Seca deixa produtor australiano pessimista e rebanho pode sofrer redução nos próximos anos

11 outubro 2018
seca-australia-2018

O pecuarista australiano está em alerta com mais um período de seca. Parte da região produtora de gado de corte do país da Oceania não recebe chuvas há cerca de cinco meses, sendo que o volume de precipitações em setembro esteve entre os menores da história, prejudicando não só a pecuária a pasto, mas também o confinamento pelo aumento do preço dos insumos.

A situação fez com que a confiança do pecuarista da Austrália perdesse o otimismo. Em pesquisa recentemente divulgada pelo Rabobank, aponta-se que 56% dos produtores acreditam que a situação tende a piorar.

E o prejuízo da pecuária australiana pode ser maior para os próximos anos. Como a demanda pela carne bovina está sendo puxada por aumento das compras dos principais países importadores (exportações para o Japão cresceram 8% neste ano; Coreia do Sul +15%, China +55%, enquanto para o EUA se mantiveram estáveis), o abate está em alta, inclusive o de fêmeas, o que pode levar a uma redução do rebanho nos próximos anos.

O cenário foi apresentado por Natanael Carvalho, colaborador da JBS na Austrália. Ele é formado em Agronegócio pela Esalq-USP e em administração pela faculdade Metodista e falou nesta quinta, 11, ao Giro do Boi sobre o que acontece com a pecuária no país neste momento. “Acredito que esse impacto vai ser maior nos anos futuros, nos próximos anos, porque acaba sendo mais difícil pensar em investimento e expansão em um cenário pessimista”, projetou.

O país deverá abater em 2018 7,8 milhões de cabeças, produzindo 2,3 milhões de toneladas de carne bovina e exportando 1,1 milhão de toneladas.

Veja a entrevista completa no vídeo abaixo:

Foto ilustrativa: educacao.pe.gov.br

VEJA TAMBÉM

Trabalho integrado ameniza dificuldades com embarque do gado gordo entre Juara e Juína

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Áreas de instabilidade levam chuva para fronteira do RS com SC no fim de semana

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Seis cadastros obrigatórios para o produtor rural garantir sua segurança jurídica

Gestão de cadastros de propriedades rurais evita problemas em situações como transações imobiliárias, bancárias, ambientais e também possíveis sanções de órgãos do governo

Já saiu o resultado da votação para o melhor lote de janeiro; conheça o vencedor

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Seca deixa produtor australiano pessimista e rebanho pode sofrer redução nos próximos anos

11 outubro 2018
seca-australia-2018

O pecuarista australiano está em alerta com mais um período de seca. Parte da região produtora de gado de corte do país da Oceania não recebe chuvas há cerca de cinco meses, sendo que o volume de precipitações em setembro esteve entre os menores da história, prejudicando não só a pecuária a pasto, mas também o confinamento pelo aumento do preço dos insumos.

A situação fez com que a confiança do pecuarista da Austrália perdesse o otimismo. Em pesquisa recentemente divulgada pelo Rabobank, aponta-se que 56% dos produtores acreditam que a situação tende a piorar.

E o prejuízo da pecuária australiana pode ser maior para os próximos anos. Como a demanda pela carne bovina está sendo puxada por aumento das compras dos principais países importadores (exportações para o Japão cresceram 8% neste ano; Coreia do Sul +15%, China +55%, enquanto para o EUA se mantiveram estáveis), o abate está em alta, inclusive o de fêmeas, o que pode levar a uma redução do rebanho nos próximos anos.

O cenário foi apresentado por Natanael Carvalho, colaborador da JBS na Austrália. Ele é formado em Agronegócio pela Esalq-USP e em administração pela faculdade Metodista e falou nesta quinta, 11, ao Giro do Boi sobre o que acontece com a pecuária no país neste momento. “Acredito que esse impacto vai ser maior nos anos futuros, nos próximos anos, porque acaba sendo mais difícil pensar em investimento e expansão em um cenário pessimista”, projetou.

O país deverá abater em 2018 7,8 milhões de cabeças, produzindo 2,3 milhões de toneladas de carne bovina e exportando 1,1 milhão de toneladas.

Veja a entrevista completa no vídeo abaixo:

Foto ilustrativa: educacao.pe.gov.br

VEJA TAMBÉM

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Gestão de cadastros de propriedades rurais evita problemas em situações como transações imobiliárias, bancárias, ambientais e também possíveis sanções de órgãos do governo

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Fazendas nos estados de Rondônia e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Teste foi feito em área com lotação média de 10 UA/ha ao longo de dois anos; conclusão é de que não há interferência na fertilidade do solo que prejudique a produção de grãos

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Pecuarista deve fazer download do Termo de Adesão e entregar assinado aos compradores de gado das unidades da indústria; veja como tirar suas dúvidas sobre o processo

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE