Genoma do Nelore aponta características para qualidade de carne

08 novembro 2019
selecao-genomica-nelore-qualidade-carne

No episódio inédito da série Embrapa em Ação exibido nesta sexta, dia 08, a médica veterinária, doutora pela Esalq/USP e pesquisadora da unidade Pecuária Sudeste Luciana Regitano falou sobre os estudos da instituição a respeito de genômica da raça Nelore. “Tornar a seleção dos animais mais eficaz, mais assertiva de tal forma que nós consigamos atingir os nossos objetivos mais rapidamente”, disse a médica veterinária sobre o objetivo da pesquisa.

A partir de 2007, a unidade, em parceria com outras instituições, produziu e acompanhou o desenvolvimento de 800 animais Nelore desde o ventre da mãe para análise de DNA e, posteriormente, estimar a herdabilidade de características relevantes para a produtividade e qualidade de carne. “Só que quando nós analisamos o DNA, nós começamos a olhar a região do genoma que fala ‘olha, isso é importante para a maciez de carne‘, não encontramos nenhum gen”, revelou a pesquisadora.

Foi então que a abordagem da pesquisa mudou e, conforme comparou Luciana, ao invés de buscar o inventário de livros da biblioteca, os pesquisadores passaram a perguntar quais livros estavam sendo lidos e o que determinava isto“Nós analisamos 200 desses 800 animais pra ver que diferença fazia ser um animal com alta eficiência alimentar ou um animal com baixa eficiência alimentar, que gens são esses que eles estão lendo e nós identificamos neste processo centenas de gens para cada característica: para eficiência alimentar, para diversas características de qualidade de carne, incluindo perfil de ácidos graxos, perfil de minerais”, contou a doutora à equipe de reportagem do Giro do Boi.

“A grande lacuna são os fatores de regulação da expressão. Quando a pesquisa mapeia essas regiões, está mapeando elementos regulatórios do genoma que afetam muitos genes simultaneamente, por isso eles têm uma importância tão grande na variação do fenótipo, para saber se o animal é mais produtivo ou menos produtivo”, divulgou a Embrapa em comunicado sobre a pesquisa.

“Quando nós estimamos a herdabilidade, a maioria das características que nós estudamos tem herdabilidade razoável, quer dizer, elas são possíveis de serem melhoradas por seleção”, confirmou a pesquisadora. Segundo Regitano, a próxima etapa é fazer com que este conhecimento chegue ao produtor de forma prática para que os frutos sejam colhidos no campo. “Elementos para fazer a seleção genômica no Nelore nós temos”, concluiu.

Veja a reportagem completa pelo vídeo abaixo:

Foto: Ana Maio / Reprodução Embrapa

VEJA TAMBÉM

Como fazer divisão de pasto na fazenda?

Agrônomo destaca que sem a divisão não é possível fazer manejo de pastagem; confira recomendações para intensificar o sistema desde o pastejo alternado até o rotacionado

Confira as fazendas em destaque do dia 21 de novembro de 2019

Fazendas localizadas em São Paulo, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade.

Etapa de Campo Grande-MS encerra Circuito Nelore de Qualidade 2019

Abate técnico ocorreu na quarta, 20, e avaliou as carcaças de mais de 1.500 animais; etapa definirá a classificação do ranking nacional

“Sinergia entre indústria, pecuarista e consumidor é positiva e necessária”

Em entrevista ao Giro do Boi, Bruno Brainer, gerente de originação da Friboi para Rondônia e Acre, falou sobre parceria com produtor em 2019 e evolução da pecuária na região

Genoma do Nelore aponta características para qualidade de carne

08 novembro 2019
selecao-genomica-nelore-qualidade-carne

No episódio inédito da série Embrapa em Ação exibido nesta sexta, dia 08, a médica veterinária, doutora pela Esalq/USP e pesquisadora da unidade Pecuária Sudeste Luciana Regitano falou sobre os estudos da instituição a respeito de genômica da raça Nelore. “Tornar a seleção dos animais mais eficaz, mais assertiva de tal forma que nós consigamos atingir os nossos objetivos mais rapidamente”, disse a médica veterinária sobre o objetivo da pesquisa.

A partir de 2007, a unidade, em parceria com outras instituições, produziu e acompanhou o desenvolvimento de 800 animais Nelore desde o ventre da mãe para análise de DNA e, posteriormente, estimar a herdabilidade de características relevantes para a produtividade e qualidade de carne. “Só que quando nós analisamos o DNA, nós começamos a olhar a região do genoma que fala ‘olha, isso é importante para a maciez de carne‘, não encontramos nenhum gen”, revelou a pesquisadora.

Foi então que a abordagem da pesquisa mudou e, conforme comparou Luciana, ao invés de buscar o inventário de livros da biblioteca, os pesquisadores passaram a perguntar quais livros estavam sendo lidos e o que determinava isto“Nós analisamos 200 desses 800 animais pra ver que diferença fazia ser um animal com alta eficiência alimentar ou um animal com baixa eficiência alimentar, que gens são esses que eles estão lendo e nós identificamos neste processo centenas de gens para cada característica: para eficiência alimentar, para diversas características de qualidade de carne, incluindo perfil de ácidos graxos, perfil de minerais”, contou a doutora à equipe de reportagem do Giro do Boi.

“A grande lacuna são os fatores de regulação da expressão. Quando a pesquisa mapeia essas regiões, está mapeando elementos regulatórios do genoma que afetam muitos genes simultaneamente, por isso eles têm uma importância tão grande na variação do fenótipo, para saber se o animal é mais produtivo ou menos produtivo”, divulgou a Embrapa em comunicado sobre a pesquisa.

“Quando nós estimamos a herdabilidade, a maioria das características que nós estudamos tem herdabilidade razoável, quer dizer, elas são possíveis de serem melhoradas por seleção”, confirmou a pesquisadora. Segundo Regitano, a próxima etapa é fazer com que este conhecimento chegue ao produtor de forma prática para que os frutos sejam colhidos no campo. “Elementos para fazer a seleção genômica no Nelore nós temos”, concluiu.

Veja a reportagem completa pelo vídeo abaixo:

Foto: Ana Maio / Reprodução Embrapa

VEJA TAMBÉM

Agrônomo destaca que sem a divisão não é possível fazer manejo de pastagem; confira recomendações para intensificar o sistema desde o pastejo alternado até o rotacionado

Fazendas localizadas em São Paulo, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade.

Abate técnico ocorreu na quarta, 20, e avaliou as carcaças de mais de 1.500 animais; etapa definirá a classificação do ranking nacional

Em entrevista ao Giro do Boi, Bruno Brainer, gerente de originação da Friboi para Rondônia e Acre, falou sobre parceria com produtor em 2019 e evolução da pecuária na região

Fazendas localizadas no Mato Grosso do Sul e Minas Gerais foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade.

Veja imagens do lote de novilhas meio-sangue Angus da Fazenda São Luiz, em Santa Tereza-GO, que marcou 98% Verde no Farol da Qualidade

Cuidar das forrageiras é essencial para fazendas de pecuária a pasto, mas existe um fator limitante para o sucesso do produtor; saiba qual é

Abate técnico ocorreu na quarta, 20, e avaliou as carcaças de mais de 1.500 animais; etapa definirá a classificação do ranking nacional

Agrônomo Maurício Nogueira falou em entrevista sobre como investir da maneira certa no momento de alta e os impactos das mentiras sobre a sustentabilidade do setor

Declaração para o imposto venceu em setembro, mas os problemas começam depois do fim do prazo; confira as dicas do consultor jurídico

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE