Quer valorizar o preço da sua fazenda? Cuide do pasto

12 setembro 2019
capa 05

Um levantamento feito pelo Instituto de Economia Agrícola do Estado de São Paulo (IEA) de 1995 à 2013 revelou que os valores máximos da terra de pastagem no estado acumularam uma alta de 282%, passando de R$ 15,7 mil para mais de R$ 60 mil cada hectare. Se levarmos em conta o preço médio do levantamento das fazendas avaliadas, a alta é ainda maior: 519%. Esse dado vem em “desencontro” a um outro levantamento, feito pela Embrapa, informando que mais de 80% das áreas de pastagens do Brasil estão passando por algum estágio de degradação. A pergunta que fazemos é: “ se para valorizar (e muito) o patrimônio do produtor de carne e leite é necessário melhorar a qualidade das pastagens, por quê muitas propriedades ainda não dão a atenção devida para um dos mais tenebrosos vilões dos pastos, as plantas daninhas?”. Se a sua resposta for o valor do defensivo, saiba que reformar uma área de pastagem custa quatro vezes mais que combater e controlar as plantas invasoras.  

Foi o que disse em entrevista ao Giro do Boi desta quinta-feira, 11, o engenheiro agrônomo e gerente de Marketing da Corteva Agriscience, Paulo Pimentel. Segundo ele, não há necessidade que áreas infestadas por plantas daninhas sejam reformadas. Iniciar um combate e um controle das invasoras custa bem menos. Ele acrescenta, informando que o custo benefício em limpar corretamente os pastos com tecnologias como os defensivos da família XT representa, infinitamente, uma enorme economia para os pecuaristas, principalmente em tempos de margens apertadas. Pimentel apresentou um balanço desse primeiro ano da Tecnologia XT no Brasil. Desde que foi lançado, em setembro de 2018, na cidade de Campinas, SP, quando mais de 600 pecuaristas brasileiros estiveram presentes, a tecnologia ganhou tamanha notoriedade e fama que foi apelidada pelos produtores como responsável por transformar o “pasto em extraordinário”. 

Paulo também explicou que, após dez anos de pesquisas, a tecnologia foi apresentada ao mercado para amenizar os impactos negativos que os produtores de carne e leite tinham com as invasoras das pastagens, já que 95% dos sistemas de produção no Brasil tem o pasto como principal ingrediente alimentar. “Antes do XT chegar ao mercado, minha maior frustração como técnico era ver as infestações de plantas daninhas nas fazendas, impedindo um aumento de produtividade dos pecuaristas, hoje tudo mudou”, comemorou. O defensivo, único do mercado com três princípios ativos, além de ganhar os campos de produção de pastagens no Brasil, agora também está fazendo bonito em países da América Central e até nos Estados Unidos. A Tecnologia XT tem sido exportada e os resultados Brasil afora também são fantásticos, disse. 

Salientou ainda que, com a chegada do período das águas, este é o momento ideal de iniciar as aplicações. Para 2020, a Corteva Agriscience está reservando  dois novos momentos importantes que acontecerão na pecuária brasileira. Primeiro, no início do ano, será lançado um produto concentrado indicado para plantas moles. Em seguida, no mês de setembro, a empresa fará outro lançamento, da segunda família do XT, ainda mais eficiente que a atual. 

Confira, abaixo, a entrevista do especialista:

VEJA TAMBÉM

Área de baixa pressão forma canal de umidade que vai do Sudeste até a Amazônia

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

Tem dúvidas sobre bem-estar no transporte boiadeiro? Pergunte ao motorista

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Sindicato Rural de Governador Valadares-MG realiza edição do “Café Rural” dia 09/03

Friboi será parceira do evento que começa às 7h da manhã na sede do sindicato, localizado dentro do Parque de Exposições do município do Vale do Rio Doce

Confira os lotes em destaque do dia 28 de fevereiro de 2020

Lotes de propriedade em Minas Gerais e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Quer valorizar o preço da sua fazenda? Cuide do pasto

12 setembro 2019
capa 05

Um levantamento feito pelo Instituto de Economia Agrícola do Estado de São Paulo (IEA) de 1995 à 2013 revelou que os valores máximos da terra de pastagem no estado acumularam uma alta de 282%, passando de R$ 15,7 mil para mais de R$ 60 mil cada hectare. Se levarmos em conta o preço médio do levantamento das fazendas avaliadas, a alta é ainda maior: 519%. Esse dado vem em “desencontro” a um outro levantamento, feito pela Embrapa, informando que mais de 80% das áreas de pastagens do Brasil estão passando por algum estágio de degradação. A pergunta que fazemos é: “ se para valorizar (e muito) o patrimônio do produtor de carne e leite é necessário melhorar a qualidade das pastagens, por quê muitas propriedades ainda não dão a atenção devida para um dos mais tenebrosos vilões dos pastos, as plantas daninhas?”. Se a sua resposta for o valor do defensivo, saiba que reformar uma área de pastagem custa quatro vezes mais que combater e controlar as plantas invasoras.  

Foi o que disse em entrevista ao Giro do Boi desta quinta-feira, 11, o engenheiro agrônomo e gerente de Marketing da Corteva Agriscience, Paulo Pimentel. Segundo ele, não há necessidade que áreas infestadas por plantas daninhas sejam reformadas. Iniciar um combate e um controle das invasoras custa bem menos. Ele acrescenta, informando que o custo benefício em limpar corretamente os pastos com tecnologias como os defensivos da família XT representa, infinitamente, uma enorme economia para os pecuaristas, principalmente em tempos de margens apertadas. Pimentel apresentou um balanço desse primeiro ano da Tecnologia XT no Brasil. Desde que foi lançado, em setembro de 2018, na cidade de Campinas, SP, quando mais de 600 pecuaristas brasileiros estiveram presentes, a tecnologia ganhou tamanha notoriedade e fama que foi apelidada pelos produtores como responsável por transformar o “pasto em extraordinário”. 

Paulo também explicou que, após dez anos de pesquisas, a tecnologia foi apresentada ao mercado para amenizar os impactos negativos que os produtores de carne e leite tinham com as invasoras das pastagens, já que 95% dos sistemas de produção no Brasil tem o pasto como principal ingrediente alimentar. “Antes do XT chegar ao mercado, minha maior frustração como técnico era ver as infestações de plantas daninhas nas fazendas, impedindo um aumento de produtividade dos pecuaristas, hoje tudo mudou”, comemorou. O defensivo, único do mercado com três princípios ativos, além de ganhar os campos de produção de pastagens no Brasil, agora também está fazendo bonito em países da América Central e até nos Estados Unidos. A Tecnologia XT tem sido exportada e os resultados Brasil afora também são fantásticos, disse. 

Salientou ainda que, com a chegada do período das águas, este é o momento ideal de iniciar as aplicações. Para 2020, a Corteva Agriscience está reservando  dois novos momentos importantes que acontecerão na pecuária brasileira. Primeiro, no início do ano, será lançado um produto concentrado indicado para plantas moles. Em seguida, no mês de setembro, a empresa fará outro lançamento, da segunda família do XT, ainda mais eficiente que a atual. 

Confira, abaixo, a entrevista do especialista:

VEJA TAMBÉM

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Friboi será parceira do evento que começa às 7h da manhã na sede do sindicato, localizado dentro do Parque de Exposições do município do Vale do Rio Doce

Lotes de propriedade em Minas Gerais e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Em nova edição do quadro Zadra Responde, zootecnista destaca características dos machos para corte e matrizes F1 que resultam deste cruzamento

Segundo Nabih El-Aouar, produtor é incentivado a melhorar manejo, nutrição e inserção de tecnologias no rebanho, levando ganhos para toda a cadeia produtiva

Agrônomo explica quais as alturas ideais de entrada e saída do pastejo, taxa de lotação nas águas e na seca, efeitos da adubação e potencial de produção de matéria seca

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Segundo Nabih El-Aouar, produtor é incentivado a melhorar manejo, nutrição e inserção de tecnologias no rebanho, levando ganhos para toda a cadeia produtiva

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE