Conheça o híbrido de sorgo boliviano gigante que produz até 120 toneladas por hectare

20 julho 2018
2007 - SORGO GIGANTE

Uma variedade híbrida de sorgo, conhecida como sorgo boliviano gigante, está chamando a atenção de pecuaristas brasileiros pelo potencial de produção de volumoso de baixo custo. A planta cresce facilmente entre 4,5 m a 6,5 m, dependendo da fertilidade do solo e da incidência de chuvas, produzindo até 120 toneladas de matéria em um único corte e uma silagem produzida que varia entre R$ 40 e R$ 60 por tonelada, contabilizando custos da logística de plantio, corte, transporte e lona.

Quem falou ao Giro do Boi sobre o “sorgão” foi o zootecnista e consultor Antônio Machado, que atende produtores em Goiás e Tocantins. O especialista afirmou que as qualidades do híbrido vão além de seu tamanho expressivo. O sorgo gigante apresenta resistência aos veranicos, pragas, como lagartas e nematoides, tem desempenho positivo em solos arenosos e beneficia o solo promovendo sua descompactação pelas raízes profundas, que medem entre 4 e 5 metros, o que também ajuda na reciclagem dos nutrientes.

A variedade também é recomendada para consórcio em diferentes sistemas. “80% dos plantios que a gente realizou na região de Goiás e Tocantins foram com capins. E eu achei no início que poderia não dar certo por causa do tamanho dele e, no entanto, foi uma surpresa muito boa. Não afetou em nada o desenvolvimento do capim. A hora que a gente recolheu a silagem, o capim desenvolveu normalmente”, aprovou.

O zootecnista lembrou que o “sorgão” também é compatível em integração com o milho pela diferença da velocidade de crescimento entre as plantas e pode produzir um bom volume de biomassa para formação de palhada, muito útil no plantio da soja. Em seu uso para nutrição animal, uma de suas vantagens é um índice de sacarose um pouco maior em comparação com outras variedades, o que torna o sorgo gigante palatável aos bovinos.

Entre os pontos de atenção para não errar no cultivo da variedade está a época de plantio. A semeadura feita logo no início das chuvas permite ao “sorgão” expressar todo o seu potencial. Ainda sobre a semeadura, as plantas não devem ficar muito próximas, sendo que a recomendação é distribuir entre 140 e 150 mil sementes por hectare. Se o produtor quiser ter bom rendimento no segundo corte, a adubação feita no plantio deve ser maior. É preciso ficar de olho em lagartas também após o primeiro corte, mas quando a planta voltar a crescer, elas não representam mais problemas.

O consultor se disponibilizou a tirar dúvidas sobre o cultivo do sorgo boliviano gigante pelo e-mail antonio@protecaoativa.agr.br. Veja mais detalhes na entrevista completa no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Confira as fazendas em destaque do dia 22 de agosto de 2019

Fazendas localizadas em Tocantins, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Giro Inspiração: como utilizar a ambição como combustível motivacional na fazenda?

Neste 4º episódio da série, consultora Helda Elaine explica diferença entre ganância e ambição e afirma que é por meio desta que o pecuarista faz sacrifícios pelos resultados

Agrônomo viaja o mundo pesquisando o agro e traz lições para o Brasil

Profissional foi contemplado com uma bolsa para realizar intercâmbio e, em entrevista, contou suas experiências e impressões sobre a produção rural mundo afora

Confira as fazendas em destaque do dia 21 de agosto de 2019

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Conheça o híbrido de sorgo boliviano gigante que produz até 120 toneladas por hectare

20 julho 2018
2007 - SORGO GIGANTE

Uma variedade híbrida de sorgo, conhecida como sorgo boliviano gigante, está chamando a atenção de pecuaristas brasileiros pelo potencial de produção de volumoso de baixo custo. A planta cresce facilmente entre 4,5 m a 6,5 m, dependendo da fertilidade do solo e da incidência de chuvas, produzindo até 120 toneladas de matéria em um único corte e uma silagem produzida que varia entre R$ 40 e R$ 60 por tonelada, contabilizando custos da logística de plantio, corte, transporte e lona.

Quem falou ao Giro do Boi sobre o “sorgão” foi o zootecnista e consultor Antônio Machado, que atende produtores em Goiás e Tocantins. O especialista afirmou que as qualidades do híbrido vão além de seu tamanho expressivo. O sorgo gigante apresenta resistência aos veranicos, pragas, como lagartas e nematoides, tem desempenho positivo em solos arenosos e beneficia o solo promovendo sua descompactação pelas raízes profundas, que medem entre 4 e 5 metros, o que também ajuda na reciclagem dos nutrientes.

A variedade também é recomendada para consórcio em diferentes sistemas. “80% dos plantios que a gente realizou na região de Goiás e Tocantins foram com capins. E eu achei no início que poderia não dar certo por causa do tamanho dele e, no entanto, foi uma surpresa muito boa. Não afetou em nada o desenvolvimento do capim. A hora que a gente recolheu a silagem, o capim desenvolveu normalmente”, aprovou.

O zootecnista lembrou que o “sorgão” também é compatível em integração com o milho pela diferença da velocidade de crescimento entre as plantas e pode produzir um bom volume de biomassa para formação de palhada, muito útil no plantio da soja. Em seu uso para nutrição animal, uma de suas vantagens é um índice de sacarose um pouco maior em comparação com outras variedades, o que torna o sorgo gigante palatável aos bovinos.

Entre os pontos de atenção para não errar no cultivo da variedade está a época de plantio. A semeadura feita logo no início das chuvas permite ao “sorgão” expressar todo o seu potencial. Ainda sobre a semeadura, as plantas não devem ficar muito próximas, sendo que a recomendação é distribuir entre 140 e 150 mil sementes por hectare. Se o produtor quiser ter bom rendimento no segundo corte, a adubação feita no plantio deve ser maior. É preciso ficar de olho em lagartas também após o primeiro corte, mas quando a planta voltar a crescer, elas não representam mais problemas.

O consultor se disponibilizou a tirar dúvidas sobre o cultivo do sorgo boliviano gigante pelo e-mail antonio@protecaoativa.agr.br. Veja mais detalhes na entrevista completa no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Fazendas localizadas em Tocantins, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Neste 4º episódio da série, consultora Helda Elaine explica diferença entre ganância e ambição e afirma que é por meio desta que o pecuarista faz sacrifícios pelos resultados

Profissional foi contemplado com uma bolsa para realizar intercâmbio e, em entrevista, contou suas experiências e impressões sobre a produção rural mundo afora

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Especialista apontou intensificação dos sistemas de produção, como semiconfinamento e confinamento, como principal fator de impacto para a melhoria

Professor da Mackenzie destaca que rastreabilidade traz “uma série de benefícios do ponto de vista prático e operacional” para os pecuaristas

Professor da Mackenzie destaca que rastreabilidade traz “uma série de benefícios do ponto de vista prático e operacional” para os pecuaristas

Segundo consultor jurídico, texto deixa brecha para que empreendedores familiares não tenham liberdade econômica plena em relação a contratos agrários

Fêmeas podem receber preço de boi mais premiações do Protocolo Sinal Verde, Europa/Hilton e Protocolo 1953

Fazendas localizadas em Tocantins, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE