Produção agropecuária em toneladas por hectare dobrou nos últimos 15 anos

19 março 2018
criacao-gado

Nesta segunda, 19, o Giro do Boi recebeu em seu estúdio o engenheiro agrônomo pela Esalq/USP e diretor da Agroconsult, Maurício Palma Nogueira, para repercutir seu artigo recentemente escrito para o jornal Valor Econômico, denominado “O Agro não precisa ser pop, basta ser o que é”.

A intenção do agrônomo, conforme disse em conversa com o apresentador Mauro Sérgio Ortega, foi esclarecer ao público a verdade sobre as principais informações utilizadas em alguns ataques recentes feitos ao agronegócio, promovidos por grupos ideologicamente contrários ao modelo vigente de produção agropecuária no Brasil. Maurício fez referências a campanhas como a Segunda Sem Carne e o veto à exportação de animais vivos por via marítima.

Leia também:
Os 4 motivos que levaram Alckmin a vetar o projeto de lei “segunda sem carne”

“São ataques sem muito conhecimento, sem muita análise de informação. […] Não é bem responder, a gente tem que começar a esclarecer. A postura nossa, inclusive, não tem que ser combativa. Nós estamos lidando com preconceito e preconceito se lida com informação e calma. Não adianta combater porque você só eleva o tom. A ideia é a gente mostrar que as ideias estão equivocadas”, ponderou Nogueira.

Um dos números utilizados por Nogueira para rebater a ideia de que o agronegócio não é sustentável é o fato de o setor estar produzindo hoje o dobro em toneladas por hectare/ano do que produzia há 15 anos. “Se você somar toda a produção agrícola e toda a produção vegetal que sai fazendas brasileiras e comparar isso com a área que a gente está ocupando de forma produtiva, nós temos o dobro hoje de produção em tonelagem do que tinha há 15 anos”, enumerou. 

Outro ponto abordado pelo agrônomo diz respeito às contas das emissões de carbono pela pecuária – um dos pontos mais ressaltados por quem costuma atacar o agronegócio. Nos cálculos geralmente utilizados, o sequestro de carbono pelas pastagens não entra na balança.

“O problema dos cálculos é que eles desconsideram o que é sequestrado pelos pastos. Então as vezes que a gente coloca isso em discussão, dizem que a gente precisa pesquisar. Claro que precisa, mas eu não posso desconsiderar o que já foi pesquisado. Existem disciplinas que há décadas estudam comportamento de animal em pastejo, que diz que o boi consegue colher só 30% a 40% da matéria seca. Existem matérias que falam de fisiologia de planta, que afirmam que a mesma massa que tem na parte aérea tem na raiz. Existem disciplinas de fertilidade de solo, que dizem que à medida que a gente vai colocando matéria orgânica no solo, entra toda uma dinâmica de carbono com nitrogênio que contribui para a formação de húmus e parte dele é liberada. A hora que você coloca tudo isso na conta, um pasto bom, você tem três equivalentes carbono sendo sequestrados para cada um que é emitido, quer dizer, o saldo é positivo”, explicou.

Agropecuária intensiva é tão sustentável quanto floresta nativa, aponta pesquisa

O diretor da Agroconsult destacou também que mesmo em um momento de baixa produtividade da pecuária, o sistema ainda beneficia o meio ambiente. “Na degradação, esse balanço passa a ser negativo, mas qual é o processo de degradação a hora que o pasto acaba? É revegetar, que volta a acumular carbono. O que a gente tem discutido é que isso tem que entrar no cálculo. Não é tapar sol com peneira, é colocar o problema com peso real, aí a gente vai chegar nas decisões mais corretas”, pediu o consultor.

Veja a entrevista completa concedida por Maurício Nogueira nesta segunda, 19:

VEJA TAMBÉM

Chuvas voltam ao Nordeste, mas também atraem as plantas daninhas

Os pastos verdejantes nessa época do ano no Nordeste não tem sido aproveitados como deveriam pelos pecuaristas. As plantas daninhas são bastante competitivas e roubam todos os nutrientes do capim, inclusive a própria água.

Embrapa afirma que IPF não aumenta incidência de verminoses no rebanho

O monitoramento do gado foi feito durante dois anos e teve como objetivo mensurar os impactos de uma área de pecuária e reflorestamento e outra apenas de pastagens (monocultura). “Pensávamos que haveria prejuízo por causa das sombras proporcionadas com as árvores, mas isso não influenciou em nada um aumento na incidência de vermes no rebanho”,...

Estudos comprovam perdas de 6,5 kg de carne/animal por reações vacinais

O levantamento acompanhou 22 fazendas, localizadas na região norte de MT, e revelou as graves consequências da má aplicação dos medicamentos no rebanho. Roça apontou inúmeros fatores como local inadequado da aplicação; seringas e agulhas impróprias e sem assepsia; a pressa dos peões durante o procedimento e a falta de uso de tronco de contenção...

Excesso de gordura tem atrapalhado qualidade da carne no Brasil

Alguns lotes, principalmente de novilhas de cruzamento industrial, tem apresentado gordura acima do ideal e isso acaba causa dificuldade em colocar o produto no mercado.

Produção agropecuária em toneladas por hectare dobrou nos últimos 15 anos

19 março 2018
criacao-gado

Nesta segunda, 19, o Giro do Boi recebeu em seu estúdio o engenheiro agrônomo pela Esalq/USP e diretor da Agroconsult, Maurício Palma Nogueira, para repercutir seu artigo recentemente escrito para o jornal Valor Econômico, denominado “O Agro não precisa ser pop, basta ser o que é”.

A intenção do agrônomo, conforme disse em conversa com o apresentador Mauro Sérgio Ortega, foi esclarecer ao público a verdade sobre as principais informações utilizadas em alguns ataques recentes feitos ao agronegócio, promovidos por grupos ideologicamente contrários ao modelo vigente de produção agropecuária no Brasil. Maurício fez referências a campanhas como a Segunda Sem Carne e o veto à exportação de animais vivos por via marítima.

Leia também:
Os 4 motivos que levaram Alckmin a vetar o projeto de lei “segunda sem carne”

“São ataques sem muito conhecimento, sem muita análise de informação. […] Não é bem responder, a gente tem que começar a esclarecer. A postura nossa, inclusive, não tem que ser combativa. Nós estamos lidando com preconceito e preconceito se lida com informação e calma. Não adianta combater porque você só eleva o tom. A ideia é a gente mostrar que as ideias estão equivocadas”, ponderou Nogueira.

Um dos números utilizados por Nogueira para rebater a ideia de que o agronegócio não é sustentável é o fato de o setor estar produzindo hoje o dobro em toneladas por hectare/ano do que produzia há 15 anos. “Se você somar toda a produção agrícola e toda a produção vegetal que sai fazendas brasileiras e comparar isso com a área que a gente está ocupando de forma produtiva, nós temos o dobro hoje de produção em tonelagem do que tinha há 15 anos”, enumerou. 

Outro ponto abordado pelo agrônomo diz respeito às contas das emissões de carbono pela pecuária – um dos pontos mais ressaltados por quem costuma atacar o agronegócio. Nos cálculos geralmente utilizados, o sequestro de carbono pelas pastagens não entra na balança.

“O problema dos cálculos é que eles desconsideram o que é sequestrado pelos pastos. Então as vezes que a gente coloca isso em discussão, dizem que a gente precisa pesquisar. Claro que precisa, mas eu não posso desconsiderar o que já foi pesquisado. Existem disciplinas que há décadas estudam comportamento de animal em pastejo, que diz que o boi consegue colher só 30% a 40% da matéria seca. Existem matérias que falam de fisiologia de planta, que afirmam que a mesma massa que tem na parte aérea tem na raiz. Existem disciplinas de fertilidade de solo, que dizem que à medida que a gente vai colocando matéria orgânica no solo, entra toda uma dinâmica de carbono com nitrogênio que contribui para a formação de húmus e parte dele é liberada. A hora que você coloca tudo isso na conta, um pasto bom, você tem três equivalentes carbono sendo sequestrados para cada um que é emitido, quer dizer, o saldo é positivo”, explicou.

Agropecuária intensiva é tão sustentável quanto floresta nativa, aponta pesquisa

O diretor da Agroconsult destacou também que mesmo em um momento de baixa produtividade da pecuária, o sistema ainda beneficia o meio ambiente. “Na degradação, esse balanço passa a ser negativo, mas qual é o processo de degradação a hora que o pasto acaba? É revegetar, que volta a acumular carbono. O que a gente tem discutido é que isso tem que entrar no cálculo. Não é tapar sol com peneira, é colocar o problema com peso real, aí a gente vai chegar nas decisões mais corretas”, pediu o consultor.

Veja a entrevista completa concedida por Maurício Nogueira nesta segunda, 19:

VEJA TAMBÉM

Os pastos verdejantes nessa época do ano no Nordeste não tem sido aproveitados como deveriam pelos pecuaristas. As plantas daninhas são bastante competitivas e roubam todos os nutrientes do capim, inclusive a própria água.

O monitoramento do gado foi feito durante dois anos e teve como objetivo mensurar os impactos de uma área de pecuária e reflorestamento e outra apenas de pastagens (monocultura). “Pensávamos que haveria prejuízo por causa das sombras proporcionadas com as árvores, mas isso não influenciou em nada um aumento na incidência de vermes no rebanho”,...

O levantamento acompanhou 22 fazendas, localizadas na região norte de MT, e revelou as graves consequências da má aplicação dos medicamentos no rebanho. Roça apontou inúmeros fatores como local inadequado da aplicação; seringas e agulhas impróprias e sem assepsia; a pressa dos peões durante o procedimento e a falta de uso de tronco de contenção...

Alguns lotes, principalmente de novilhas de cruzamento industrial, tem apresentado gordura acima do ideal e isso acaba causa dificuldade em colocar o produto no mercado.

Quem trouxe os primeiros registros, dessa primeira etapa, foi o gerente regional de Originação MS Oeste, Nelson Jardim, falando ao Giro do Boi desse pontapé inicial do circuito e lembrou do mais novo protocolo firmado entre todas as unidades Friboi do país (10 Estados) com a ACNB na criação de um protocolo específico para a...

A busca por informações e por conhecimento tem sido mais exigidos do produtor rural. São conexões digitais, palestras, reuniões, dias de campo e necessidade de interpretações simultâneas que fizeram com que a professora criasse uma empresa com métodos capazes de, em apenas seis meses, fazer com que a pessoa consiga interpretar o agro na língua...

No primeiro episódio da série, que estará sendo apresentada no Giro do Boi todas as sextas-feiras, Chaker nos explicou a “ter a fazenda nas mãos”. Foram três dicas importantes sobre pessoas, processos e finanças.

Alguns lotes, principalmente de novilhas de cruzamento industrial, tem apresentado gordura acima do ideal e isso acaba causa dificuldade em colocar o produto no mercado.

No Giro do Boi desta quinta-feira, as fazendas em destaque vieram dos estado de SP e MS.

Entre as facilidades para efetivar doações particulares está modalidade via imposto de renda; entenda como realizar o processo

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE