Mulheres do agro ainda são discriminadas, indica pesquisa feita em 17 países

18 dezembro 2018
mulheres-do-agro-pesquisa-corteva-brasil-mundo

Nesta terça, dia 18, o Giro do Boi recebeu como convidada em seu estúdio a diretora de comunicação da Corteva Agriscience – a divisão agrícola DowDuPont – para a América Latina, Vivian Bialski. Ela apresentou com detalhes os resultados de uma pesquisa encomendada pela companhia e feita entre agosto e setembro e lançada como parte da celebração do Dia Internacional das Mulheres Rurais, estabelecido pela ONU como 15 de outubro.

O levantamento contou com entrevistas de 4.157 produtoras de 17 países, entre elas quase 500 mulheres do agro do Brasil. “O nosso objetivo era tirar um raio-x, ter uma visão 360º de como é que está a mulher no agronegócio e inclusive poder comparar a situação da mulher brasileira com outros 16 países que estão em condição sócio econômica bem diferente do Brasil”, resumiu a diretora.

+ 80% das mulheres rurais do Brasil têm ‘muito orgulho’ de pertencerem ao agro, aponta pesquisa

“A gente constata que cada vez mais a mulher no agronegócio vem desempenhando um papel de protagonismo. Antes a mulher no agro atuava em uma posição de liderança por uma questão circunstancial, porque o marido havia falecido ou porque ela herdou alguma coisa da família. O que a gente notou por meio da pesquisa é que cada vez mais a mulher já vem no papel de protagonismo naturalmente. Isso realmente tem muita relação com a forma com a qual ela lidera, como está no campo, como faz as coisas acontecerem”, complementou.

No entanto, ao passo que exerce papeis de liderança no agro por todo o mundo, a discriminação de gênero é uma percepção generalizada pelas entrevistadas. Em média, 66% das mulheres disseram sofrer discriminação. Nos extremos estão as mulheres da Índia, em que 78% disseram passar por tal situação, e nos EUA, a porcentagem cai para 52%. Neste quesito, o Brasil está próximo do extremo negativo: 77% das mulheres entrevistadas pela pesquisa disseram sofrer discriminação de gênero no agro.

Mas há também uma percepção de que o cenário está melhorando. No Brasil, 62% das mulheres acreditam que hoje há menos discriminação em relação 10 anos. Para vencer estas barreiras, as mulheres sugeriram mudanças como treinamento (80%), algum nível de educação acadêmica (79%), apoio jurídico para mulheres que passam por discriminação de gênero (76%), aumento da conscientização do público sobre as contribuições das mulheres para a indústria do agro (75%) e aumento da conscientização do público sobre a discriminação de gênero (74%).

Mesmo com o cenário adverso, 80% das mulheres do Brasil afirmaram que estão muito orgulhosas de pertencerem ao agro, contra 70% da média global.

Veja os principais números da pesquisa na entrevista completa com Vivian Bialski no vídeo abaixo:

Foto: Divulgação / CNMA

VEJA TAMBÉM

Área de baixa pressão forma canal de umidade que vai do Sudeste até a Amazônia

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

Tem dúvidas sobre bem-estar no transporte boiadeiro? Pergunte ao motorista

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Sindicato Rural de Governador Valadares-MG realiza edição do “Café Rural” dia 09/03

Friboi será parceira do evento que começa às 7h da manhã na sede do sindicato, localizado dentro do Parque de Exposições do município do Vale do Rio Doce

Confira os lotes em destaque do dia 28 de fevereiro de 2020

Lotes de propriedade em Minas Gerais e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Mulheres do agro ainda são discriminadas, indica pesquisa feita em 17 países

18 dezembro 2018
mulheres-do-agro-pesquisa-corteva-brasil-mundo

Nesta terça, dia 18, o Giro do Boi recebeu como convidada em seu estúdio a diretora de comunicação da Corteva Agriscience – a divisão agrícola DowDuPont – para a América Latina, Vivian Bialski. Ela apresentou com detalhes os resultados de uma pesquisa encomendada pela companhia e feita entre agosto e setembro e lançada como parte da celebração do Dia Internacional das Mulheres Rurais, estabelecido pela ONU como 15 de outubro.

O levantamento contou com entrevistas de 4.157 produtoras de 17 países, entre elas quase 500 mulheres do agro do Brasil. “O nosso objetivo era tirar um raio-x, ter uma visão 360º de como é que está a mulher no agronegócio e inclusive poder comparar a situação da mulher brasileira com outros 16 países que estão em condição sócio econômica bem diferente do Brasil”, resumiu a diretora.

+ 80% das mulheres rurais do Brasil têm ‘muito orgulho’ de pertencerem ao agro, aponta pesquisa

“A gente constata que cada vez mais a mulher no agronegócio vem desempenhando um papel de protagonismo. Antes a mulher no agro atuava em uma posição de liderança por uma questão circunstancial, porque o marido havia falecido ou porque ela herdou alguma coisa da família. O que a gente notou por meio da pesquisa é que cada vez mais a mulher já vem no papel de protagonismo naturalmente. Isso realmente tem muita relação com a forma com a qual ela lidera, como está no campo, como faz as coisas acontecerem”, complementou.

No entanto, ao passo que exerce papeis de liderança no agro por todo o mundo, a discriminação de gênero é uma percepção generalizada pelas entrevistadas. Em média, 66% das mulheres disseram sofrer discriminação. Nos extremos estão as mulheres da Índia, em que 78% disseram passar por tal situação, e nos EUA, a porcentagem cai para 52%. Neste quesito, o Brasil está próximo do extremo negativo: 77% das mulheres entrevistadas pela pesquisa disseram sofrer discriminação de gênero no agro.

Mas há também uma percepção de que o cenário está melhorando. No Brasil, 62% das mulheres acreditam que hoje há menos discriminação em relação 10 anos. Para vencer estas barreiras, as mulheres sugeriram mudanças como treinamento (80%), algum nível de educação acadêmica (79%), apoio jurídico para mulheres que passam por discriminação de gênero (76%), aumento da conscientização do público sobre as contribuições das mulheres para a indústria do agro (75%) e aumento da conscientização do público sobre a discriminação de gênero (74%).

Mesmo com o cenário adverso, 80% das mulheres do Brasil afirmaram que estão muito orgulhosas de pertencerem ao agro, contra 70% da média global.

Veja os principais números da pesquisa na entrevista completa com Vivian Bialski no vídeo abaixo:

Foto: Divulgação / CNMA

VEJA TAMBÉM

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Friboi será parceira do evento que começa às 7h da manhã na sede do sindicato, localizado dentro do Parque de Exposições do município do Vale do Rio Doce

Lotes de propriedade em Minas Gerais e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Em nova edição do quadro Zadra Responde, zootecnista destaca características dos machos para corte e matrizes F1 que resultam deste cruzamento

Segundo Nabih El-Aouar, produtor é incentivado a melhorar manejo, nutrição e inserção de tecnologias no rebanho, levando ganhos para toda a cadeia produtiva

Agrônomo explica quais as alturas ideais de entrada e saída do pastejo, taxa de lotação nas águas e na seca, efeitos da adubação e potencial de produção de matéria seca

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Segundo Nabih El-Aouar, produtor é incentivado a melhorar manejo, nutrição e inserção de tecnologias no rebanho, levando ganhos para toda a cadeia produtiva

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE