Por que mais de 90% dos pecuaristas de SP aprovam o uso de sistemas integrados?

22 novembro 2019
pesquisa-embrapa-pecuaria-sudeste-satisfacao-produtores-integracao-lavoura-pecuaria-floresta

Um estudo conduzido pela unidade Pecuária Sudeste da Embrapa entrevistou 175 produtores do estado de SP para entender os motivos que levam, ou não, à adoção de sistemas integrado de produção em seus mais diversos formatos, como ILP, ILPF ou IPF. O levantamento foi o tema do episódio desta sexta, 22, da série Embrapa em Ação, exibida no Giro do Boi.

Segundo a engenheira agrônoma, mestre e doutora em engenharia de produção Marcela Vinholis, coordenadora da iniciativa, o objetivo de entender o perfil e as motivações destes produtores deve aumenta a chance de acertos na implementação de políticas públicas e estratégias para a transferência de tecnologia.

Na pesquisa, dos pecuaristas entrevistados que fazem uso da integração, mais de 90% indicou que pretendem continuar adotando o sistema produtivo. As principais razões variam conforme o sistema específico que cada um utiliza.

“A gente vê um percentual bastante alto de produtores que pretendem continuar com sistema de integração porque é percebida esta melhoria na qualidade de pastagem, no aumento da taxa de lotação, na melhoria para a parte de lavoura também e ele percebe isso”, revelou a pesquisadora referindo-se aos pecuaristas que integram com lavoura.

Entre estes produtores, o perfil mais comum é de quem já teve experiência com área agrícola, que tem mais estrutura de maquinário na propriedade e mão de obra própria para a lavoura, e tem mais experiência com tomada de crédito e estratégias de comercialização. No entanto, para o pecuarista que não tem o conhecimento destas específico para isto, a pesquisadora revelou que a parceria em pecuarista e agricultor tem sido uma alternativa viável.

Já para o pecuaristas que fazem integração com floresta, a principal razão é a diversificação de renda a partir das árvores cultivadas. “E ele também está satisfeito. Embora a gente esteja em uma época com preços não tão atrativos para a produção de madeira, como o sistema com árvores permite a implantação escalonada ao longo tempo, e isso é o que ele tem feito, tem testado esta tecnologia, ele faz às vezes com custo baixo e tem uma renda adicional”, avaliou Vinholis.

QUEM ESTÁ DE FORA QUER ENTRAR
E como na famosa canção eternizada pelo compositor e cantor Dominguinhos, os produtores que ainda não adotam os sistemas têm a intenção de, no curto prazo, estar no rol dos que fazem integração. “Entre os que não adotam, 28% pensam em fazê-lo em curto prazo. Outro número interessante é que cerca de 70% dos que implantaram sistemas integrados ILP foram motivados por outro produtor. O segundo fator citado como influenciador da adoção foi o serviço de extensão rural (20%). Entre os adotantes de IPF, 63% citaram a observação de outro produtor rural e 29% os técnicos da extensão rural”, divulgou a Embrapa em reportagem sobre o estudo.

Veja a reportagem completa pelo vídeo abaixo:

Foto: João Henrique Zonta / Reprodução Embrapa

VEJA TAMBÉM

Gestão da pecuária: “o que me trouxe até aqui não vai me levar adiante”

Descubra os seis pontos em comum entre as fazendas de pecuária de corte mais lucrativas do Brasil

Confira as fazendas em destaque do dia 05 de dezembro de 2019

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Fazenda tem economia milionária ao transformar esterco em adubo

No interior de SP, Agropastoril Paschoal Campanelli fertiliza lavouras de cana-de-açúcar, milho e pastagens usando dejetos do confinamento

Rústico e produtivo com carne de qualidade, raça Nelore é “patrimônio nacional”

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

Por que mais de 90% dos pecuaristas de SP aprovam o uso de sistemas integrados?

22 novembro 2019
pesquisa-embrapa-pecuaria-sudeste-satisfacao-produtores-integracao-lavoura-pecuaria-floresta

Um estudo conduzido pela unidade Pecuária Sudeste da Embrapa entrevistou 175 produtores do estado de SP para entender os motivos que levam, ou não, à adoção de sistemas integrado de produção em seus mais diversos formatos, como ILP, ILPF ou IPF. O levantamento foi o tema do episódio desta sexta, 22, da série Embrapa em Ação, exibida no Giro do Boi.

Segundo a engenheira agrônoma, mestre e doutora em engenharia de produção Marcela Vinholis, coordenadora da iniciativa, o objetivo de entender o perfil e as motivações destes produtores deve aumenta a chance de acertos na implementação de políticas públicas e estratégias para a transferência de tecnologia.

Na pesquisa, dos pecuaristas entrevistados que fazem uso da integração, mais de 90% indicou que pretendem continuar adotando o sistema produtivo. As principais razões variam conforme o sistema específico que cada um utiliza.

“A gente vê um percentual bastante alto de produtores que pretendem continuar com sistema de integração porque é percebida esta melhoria na qualidade de pastagem, no aumento da taxa de lotação, na melhoria para a parte de lavoura também e ele percebe isso”, revelou a pesquisadora referindo-se aos pecuaristas que integram com lavoura.

Entre estes produtores, o perfil mais comum é de quem já teve experiência com área agrícola, que tem mais estrutura de maquinário na propriedade e mão de obra própria para a lavoura, e tem mais experiência com tomada de crédito e estratégias de comercialização. No entanto, para o pecuarista que não tem o conhecimento destas específico para isto, a pesquisadora revelou que a parceria em pecuarista e agricultor tem sido uma alternativa viável.

Já para o pecuaristas que fazem integração com floresta, a principal razão é a diversificação de renda a partir das árvores cultivadas. “E ele também está satisfeito. Embora a gente esteja em uma época com preços não tão atrativos para a produção de madeira, como o sistema com árvores permite a implantação escalonada ao longo tempo, e isso é o que ele tem feito, tem testado esta tecnologia, ele faz às vezes com custo baixo e tem uma renda adicional”, avaliou Vinholis.

QUEM ESTÁ DE FORA QUER ENTRAR
E como na famosa canção eternizada pelo compositor e cantor Dominguinhos, os produtores que ainda não adotam os sistemas têm a intenção de, no curto prazo, estar no rol dos que fazem integração. “Entre os que não adotam, 28% pensam em fazê-lo em curto prazo. Outro número interessante é que cerca de 70% dos que implantaram sistemas integrados ILP foram motivados por outro produtor. O segundo fator citado como influenciador da adoção foi o serviço de extensão rural (20%). Entre os adotantes de IPF, 63% citaram a observação de outro produtor rural e 29% os técnicos da extensão rural”, divulgou a Embrapa em reportagem sobre o estudo.

Veja a reportagem completa pelo vídeo abaixo:

Foto: João Henrique Zonta / Reprodução Embrapa

VEJA TAMBÉM

Descubra os seis pontos em comum entre as fazendas de pecuária de corte mais lucrativas do Brasil

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

No interior de SP, Agropastoril Paschoal Campanelli fertiliza lavouras de cana-de-açúcar, milho e pastagens usando dejetos do confinamento

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

Consultor adverte que produtividade de grande parte da pecuária praticada no Brasil cresceu baseada em aumento dos custos e aponta o caminho para produtor evitar o problema

Conforme novas tecnologias são incorporadas no campo, fazendas de gado de corte aumentaram a demanda por mão de obra especializada

Além do retorno financeiro específico da operação de engorda, produtor tem benefícios indiretos como possibilidade de aumentar rebanho e a taxa de lotação

Antônio Chaker apresenta qual etapa do ciclo de produção tem mais oportunidades para aumentar desfrute e renda e elenca números para pecuarista ficar atento

Com o desafio de otimizar o uso da terra, propriedade em Serra Nova Dourada-MT saiu da cria para a recria-engorda utilizando confinamento com grão inteiro

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE