Miíases, ou bicheiras, fazem pecuarista gaúcho gastar R$ 170 mi por ano

10 junho 2019
prejuizo-pecuaristas-gauchos-bicheiras-miiases

Nesta segunda, 10, o Giro do Boi repercutiu um estudo da Embrapa Pecuária Sul sobre o impacto das miíases, popularmente conhecidas como bicheiras, causadas pelas moscas da espécie Cochliomyia hominivorax, na pecuária gaúcha. O levantamento foi conduzido pelo pesquisador da unidade Jorge Luiz Sant’anna dos Santos, doutor em ciências sociais em desenvolvimento, agricultura e sociedade, que falou ao programa de hoje.

O estudo apontou que entre mão de obra e produtos, o custo dos produtores é de cerca de R$ 170 milhões por ano para tratar a doença. Estes custos estão distribuídos entre cerca de 308 mil estabelecimentos pecuários existentes no Rio Grande do Sul. O prejuízo pode ser ainda maior se forem levadas em consideração perdas de peso e queda na qualidade do couro.

Os casos mais graves de pecuaristas cujos rebanhos são acometidos pelas bicheiras são os que trabalham com cria (terneiros de até 12 meses), uma fatia de 66% do total de propriedades de pecuária no RS, ou os que têm ovinos em suas propriedades. Isto ocorre por conta de estes animais estarem mais suscetíveis aos parasitas.

Como forma de evitar o problema , o estudo sugere medidas que preservem o rebanho de ferimentos, como usar arame liso ao invés do farpado, evitar nos pastos plantas lenhosas ou espinhosas, fazer a cura correta do umbigo e estar atento à cicatrização de procedimentos cirúrgicos, como a castração, por exemplo.

O pesquisador alertou ainda para o pecuarista estar mais atento nos anos em que o inverno é menos rigoroso, pois as temperaturas elevadas favorecem a proliferação das moscas responsáveis pelas deposição das larvas que causam as miíases.

+ Veja aqui o estudo da Embrapa Pecuária Sul sobre miíases na íntegra

Veja a entrevista completa com Jorge Luiz Sant’anna dos Santos no vídeo abaixo:

Foto: Kéke Barcellos / Reprodução Embrapa Pecuária Sul

VEJA TAMBÉM

Confira as fazendas em destaque do dia 22 de agosto de 2019

Fazendas localizadas em Tocantins, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Giro Inspiração: como utilizar a ambição como combustível motivacional na fazenda?

Neste 4º episódio da série, consultora Helda Elaine explica diferença entre ganância e ambição e afirma que é por meio desta que o pecuarista faz sacrifícios pelos resultados

Agrônomo viaja o mundo pesquisando o agro e traz lições para o Brasil

Profissional foi contemplado com uma bolsa para realizar intercâmbio e, em entrevista, contou suas experiências e impressões sobre a produção rural mundo afora

Confira as fazendas em destaque do dia 21 de agosto de 2019

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Miíases, ou bicheiras, fazem pecuarista gaúcho gastar R$ 170 mi por ano

10 junho 2019
prejuizo-pecuaristas-gauchos-bicheiras-miiases

Nesta segunda, 10, o Giro do Boi repercutiu um estudo da Embrapa Pecuária Sul sobre o impacto das miíases, popularmente conhecidas como bicheiras, causadas pelas moscas da espécie Cochliomyia hominivorax, na pecuária gaúcha. O levantamento foi conduzido pelo pesquisador da unidade Jorge Luiz Sant’anna dos Santos, doutor em ciências sociais em desenvolvimento, agricultura e sociedade, que falou ao programa de hoje.

O estudo apontou que entre mão de obra e produtos, o custo dos produtores é de cerca de R$ 170 milhões por ano para tratar a doença. Estes custos estão distribuídos entre cerca de 308 mil estabelecimentos pecuários existentes no Rio Grande do Sul. O prejuízo pode ser ainda maior se forem levadas em consideração perdas de peso e queda na qualidade do couro.

Os casos mais graves de pecuaristas cujos rebanhos são acometidos pelas bicheiras são os que trabalham com cria (terneiros de até 12 meses), uma fatia de 66% do total de propriedades de pecuária no RS, ou os que têm ovinos em suas propriedades. Isto ocorre por conta de estes animais estarem mais suscetíveis aos parasitas.

Como forma de evitar o problema , o estudo sugere medidas que preservem o rebanho de ferimentos, como usar arame liso ao invés do farpado, evitar nos pastos plantas lenhosas ou espinhosas, fazer a cura correta do umbigo e estar atento à cicatrização de procedimentos cirúrgicos, como a castração, por exemplo.

O pesquisador alertou ainda para o pecuarista estar mais atento nos anos em que o inverno é menos rigoroso, pois as temperaturas elevadas favorecem a proliferação das moscas responsáveis pelas deposição das larvas que causam as miíases.

+ Veja aqui o estudo da Embrapa Pecuária Sul sobre miíases na íntegra

Veja a entrevista completa com Jorge Luiz Sant’anna dos Santos no vídeo abaixo:

Foto: Kéke Barcellos / Reprodução Embrapa Pecuária Sul

VEJA TAMBÉM

Fazendas localizadas em Tocantins, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Neste 4º episódio da série, consultora Helda Elaine explica diferença entre ganância e ambição e afirma que é por meio desta que o pecuarista faz sacrifícios pelos resultados

Profissional foi contemplado com uma bolsa para realizar intercâmbio e, em entrevista, contou suas experiências e impressões sobre a produção rural mundo afora

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Especialista apontou intensificação dos sistemas de produção, como semiconfinamento e confinamento, como principal fator de impacto para a melhoria

Professor da Mackenzie destaca que rastreabilidade traz “uma série de benefícios do ponto de vista prático e operacional” para os pecuaristas

Professor da Mackenzie destaca que rastreabilidade traz “uma série de benefícios do ponto de vista prático e operacional” para os pecuaristas

Segundo consultor jurídico, texto deixa brecha para que empreendedores familiares não tenham liberdade econômica plena em relação a contratos agrários

Fêmeas podem receber preço de boi mais premiações do Protocolo Sinal Verde, Europa/Hilton e Protocolo 1953

Fazendas localizadas em Tocantins, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE