Reformar ou recuperar as pastagens? Qual opção escolher?

18 setembro 2017
SONY DSC

No programa desta segunda-feira, 18, o professor Claudio Haddad,  engenheiro agrônomo e professor da ESALQ/USP, concedeu entrevista a equipe Giro do Boi, durante mais uma edição do Fórum da Pecuária Lucrativa que aconteceu em Ribeirão Preto, interior paulista. Na ocasião ele comenta sobre a necessidade de manejar as pastagens e a diferença entre reformar ou recuperar o pasto.Reforma ou recuperação, a gente só faz quando não está agradando ou quando não está produzindo, então qualquer nível de degradação é para se pensar em reforma ou recuperação ”, explica Haddad.

A recuperação de pastagens é aproveitar  a estrutura existente na área. O valor de recuperação também é mais vantajoso, sendo apenas 60% do valor de uma reforma. O tempo para recuperação também é menor com apenas 60 dias.

Já a reforma de pastagens, tem custo de investimento mais elevado e período mais longo do que a recuperação. A reforma é destruir o que foi feito. Quando as plantas não conseguem fazer o fechamento da área, é necessário uma reforma. O tempo de recuperação será em torno de 100 a 120 dias.

Haddad, cita outros pontos para analisar na hora de planejar a reforma ou recuperação de pastagens:

  • Fertilidade do solo;
  • Degradação de solo;
  • Biologia de pasto;
  • Erros de manejo;
  • Erros de planejamento estrutural.

A degradação do solo, pode ser anunciada com o aumento de invasoras e plantas daninhas. Por conta disso a perda de nutrientes se torna mais rápida.

Agricultura X Pecuária

Claudio Haddad, comenta sobre a diferença do tratamento de pastagens entre o agricultor e pecuarista. “O agricultor não tolera invasoras na sua propriedade ou sua cultura. Enquanto que na pecuária tolera-se bastante as invasoras, sem atinar para que esse aviso agronômico,  normalmente o pecuarista ignora ou não atina para importância”.  Na ocasião o repórter Marco Ribeiro comentou sobre os casos de sucessos na série Rota do Boi, onde diversas fazendas comprovaram eficiência ao investir em forragens para obter um pasto diferenciado.

Veja mais dicas na íntegra.

 

Veja mais dicas sobre recuperação de pastagens:

Confira dicas para manter o pasto limpo e produzir mais arroba por hectare

Por que o pecuarista não aduba pastagens? Confira os 5 motivos mais comuns

 

 

VEJA TAMBÉM

Gestão da pecuária: “o que me trouxe até aqui não vai me levar adiante”

Descubra os seis pontos em comum entre as fazendas de pecuária de corte mais lucrativas do Brasil

Confira as fazendas em destaque do dia 05 de dezembro de 2019

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Fazenda tem economia milionária ao transformar esterco em adubo

No interior de SP, Agropastoril Paschoal Campanelli fertiliza lavouras de cana-de-açúcar, milho e pastagens usando dejetos do confinamento

Rústico e produtivo com carne de qualidade, raça Nelore é “patrimônio nacional”

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

Reformar ou recuperar as pastagens? Qual opção escolher?

18 setembro 2017
SONY DSC

No programa desta segunda-feira, 18, o professor Claudio Haddad,  engenheiro agrônomo e professor da ESALQ/USP, concedeu entrevista a equipe Giro do Boi, durante mais uma edição do Fórum da Pecuária Lucrativa que aconteceu em Ribeirão Preto, interior paulista. Na ocasião ele comenta sobre a necessidade de manejar as pastagens e a diferença entre reformar ou recuperar o pasto.Reforma ou recuperação, a gente só faz quando não está agradando ou quando não está produzindo, então qualquer nível de degradação é para se pensar em reforma ou recuperação ”, explica Haddad.

A recuperação de pastagens é aproveitar  a estrutura existente na área. O valor de recuperação também é mais vantajoso, sendo apenas 60% do valor de uma reforma. O tempo para recuperação também é menor com apenas 60 dias.

Já a reforma de pastagens, tem custo de investimento mais elevado e período mais longo do que a recuperação. A reforma é destruir o que foi feito. Quando as plantas não conseguem fazer o fechamento da área, é necessário uma reforma. O tempo de recuperação será em torno de 100 a 120 dias.

Haddad, cita outros pontos para analisar na hora de planejar a reforma ou recuperação de pastagens:

  • Fertilidade do solo;
  • Degradação de solo;
  • Biologia de pasto;
  • Erros de manejo;
  • Erros de planejamento estrutural.

A degradação do solo, pode ser anunciada com o aumento de invasoras e plantas daninhas. Por conta disso a perda de nutrientes se torna mais rápida.

Agricultura X Pecuária

Claudio Haddad, comenta sobre a diferença do tratamento de pastagens entre o agricultor e pecuarista. “O agricultor não tolera invasoras na sua propriedade ou sua cultura. Enquanto que na pecuária tolera-se bastante as invasoras, sem atinar para que esse aviso agronômico,  normalmente o pecuarista ignora ou não atina para importância”.  Na ocasião o repórter Marco Ribeiro comentou sobre os casos de sucessos na série Rota do Boi, onde diversas fazendas comprovaram eficiência ao investir em forragens para obter um pasto diferenciado.

Veja mais dicas na íntegra.

 

Veja mais dicas sobre recuperação de pastagens:

Confira dicas para manter o pasto limpo e produzir mais arroba por hectare

Por que o pecuarista não aduba pastagens? Confira os 5 motivos mais comuns

 

 

VEJA TAMBÉM

Descubra os seis pontos em comum entre as fazendas de pecuária de corte mais lucrativas do Brasil

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

No interior de SP, Agropastoril Paschoal Campanelli fertiliza lavouras de cana-de-açúcar, milho e pastagens usando dejetos do confinamento

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

Consultor adverte que produtividade de grande parte da pecuária praticada no Brasil cresceu baseada em aumento dos custos e aponta o caminho para produtor evitar o problema

Conforme novas tecnologias são incorporadas no campo, fazendas de gado de corte aumentaram a demanda por mão de obra especializada

Além do retorno financeiro específico da operação de engorda, produtor tem benefícios indiretos como possibilidade de aumentar rebanho e a taxa de lotação

Antônio Chaker apresenta qual etapa do ciclo de produção tem mais oportunidades para aumentar desfrute e renda e elenca números para pecuarista ficar atento

Com o desafio de otimizar o uso da terra, propriedade em Serra Nova Dourada-MT saiu da cria para a recria-engorda utilizando confinamento com grão inteiro

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE