Pecuarista pode lucrar mais de R$ 500 por hectare produzindo boi de 20 arrobas aos 20 meses

14 janeiro 2019
Pastagens

Nesta segunda, dia 14, o Giro do Boi exibiu entrevista com o médico veterinário e sócio diretor do programa Qualitas Melhoramento Genético, Leonardo Souza. O profissional frisou o peso da atenção redobrada na hora da aquisição do material genético para a estação de monta, advertindo quanto à escolha de touros, seja para sêmen ou repasse, no “olhômetro”. Também alertou para a o melhoramento do rebanho de fêmeas, destacando que características como idade ao primeiro parto é uma das principais características a serem buscadas pelos criadores.

Para Souza, este é um dos passos para o pecuarista sair de um lucro médio menor do que R$ 30 por hectare na operação pecuária, conformou apontou recentemente o levantamento do Benchmarking 2017/18, para quase R$ 500, que é aproximadamente a média dos pecuaristas top rentáveis.

Em entrevista à reportagem do Giro do Boi, Leonardo Souza listou os pontos-chave para o pecuarista executar o plano e elevar seu resultado:

– Emprenhar novilhas Nelore aos 14 meses;
– Descartas as fêmeas vazias ao final da estação de monta;
– Fazer uma estação de monta curta – 70 dias no máximo;
– Abater animais até os 20 meses de idade.

“O que é claro para nós é que o animal que é abatido com três anos ou mais, a margem de lucro da engorda é muito baixa. Se a gente insistir neste sistema de produção, a gente não vai ter sucesso. Então nós precisamos reduzir a idade de abate”, indicou o veterinário.

“Abater os animais com no máximo dois anos de idade. É aí onde você tem maior margem dentro da atividade de engorda. Quando você tem essa situação, é possível, dizendo de uma maneira simplista, sair de uma pecuária como o (Antônio) Chaker está mostrando hoje de R$ 30 ou R$ 40 reais de lucro por hectare para R$ 500, que é a experiência que a gente tem dentro do Qualitas. A gente tem gente até chegando a R$ 1.200 de resultado por hectare. E não é possível a gente atingir isso se a gente não foi mais intensivo no sistema de produção”, acrescentou.

Para alcançar esta meta, complementou o diretor do Qualitas, o animal deve ganhar ao menos 675 g por dia para chegar aos dois anos perto de 16@ aos 20 meses, o que seria uma faixa mínima de peso ideal. “Se você fizer isso, já é o suficiente para você ter um resultado de R$ 500 de lucro por hectare. Então essa velocidade, fazer com o que o animal ganhe peso mais rápido é fundamental para que a margem da atividade seja atrativa e seja competitiva com as outras atividades, como a agricultura”, afirmou.

Confira a entrevista completa de Leonardo Souza:

VEJA TAMBÉM

ILPF reduz temperatura em até 12º C e consumo de água em 20%

Pesquisadora da Embrapa ressaltou que conforto térmico eleva níveis de produtividade do rebanho, acelerando ganho de peso e aumentando da taxa de prenhez

Tempo seco chega para valer na região central do Brasil e pode causar queimadas

Produtores das regiões centro-norte de SP, Mato Grosso do Sul, Goiás, Tocantins, Piauí e Mato Grosso devem estar atentos por conta do calor e baixa umidade do ar; veja mapas completos

Definido o melhor lote do mês de maio

Fazenda vencedora vem do estado de Rondônia e levou a disputa com mais de 67% dos votos pelo site do Giro do Boi

2º Roda Sertaneja reúne produtores do norte mato-grossense em Alta Floresta-MT

Pecuaristas participaram de debates sobre manejo de pastagens, rodas de negócios e confraternização com churrasco e música sertaneja

Pecuarista pode lucrar mais de R$ 500 por hectare produzindo boi de 20 arrobas aos 20 meses

14 janeiro 2019
Pastagens

Nesta segunda, dia 14, o Giro do Boi exibiu entrevista com o médico veterinário e sócio diretor do programa Qualitas Melhoramento Genético, Leonardo Souza. O profissional frisou o peso da atenção redobrada na hora da aquisição do material genético para a estação de monta, advertindo quanto à escolha de touros, seja para sêmen ou repasse, no “olhômetro”. Também alertou para a o melhoramento do rebanho de fêmeas, destacando que características como idade ao primeiro parto é uma das principais características a serem buscadas pelos criadores.

Para Souza, este é um dos passos para o pecuarista sair de um lucro médio menor do que R$ 30 por hectare na operação pecuária, conformou apontou recentemente o levantamento do Benchmarking 2017/18, para quase R$ 500, que é aproximadamente a média dos pecuaristas top rentáveis.

Em entrevista à reportagem do Giro do Boi, Leonardo Souza listou os pontos-chave para o pecuarista executar o plano e elevar seu resultado:

– Emprenhar novilhas Nelore aos 14 meses;
– Descartas as fêmeas vazias ao final da estação de monta;
– Fazer uma estação de monta curta – 70 dias no máximo;
– Abater animais até os 20 meses de idade.

“O que é claro para nós é que o animal que é abatido com três anos ou mais, a margem de lucro da engorda é muito baixa. Se a gente insistir neste sistema de produção, a gente não vai ter sucesso. Então nós precisamos reduzir a idade de abate”, indicou o veterinário.

“Abater os animais com no máximo dois anos de idade. É aí onde você tem maior margem dentro da atividade de engorda. Quando você tem essa situação, é possível, dizendo de uma maneira simplista, sair de uma pecuária como o (Antônio) Chaker está mostrando hoje de R$ 30 ou R$ 40 reais de lucro por hectare para R$ 500, que é a experiência que a gente tem dentro do Qualitas. A gente tem gente até chegando a R$ 1.200 de resultado por hectare. E não é possível a gente atingir isso se a gente não foi mais intensivo no sistema de produção”, acrescentou.

Para alcançar esta meta, complementou o diretor do Qualitas, o animal deve ganhar ao menos 675 g por dia para chegar aos dois anos perto de 16@ aos 20 meses, o que seria uma faixa mínima de peso ideal. “Se você fizer isso, já é o suficiente para você ter um resultado de R$ 500 de lucro por hectare. Então essa velocidade, fazer com o que o animal ganhe peso mais rápido é fundamental para que a margem da atividade seja atrativa e seja competitiva com as outras atividades, como a agricultura”, afirmou.

Confira a entrevista completa de Leonardo Souza:

VEJA TAMBÉM

Pesquisadora da Embrapa ressaltou que conforto térmico eleva níveis de produtividade do rebanho, acelerando ganho de peso e aumentando da taxa de prenhez

Produtores das regiões centro-norte de SP, Mato Grosso do Sul, Goiás, Tocantins, Piauí e Mato Grosso devem estar atentos por conta do calor e baixa umidade do ar; veja mapas completos

Fazenda vencedora vem do estado de Rondônia e levou a disputa com mais de 67% dos votos pelo site do Giro do Boi

Pecuaristas participaram de debates sobre manejo de pastagens, rodas de negócios e confraternização com churrasco e música sertaneja

Fazenda localizada em Ribeirão Cascalheira, estado do Mato Grosso, foi destaque do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade.

Cerimônia foi marcada por assinatura de protocolo de intenções de colaboração entre ministérios da Agricultura, Meio Ambiente, Defesa e Relações Exteriores

Produtores das regiões centro-norte de SP, Mato Grosso do Sul, Goiás, Tocantins, Piauí e Mato Grosso devem estar atentos por conta do calor e baixa umidade do ar; veja mapas completos

Advogado recomenda que produtor não assine notificações caso o fiscal não esclareça de forma satisfatória os motivos da penalização

Pecuaristas participaram de debates sobre manejo de pastagens, rodas de negócios e confraternização com churrasco e música sertaneja

Quadro Giro na Estrada trouxe dicas de embarque aos invernistas ativos no mercado da reposição nesta entressafra

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE