Fazenda de pecuária no Cerrado desfruta de renda semelhante à agricultura

01 setembro 2017
Fazenda São Geraldo

Na segunda parte da reportagem da série Rota do Boi, vamos continuar a explorar o sucesso da Fazenda São Geraldo de Montevidiu, interior de Goiás. Desta vez, serão apresentados os dados referentes a produção comparados com a agricultura. No passado, a pecuária foi ameaçada por conta da produção de alto custo. Uma estratégia foi a utilização do milho, que é produzido na mesma propriedade, atitude que gera renda para ambas atividades.

Em equipe, os gestores buscaram diferentes alternativas para entender como melhorar a produtividade. Um software de agricultura também foi utilizado para levantar os dados de custo de produção. “Temos dois tipos de custo. Um custo da área e um custo animal. Quando o animal vai para confinamento, me interessa o custo desse animal. A pecuária para sobreviver dentro do grupo teve que se tecnificar, profissionalizar, ter mais informações e tomar decisões. Como tomar decisão sem informação?”,  ressaltou Carlos Alberto, que é gestor pecuário da fazenda.

Em três anos, houve um aumento na coleta de dados das atividades da fazenda, investimentos em tecnologia e a aquisição de softwares específicos para pecuária foram inseridos no modelo de gestão. Uma atitude que gerou ótimos resultados junto com a equipe mais empenhada em trazer dados positivos. “Numa pecuária intensiva você tem que produzir mais com menos. Então se todo mundo tiver entendendo essa perspectiva, nós vamos ter essa interatividade da pecuária com a agricultura para que possamos fazer a terminação desses animais conforme o mercado está exigindo”, afirma o gerente de unidade Ueberson Alves Menezes, que ajudou no enfrentamento às adversidades.

Após os investimentos, os resultados apareceram. Analisando os números de abates, foi identificado que 50% dos animais hoje são terminados entre 12 e 24 meses; 45% saem do confinamento entre 25 e 36 meses; e apenas 5% são terminados aos 36 meses. Outra informação interessante é com relação ao acabamento de carcaça. 79% dos animais da Fazenda São Geraldo apresentam gordura mediana e uniforme. A taxa de desfrute, um dado que qualifica a produtividade de uma fazenda, é de 82%, algo próximo a pecuária norte-americana.

Confira a reportagem completa.

Se você ainda não viu, confira a primeira parte da reportagem realizada na Fazenda São Geraldo.

Fazenda de GO produz 42 arrobas por hectare ao ano em pastagem de Tifton

VEJA TAMBÉM

Porto Velho-RO recebe 7ª etapa do Circuito Nelore de Qualidade 2019

Abate técnico feito em parceria entre Associação dos Criadores de Nelore do Brasil e Friboi reuniu mais de 500 animais na capital de Rondônia entre 13 e 14 de junho

Confira as fazendas em destaque do dia 19 de junho de 2019

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Brasil deve encerrar ano Hilton exportando menos da metade do volume da cota

Além da vantagem comercial, inserção da carne brasileira no mercado europeu pode aproveitar vitrine do Velho Continente para chancelar a qualidade do produto

Consultor alerta para os perigos dos contratos de arrendamento e parceria mal elaborados

No quadro Direito Agrário, veja 12 dicas para redigir um contrato que proteja tanto o arrendador quanto o arrendatário em meio a um acordo

Fazenda de pecuária no Cerrado desfruta de renda semelhante à agricultura

01 setembro 2017
Fazenda São Geraldo

Na segunda parte da reportagem da série Rota do Boi, vamos continuar a explorar o sucesso da Fazenda São Geraldo de Montevidiu, interior de Goiás. Desta vez, serão apresentados os dados referentes a produção comparados com a agricultura. No passado, a pecuária foi ameaçada por conta da produção de alto custo. Uma estratégia foi a utilização do milho, que é produzido na mesma propriedade, atitude que gera renda para ambas atividades.

Em equipe, os gestores buscaram diferentes alternativas para entender como melhorar a produtividade. Um software de agricultura também foi utilizado para levantar os dados de custo de produção. “Temos dois tipos de custo. Um custo da área e um custo animal. Quando o animal vai para confinamento, me interessa o custo desse animal. A pecuária para sobreviver dentro do grupo teve que se tecnificar, profissionalizar, ter mais informações e tomar decisões. Como tomar decisão sem informação?”,  ressaltou Carlos Alberto, que é gestor pecuário da fazenda.

Em três anos, houve um aumento na coleta de dados das atividades da fazenda, investimentos em tecnologia e a aquisição de softwares específicos para pecuária foram inseridos no modelo de gestão. Uma atitude que gerou ótimos resultados junto com a equipe mais empenhada em trazer dados positivos. “Numa pecuária intensiva você tem que produzir mais com menos. Então se todo mundo tiver entendendo essa perspectiva, nós vamos ter essa interatividade da pecuária com a agricultura para que possamos fazer a terminação desses animais conforme o mercado está exigindo”, afirma o gerente de unidade Ueberson Alves Menezes, que ajudou no enfrentamento às adversidades.

Após os investimentos, os resultados apareceram. Analisando os números de abates, foi identificado que 50% dos animais hoje são terminados entre 12 e 24 meses; 45% saem do confinamento entre 25 e 36 meses; e apenas 5% são terminados aos 36 meses. Outra informação interessante é com relação ao acabamento de carcaça. 79% dos animais da Fazenda São Geraldo apresentam gordura mediana e uniforme. A taxa de desfrute, um dado que qualifica a produtividade de uma fazenda, é de 82%, algo próximo a pecuária norte-americana.

Confira a reportagem completa.

Se você ainda não viu, confira a primeira parte da reportagem realizada na Fazenda São Geraldo.

Fazenda de GO produz 42 arrobas por hectare ao ano em pastagem de Tifton

VEJA TAMBÉM

Abate técnico feito em parceria entre Associação dos Criadores de Nelore do Brasil e Friboi reuniu mais de 500 animais na capital de Rondônia entre 13 e 14 de junho

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Além da vantagem comercial, inserção da carne brasileira no mercado europeu pode aproveitar vitrine do Velho Continente para chancelar a qualidade do produto

No quadro Direito Agrário, veja 12 dicas para redigir um contrato que proteja tanto o arrendador quanto o arrendatário em meio a um acordo

Fêmeas Nelore e aneloradas jovens marcaram 75% Verde no Farol da Qualidade após o abate em Mozarlândia-GO

Indústria foi inaugurada em junho de 2014 e é uma das principais empregadoras da região, contando com cerca de 650 colaboradores

Problema se agrava quando propriedades estão mais afastadas da cidade; cursos e cultos religiosos podem diminuir incidentes relacionadas a álcool, drogas e violência doméstica

Produtores das regiões centro-norte de SP, Mato Grosso do Sul, Goiás, Tocantins, Piauí e Mato Grosso devem estar atentos por conta do calor e baixa umidade do ar; veja mapas completos

Abate técnico feito em parceria entre Associação dos Criadores de Nelore do Brasil e Friboi reuniu mais de 500 animais na capital de Rondônia entre 13 e 14 de junho

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE