. Assim, no período seco do ano, os animais saem das áreas exclusivas de pecuária para se fartarem em 18 mil hectares de pasto intensivo, fruto de um solo extremamente fertilizado pela leguminosa.

A fazenda tem uma área de 152 mil hectares, sendo 80 mil de utilização e 72 mil de florestas. Da área de uso, hoje 45 mil hectares são destinados à lavoura e outros 35 à bovinocultura. Além da pecuária de corte tradicional, o Grupo Roncador buscou agregação de valor aos produtos de suas fazendas. Hoje é a fornecedora do Grupo Pão de Açúcar das carnes de animais Rubia Gallega, comercializadas nos supermercados da companhia.

Com este sistema intensivo – e lucrativo – de produção, o Grupo Roncador liderou a criação da Liga do Araguaia, um grupo que hoje reúne 63 pecuaristas do Médio Araguaia do MT em busca do desenvolvimento sustentável da pecuária de corte da região. “É uma ação com impacto de desenvolvimento regional para levar estes valores de sustentabilidade, de gestão”, resumiu.

+ Veja mais detalhes sobre a atuação da Liga do Araguaia

A entrevista completa com Pelerson Penido pode ser vista pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Trabalho integrado ameniza dificuldades com embarque do gado gordo entre Juara e Juína

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Áreas de instabilidade levam chuva para fronteira do RS com SC no fim de semana

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Seis cadastros obrigatórios para o produtor rural garantir sua segurança jurídica

Gestão de cadastros de propriedades rurais evita problemas em situações como transações imobiliárias, bancárias, ambientais e também possíveis sanções de órgãos do governo

Já saiu o resultado da votação para o melhor lote de janeiro; conheça o vencedor

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Com “simbiose” lavoura-pecuária, fazenda no MT aumentou em mais de 40 vezes a produção de alimentos em dez anos

05 fevereiro 2019
grupo-roncador-simbiose-lavoura-pecuaria

Com a necessidade de aumentar sua produtividade para continuar competitiva dentro do agronegócio, uma propriedade do Vale do Araguaia mato-grossense foi além do conceito usual de integração lavoura-pecuária. Na cidade de Querência, onde se localiza a Fazenda Roncador, o sistema de produção foi se moldando até que saltasse de uma produção anual de 4,2 mil toneladas de carne em 2008 para 5,6 mil toneladas de carne mais 170 mil toneladas de soja dentro da mesma área em 2018, um aumento de mais de 41 vezes na produção total de alimentos em dez anos.

Quem contou esta história nesta terça, 05, ao Giro do Boi foi o presidente do Grupo Roncador, Pelerson Penido. Ele relembrou que, em 2008, a fazenda foi deixando para trás um sistema extensivo de ciclo completo para formar suas duas primeiras linhas de confinamento e plantar os primeiros 600 hectares de soja. “De lá para cá, nós fomos aumentando a produtividade, intensificando e construindo o sistema produtivo”, disse em entrevista ao programa.

No conceito que insiste em não chamar de integração, mas “simbiose lavoura-pecuária”, Penido explica que ao se aproximar da colheita da soja, sementes de Brachiaria ruziziensis são lançadas por avião para que já estejam brotadas no pós-colheita. Assim, no período seco do ano, os animais saem das áreas exclusivas de pecuária para se fartarem em 18 mil hectares de pasto intensivo, fruto de um solo extremamente fertilizado pela leguminosa.

A fazenda tem uma área de 152 mil hectares, sendo 80 mil de utilização e 72 mil de florestas. Da área de uso, hoje 45 mil hectares são destinados à lavoura e outros 35 à bovinocultura. Além da pecuária de corte tradicional, o Grupo Roncador buscou agregação de valor aos produtos de suas fazendas. Hoje é a fornecedora do Grupo Pão de Açúcar das carnes de animais Rubia Gallega, comercializadas nos supermercados da companhia.

Com este sistema intensivo – e lucrativo – de produção, o Grupo Roncador liderou a criação da Liga do Araguaia, um grupo que hoje reúne 63 pecuaristas do Médio Araguaia do MT em busca do desenvolvimento sustentável da pecuária de corte da região. “É uma ação com impacto de desenvolvimento regional para levar estes valores de sustentabilidade, de gestão”, resumiu.

+ Veja mais detalhes sobre a atuação da Liga do Araguaia

A entrevista completa com Pelerson Penido pode ser vista pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Gestão de cadastros de propriedades rurais evita problemas em situações como transações imobiliárias, bancárias, ambientais e também possíveis sanções de órgãos do governo

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Fazendas nos estados de Rondônia e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Teste foi feito em área com lotação média de 10 UA/ha ao longo de dois anos; conclusão é de que não há interferência na fertilidade do solo que prejudique a produção de grãos

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Pecuarista deve fazer download do Termo de Adesão e entregar assinado aos compradores de gado das unidades da indústria; veja como tirar suas dúvidas sobre o processo

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE