Mais lotação, menos emissão: produtores do MT investem na sustentabilidade da pecuária tropical

15 abril 2019
Rota do Boi Araputanga

A Liga do Araguaia, movimento de pecuaristas que nasceu em 2014 com o objetivo de aumentar a competitividades de produtores mato-grossenses do Vale do Araguaia por meio da intensificação sustentável da atividade, voltou a ser destaque do Giro do Boi nesta segunda, 15. O convidado do programa foi o engenheiro agrônomo José Carlos Pedreira de Freitas, especialista nesta inserção da sustentabilidade na estratégia de empresas agropecuárias, consultor do Grupo Roncador e sócio-diretor da Hecta, empresa que orienta as ações dos pecuaristas que pertencem à iniciativa.

Liga de produtores do MT busca desenvolvimento sustentável da pecuária no Vale do Araguaia

Freitas reforçou que o objetivo dos pecuaristas é produzir o que chama de carne dos trópicos, baseada na engorda a pasto, com uma pegada sustentável por conta do sequestro de carbono pelas forrageiras da atmosfera para o solo, equilibrando as emissões de CO² da atividade. Isto, na visão do consultor, representa grande oportunidade para a carne brasileira ganhar espaço mundo afora.

“Nós, nos trópicos e na pecuária brasileira, temos todas as condições de dar a resposta que este mercado precisa. É preciso a gente se preparar para isso e dizer: eu faço uma pecuária a pasto, nos trópicos e a pecuária de baixas emissões de carbono porque eu neutralizo as emissões dos animais no carbono armazenado nas minhas pastagens intensificadas”, resumiu.

+ Com “simbiose” lavoura-pecuária, fazenda no MT aumentou em mais de 40 vezes a produção de alimentos em dez anos

Por meio de auditorias independentes, o grupo de produtores que integram o movimento atestou que, desde 2014, foram evitadas as emissões de 357.230 toneladas de CO² equivalente pela pecuária desenvolvida pela liga, ou 67% da meta total a ser cumprida até 2020, quando pretende evitar emitir 531.028 toneladas de CO² equivalente por meio do aumento de produtividade, principalmente reforçando a capacidade de suporte das forrageiras.

Veja a entrevista completa no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Confira as fazendas em destaque do dia 23 de abril de 2019

Fazenda nos estados de Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Cenário internacional é favorável para a pecuária brasileira, mas produtor deve estar atento à disputa entre China e EUA

Com os preços dos grãos atrativos e o aumento da demanda mundial por carnes, produtores brasileiros têm boas perspectivas para o mercado em 2019

Confira as fazendas em destaque do dia 22 de abril de 2019

Fazenda nos estados de São Paulo, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Definidos os dois primeiros lotes para a votação do melhor de abril

Lote de novilhas Nelore e outro de fêmeas tricross (Nelore, Angus e Wagyu) seguirão para a eleição no final do mês

Mais lotação, menos emissão: produtores do MT investem na sustentabilidade da pecuária tropical

15 abril 2019
Rota do Boi Araputanga

A Liga do Araguaia, movimento de pecuaristas que nasceu em 2014 com o objetivo de aumentar a competitividades de produtores mato-grossenses do Vale do Araguaia por meio da intensificação sustentável da atividade, voltou a ser destaque do Giro do Boi nesta segunda, 15. O convidado do programa foi o engenheiro agrônomo José Carlos Pedreira de Freitas, especialista nesta inserção da sustentabilidade na estratégia de empresas agropecuárias, consultor do Grupo Roncador e sócio-diretor da Hecta, empresa que orienta as ações dos pecuaristas que pertencem à iniciativa.

Liga de produtores do MT busca desenvolvimento sustentável da pecuária no Vale do Araguaia

Freitas reforçou que o objetivo dos pecuaristas é produzir o que chama de carne dos trópicos, baseada na engorda a pasto, com uma pegada sustentável por conta do sequestro de carbono pelas forrageiras da atmosfera para o solo, equilibrando as emissões de CO² da atividade. Isto, na visão do consultor, representa grande oportunidade para a carne brasileira ganhar espaço mundo afora.

“Nós, nos trópicos e na pecuária brasileira, temos todas as condições de dar a resposta que este mercado precisa. É preciso a gente se preparar para isso e dizer: eu faço uma pecuária a pasto, nos trópicos e a pecuária de baixas emissões de carbono porque eu neutralizo as emissões dos animais no carbono armazenado nas minhas pastagens intensificadas”, resumiu.

+ Com “simbiose” lavoura-pecuária, fazenda no MT aumentou em mais de 40 vezes a produção de alimentos em dez anos

Por meio de auditorias independentes, o grupo de produtores que integram o movimento atestou que, desde 2014, foram evitadas as emissões de 357.230 toneladas de CO² equivalente pela pecuária desenvolvida pela liga, ou 67% da meta total a ser cumprida até 2020, quando pretende evitar emitir 531.028 toneladas de CO² equivalente por meio do aumento de produtividade, principalmente reforçando a capacidade de suporte das forrageiras.

Veja a entrevista completa no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Fazenda nos estados de Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Com os preços dos grãos atrativos e o aumento da demanda mundial por carnes, produtores brasileiros têm boas perspectivas para o mercado em 2019

Fazenda nos estados de São Paulo, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Lote de novilhas Nelore e outro de fêmeas tricross (Nelore, Angus e Wagyu) seguirão para a eleição no final do mês

O presidente da Friboi no Brasil, Renato Costa, também disse que esta celebração do primeiro ano da marca de carnes 1953 atende às necessidades do consumidor que está cada vez mais exigente e esclarecido. “Ele sabe o que está levando para sua casa”, salientou, relembrando a importância do planejamento prévio pelos clientes/fornecedores, principalmente através de...

Expectativa de lucro pode variar de 2,8 a até 10,9@ por hectare, de acordo com exemplos reais de casos analisados pelo consultor Antônio Chaker

Expectativa de lucro pode variar de 2,8 a até 10,9@ por hectare, de acordo com exemplos reais de casos analisados pelo consultor Antônio Chaker

Queda de 15% no preço da soja diminui em 25% o lucro de fazenda que integra, enquanto o lucro de quem faz somente agricultura pode cair até 50%; veja cenário para o boi

Fazenda nos estados de Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

O presidente da Friboi no Brasil, Renato Costa, também disse que esta celebração do primeiro ano da marca de carnes 1953 atende às necessidades do consumidor que está cada vez mais exigente e esclarecido. “Ele sabe o que está levando para sua casa”, salientou, relembrando a importância do planejamento prévio...

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE