O que é necessário para montar um semiconfinamento em minha fazenda?

07 novembro 2019
requisitos-minimos-montar-semiconfinamento-gado-de-corte

Embora a estação seca esteja terminando para o ‘Brasil pecuário’, os produtores seguem buscando alternativas para complementar o alimento que vem das pastagens e, desta forma, acelerar o desfrute das fazendas. O semiconfinamento é uma destas alternativas e que vem ganhando adeptos pelo país. Nesta quinta, dia 07, o assunto foi destaque do Giro do Boi, em entrevista com o médico veterinário, consultor e professor de produção animal da Unifacs, de Salvador-BA, Guilherme Vieira.

Vieira afirmou que é importante que fique claro para o produtor que semiconfinamento é diferente de confinamento, suplementação a pasto, dieta de alto grão ou alto consumo. Segundo o consultor, semiconfinamento é o nome que se dá ao sistema que se baseia em alimentação e engorda a pasto com alimentação em cocho, entre 1% a 1,5% do peso vivo do animal, com mais 1% vindo da forrageira.

O veterinário alertou, inclusive, que a qualidade das pastagens é o principal fator limitante para o sucesso do sistema de semiconfinamento, portanto o produtor deve estar preparado para utilizar ferramentas como fertilizantes, vedação ou diferimento do pasto para que os piquetes sirvam a este propósito. Com a saída do lote do piquete, é desejável que o produtor também esteja atento para a recuperação desta área até que ela suporte novamente mais um período de engorda. Deste modo, é viável terminar até três lotes por ano com ganho médio diário de até 1,2 kg, conforme já observado por Vieira em algumas de suas experiências em fazendas parceiras.

Outro fator limitante para o sucesso do semiconfinamento, acrescentou o veterinário, é a qualidade dos animais inseridos no sistema. O professor ressaltou que os critérios de escolha da reposição devem ser tão rigorosos quanto os aplicados em animais terminados em confinamento, ou seja, precisam tem o mesmo potencial genético para responder à engorda intensiva.

Entretanto, o semiconfinamento tem outras finalidades que não somente a terminação, servindo também para a recria intensiva de bezerros, acelerando seu ciclo até a fase de engorda, ou mesmo para a preparação das novilhas para a cria. Vieira citou que já acompanhou exemplos práticas de fêmeas Nelore cujo ciclo foi antecipado por meio do sistema, viabilizando prenhezes aos 14 meses.

E de que o pecuarista precisa para montar um semiconfinamento em sua fazenda? Embora os requisitos mínimos sejam mais simples do que o confinamento em si, ainda há exigências específicas. “O semiconfinamento a pasto é mais vantajoso em relação ao confinamento no sentido de que não precisa ter um investimento tão alto em currais e piquetes. […] São instalações extremamente simples. O que tem que ter é um mínimo de estrutura para fazer uma boa ração, uma boa mistura. Uma fabriqueta de ração, ter também um vagão misturador. […] Às vezes com um bom vagão misturador você nem precisa de uma fábrica de ração para fazer uma boa homogeneização da ração, uma boa mistura, uma boa formulação. Mas o mais importante do semiconfinamento são as pastagens e seus tratos culturais. Os investimentos são bem menores […] do que o confinamento”, explicou.

O veterinário apresentou uma espécie de layout sugerido para o pecuarista instalar o semiconfinamento em sua fazenda, dividindo os piquetes sempre próximos a um reservatório para que não falta água de qualidade para os animais, e reforçou que é importante que fique próximo também à área de apoio com o galpão das máquinas, o galpão para armazenamento da ração e o galpão da fábrica de ração, além do curral de manejo. “O semiconfinamento deve ser próximo às áreas de manejo”, recomendou.

Vieira comentou quais características do sistema podem torná-lo mais ou menos útil para a fazenda que está decidindo pela sua adoção. “A alta dependência do sistema de qualidade do capim. Se você não tiver um bom capim, você não vai fazer um bom semiconfinamento. […] Uma coisa que nós devemos mudar é a mentalidade. Ano passado os dados da Associação Brasileira de Produtores de Adubo disse que 2% apenas de todo o adubo produzido no Brasil vai para pastagem. O pessoal não está fazenda a adubação correta, o trato cultural para as pastagens. Outra desvantagem, vamos dizer assim, é que tem que ter um maquinário mínimo para o semiconfinamento. Qual é este maquinário mínimo? Anote aí: precisa ter um trator, lógico, precisa ter um local para armazenar ração e tem que ter um equipamento para misturar a ração. […] Em relação também ao confinamento, você tem um menor número de animais. […] Para você ter um semiconfinamento com um grande número de animais você tem que dispor de uma grande área de pastagem também”, listou.

“Um recado que eu gostaria de dar para os nossos amigos pecuaristas é não acreditar muito nos cantos dos cisnes. Dizer que vai aumentar produtividade, isso e aquilo. Tem que trabalhar mesmo e nós temos que fazer pecuária de ciclo curto”, concluiu.

Para os produtores interessantes, Guilherme reforçou ainda convite para um curso sobre semiconfinamento que ele vai ministrar a partir de 26 de novembro. Veja a agenda completa pelo site: semiconfinamento.com.br.

Veja também
Quantas cabeças de gado cabem por hectare em um semiconfinamento?

A entrevista na íntegra com Guilherme Vieira pode ser vista no player abaixo:

VEJA TAMBÉM

Gestão da pecuária: “o que me trouxe até aqui não vai me levar adiante”

Descubra os seis pontos em comum entre as fazendas de pecuária de corte mais lucrativas do Brasil

Confira as fazendas em destaque do dia 05 de dezembro de 2019

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Fazenda tem economia milionária ao transformar esterco em adubo

No interior de SP, Agropastoril Paschoal Campanelli fertiliza lavouras de cana-de-açúcar, milho e pastagens usando dejetos do confinamento

Rústico e produtivo com carne de qualidade, raça Nelore é “patrimônio nacional”

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

O que é necessário para montar um semiconfinamento em minha fazenda?

07 novembro 2019
requisitos-minimos-montar-semiconfinamento-gado-de-corte

Embora a estação seca esteja terminando para o ‘Brasil pecuário’, os produtores seguem buscando alternativas para complementar o alimento que vem das pastagens e, desta forma, acelerar o desfrute das fazendas. O semiconfinamento é uma destas alternativas e que vem ganhando adeptos pelo país. Nesta quinta, dia 07, o assunto foi destaque do Giro do Boi, em entrevista com o médico veterinário, consultor e professor de produção animal da Unifacs, de Salvador-BA, Guilherme Vieira.

Vieira afirmou que é importante que fique claro para o produtor que semiconfinamento é diferente de confinamento, suplementação a pasto, dieta de alto grão ou alto consumo. Segundo o consultor, semiconfinamento é o nome que se dá ao sistema que se baseia em alimentação e engorda a pasto com alimentação em cocho, entre 1% a 1,5% do peso vivo do animal, com mais 1% vindo da forrageira.

O veterinário alertou, inclusive, que a qualidade das pastagens é o principal fator limitante para o sucesso do sistema de semiconfinamento, portanto o produtor deve estar preparado para utilizar ferramentas como fertilizantes, vedação ou diferimento do pasto para que os piquetes sirvam a este propósito. Com a saída do lote do piquete, é desejável que o produtor também esteja atento para a recuperação desta área até que ela suporte novamente mais um período de engorda. Deste modo, é viável terminar até três lotes por ano com ganho médio diário de até 1,2 kg, conforme já observado por Vieira em algumas de suas experiências em fazendas parceiras.

Outro fator limitante para o sucesso do semiconfinamento, acrescentou o veterinário, é a qualidade dos animais inseridos no sistema. O professor ressaltou que os critérios de escolha da reposição devem ser tão rigorosos quanto os aplicados em animais terminados em confinamento, ou seja, precisam tem o mesmo potencial genético para responder à engorda intensiva.

Entretanto, o semiconfinamento tem outras finalidades que não somente a terminação, servindo também para a recria intensiva de bezerros, acelerando seu ciclo até a fase de engorda, ou mesmo para a preparação das novilhas para a cria. Vieira citou que já acompanhou exemplos práticas de fêmeas Nelore cujo ciclo foi antecipado por meio do sistema, viabilizando prenhezes aos 14 meses.

E de que o pecuarista precisa para montar um semiconfinamento em sua fazenda? Embora os requisitos mínimos sejam mais simples do que o confinamento em si, ainda há exigências específicas. “O semiconfinamento a pasto é mais vantajoso em relação ao confinamento no sentido de que não precisa ter um investimento tão alto em currais e piquetes. […] São instalações extremamente simples. O que tem que ter é um mínimo de estrutura para fazer uma boa ração, uma boa mistura. Uma fabriqueta de ração, ter também um vagão misturador. […] Às vezes com um bom vagão misturador você nem precisa de uma fábrica de ração para fazer uma boa homogeneização da ração, uma boa mistura, uma boa formulação. Mas o mais importante do semiconfinamento são as pastagens e seus tratos culturais. Os investimentos são bem menores […] do que o confinamento”, explicou.

O veterinário apresentou uma espécie de layout sugerido para o pecuarista instalar o semiconfinamento em sua fazenda, dividindo os piquetes sempre próximos a um reservatório para que não falta água de qualidade para os animais, e reforçou que é importante que fique próximo também à área de apoio com o galpão das máquinas, o galpão para armazenamento da ração e o galpão da fábrica de ração, além do curral de manejo. “O semiconfinamento deve ser próximo às áreas de manejo”, recomendou.

Vieira comentou quais características do sistema podem torná-lo mais ou menos útil para a fazenda que está decidindo pela sua adoção. “A alta dependência do sistema de qualidade do capim. Se você não tiver um bom capim, você não vai fazer um bom semiconfinamento. […] Uma coisa que nós devemos mudar é a mentalidade. Ano passado os dados da Associação Brasileira de Produtores de Adubo disse que 2% apenas de todo o adubo produzido no Brasil vai para pastagem. O pessoal não está fazenda a adubação correta, o trato cultural para as pastagens. Outra desvantagem, vamos dizer assim, é que tem que ter um maquinário mínimo para o semiconfinamento. Qual é este maquinário mínimo? Anote aí: precisa ter um trator, lógico, precisa ter um local para armazenar ração e tem que ter um equipamento para misturar a ração. […] Em relação também ao confinamento, você tem um menor número de animais. […] Para você ter um semiconfinamento com um grande número de animais você tem que dispor de uma grande área de pastagem também”, listou.

“Um recado que eu gostaria de dar para os nossos amigos pecuaristas é não acreditar muito nos cantos dos cisnes. Dizer que vai aumentar produtividade, isso e aquilo. Tem que trabalhar mesmo e nós temos que fazer pecuária de ciclo curto”, concluiu.

Para os produtores interessantes, Guilherme reforçou ainda convite para um curso sobre semiconfinamento que ele vai ministrar a partir de 26 de novembro. Veja a agenda completa pelo site: semiconfinamento.com.br.

Veja também
Quantas cabeças de gado cabem por hectare em um semiconfinamento?

A entrevista na íntegra com Guilherme Vieira pode ser vista no player abaixo:

VEJA TAMBÉM

Descubra os seis pontos em comum entre as fazendas de pecuária de corte mais lucrativas do Brasil

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

No interior de SP, Agropastoril Paschoal Campanelli fertiliza lavouras de cana-de-açúcar, milho e pastagens usando dejetos do confinamento

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

Consultor adverte que produtividade de grande parte da pecuária praticada no Brasil cresceu baseada em aumento dos custos e aponta o caminho para produtor evitar o problema

Conforme novas tecnologias são incorporadas no campo, fazendas de gado de corte aumentaram a demanda por mão de obra especializada

Além do retorno financeiro específico da operação de engorda, produtor tem benefícios indiretos como possibilidade de aumentar rebanho e a taxa de lotação

Antônio Chaker apresenta qual etapa do ciclo de produção tem mais oportunidades para aumentar desfrute e renda e elenca números para pecuarista ficar atento

Com o desafio de otimizar o uso da terra, propriedade em Serra Nova Dourada-MT saiu da cria para a recria-engorda utilizando confinamento com grão inteiro

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE