Como usar a ressincronização na IATF para conseguir até 90% de concepção?

20 novembro 2017
ressincronizacao-iatf-taxa-concepcao-90

Nesta segunda-feira, dia 20, o Giro do Boi levou ao ar entrevista com o médico veterinário, mestre em reprodução animal e doutor em patologia experimental e comparada Ed Hoffmann Madureira, professor da USP de Pirassununga-SP. Em pauta esteve a influência da IATF na produtividade da cria da pecuária de corte e novas tecnologias voltadas à reprodução bovina.

Na conversa com o apresentador Mauro Sérgio Ortega, o professor reforçou que o sucesso da estação reprodutiva depende de outros fatores, como potencial genético dos animais, manejo de pastagem, nutrição, qualidade dos produtos escolhidos para o manejo reprodutivo, treinamento da equipe, instalações e qualidade do sêmen usado na inseminação artificial. “Não é só o foco na IATF em si, mas tudo que a envolve e os benefícios que pode trazer”, reforçou.

Para o pesquisador, um dos principais benefícios que a IATF trouxe à pecuária de corte é o fato de possibilitar a inseminação de 100% dos animais dentro da estação de monta, enquanto na observação visual a taxa de serviço flutua entre 40% e 50%. Hoffmann reforçou também que atualmente existem protocolos reprodutivos que possibilitam até três inseminações dentro de um período de 48 dias, com uma taxa de sucesso de até 60% em cada um dos procedimentos, possibilitando uma taxa de prenhez final de 90% após a ressincronização. “É possível atingir 60% de taxa de concepção pra casa inseminação. Em três acumuladas, teríamos 90% de prenhez ao final da estação de monta”, contabilizou.

Mas o veterinário. pondera que para obter desempenho similar, o escore corporal das matrizes deve estar adequado para responder aos protocolos. “Pequenas diferenças de escore levam a diferenças grandes no desempenho reprodutivo. Um ponto no escore, que representa entre 36 e 50 quilos de reserva corporal, pode impactar em 50% a mais nas taxas de prenhez”, quantificou.

Leia também
Fazendas brasileiras de cria devem aumentar produtividade média em 40% para obter lucro

Entre as novas tecnologias que podem ajudar a aumentar o sucesso da IATF está um produto recém lançado que substitui o benzoato de estradiol por um novo composto denominado 17-beta estradiol, um hormônio bioidêntico cujos benefícios já eram conhecidos, mas ainda não estava comercialmente disponível.

Segundo Ed Hoffmann, responsável pelo desenvolvimento do produto, o composto antecipa a emergência da onda folicular das matrizes em um dia, o que faz com que haja um dia a mais de crescimento folicular até o momento da inseminação. “Nós temos um folículo com 1 milímetro a mais de diâmetro. É um folículo significativamente maior. Isto produz oócitos, portanto embriões de melhor qualidade e corpos lúteos com mais capacidade de secreção de progesterona”, detalhou.

Além de melhorar as taxas de concepção entre 5% e 10%. o novo produto tem benefícios indiretos. “Não podemos afirmar que seja por conta do 17-beta estradiol porque o protocolo é um conjunto de tratamentos, mas substituindo-se o benzoato pelo 17-beta estradiol nós temos um ganho entre 5% e 10% nas taxas de concepção. E nós temos observado uma coisa muito interessante. No momento da IATF os pecuaristas relatam que eles têm muitos animais em estro e nós sabemos que animais que apresentam estro após o protocolos de IATF têm uma taxa de concepção melhor”, afirmou o professor, frisando que entre 94% e 100% dos animais apresentam estro após o tratamento.

Confira a entrevista completa de Ed Hoffmann Madureira ao Giro do Boi desta segunda:

VEJA TAMBÉM

Confira as fazendas em destaque do dia 21 de janeiro de 2019

Fazendas nos estados do Pará, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Região norte de MT tem previsão de temporais para o fim de semana

Precipitações no local já atrapalharam o embarque de gado gordo desde a última semana, quando chegaram a 150 mm; saiba como se programar para evitar problemas com o transporte

Escrituração zootécnica: como transformar dados em atitudes na fazenda?

Anotar é importante, mas ainda são poucos os pecuaristas que registram seus indicadores mais importantes. Se você não faz escrituração zootécnica na sua fazenda, veja as dicas de Antônio Chaker

Confira as fazendas em destaque do dia 18 de janeiro de 2019

Fazendas nos estados do Rondônia, São Paulo Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Como usar a ressincronização na IATF para conseguir até 90% de concepção?

20 novembro 2017
ressincronizacao-iatf-taxa-concepcao-90

Nesta segunda-feira, dia 20, o Giro do Boi levou ao ar entrevista com o médico veterinário, mestre em reprodução animal e doutor em patologia experimental e comparada Ed Hoffmann Madureira, professor da USP de Pirassununga-SP. Em pauta esteve a influência da IATF na produtividade da cria da pecuária de corte e novas tecnologias voltadas à reprodução bovina.

Na conversa com o apresentador Mauro Sérgio Ortega, o professor reforçou que o sucesso da estação reprodutiva depende de outros fatores, como potencial genético dos animais, manejo de pastagem, nutrição, qualidade dos produtos escolhidos para o manejo reprodutivo, treinamento da equipe, instalações e qualidade do sêmen usado na inseminação artificial. “Não é só o foco na IATF em si, mas tudo que a envolve e os benefícios que pode trazer”, reforçou.

Para o pesquisador, um dos principais benefícios que a IATF trouxe à pecuária de corte é o fato de possibilitar a inseminação de 100% dos animais dentro da estação de monta, enquanto na observação visual a taxa de serviço flutua entre 40% e 50%. Hoffmann reforçou também que atualmente existem protocolos reprodutivos que possibilitam até três inseminações dentro de um período de 48 dias, com uma taxa de sucesso de até 60% em cada um dos procedimentos, possibilitando uma taxa de prenhez final de 90% após a ressincronização. “É possível atingir 60% de taxa de concepção pra casa inseminação. Em três acumuladas, teríamos 90% de prenhez ao final da estação de monta”, contabilizou.

Mas o veterinário. pondera que para obter desempenho similar, o escore corporal das matrizes deve estar adequado para responder aos protocolos. “Pequenas diferenças de escore levam a diferenças grandes no desempenho reprodutivo. Um ponto no escore, que representa entre 36 e 50 quilos de reserva corporal, pode impactar em 50% a mais nas taxas de prenhez”, quantificou.

Leia também
Fazendas brasileiras de cria devem aumentar produtividade média em 40% para obter lucro

Entre as novas tecnologias que podem ajudar a aumentar o sucesso da IATF está um produto recém lançado que substitui o benzoato de estradiol por um novo composto denominado 17-beta estradiol, um hormônio bioidêntico cujos benefícios já eram conhecidos, mas ainda não estava comercialmente disponível.

Segundo Ed Hoffmann, responsável pelo desenvolvimento do produto, o composto antecipa a emergência da onda folicular das matrizes em um dia, o que faz com que haja um dia a mais de crescimento folicular até o momento da inseminação. “Nós temos um folículo com 1 milímetro a mais de diâmetro. É um folículo significativamente maior. Isto produz oócitos, portanto embriões de melhor qualidade e corpos lúteos com mais capacidade de secreção de progesterona”, detalhou.

Além de melhorar as taxas de concepção entre 5% e 10%. o novo produto tem benefícios indiretos. “Não podemos afirmar que seja por conta do 17-beta estradiol porque o protocolo é um conjunto de tratamentos, mas substituindo-se o benzoato pelo 17-beta estradiol nós temos um ganho entre 5% e 10% nas taxas de concepção. E nós temos observado uma coisa muito interessante. No momento da IATF os pecuaristas relatam que eles têm muitos animais em estro e nós sabemos que animais que apresentam estro após o protocolos de IATF têm uma taxa de concepção melhor”, afirmou o professor, frisando que entre 94% e 100% dos animais apresentam estro após o tratamento.

Confira a entrevista completa de Ed Hoffmann Madureira ao Giro do Boi desta segunda:

VEJA TAMBÉM

Fazendas nos estados do Pará, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Precipitações no local já atrapalharam o embarque de gado gordo desde a última semana, quando chegaram a 150 mm; saiba como se programar para evitar problemas com o transporte

Anotar é importante, mas ainda são poucos os pecuaristas que registram seus indicadores mais importantes. Se você não faz escrituração zootécnica na sua fazenda, veja as dicas de Antônio Chaker

Fazendas nos estados do Rondônia, São Paulo Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Fêmeas vieram de fazenda no Mato Grosso e alcançaram a marca de 100% Verde no Farol da Qualidade

Consultor relata problemas para produtores que não concluíram seu Cadastro Ambiental Rural e explica ainda a prorrogação da adesão ao Programa de Regularização Ambiental, o PRA

Fazendas nos estados do Pará, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Publicação está em consonância com os manuais de boas práticas de manejo lançados e atualizados pelo Grupo Etco e reúnes as informações mais importantes de cada um dos livretos; faça o download

Pecuarista deve fazer download do Termo de Adesão e entregar assinado aos compradores de gado das unidades da indústria; veja como tirar suas dúvidas sobre o processo

Cartaz traz dicas para a peonada manejar o gado de acordo com as boas práticas; faça o download para impressão e distribua pelas instalações de sua propriedade

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE