Nem adubação, nem herbicida: saiba qual o primeiro passo para intensificar o uso de suas pastagens

27 maio 2019
intensificacao-pastagem-primeiro-passo-wagner-pires

Apesar de ser um dos maiores produtores de carne bovina do mundo e o principal exportador em volume, o Brasil pecuário ainda tem questões a resolver, como, por exemplo, a taxa de lotação, cuja média é de cerca de 0,7 UA/ha. Nesta segunda, 27, o Giro do Boi falou sobre a importância da intensificação do uso de pastagens em entrevista com o engenheiro agrônomo, pós-graduado em pastagens pela Esalq-USP e consultor do Circuito da Pecuária, Wagner Pires, autor do recém-lançado livro “Pastagem Sustentável de A a Z”.

Saiba mais sobre o livro “Pastagem Sustentável de A a Z”:
Telespectador do Giro do Boi ganha desconto de 20% em livros e cursos sobre pastagens

Pires falou em sua entrevista a respeito do primeiro passo para o aumento do desfrute da pecuária brasileira. Seria adubação? Ou a aplicação de defensivos? A resposta não é nenhum destes dois manejos, mas sim a divisão da fazenda em piquetes menores. “A gente tem que encarar a pastagem como uma cultura, uma lavoura. E o pecuarista tem que pensar em adubação, só que não adianta adubar se não controlar plantas daninhas. Não adianta adubar se o pasto for um pasto grande porque vai produzir tanto pasto e ele vai perder. Então a primeira coisa que eu faço em uma fazenda quando eu chego para prestar consultoria: vamos ver o mapa, vamos ver as divisões, vamos fazer mais divisões porque você começa a melhorar o manejo e controlar plantas daninhas, aí depois vem a adubação”, respondeu o agrônomo.

Em sua entrevista, o consultor comentou a importância também da análise de solo. “Ninguém toma remédio sem o médico fazer um exame e o pecuarista precisa fazer análise de solo porque ele economiza dinheiro”, comparou.

Pires citou o exemplo da Fazenda Roma, localizada em Palestina, no Pará, em que o proprietário fez uma indagação a ele. “Wagner, por onde a gente vai começar adubando o pasto? E eu falei: ‘Não vamos adubar. Nós vamos, sim, dividir o seu pasto e controlar as plantas daninhas‘. […] Ele investiu sabe em quê? Em zinco, ou seja, cerca. Cerca e herbicida. E aí nós saímos de 2.800 cabeças para 4.000”, relembrou o consultor.

O agrônomo também recomendou que em uma mesma propriedade o pecuarista faça uso de diversas espécies forrageiras e converse com seus vizinhos para comparar resultados. “Não ache que sua fazenda está boa. Vamos ver no vizinho, com outras pessoas. […] Vamos diversificar. Não pode misturar, mas tem que ter pelo menos três, quatro tipos de gramíneas na fazenda, isso ajuda muito”. concluiu.

Veja a entrevista completa no player abaixo:

VEJA TAMBÉM

Calor e tempo seco predominam sobre o Brasil Central nos próximos dias

Região já está há praticamente três meses sem chuvas; no Sul, chegada de frente fria traz geadas para o RS, SC e divisa do PR com SP

Vencedores da maior etapa do Circuito Nelore de Qualidade em 2019 são revelados

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Três dicas para ganhar dinheiro com confinamento de gado de corte

Pesquisador da Embrapa afirma que pecuarista deve fugir das “receitas de bolo” para não perder oportunidades de buscar ingredientes alternativos no mercado

Novilhas recebem bônus superior a R$ 20 por arroba pela qualidade

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Nem adubação, nem herbicida: saiba qual o primeiro passo para intensificar o uso de suas pastagens

27 maio 2019
intensificacao-pastagem-primeiro-passo-wagner-pires

Apesar de ser um dos maiores produtores de carne bovina do mundo e o principal exportador em volume, o Brasil pecuário ainda tem questões a resolver, como, por exemplo, a taxa de lotação, cuja média é de cerca de 0,7 UA/ha. Nesta segunda, 27, o Giro do Boi falou sobre a importância da intensificação do uso de pastagens em entrevista com o engenheiro agrônomo, pós-graduado em pastagens pela Esalq-USP e consultor do Circuito da Pecuária, Wagner Pires, autor do recém-lançado livro “Pastagem Sustentável de A a Z”.

Saiba mais sobre o livro “Pastagem Sustentável de A a Z”:
Telespectador do Giro do Boi ganha desconto de 20% em livros e cursos sobre pastagens

Pires falou em sua entrevista a respeito do primeiro passo para o aumento do desfrute da pecuária brasileira. Seria adubação? Ou a aplicação de defensivos? A resposta não é nenhum destes dois manejos, mas sim a divisão da fazenda em piquetes menores. “A gente tem que encarar a pastagem como uma cultura, uma lavoura. E o pecuarista tem que pensar em adubação, só que não adianta adubar se não controlar plantas daninhas. Não adianta adubar se o pasto for um pasto grande porque vai produzir tanto pasto e ele vai perder. Então a primeira coisa que eu faço em uma fazenda quando eu chego para prestar consultoria: vamos ver o mapa, vamos ver as divisões, vamos fazer mais divisões porque você começa a melhorar o manejo e controlar plantas daninhas, aí depois vem a adubação”, respondeu o agrônomo.

Em sua entrevista, o consultor comentou a importância também da análise de solo. “Ninguém toma remédio sem o médico fazer um exame e o pecuarista precisa fazer análise de solo porque ele economiza dinheiro”, comparou.

Pires citou o exemplo da Fazenda Roma, localizada em Palestina, no Pará, em que o proprietário fez uma indagação a ele. “Wagner, por onde a gente vai começar adubando o pasto? E eu falei: ‘Não vamos adubar. Nós vamos, sim, dividir o seu pasto e controlar as plantas daninhas‘. […] Ele investiu sabe em quê? Em zinco, ou seja, cerca. Cerca e herbicida. E aí nós saímos de 2.800 cabeças para 4.000”, relembrou o consultor.

O agrônomo também recomendou que em uma mesma propriedade o pecuarista faça uso de diversas espécies forrageiras e converse com seus vizinhos para comparar resultados. “Não ache que sua fazenda está boa. Vamos ver no vizinho, com outras pessoas. […] Vamos diversificar. Não pode misturar, mas tem que ter pelo menos três, quatro tipos de gramíneas na fazenda, isso ajuda muito”. concluiu.

Veja a entrevista completa no player abaixo:

VEJA TAMBÉM

Região já está há praticamente três meses sem chuvas; no Sul, chegada de frente fria traz geadas para o RS, SC e divisa do PR com SP

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Pesquisador da Embrapa afirma que pecuarista deve fugir das “receitas de bolo” para não perder oportunidades de buscar ingredientes alternativos no mercado

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Segundo zootecnista Antônio Chaker, o potencial de retorno financeiro da cria é de 35%; veja passo a passo para reverter o quadro

Fazendas localizadas em Tocantins, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Segundo zootecnista Antônio Chaker, o potencial de retorno financeiro da cria é de 35%; veja passo a passo para reverter o quadro

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Grupo de novilhas meio-sangue Angus de propriedade em Botucatu-SP marcou 100% Verde no Farol da Qualidade e segue para disputa de melhor do mês

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE