Pesquisa indica fatores para pecuarista obter produtividade 840% superior à média nacional

12 julho 2018
manejo-hibridos-forrageira-produtividade

A média nacional de produtividade da pecuária de corte atualmente gira em torno de apenas quatro arrobas por hectare ano. Mas um experimento feito pelo feito pelo Grupo de Pesquisa em Forragicultura da Universidade Federal de Uberlândia-MG, o Gepfor, dentro do projeto Boi a Pasto, conseguiu um índice 840% maior do que esta média nacional, considerada muito baixa. O segredo? A associação entre o uso de uma forrageira híbrida, com potencial genético superior, e, principalmente, um bom manejo de pastagem.

Quem falou sobre o tema hoje ao Giro do Boi foi o coordenador do projeto Boi a Pasto, o mestre em zootecnia e doutor em ciência animal e pastagens, Leandro Barbero, professor e pesquisador da UFU. O grupo trabalha com o estágio final de estudos de híbridos de Brachiaria, avaliando altura de manejo, adubação, adaptação dos materiais genéticos às diferentes condições encontradas nas fazendas e aceitação e desempenho dos animais no pastejo destes híbridos.

+ Curta a página do Giro do Boi no Facebook

Neste momento, 30 variedades híbridas participam de ensaios no projeto, sendo que, destes, cinco estão em pastejo, como mostra a foto em destaque. “A gente tem notado que os materiais apresentados têm produção de forragem maior do que os materiais que comumente são utilizados no país. Além disso, a produção animal tem sido superior. Isso mostra que o processo de melhoramento surtiu efeito ao criar um material mais produtivo, com resultados interessantes”, avaliou Barbero.

Foi nestes estudos que o grupo de pesquisa conseguiu obter índice de produtividade até 840% superior à média nacional, produzindo quase 34 arrobas por hectare/ano frente às 4@/ha/ano. “Só que isso não é só atribuído ao híbrido. Esse mérito é principalmente do manejo correto do pasto. O que nós fazemos hoje é identificar o manejo correto destes híbridos. A gente sabe que a genética do material é superior, e o que nós precisamos fazer enquanto pesquisadores? Precisamos definir como manejar esse material pra quando o produtor adquirir essa semente e fazer implantação do material na sua fazenda, ele já ter um pacote tecnológico de como manejar esse pasto. Se ele adquire um material de genética superior e maneja ele da forma correta, ele consegue, sim, chegar a índices de produtividade semelhantes a esse que conseguimos na pesquisa”, encorajou o pesquisador.

Durante sua entrevista ao Giro do Boi, Barbero deu dicas de como escolher o melhor híbrido para cada realidade, ponderando que, dentro de uma mesma fazenda, às vezes mais de uma espécie precisa ser utilizada. Variáveis como ocorrência de pragas, como a cigarrinha, e solo seco ou encharcado, indicam que híbridos diversos podem ser utilizados em piquetes diferentes.

Em conversa com o apresentador Marco Ribeiro, o professor da UFU listou ainda três pontos para o pecuarista que vai escolher o seu híbrido levar em consideração.

“O primeiro ponto é que não é qualquer cultivar que pode se adequar à situação de sua fazenda, então você precisa procurar um técnico bem qualificado, identificar as características do material e, aí sim, escolher a semente e fazer a implantação desse material dentro da fazenda. O segundo ponto é adquirir esses materiais de empresas idôneas. Sementes de qualidade, sementes certificadas e um processo de teste destes materiais sendo feito por entidades certificadas. O terceiro ponto, e talvez o mais importante, é respeitar as condições de manejo da planta. Respeitar, no caso do pastejo rotacionado, as alturas de entrada e saída e, no caso da lotação contínua, respeitar a altura de manutenção dessa planta. Fazendo isso, com certeza a gente vai aumentar e muito a produtividade da nossa pastagem e, consequentemente, a rentabilidade da pecuária”, concluiu.

VEJA TAMBÉM

Trabalho integrado ameniza dificuldades com embarque do gado gordo entre Juara e Juína

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Áreas de instabilidade levam chuva para fronteira do RS com SC no fim de semana

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Seis cadastros obrigatórios para o produtor rural garantir sua segurança jurídica

Gestão de cadastros de propriedades rurais evita problemas em situações como transações imobiliárias, bancárias, ambientais e também possíveis sanções de órgãos do governo

Já saiu o resultado da votação para o melhor lote de janeiro; conheça o vencedor

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Pesquisa indica fatores para pecuarista obter produtividade 840% superior à média nacional

12 julho 2018
manejo-hibridos-forrageira-produtividade

A média nacional de produtividade da pecuária de corte atualmente gira em torno de apenas quatro arrobas por hectare ano. Mas um experimento feito pelo feito pelo Grupo de Pesquisa em Forragicultura da Universidade Federal de Uberlândia-MG, o Gepfor, dentro do projeto Boi a Pasto, conseguiu um índice 840% maior do que esta média nacional, considerada muito baixa. O segredo? A associação entre o uso de uma forrageira híbrida, com potencial genético superior, e, principalmente, um bom manejo de pastagem.

Quem falou sobre o tema hoje ao Giro do Boi foi o coordenador do projeto Boi a Pasto, o mestre em zootecnia e doutor em ciência animal e pastagens, Leandro Barbero, professor e pesquisador da UFU. O grupo trabalha com o estágio final de estudos de híbridos de Brachiaria, avaliando altura de manejo, adubação, adaptação dos materiais genéticos às diferentes condições encontradas nas fazendas e aceitação e desempenho dos animais no pastejo destes híbridos.

+ Curta a página do Giro do Boi no Facebook

Neste momento, 30 variedades híbridas participam de ensaios no projeto, sendo que, destes, cinco estão em pastejo, como mostra a foto em destaque. “A gente tem notado que os materiais apresentados têm produção de forragem maior do que os materiais que comumente são utilizados no país. Além disso, a produção animal tem sido superior. Isso mostra que o processo de melhoramento surtiu efeito ao criar um material mais produtivo, com resultados interessantes”, avaliou Barbero.

Foi nestes estudos que o grupo de pesquisa conseguiu obter índice de produtividade até 840% superior à média nacional, produzindo quase 34 arrobas por hectare/ano frente às 4@/ha/ano. “Só que isso não é só atribuído ao híbrido. Esse mérito é principalmente do manejo correto do pasto. O que nós fazemos hoje é identificar o manejo correto destes híbridos. A gente sabe que a genética do material é superior, e o que nós precisamos fazer enquanto pesquisadores? Precisamos definir como manejar esse material pra quando o produtor adquirir essa semente e fazer implantação do material na sua fazenda, ele já ter um pacote tecnológico de como manejar esse pasto. Se ele adquire um material de genética superior e maneja ele da forma correta, ele consegue, sim, chegar a índices de produtividade semelhantes a esse que conseguimos na pesquisa”, encorajou o pesquisador.

Durante sua entrevista ao Giro do Boi, Barbero deu dicas de como escolher o melhor híbrido para cada realidade, ponderando que, dentro de uma mesma fazenda, às vezes mais de uma espécie precisa ser utilizada. Variáveis como ocorrência de pragas, como a cigarrinha, e solo seco ou encharcado, indicam que híbridos diversos podem ser utilizados em piquetes diferentes.

Em conversa com o apresentador Marco Ribeiro, o professor da UFU listou ainda três pontos para o pecuarista que vai escolher o seu híbrido levar em consideração.

“O primeiro ponto é que não é qualquer cultivar que pode se adequar à situação de sua fazenda, então você precisa procurar um técnico bem qualificado, identificar as características do material e, aí sim, escolher a semente e fazer a implantação desse material dentro da fazenda. O segundo ponto é adquirir esses materiais de empresas idôneas. Sementes de qualidade, sementes certificadas e um processo de teste destes materiais sendo feito por entidades certificadas. O terceiro ponto, e talvez o mais importante, é respeitar as condições de manejo da planta. Respeitar, no caso do pastejo rotacionado, as alturas de entrada e saída e, no caso da lotação contínua, respeitar a altura de manutenção dessa planta. Fazendo isso, com certeza a gente vai aumentar e muito a produtividade da nossa pastagem e, consequentemente, a rentabilidade da pecuária”, concluiu.

VEJA TAMBÉM

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Gestão de cadastros de propriedades rurais evita problemas em situações como transações imobiliárias, bancárias, ambientais e também possíveis sanções de órgãos do governo

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Fazendas nos estados de Rondônia e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Teste foi feito em área com lotação média de 10 UA/ha ao longo de dois anos; conclusão é de que não há interferência na fertilidade do solo que prejudique a produção de grãos

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Pecuarista deve fazer download do Termo de Adesão e entregar assinado aos compradores de gado das unidades da indústria; veja como tirar suas dúvidas sobre o processo

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE