Gado com periodontite pode ter ganho de peso reduzido em até 30%

04 fevereiro 2020
periodondite-boi-com-dor-de-dente

Em entrevista ao Giro do Boi desta terça, 04, o doutor em medicina veterinária pela universidade Justus-Liebig, da Alemanha, Iveraldo Dutra, professor da Unesp em Araçatuba-SP, chamou atenção do pecuarista para a periodontite bovina, uma doença que quando em estágios avançados é conhecida também como cara inchada. “É uma inflamação que dá na gengiva e no osso alveolar, o osso que sustenta o dente, […] provoca dor, o afrouxamento do dente, e este dente começa a gerar uma dor insuportável”, detalhou o especialista.

Quando acometido por esta dor, o animal expressa a doença na balança, alertou Iveraldo. Perda de peso, diminuição da produção de leite e redução da vida produtiva são as consequências da periodontite.

“O animal reduz a ingestão de alimentos, ele não rumina direito. Um bovino faz 17 mil movimentos ruminatórios, mastigatórios por dia para poder aproveitar, transformar o alimento em proteína, apresentar para a microbiota do rúmen dele. Então ele precisa do dente. O dente é uma máquina de triturar o alimento para apresentar para as bactérias do rúmen e para ter energia, para ter proteína, os minerais e assim por diante”, contextualizou o professor.

“Isso então implementa um prejuízo que nós não conseguimos mensurar claramente, mas que é fácil de ser verificado”, informou. Iveraldo recomendou que o produtor que suspeita de perda de desempenho do gado por conta da periodontite pode solicitar a visita de um médico veterinário para confirmar o problema. Conforme exemplificou o professor, isto pode ser feito separando os cinco animais do fundo da boiada e cinco animais de cabeceira para efeitos de comparação e levá-los ao curral para observação pelo profissional capacitado.

O problema pode ser desencadeado por mudanças na dieta do gado, sobretudo quando esta se torna mais energética, por isso o problema é observado com maior frequência em sistemas intensivos, com a integração lavoura-pecuária. “Nas áreas de integração lavoura-pecuária o problema incide com uma gravidade que é fenomenal, a gente fica assustado de ver”, sustentou Iveraldo. A situação ocorre porque são introduzidos na flora bucal dos animais novos elementos que podem potencializar a proliferação de bactérias específicas que causam a gengivite e, com o agravamento, o quadro de periodontite. A situação pode reduzir em até 30% o ganho de peso dos bovinos, conforme confirmou o veterinário.

“Estou sendo bem conservador porque as perdas nos 44 ou 45 milhões de bovinos que a gente abate por ano […] são um pouco difíceis de serem mensuradas. […] É uma doença silenciosa, ela é crônica e ela fica incidindo com diferentes intensidades em cada momento, depende da chuva, depende do pasto, depende de qual é a dieta que o animal tem, uma série de circunstâncias,” salientou.

O especialista apresentou alguns resultados de suas pesquisas para descobrir formas de evitar a progressão da periodontite. “Umas das estratégias é o uso da virginiamicina, que a gente testou. Esse produto se revelou de uma maneira fantástica no controle das gengivites, que são as formas precursoras das doenças periodontais, da periodontite. Então eu evito o mal na raiz, na origem dele, que é o começo da infecção”, observou.

Segundo Iveraldo, a solução deve ser avaliada em conjunto com um médico veterinário para que se faça o uso responsável do antibiótico.

Veja a entrevista completa com Iveraldo Dutra pelo vídeo abaixo:

 

VEJA TAMBÉM

Área de baixa pressão forma canal de umidade que vai do Sudeste até a Amazônia

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

Tem dúvidas sobre bem-estar no transporte boiadeiro? Pergunte ao motorista

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Sindicato Rural de Governador Valadares-MG realiza edição do “Café Rural” dia 09/03

Friboi será parceira do evento que começa às 7h da manhã na sede do sindicato, localizado dentro do Parque de Exposições do município do Vale do Rio Doce

Confira os lotes em destaque do dia 28 de fevereiro de 2020

Lotes de propriedade em Minas Gerais e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Gado com periodontite pode ter ganho de peso reduzido em até 30%

04 fevereiro 2020
periodondite-boi-com-dor-de-dente

Em entrevista ao Giro do Boi desta terça, 04, o doutor em medicina veterinária pela universidade Justus-Liebig, da Alemanha, Iveraldo Dutra, professor da Unesp em Araçatuba-SP, chamou atenção do pecuarista para a periodontite bovina, uma doença que quando em estágios avançados é conhecida também como cara inchada. “É uma inflamação que dá na gengiva e no osso alveolar, o osso que sustenta o dente, […] provoca dor, o afrouxamento do dente, e este dente começa a gerar uma dor insuportável”, detalhou o especialista.

Quando acometido por esta dor, o animal expressa a doença na balança, alertou Iveraldo. Perda de peso, diminuição da produção de leite e redução da vida produtiva são as consequências da periodontite.

“O animal reduz a ingestão de alimentos, ele não rumina direito. Um bovino faz 17 mil movimentos ruminatórios, mastigatórios por dia para poder aproveitar, transformar o alimento em proteína, apresentar para a microbiota do rúmen dele. Então ele precisa do dente. O dente é uma máquina de triturar o alimento para apresentar para as bactérias do rúmen e para ter energia, para ter proteína, os minerais e assim por diante”, contextualizou o professor.

“Isso então implementa um prejuízo que nós não conseguimos mensurar claramente, mas que é fácil de ser verificado”, informou. Iveraldo recomendou que o produtor que suspeita de perda de desempenho do gado por conta da periodontite pode solicitar a visita de um médico veterinário para confirmar o problema. Conforme exemplificou o professor, isto pode ser feito separando os cinco animais do fundo da boiada e cinco animais de cabeceira para efeitos de comparação e levá-los ao curral para observação pelo profissional capacitado.

O problema pode ser desencadeado por mudanças na dieta do gado, sobretudo quando esta se torna mais energética, por isso o problema é observado com maior frequência em sistemas intensivos, com a integração lavoura-pecuária. “Nas áreas de integração lavoura-pecuária o problema incide com uma gravidade que é fenomenal, a gente fica assustado de ver”, sustentou Iveraldo. A situação ocorre porque são introduzidos na flora bucal dos animais novos elementos que podem potencializar a proliferação de bactérias específicas que causam a gengivite e, com o agravamento, o quadro de periodontite. A situação pode reduzir em até 30% o ganho de peso dos bovinos, conforme confirmou o veterinário.

“Estou sendo bem conservador porque as perdas nos 44 ou 45 milhões de bovinos que a gente abate por ano […] são um pouco difíceis de serem mensuradas. […] É uma doença silenciosa, ela é crônica e ela fica incidindo com diferentes intensidades em cada momento, depende da chuva, depende do pasto, depende de qual é a dieta que o animal tem, uma série de circunstâncias,” salientou.

O especialista apresentou alguns resultados de suas pesquisas para descobrir formas de evitar a progressão da periodontite. “Umas das estratégias é o uso da virginiamicina, que a gente testou. Esse produto se revelou de uma maneira fantástica no controle das gengivites, que são as formas precursoras das doenças periodontais, da periodontite. Então eu evito o mal na raiz, na origem dele, que é o começo da infecção”, observou.

Segundo Iveraldo, a solução deve ser avaliada em conjunto com um médico veterinário para que se faça o uso responsável do antibiótico.

Veja a entrevista completa com Iveraldo Dutra pelo vídeo abaixo:

 

VEJA TAMBÉM

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Friboi será parceira do evento que começa às 7h da manhã na sede do sindicato, localizado dentro do Parque de Exposições do município do Vale do Rio Doce

Lotes de propriedade em Minas Gerais e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Em nova edição do quadro Zadra Responde, zootecnista destaca características dos machos para corte e matrizes F1 que resultam deste cruzamento

Segundo Nabih El-Aouar, produtor é incentivado a melhorar manejo, nutrição e inserção de tecnologias no rebanho, levando ganhos para toda a cadeia produtiva

Agrônomo explica quais as alturas ideais de entrada e saída do pastejo, taxa de lotação nas águas e na seca, efeitos da adubação e potencial de produção de matéria seca

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Segundo Nabih El-Aouar, produtor é incentivado a melhorar manejo, nutrição e inserção de tecnologias no rebanho, levando ganhos para toda a cadeia produtiva

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE