Entenda o que é carne halal e seu potencial de consumo em todo o mundo

10 outubro 2019
Carne

O Brasil, que já é o maior exportador global de carnes halal, deve ganhar cada vez mais participação neste mercado. No final do mês de agosto, a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, anunciou a abertura do mercado da Indonésia, país que tem ao menos 90% da população muçulmana, para a carne bovina brasileira. Já no mês de setembro, entre os dias 14 e 22, uma missão brasileira também chefiada pela ministra rodou por Egito, Arábia Saudita, Kuwait e Emirados Árabes Unidos.

Em meio a esta missão esteve Ali Saifi, diretor executivo da CDIAL Halal, empresa especializada na certificação deste tipo de alimentos, e integrante da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Iraque. Nesta quinta, 10, o Giro do Boi exibiu entrevista com Saifi, que explicou o que é carne halal e seu potencial de consumo em todo o mundo.

Após o desfecho positivo nas negociações com a Indonésia, o Brasil poderá exportar um volume aproximado de 25 mil toneladas de carne bovina ao ano, depois que os importadores habilitarem ao menos dez unidades para a produção e comercialização do produto halal. A expectativa que é a outra missão, feita em setembro, possa render frutos semelhantes, destacou Saifi. “Em todos os países que passamos eles fizeram uma recepção muito profissional, dedicada e carinhosa, com uma pauta bem extensa”, aprovou Saifi.

Saifi destacou que o Brasil é o maior país exportador de proteínas halal do mundo e seus produtos têm uma presença expressivas em países de maioria muçulmana, cuja população mundial giram em torno de 2 bilhões de pessoas ao todo. Além de atender os consumidores desta religião, os produtos halal também são destinados a países não muçulmanos por que atende padrões rigorosos de sanidade e rastreabilidade. Também há países de maioria não muçulmana, mas que tem um número expressivo de adeptos da religião em seu território, como o caso da China, que tem 100 milhões de habitantes que praticam o Islã. No Brasil, este número se restringe a 1 milhão de pessoas.

O executivo explicou que termo halal significa aquilo que é lícito, tudo o que é permitido aos muçulmanos, e não se refere somente ao alimentos, como também em hábitos do dia a dia, na rotina de trabalho. Na carne bovina, a produção deve seguir certas regras, conforme explicou Saifi.

“Para a carne estar halal, ela tem uma forma de abate que deve ser seguida. No caso do islamismo, o animal tem que estar saudável na hora do abate, o abate deve ser feito por um corte onde se corta jugular, traqueia e esôfago, não pode morrer pelo atordoamento, não pode morrer por uma outra forma. A causa da morte tem que ser a degola, onde se esvai a maior quantidade de sangue possível e o animal tem que ser tratado de forma humanitária, respeitosa, que tenha bem-estar animal. Tem um muçulmano que vê toda a produção e faz ele mesmo o abate.Também depois do abate tem toda a segregação da carne. […] Tem todo um controle para garantir que aquele animal que foi abatido da forma islâmica correta será a carne certificada e enviada, é tudo monitorado”, detalhou.

Saifi falou ainda que a qualidade da carne, e não só o ritual do abate halal, é também importante para a fidelização destes mercados. “A nossa carne concorre diretamente com o búfalo da Índia. Quando derruba nossa qualidade da carne, nós voltamos (a concorrer com) aquele mercado do búfalo, vamos dizer assim. No Egito, o que notei é que eles pagam um pouco mais caro para a carne brasileira porque eles têm a opção da carne brasileira ou o búfalo. Se a gente mandar um produto de baixa qualidade, eles vão optar pelo mais barato”, alertou.

Veja a entrevista completa no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Como transformar sua fazenda em uma máquina de colher bezerro – e dinheiro?

Segundo Benchmarking 2018-19, fazendas de cria mais rentáveis do Brasil tiveram margem sobre a venda de até 36,4% focando em gestão de custos e produtividade

Confira as fazendas em destaque do dia 22 de outubro de 2019

Fazendas localizadas no Pará, São Paulo e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade.

Quais são as duas realidades da pecuária brasileira?

No 1º de 7 blocos do Giro do Boi especial de lançamento do Benchmarking 2018-19, consultor diz que pecuária está dividida duas “bem distintas” realidades

Como encontrar a combinação perfeita entre peão e patrão?

Especialista traz dicas para pecuaristas definirem perfil do colaborador desejado e ajuda peões a encontrar fazendas que o valorizem

Entenda o que é carne halal e seu potencial de consumo em todo o mundo

10 outubro 2019
Carne

O Brasil, que já é o maior exportador global de carnes halal, deve ganhar cada vez mais participação neste mercado. No final do mês de agosto, a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, anunciou a abertura do mercado da Indonésia, país que tem ao menos 90% da população muçulmana, para a carne bovina brasileira. Já no mês de setembro, entre os dias 14 e 22, uma missão brasileira também chefiada pela ministra rodou por Egito, Arábia Saudita, Kuwait e Emirados Árabes Unidos.

Em meio a esta missão esteve Ali Saifi, diretor executivo da CDIAL Halal, empresa especializada na certificação deste tipo de alimentos, e integrante da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Iraque. Nesta quinta, 10, o Giro do Boi exibiu entrevista com Saifi, que explicou o que é carne halal e seu potencial de consumo em todo o mundo.

Após o desfecho positivo nas negociações com a Indonésia, o Brasil poderá exportar um volume aproximado de 25 mil toneladas de carne bovina ao ano, depois que os importadores habilitarem ao menos dez unidades para a produção e comercialização do produto halal. A expectativa que é a outra missão, feita em setembro, possa render frutos semelhantes, destacou Saifi. “Em todos os países que passamos eles fizeram uma recepção muito profissional, dedicada e carinhosa, com uma pauta bem extensa”, aprovou Saifi.

Saifi destacou que o Brasil é o maior país exportador de proteínas halal do mundo e seus produtos têm uma presença expressivas em países de maioria muçulmana, cuja população mundial giram em torno de 2 bilhões de pessoas ao todo. Além de atender os consumidores desta religião, os produtos halal também são destinados a países não muçulmanos por que atende padrões rigorosos de sanidade e rastreabilidade. Também há países de maioria não muçulmana, mas que tem um número expressivo de adeptos da religião em seu território, como o caso da China, que tem 100 milhões de habitantes que praticam o Islã. No Brasil, este número se restringe a 1 milhão de pessoas.

O executivo explicou que termo halal significa aquilo que é lícito, tudo o que é permitido aos muçulmanos, e não se refere somente ao alimentos, como também em hábitos do dia a dia, na rotina de trabalho. Na carne bovina, a produção deve seguir certas regras, conforme explicou Saifi.

“Para a carne estar halal, ela tem uma forma de abate que deve ser seguida. No caso do islamismo, o animal tem que estar saudável na hora do abate, o abate deve ser feito por um corte onde se corta jugular, traqueia e esôfago, não pode morrer pelo atordoamento, não pode morrer por uma outra forma. A causa da morte tem que ser a degola, onde se esvai a maior quantidade de sangue possível e o animal tem que ser tratado de forma humanitária, respeitosa, que tenha bem-estar animal. Tem um muçulmano que vê toda a produção e faz ele mesmo o abate.Também depois do abate tem toda a segregação da carne. […] Tem todo um controle para garantir que aquele animal que foi abatido da forma islâmica correta será a carne certificada e enviada, é tudo monitorado”, detalhou.

Saifi falou ainda que a qualidade da carne, e não só o ritual do abate halal, é também importante para a fidelização destes mercados. “A nossa carne concorre diretamente com o búfalo da Índia. Quando derruba nossa qualidade da carne, nós voltamos (a concorrer com) aquele mercado do búfalo, vamos dizer assim. No Egito, o que notei é que eles pagam um pouco mais caro para a carne brasileira porque eles têm a opção da carne brasileira ou o búfalo. Se a gente mandar um produto de baixa qualidade, eles vão optar pelo mais barato”, alertou.

Veja a entrevista completa no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Segundo Benchmarking 2018-19, fazendas de cria mais rentáveis do Brasil tiveram margem sobre a venda de até 36,4% focando em gestão de custos e produtividade

Fazendas localizadas no Pará, São Paulo e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade.

No 1º de 7 blocos do Giro do Boi especial de lançamento do Benchmarking 2018-19, consultor diz que pecuária está dividida duas “bem distintas” realidades

Especialista traz dicas para pecuaristas definirem perfil do colaborador desejado e ajuda peões a encontrar fazendas que o valorizem

Consultor jurídico enumera as cinco principais mudanças da medida provisória e explica como funciona o novo dispositivo

Segundo produtor, animais que passam pelo processo na recria são engordados em menos tempo com mais padrão e melhor acabamento de gordura

Consultor jurídico enumera as cinco principais mudanças da medida provisória e explica como funciona o novo dispositivo

Segundo Benchmarking 2018-19, fazendas de cria mais rentáveis do Brasil tiveram margem sobre a venda de até 36,4% focando em gestão de custos e produtividade

Segundo produtor, animais que passam pelo processo na recria são engordados em menos tempo com mais padrão e melhor acabamento de gordura

No lançamento do Benchmarking 2018-19, Antônio Chaker afirmou que resultado da pecuária de ciclo completo “não se compra, se conquista”

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE