Conheça as três fases do planejamento do pecuarista para a estação das águas

01 novembro 2019
SONY DSC

Está começando, ao menos em teoria, o período mais fácil para as fazendas de gado de corte no Brasil, a estação das águas. “O capim começa a crescer, a disponibilidade de forragem é maior, a condição nutricional melhora, então no geral o desempenho dos animais também melhora”, lembrou o engenheiro agrônomo Adílson Malagutti, analista da Embrapa Pecuária Sudeste, em episódio da série Embrapa em Ação exibida no programa desta sexta, 1º. “Isso pode parecer para a gente que já é o suficiente, mas se o produtor não conseguir extrair o melhor dessa fase, pode ser que isso comprometa todo o ciclo produtivo”, advertiu.

Para contribuir para um bom desenvolvimento de seu rebanho ao longo da estação chuvosa, Malagutti revelou as três fases de planejamento que todo produtor deve cumprir, independente de seu sistema de produção. “Estamos começando de novo o período das águas e muitas coisas já devem ter sido feitas, ou estar em andamento pelo menos, porque a gente tem que pensar nas águas dentro da seca. […] São três coisas importantes: planejamento, planejamento e planejamento”, brincou.

A primeira fase do planejamento, segundo o especialista, é avaliar o rebanho. Malagutti frisou que, com frequência, o produtor não se lembra de inserir em sua programação forrageira o crescimento dos animais ao longo das chuvas e, portanto, que o consumo de capim é maior no final das águas em relação ao início. De forma geral, nesses casos, as áreas de pastagens começam a perder a capacidade de suporte para o rebanho já a partir de janeiro e pode prejudicar o desenvolvimento dos lotes. Por isso é desejável prever oferta de forragem até o fim do verão.

A segunda fase é planejar o manejo das pastagens em si. O agrônomo ressaltou a importância de usar ferramentas como análise de solo para identificar as necessidades dos piquetes e observá-los com atenção para decidir se é necessário reformar ou recuperá-los. Esta segunda etapa está relacionada com a conclusão da primeira fase, pois a demanda por forragem deve balizar os investimentos na adubação, formação ou reforma.

O terceiro planejamento é programar a demanda por suplementação para viabilizar que a propriedade atinja suas metas, como, por exemplo, quantas arrobas por hectare quer produzir, qual ganho médio individual quer alcançar. Estas respostas vão indicar se será necessário uso de sal mineral simples da linha branca, um sal proteico específico para águas ou proteico energético para acelerar o desempenho dos animais antes da entrada no confinamento. A demanda por forrageiras para o final do ciclo das águas, da forma como está descrita no primeiro planejamento, também tem influência na suplementação.

Veja a entrevista completa com o agrônomo Adílson Malagutti pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Aprendendo a ensinar: veja resultados do Bifequali, programa de capacitação da Embrapa

Benefício econômico acumulado pelo programa entre os anos de 2013 e 2018 já ultrapassou marca dos R$ 23 milhões

Confira o último classificado para votação do melhor lote de novembro

Grupo de novilhas Caracu que marcou 88% Verde no Farol da Qualidade fechou o páreo para a eleição do melhor lote do mês

Canal de umidade leva chuvas desde o Brasil Central até litoral do Sudeste

Em comportamento típico do clima de verão, pancadas de chuva começam a partir do fim de tarde e atingem MT, MS, GO, TO, MG, BA e litoral no RJ e ES

Carretas adaptadas a condições locais melhoram transporte boiadeiro

Veículos que se ajustam aos tipos de estradas e demandas de cada região, além de capacitação dos motoristas, reforçam segurança das viagens

Conheça as três fases do planejamento do pecuarista para a estação das águas

01 novembro 2019
SONY DSC

Está começando, ao menos em teoria, o período mais fácil para as fazendas de gado de corte no Brasil, a estação das águas. “O capim começa a crescer, a disponibilidade de forragem é maior, a condição nutricional melhora, então no geral o desempenho dos animais também melhora”, lembrou o engenheiro agrônomo Adílson Malagutti, analista da Embrapa Pecuária Sudeste, em episódio da série Embrapa em Ação exibida no programa desta sexta, 1º. “Isso pode parecer para a gente que já é o suficiente, mas se o produtor não conseguir extrair o melhor dessa fase, pode ser que isso comprometa todo o ciclo produtivo”, advertiu.

Para contribuir para um bom desenvolvimento de seu rebanho ao longo da estação chuvosa, Malagutti revelou as três fases de planejamento que todo produtor deve cumprir, independente de seu sistema de produção. “Estamos começando de novo o período das águas e muitas coisas já devem ter sido feitas, ou estar em andamento pelo menos, porque a gente tem que pensar nas águas dentro da seca. […] São três coisas importantes: planejamento, planejamento e planejamento”, brincou.

A primeira fase do planejamento, segundo o especialista, é avaliar o rebanho. Malagutti frisou que, com frequência, o produtor não se lembra de inserir em sua programação forrageira o crescimento dos animais ao longo das chuvas e, portanto, que o consumo de capim é maior no final das águas em relação ao início. De forma geral, nesses casos, as áreas de pastagens começam a perder a capacidade de suporte para o rebanho já a partir de janeiro e pode prejudicar o desenvolvimento dos lotes. Por isso é desejável prever oferta de forragem até o fim do verão.

A segunda fase é planejar o manejo das pastagens em si. O agrônomo ressaltou a importância de usar ferramentas como análise de solo para identificar as necessidades dos piquetes e observá-los com atenção para decidir se é necessário reformar ou recuperá-los. Esta segunda etapa está relacionada com a conclusão da primeira fase, pois a demanda por forragem deve balizar os investimentos na adubação, formação ou reforma.

O terceiro planejamento é programar a demanda por suplementação para viabilizar que a propriedade atinja suas metas, como, por exemplo, quantas arrobas por hectare quer produzir, qual ganho médio individual quer alcançar. Estas respostas vão indicar se será necessário uso de sal mineral simples da linha branca, um sal proteico específico para águas ou proteico energético para acelerar o desempenho dos animais antes da entrada no confinamento. A demanda por forrageiras para o final do ciclo das águas, da forma como está descrita no primeiro planejamento, também tem influência na suplementação.

Veja a entrevista completa com o agrônomo Adílson Malagutti pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Benefício econômico acumulado pelo programa entre os anos de 2013 e 2018 já ultrapassou marca dos R$ 23 milhões

Grupo de novilhas Caracu que marcou 88% Verde no Farol da Qualidade fechou o páreo para a eleição do melhor lote do mês

Em comportamento típico do clima de verão, pancadas de chuva começam a partir do fim de tarde e atingem MT, MS, GO, TO, MG, BA e litoral no RJ e ES

Veículos que se ajustam aos tipos de estradas e demandas de cada região, além de capacitação dos motoristas, reforçam segurança das viagens

Fazenda localizada em Nova Lacerda, no Mato Grosso, foi destaque do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade

Consultor responde qual a maior “planta daninha” do mundo e compara eficácia das roçadas com herbicidas

Em comportamento típico do clima de verão, pancadas de chuva começam a partir do fim de tarde e atingem MT, MS, GO, TO, MG, BA e litoral no RJ e ES

Benefício econômico acumulado pelo programa entre os anos de 2013 e 2018 já ultrapassou marca dos R$ 23 milhões

Com o desafio de otimizar o uso da terra, propriedade em Serra Nova Dourada-MT saiu da cria para a recria-engorda utilizando confinamento com grão inteiro

Veículos que se ajustam aos tipos de estradas e demandas de cada região, além de capacitação dos motoristas, reforçam segurança das viagens

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE