Miíases, ou bicheiras, fazem pecuarista gaúcho gastar R$ 170 mi por ano

10 junho 2019
prejuizo-pecuaristas-gauchos-bicheiras-miiases

Nesta segunda, 10, o Giro do Boi repercutiu um estudo da Embrapa Pecuária Sul sobre o impacto das miíases, popularmente conhecidas como bicheiras, causadas pelas moscas da espécie Cochliomyia hominivorax, na pecuária gaúcha. O levantamento foi conduzido pelo pesquisador da unidade Jorge Luiz Sant’anna dos Santos, doutor em ciências sociais em desenvolvimento, agricultura e sociedade, que falou ao programa de hoje.

O estudo apontou que entre mão de obra e produtos, o custo dos produtores é de cerca de R$ 170 milhões por ano para tratar a doença. Estes custos estão distribuídos entre cerca de 308 mil estabelecimentos pecuários existentes no Rio Grande do Sul. O prejuízo pode ser ainda maior se forem levadas em consideração perdas de peso e queda na qualidade do couro.

Os casos mais graves de pecuaristas cujos rebanhos são acometidos pelas bicheiras são os que trabalham com cria (terneiros de até 12 meses), uma fatia de 66% do total de propriedades de pecuária no RS, ou os que têm ovinos em suas propriedades. Isto ocorre por conta de estes animais estarem mais suscetíveis aos parasitas.

Como forma de evitar o problema , o estudo sugere medidas que preservem o rebanho de ferimentos, como usar arame liso ao invés do farpado, evitar nos pastos plantas lenhosas ou espinhosas, fazer a cura correta do umbigo e estar atento à cicatrização de procedimentos cirúrgicos, como a castração, por exemplo.

O pesquisador alertou ainda para o pecuarista estar mais atento nos anos em que o inverno é menos rigoroso, pois as temperaturas elevadas favorecem a proliferação das moscas responsáveis pelas deposição das larvas que causam as miíases.

+ Veja aqui o estudo da Embrapa Pecuária Sul sobre miíases na íntegra

Veja a entrevista completa com Jorge Luiz Sant’anna dos Santos no vídeo abaixo:

Foto: Kéke Barcellos / Reprodução Embrapa Pecuária Sul

VEJA TAMBÉM

ILPF reduz temperatura em até 12º C e consumo de água em 20%

Pesquisadora da Embrapa ressaltou que conforto térmico eleva níveis de produtividade do rebanho, acelerando ganho de peso e aumentando da taxa de prenhez

Tempo seco chega para valer na região central do Brasil e pode causar queimadas

Produtores das regiões centro-norte de SP, Mato Grosso do Sul, Goiás, Tocantins, Piauí e Mato Grosso devem estar atentos por conta do calor e baixa umidade do ar; veja mapas completos

Definido o melhor lote do mês de maio

Fazenda vencedora vem do estado de Rondônia e levou a disputa com mais de 67% dos votos pelo site do Giro do Boi

2º Roda Sertaneja reúne produtores do norte mato-grossense em Alta Floresta-MT

Pecuaristas participaram de debates sobre manejo de pastagens, rodas de negócios e confraternização com churrasco e música sertaneja

Miíases, ou bicheiras, fazem pecuarista gaúcho gastar R$ 170 mi por ano

10 junho 2019
prejuizo-pecuaristas-gauchos-bicheiras-miiases

Nesta segunda, 10, o Giro do Boi repercutiu um estudo da Embrapa Pecuária Sul sobre o impacto das miíases, popularmente conhecidas como bicheiras, causadas pelas moscas da espécie Cochliomyia hominivorax, na pecuária gaúcha. O levantamento foi conduzido pelo pesquisador da unidade Jorge Luiz Sant’anna dos Santos, doutor em ciências sociais em desenvolvimento, agricultura e sociedade, que falou ao programa de hoje.

O estudo apontou que entre mão de obra e produtos, o custo dos produtores é de cerca de R$ 170 milhões por ano para tratar a doença. Estes custos estão distribuídos entre cerca de 308 mil estabelecimentos pecuários existentes no Rio Grande do Sul. O prejuízo pode ser ainda maior se forem levadas em consideração perdas de peso e queda na qualidade do couro.

Os casos mais graves de pecuaristas cujos rebanhos são acometidos pelas bicheiras são os que trabalham com cria (terneiros de até 12 meses), uma fatia de 66% do total de propriedades de pecuária no RS, ou os que têm ovinos em suas propriedades. Isto ocorre por conta de estes animais estarem mais suscetíveis aos parasitas.

Como forma de evitar o problema , o estudo sugere medidas que preservem o rebanho de ferimentos, como usar arame liso ao invés do farpado, evitar nos pastos plantas lenhosas ou espinhosas, fazer a cura correta do umbigo e estar atento à cicatrização de procedimentos cirúrgicos, como a castração, por exemplo.

O pesquisador alertou ainda para o pecuarista estar mais atento nos anos em que o inverno é menos rigoroso, pois as temperaturas elevadas favorecem a proliferação das moscas responsáveis pelas deposição das larvas que causam as miíases.

+ Veja aqui o estudo da Embrapa Pecuária Sul sobre miíases na íntegra

Veja a entrevista completa com Jorge Luiz Sant’anna dos Santos no vídeo abaixo:

Foto: Kéke Barcellos / Reprodução Embrapa Pecuária Sul

VEJA TAMBÉM

Pesquisadora da Embrapa ressaltou que conforto térmico eleva níveis de produtividade do rebanho, acelerando ganho de peso e aumentando da taxa de prenhez

Produtores das regiões centro-norte de SP, Mato Grosso do Sul, Goiás, Tocantins, Piauí e Mato Grosso devem estar atentos por conta do calor e baixa umidade do ar; veja mapas completos

Fazenda vencedora vem do estado de Rondônia e levou a disputa com mais de 67% dos votos pelo site do Giro do Boi

Pecuaristas participaram de debates sobre manejo de pastagens, rodas de negócios e confraternização com churrasco e música sertaneja

Fazenda localizada em Ribeirão Cascalheira, estado do Mato Grosso, foi destaque do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade.

Cerimônia foi marcada por assinatura de protocolo de intenções de colaboração entre ministérios da Agricultura, Meio Ambiente, Defesa e Relações Exteriores

Produtores das regiões centro-norte de SP, Mato Grosso do Sul, Goiás, Tocantins, Piauí e Mato Grosso devem estar atentos por conta do calor e baixa umidade do ar; veja mapas completos

Advogado recomenda que produtor não assine notificações caso o fiscal não esclareça de forma satisfatória os motivos da penalização

Pecuaristas participaram de debates sobre manejo de pastagens, rodas de negócios e confraternização com churrasco e música sertaneja

Quadro Giro na Estrada trouxe dicas de embarque aos invernistas ativos no mercado da reposição nesta entressafra

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE