Pioneiro na criação do Santa Gertrudis no SE afirma que raça tem bom desempenho na “pecuária da vida real”

01 março 2019
santa-gertrudiz-fazenda-mangabeira-historia

O Giro do Boi desta sexta, 1º, contou a história do primeiro criatório da raça Santa Gertrudis no estado do Sergipe, a Fazenda Mangabeira, localizada em Japaratuba, cidade próxima à capital do estado, Aracaju. Quem falou ao programa foi o titular da propriedade, o pecuarista Gustavo Barreto.

Ele lembrou do trabalho de seu pai quando trouxe os primeiros animais dos Estados Unidos há 40 anos. “A gente foi fazendo melhoramento genético dentro do Brasil e importação de material genético da Austrália, da África do Sul, trabalhando o boi Santa Gertrudis no ponto certo para a pecuária brasileira. Hoje eu digo que o Santa Gertrudis está pronto para atender o pecuarista brasileiro que quer fazer o cruzamento industrial. Ele tem uma precocidade muito boa, acabamento de carcaça, rusticidade, qualidade de carne, marmoreio”, afirmou Barreto.

O produtor enalteceu ainda a rusticidade da raça. Em sua propriedade, os animais são terminados em sistema tradicional com bom desempenho na produção de carne. “Nossos animais são 100% a pasto. A única coisa que tem é sal mineral e proteinado como em qualquer outra fazenda que cria qualquer outra raça. Lá a gente sempre criou o Santa Gertrudis, fazia cruzamento industrial com Nelore e Tabapuã, e da mesma forma que a gente cria o Santa Gertrudis a gente criava o Tabapuã e o Nelore.[…] Eu digo que é a pecuária da vida real, não tem luxo”, frisou.

Para atestar o bom desempenho do Santa Gertrudis, Gustavo contou a experiência de um abate técnico realizado por um cliente de Nova Andradina-MS, comprador dos tourinhos produzidos no criatório. “A gente fez agora um abate técnico em Nova Andradina e foi um sucesso. Esse cliente nosso a gente acompanha desde o resultado da IATF, que deu quase 75% de prenhez, depois foram desmamados sem creep feeding com 277 kg de média nos machos, eles passaram depois a pasto com proteinado 1 a 2%, entraram no confinamento com 320 kg e, no abate, foram 20@ de média, animais de 15,5 meses e 58% de rendimento”, informou Barreto. “O cliente ficou muito feliz porque com 15 meses e meio ele já abateu animal com todo esse resultado”, acrescentou.

“Ele (Gustavo) vem trabalhando na inclusão de tecnologias aliadas à reprodução, ao melhoramento genético, cruzamento industrial. É um um produtor que fomenta muito o desenvolvimento técnico na região, se envolve bastante”, atestou o médico veterinário Danyllo Pereira, responsável pelo protocolo sanitário da Fazenda Mangabeira. Entre as novas tecnologias utilizadas na propriedade está a Bovela, vacina desenvolvida para prevenir a BDV, diarreia viral bovina, doença de poucos sintomas que prejudica produção e reprodução dos animais do rebanho.

“Porque não é só você ter genética, tem que ter ambiente e sanidade. Para conseguir melhor taxa de prenhez, melhor índice de desmama, você tem que melhorar em todos os sentidos. Eu digo que a gente tem que tratar a fazenda como uma empresa. Fazenda muitas vezes você não sabe tudo que você gasta, na empresa sabe. Então é a mesma coisa no manejo, então a gente tem que medir problemas que estão acontecendo e ver toda parte reprodutiva, de sanidade, esse ano mesmo em todo o rebanho a gente aplicou a vacina Bovela. Eu acredito nisso, a gente tem que usar essa tecnologia que está chegando para a cada dia melhorar os resultados e atingir o resultado financeiro, que é o mais importante”, afirmou.

Veja a entrevista completa com Gustavo Barreto no vídeo abaixo:

Confira o depoimento do médico veterinário Danyllo Pereira:

VEJA TAMBÉM

Junto ao Sindicato Rural de Andradina-SP, Friboi realiza reunião com pecuaristas nesta 5ª, dia 20

Evento começa às 19h no Parque de Exposição da cidade e vai tratar de temas como protocolos de bonificação por carcaças, engorda em boitel e carência de medicamentos

Confira os lotes em destaque do dia 20 de fevereiro de 2020

Lotes de propriedades no Pará e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Guinness confirma: maior churrasco de carne bovina do mundo é brasileiro

Festival BBQ Mix, que aconteceu em Goiânia-GO dia 16/02, entrou para a história ao servir 23 mil porções de carne ao longo de oito horas

Vigilância é palavra-chave, diz gerente da ABCZ sobre retirar vacinação contra aftosa

Zootecnista reforçou papéis dos governos nas esferas federal e estadual e dos produtores para alcançar o status de zona livre de aftosa sem vacinação para o Brasil

Pioneiro na criação do Santa Gertrudis no SE afirma que raça tem bom desempenho na “pecuária da vida real”

01 março 2019
santa-gertrudiz-fazenda-mangabeira-historia

O Giro do Boi desta sexta, 1º, contou a história do primeiro criatório da raça Santa Gertrudis no estado do Sergipe, a Fazenda Mangabeira, localizada em Japaratuba, cidade próxima à capital do estado, Aracaju. Quem falou ao programa foi o titular da propriedade, o pecuarista Gustavo Barreto.

Ele lembrou do trabalho de seu pai quando trouxe os primeiros animais dos Estados Unidos há 40 anos. “A gente foi fazendo melhoramento genético dentro do Brasil e importação de material genético da Austrália, da África do Sul, trabalhando o boi Santa Gertrudis no ponto certo para a pecuária brasileira. Hoje eu digo que o Santa Gertrudis está pronto para atender o pecuarista brasileiro que quer fazer o cruzamento industrial. Ele tem uma precocidade muito boa, acabamento de carcaça, rusticidade, qualidade de carne, marmoreio”, afirmou Barreto.

O produtor enalteceu ainda a rusticidade da raça. Em sua propriedade, os animais são terminados em sistema tradicional com bom desempenho na produção de carne. “Nossos animais são 100% a pasto. A única coisa que tem é sal mineral e proteinado como em qualquer outra fazenda que cria qualquer outra raça. Lá a gente sempre criou o Santa Gertrudis, fazia cruzamento industrial com Nelore e Tabapuã, e da mesma forma que a gente cria o Santa Gertrudis a gente criava o Tabapuã e o Nelore.[…] Eu digo que é a pecuária da vida real, não tem luxo”, frisou.

Para atestar o bom desempenho do Santa Gertrudis, Gustavo contou a experiência de um abate técnico realizado por um cliente de Nova Andradina-MS, comprador dos tourinhos produzidos no criatório. “A gente fez agora um abate técnico em Nova Andradina e foi um sucesso. Esse cliente nosso a gente acompanha desde o resultado da IATF, que deu quase 75% de prenhez, depois foram desmamados sem creep feeding com 277 kg de média nos machos, eles passaram depois a pasto com proteinado 1 a 2%, entraram no confinamento com 320 kg e, no abate, foram 20@ de média, animais de 15,5 meses e 58% de rendimento”, informou Barreto. “O cliente ficou muito feliz porque com 15 meses e meio ele já abateu animal com todo esse resultado”, acrescentou.

“Ele (Gustavo) vem trabalhando na inclusão de tecnologias aliadas à reprodução, ao melhoramento genético, cruzamento industrial. É um um produtor que fomenta muito o desenvolvimento técnico na região, se envolve bastante”, atestou o médico veterinário Danyllo Pereira, responsável pelo protocolo sanitário da Fazenda Mangabeira. Entre as novas tecnologias utilizadas na propriedade está a Bovela, vacina desenvolvida para prevenir a BDV, diarreia viral bovina, doença de poucos sintomas que prejudica produção e reprodução dos animais do rebanho.

“Porque não é só você ter genética, tem que ter ambiente e sanidade. Para conseguir melhor taxa de prenhez, melhor índice de desmama, você tem que melhorar em todos os sentidos. Eu digo que a gente tem que tratar a fazenda como uma empresa. Fazenda muitas vezes você não sabe tudo que você gasta, na empresa sabe. Então é a mesma coisa no manejo, então a gente tem que medir problemas que estão acontecendo e ver toda parte reprodutiva, de sanidade, esse ano mesmo em todo o rebanho a gente aplicou a vacina Bovela. Eu acredito nisso, a gente tem que usar essa tecnologia que está chegando para a cada dia melhorar os resultados e atingir o resultado financeiro, que é o mais importante”, afirmou.

Veja a entrevista completa com Gustavo Barreto no vídeo abaixo:

Confira o depoimento do médico veterinário Danyllo Pereira:

VEJA TAMBÉM

Evento começa às 19h no Parque de Exposição da cidade e vai tratar de temas como protocolos de bonificação por carcaças, engorda em boitel e carência de medicamentos

Lotes de propriedades no Pará e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Festival BBQ Mix, que aconteceu em Goiânia-GO dia 16/02, entrou para a história ao servir 23 mil porções de carne ao longo de oito horas

Zootecnista reforçou papéis dos governos nas esferas federal e estadual e dos produtores para alcançar o status de zona livre de aftosa sem vacinação para o Brasil

Lotes de propriedades em São Paulo, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Na fazenda localizada em área com déficit hídrico, produtor implementou sistema de irrigação acionado por aplicativo e aumentou produtividade das pastagens

Festival BBQ Mix, que aconteceu em Goiânia-GO dia 16/02, entrou para a história ao servir 23 mil porções de carne ao longo de oito horas

Na fazenda localizada em área com déficit hídrico, produtor implementou sistema de irrigação acionado por aplicativo e aumentou produtividade das pastagens

Você sabia que o boi perde um grama de carne para cada carrapato graúdo em seu corpo? Saiba identificar o ciclo do parasita para fazer a intervenção mais adequada

Especialista em cruzamento industrial Alexandre Zadra respondeu a dúvida e destacou que tão importante quanto a escolha da raça é usar touros provados

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE