“Mais barato que um seguro”, diz especialista sobre investimento em sanidade

21 fevereiro 2019
especial-1

Em entrevista ao Giro do Boi desta quinta, 21, o diretor da área de grandes animais da Boehringer Saúde Animal, Nivaldo Grando Júnior, engenheiro agrônomo, pós-graduado em gestão estratégica pela FGV e especialista em trade marketing pela ESPM, destacou que o custo do pecuarista com prevenção a problemas de saúde de seu rebanho não passa de 3% de tudo que ele investe da porteira para dentro.

“De tudo isso, o investimento do pecuarista em saúde animal não passa de 3% do que ele investe ao ano. […] É mais barato do que um seguro. Normalmente o seguro que a gente paga é acima disso. Deste modo a gente consegue eliminar grande parte das perdas, trazer bem-estar animal, que é uma outra bandeira que a gente ergue muito na nossa responsabilidade, e proteger a rentabilidade destes pecuaristas”, analisou.

O diretor ainda acrescentou que os custos não variam além dos 3% mesmo quando levada em consideração a região em que está a propriedade e a(s) raça(s) utilizada(s) no rebanho. No entanto o valor pode variar caso o produtor não trabalhe com sanidade de modo preventivo. Afinal, é claro, remediar é mais caro do que prevenir. “Quanto mais antecipado, quanto mais o protocolo for bem adequado, menos a gente deixa o prejuízo entrar para dentro da porteira e mais a gente faz com que o lucro aumente”, salientou. “Trazer a prevenção para dentro da porteira é fundamental para a gente evitar estas perdas”, reforçou.

Nivaldo comentou também a mudança feita na dose de vacina contra a febre aftosa, aproveitando a aproximação da primeira campanha anual que se iniciará no próximo mês de maio. Já valendo para esta etapa, a dose diminui de 5 ml para 2 ml por aplicação. “A gente tem essa responsabilidade de só levar para o mercado aqueles produtos que tenham maior padrão e melhor qualidade. A gente sabe que se trata de uma nova tecnologia, que fez com que nossa equipe de desenvolvimento de fábrica precisasse fazer este tipo de investimento. Nós estamos concentrando mais o antígeno, a saída da saponina e com os frascos agora de 100 ml e 50 doses ou 30 ml e 15 doses que vão estar disponíveis aos pecuaristas. Não perca tempo, é o momento de fazer a aplicação em maio. O pecuarista tem a obrigação de proteger o Brasil para a gente continuar podendo vender carne enquanto mantivermos o vírus não circulante”, declarou.

Veja a entrevista completa no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Pecuária colombiana é exemplo para o Brasil no combate às plantas daninhas

No país sul-americano, é comum a prática de limpeza das áreas de pastagens através da aplicação de herbicidas. Isso faz com que os “ganadeiros” colombianos consigam uma produtividade média de 7/UA/HA, enquanto que no Brasil não atingimos nem a metade desse número, no Mato Grosso, por exemplo, a Embrapa Agrossilvipastoril, sediada em Sinop, estima uma...

Confira as fazendas em destaque desta terça-feira, 19 de março de 2019

Nesta terça-feira o programa Giro do Boi exibiu para todo o Brasil os lotes que mais se destacaram nas unidades de abate dos estados de SP, MT e MS.

Confira as fazendas em destaque desta segunda-feira, 18 de março de 2019

A semana começou com lotes em destaque oriundos dos estados de MS, MT e SP.

Presidente da Angus alerta para “sazonalidade” na oferta de carne no Brasil

Duas alternativas podem ajudar o fazendeiro a ter um equilíbrio na oferta de seu produto o ano todo: o uso da tecnologia da inseminação artificial (IATF) e o confinamento, inclusive no período das águas.

“Mais barato que um seguro”, diz especialista sobre investimento em sanidade

21 fevereiro 2019
especial-1

Em entrevista ao Giro do Boi desta quinta, 21, o diretor da área de grandes animais da Boehringer Saúde Animal, Nivaldo Grando Júnior, engenheiro agrônomo, pós-graduado em gestão estratégica pela FGV e especialista em trade marketing pela ESPM, destacou que o custo do pecuarista com prevenção a problemas de saúde de seu rebanho não passa de 3% de tudo que ele investe da porteira para dentro.

“De tudo isso, o investimento do pecuarista em saúde animal não passa de 3% do que ele investe ao ano. […] É mais barato do que um seguro. Normalmente o seguro que a gente paga é acima disso. Deste modo a gente consegue eliminar grande parte das perdas, trazer bem-estar animal, que é uma outra bandeira que a gente ergue muito na nossa responsabilidade, e proteger a rentabilidade destes pecuaristas”, analisou.

O diretor ainda acrescentou que os custos não variam além dos 3% mesmo quando levada em consideração a região em que está a propriedade e a(s) raça(s) utilizada(s) no rebanho. No entanto o valor pode variar caso o produtor não trabalhe com sanidade de modo preventivo. Afinal, é claro, remediar é mais caro do que prevenir. “Quanto mais antecipado, quanto mais o protocolo for bem adequado, menos a gente deixa o prejuízo entrar para dentro da porteira e mais a gente faz com que o lucro aumente”, salientou. “Trazer a prevenção para dentro da porteira é fundamental para a gente evitar estas perdas”, reforçou.

Nivaldo comentou também a mudança feita na dose de vacina contra a febre aftosa, aproveitando a aproximação da primeira campanha anual que se iniciará no próximo mês de maio. Já valendo para esta etapa, a dose diminui de 5 ml para 2 ml por aplicação. “A gente tem essa responsabilidade de só levar para o mercado aqueles produtos que tenham maior padrão e melhor qualidade. A gente sabe que se trata de uma nova tecnologia, que fez com que nossa equipe de desenvolvimento de fábrica precisasse fazer este tipo de investimento. Nós estamos concentrando mais o antígeno, a saída da saponina e com os frascos agora de 100 ml e 50 doses ou 30 ml e 15 doses que vão estar disponíveis aos pecuaristas. Não perca tempo, é o momento de fazer a aplicação em maio. O pecuarista tem a obrigação de proteger o Brasil para a gente continuar podendo vender carne enquanto mantivermos o vírus não circulante”, declarou.

Veja a entrevista completa no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

No país sul-americano, é comum a prática de limpeza das áreas de pastagens através da aplicação de herbicidas. Isso faz com que os “ganadeiros” colombianos consigam uma produtividade média de 7/UA/HA, enquanto que no Brasil não atingimos nem a metade desse número, no Mato Grosso, por exemplo, a Embrapa Agrossilvipastoril, sediada em Sinop, estima uma...

Nesta terça-feira o programa Giro do Boi exibiu para todo o Brasil os lotes que mais se destacaram nas unidades de abate dos estados de SP, MT e MS.

A semana começou com lotes em destaque oriundos dos estados de MS, MT e SP.

Duas alternativas podem ajudar o fazendeiro a ter um equilíbrio na oferta de seu produto o ano todo: o uso da tecnologia da inseminação artificial (IATF) e o confinamento, inclusive no período das águas.

Confira a fazenda em destaque desta sexta, localizada na região de MT

“A última chuva que caiu por aqui foi antes do Natal”, disse o entrevistado, acrescentando que os problemas também atingem as cidades que dependem do Rio Pardo, principal da região e que abastece dezenas de cidades ao longo da margem.

No primeiro episódio da série, que estará sendo apresentada no Giro do Boi todas as sextas-feiras, Chaker nos explicou a “ter a fazenda nas mãos”. Foram três dicas importantes sobre pessoas, processos e finanças.

“Caruru gigante” é uma planta invasora muito agressiva, de rápido crescimento, tolerante ao herbicida glifosato e que tem se alastrado no Mato Grosso, principalmente na região de Lucas do Rio Verde, região central do Estado.

Confira a fazenda em destaque desta sexta, localizada na região de MT

Entre as facilidades para efetivar doações particulares está modalidade via imposto de renda; entenda como realizar o processo

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE