Conheça o mais potente “herbicida” para pastagens

30 novembro 2017
Pastagem

Nesta quinta-feira, dia 30, o engenheiro agrônomo e mestre em solos e nutrição de plantas Neivaldo Cáceres participou do Giro do Boi para responder dúvidas enviadas pelos telespectadores sobre limpeza de pastagens. O especialista, que é pesquisador da linha de pastagens da Dow, ressaltou que o grande “herbicida” para as pastagens é o próprio capim. “Quando o pasto não fica ‘rapado’, o capim combate a planta daninha”, ressaltou o agrônomo, reforçando o conceito de que a forrageira bem nutrida, crescendo em solo adubado, inibe o crescimento de ervas que possam infestar as áreas de pasto.

O pesquisador falou ainda sobre o combate a diversas outras plantas daninhas, como ciganinha, rabo de burro, barba de bode, cafezinho (ou erva de rato), chumbinho, entre outras, além de detalhar recomendações sobre tipos de aplicadores e bicos dosadores.

Leia também
Por quanto tempo devo retirar o gado do piquete após aplicar o herbicida?

CONTROLE DA CIGANINHA DAS PASTAGENS

O agrônomo alertou que a ciganinha representa um sério problema para as pastagens do Cerrado e oeste de SP. A erva deve ser combatida com aplicação no toco, sendo que não há produtos eficientes para controle foliar. Para combater devidamente, deve-se misturar o produto adequado com água e realizar um corte no toco da planta. Mas o trabalho ainda não está concluído. “Essa planta especificamente tem um novelamento grande no sistema radicular, por isso tem que cavar 12 a 15 centímetros de profundidade e naquele ponto da raiz vai ser colocado o produto, diferentemente da aplicação comum no toco, em que simplesmente é feito o corte e a aplicação”, ensinou. Já para o controle basal da ciganinha, o produto deve ser aplicado nas hastes ou no tronco, sem a necessidade de fazer o corte. Neste caso, o produto pode ser diluído em diesel.

RABO DE BURRO E BARBA DE BODE

O especialista lembrou que as ervas são gramíneas, por isso o combate deve ser bem específico para que não ocorra a morte do capim. “Essas plantas são ótimos indicadores de uma situação: elas só aparecem em solos degradados, com baixa fertilidade e acidez alta. Portanto são indicadoras de solos extremamente pobres, áreas degradadas. Aí nesse caso compensaria fazer a calagem, corrigir a fertilidade, colhendo amostra e fazendo a análise de solo para melhorar a condição por meio da adubação”, recomendou. Segundo Cáceres, o combate pontual a estas ervas pode ser feito com defensivos à base de glifosato com aplicação localizada.

OLINHO

Um dos telespectadores que enviaram suas perguntas teve dúvidas sobre o controle da erva conhecida popularmente como olinho. De acordo com o agrônomo, esta é outra erva difícil de controlar, mas existem produtos adequados para o tratamento foliar. Neste caso, é mais recomendável solicitar a visita de um técnico para avaliar a infestação e fazer a indicação específica para aquela área.

CHUMBINHO

Neivaldo disse que a planta, cujo nome é uma referência ao formato do fruto, é até considerada ornamental pela beleza de sua pequena flor. Também há defensivo foliar indicado para o seu controle e a visita de um técnico é recomendável.

CAFEZINHO, OU ERVA DE RATO

A planta é tóxica para os bovinos e pode ser controlar por herbicida foliar, mas outra medida deve ser tomada: retirar o gado do piquete até a morte de todas as plantas. “Para ter uma ideia, recentemente adquiri um livro sobre plantas tóxicas que a capa dele era esta erva”, pontuou. “Onde tem incidência dela, tem que tirar gado, controlar. O problema é que ela é uma planta palatável, o gado come mesmo e vai se intoxicar seriamente”, completou.

O agrônomo explicou que algumas das ervas tóxicas pode provocar problemas cardíacos nos animais, por isso o manejo muito agitado e estressante do gado pode desencadear na sua morte. Neste caso, o manejo racional pode minimizar os efeitos de algumas plantas consideradas tóxicas.

BICO DOSADOR PARA APLICADOR COSTAL

Segundo Cáceres, o ideal para aplicações foliares é usar pontas 80.02 ou 80.03, as chamadas pontas de leque plano, ao invés da ponta original dos aplicadores costais. Para aplicações de toco ou basal,o indicado é o uso de pontas para jatos reguláveis, pois com elas é possível ajustar o volume do jato de herbicidas, adequando para cada uma das aplicações.

O agrônomo recomendou ainda o uso de uma ponta peneira na ponta do aplicador e a limpeza diária do equipamento, mas sem usar arames, evitando o desgaste do dispositivo.

INDICAÇÃO DE APLICADORES

Neivaldo indicou o uso de aplicadores costais para pastagens com 15% a 30% de infestações. Acima disso, a recomendação é usar a aplicação tratorizada ou a aplicação aérea (por avião). Como parâmetro, o pesquisador revelou com a aplicação de defensivos em um hectare de pastagem com 15% de infestação requer uma diária de trabalhador rural para ser concluída.

O uso do trator deve ser ponderado porque alguns alvos podem não ser atingidos, mas o rendimento do trabalho em relação ao tempo é maior. Já na aplicação aérea, um sobrevoo pode concluir a aplicação em 12 a 30 hectares dependendo do tipo de tanque existente na aeronave e a vazão. Este tipo de aplicação pode ser utilizada por um grupo de pecuaristas, que juntos podem conseguir melhores condições de pagamento para deslocar o avião para a sua região.

ENTREVISTA COMPLETA

Veja as informações completas pelo vídeo abaixo, com a íntegra da entrevista de Neivaldo Cáceres ao Giro do Boi:

VEJA TAMBÉM

Área de baixa pressão forma canal de umidade que vai do Sudeste até a Amazônia

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

Tem dúvidas sobre bem-estar no transporte boiadeiro? Pergunte ao motorista

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Sindicato Rural de Governador Valadares-MG realiza edição do “Café Rural” dia 09/03

Friboi será parceira do evento que começa às 7h da manhã na sede do sindicato, localizado dentro do Parque de Exposições do município do Vale do Rio Doce

Confira os lotes em destaque do dia 28 de fevereiro de 2020

Lotes de propriedade em Minas Gerais e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Conheça o mais potente “herbicida” para pastagens

30 novembro 2017
Pastagem

Nesta quinta-feira, dia 30, o engenheiro agrônomo e mestre em solos e nutrição de plantas Neivaldo Cáceres participou do Giro do Boi para responder dúvidas enviadas pelos telespectadores sobre limpeza de pastagens. O especialista, que é pesquisador da linha de pastagens da Dow, ressaltou que o grande “herbicida” para as pastagens é o próprio capim. “Quando o pasto não fica ‘rapado’, o capim combate a planta daninha”, ressaltou o agrônomo, reforçando o conceito de que a forrageira bem nutrida, crescendo em solo adubado, inibe o crescimento de ervas que possam infestar as áreas de pasto.

O pesquisador falou ainda sobre o combate a diversas outras plantas daninhas, como ciganinha, rabo de burro, barba de bode, cafezinho (ou erva de rato), chumbinho, entre outras, além de detalhar recomendações sobre tipos de aplicadores e bicos dosadores.

Leia também
Por quanto tempo devo retirar o gado do piquete após aplicar o herbicida?

CONTROLE DA CIGANINHA DAS PASTAGENS

O agrônomo alertou que a ciganinha representa um sério problema para as pastagens do Cerrado e oeste de SP. A erva deve ser combatida com aplicação no toco, sendo que não há produtos eficientes para controle foliar. Para combater devidamente, deve-se misturar o produto adequado com água e realizar um corte no toco da planta. Mas o trabalho ainda não está concluído. “Essa planta especificamente tem um novelamento grande no sistema radicular, por isso tem que cavar 12 a 15 centímetros de profundidade e naquele ponto da raiz vai ser colocado o produto, diferentemente da aplicação comum no toco, em que simplesmente é feito o corte e a aplicação”, ensinou. Já para o controle basal da ciganinha, o produto deve ser aplicado nas hastes ou no tronco, sem a necessidade de fazer o corte. Neste caso, o produto pode ser diluído em diesel.

RABO DE BURRO E BARBA DE BODE

O especialista lembrou que as ervas são gramíneas, por isso o combate deve ser bem específico para que não ocorra a morte do capim. “Essas plantas são ótimos indicadores de uma situação: elas só aparecem em solos degradados, com baixa fertilidade e acidez alta. Portanto são indicadoras de solos extremamente pobres, áreas degradadas. Aí nesse caso compensaria fazer a calagem, corrigir a fertilidade, colhendo amostra e fazendo a análise de solo para melhorar a condição por meio da adubação”, recomendou. Segundo Cáceres, o combate pontual a estas ervas pode ser feito com defensivos à base de glifosato com aplicação localizada.

OLINHO

Um dos telespectadores que enviaram suas perguntas teve dúvidas sobre o controle da erva conhecida popularmente como olinho. De acordo com o agrônomo, esta é outra erva difícil de controlar, mas existem produtos adequados para o tratamento foliar. Neste caso, é mais recomendável solicitar a visita de um técnico para avaliar a infestação e fazer a indicação específica para aquela área.

CHUMBINHO

Neivaldo disse que a planta, cujo nome é uma referência ao formato do fruto, é até considerada ornamental pela beleza de sua pequena flor. Também há defensivo foliar indicado para o seu controle e a visita de um técnico é recomendável.

CAFEZINHO, OU ERVA DE RATO

A planta é tóxica para os bovinos e pode ser controlar por herbicida foliar, mas outra medida deve ser tomada: retirar o gado do piquete até a morte de todas as plantas. “Para ter uma ideia, recentemente adquiri um livro sobre plantas tóxicas que a capa dele era esta erva”, pontuou. “Onde tem incidência dela, tem que tirar gado, controlar. O problema é que ela é uma planta palatável, o gado come mesmo e vai se intoxicar seriamente”, completou.

O agrônomo explicou que algumas das ervas tóxicas pode provocar problemas cardíacos nos animais, por isso o manejo muito agitado e estressante do gado pode desencadear na sua morte. Neste caso, o manejo racional pode minimizar os efeitos de algumas plantas consideradas tóxicas.

BICO DOSADOR PARA APLICADOR COSTAL

Segundo Cáceres, o ideal para aplicações foliares é usar pontas 80.02 ou 80.03, as chamadas pontas de leque plano, ao invés da ponta original dos aplicadores costais. Para aplicações de toco ou basal,o indicado é o uso de pontas para jatos reguláveis, pois com elas é possível ajustar o volume do jato de herbicidas, adequando para cada uma das aplicações.

O agrônomo recomendou ainda o uso de uma ponta peneira na ponta do aplicador e a limpeza diária do equipamento, mas sem usar arames, evitando o desgaste do dispositivo.

INDICAÇÃO DE APLICADORES

Neivaldo indicou o uso de aplicadores costais para pastagens com 15% a 30% de infestações. Acima disso, a recomendação é usar a aplicação tratorizada ou a aplicação aérea (por avião). Como parâmetro, o pesquisador revelou com a aplicação de defensivos em um hectare de pastagem com 15% de infestação requer uma diária de trabalhador rural para ser concluída.

O uso do trator deve ser ponderado porque alguns alvos podem não ser atingidos, mas o rendimento do trabalho em relação ao tempo é maior. Já na aplicação aérea, um sobrevoo pode concluir a aplicação em 12 a 30 hectares dependendo do tipo de tanque existente na aeronave e a vazão. Este tipo de aplicação pode ser utilizada por um grupo de pecuaristas, que juntos podem conseguir melhores condições de pagamento para deslocar o avião para a sua região.

ENTREVISTA COMPLETA

Veja as informações completas pelo vídeo abaixo, com a íntegra da entrevista de Neivaldo Cáceres ao Giro do Boi:

VEJA TAMBÉM

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Friboi será parceira do evento que começa às 7h da manhã na sede do sindicato, localizado dentro do Parque de Exposições do município do Vale do Rio Doce

Lotes de propriedade em Minas Gerais e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Em nova edição do quadro Zadra Responde, zootecnista destaca características dos machos para corte e matrizes F1 que resultam deste cruzamento

Segundo Nabih El-Aouar, produtor é incentivado a melhorar manejo, nutrição e inserção de tecnologias no rebanho, levando ganhos para toda a cadeia produtiva

Agrônomo explica quais as alturas ideais de entrada e saída do pastejo, taxa de lotação nas águas e na seca, efeitos da adubação e potencial de produção de matéria seca

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Segundo Nabih El-Aouar, produtor é incentivado a melhorar manejo, nutrição e inserção de tecnologias no rebanho, levando ganhos para toda a cadeia produtiva

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE