Ajuste da lotação dos caminhões boiadeiros ganha importância em viagens longas

09 agosto 2019
recomendacoes-cuidados-transporte-gado-magro-bem-estar-animal

Em viagens mais longas envolvendo carga viva, como é o caso dos caminhões boiadeiros, o ajuste de lotação dos compartimentos se torna ainda mais relevante. Não que signifique mudança em relação às outras viagens: a quantidade de animais em um veículo é sempre a mesma, alterando somente conforme a sua categoria. Mas deixar espaços vazios ou superlotados em uma carreta em uma viagem maior significa aumentar o tempo de exposição dos animais a um risco de queda e lesões.

Foi isto que apontou no quadro Giro na Estrada exibido no programa desta sexta, 09, o engenheiro agrônomo e coordenador de logística da Friboi, Leonardo Vieira. “Quando você trabalha com poucos animais, eles não tem como se apoiar uns nos outros, então podem se chocar e cair”, exemplificou. De outra forma, a superlotação é igualmente indesejável.

“A quantidade é altamente relevante e, além disto, fazer uma padronização de categoria animal para colocar dentro deste veículo. Você trabalhar em viagens de 500 km, 600 km, dependendo da condição de estrada e relevo, não é tanto o problema. O problema maior é você não ajustar o volume do lote”, resumiu Vieira.

Formação correta de lotes para embarque é saudável para o animal e para o bolso do pecuarista

Qual a importância da uniformidade dos lotes no transporte boiadeiro?

Faça aqui o download dos Manuais de Boas Práticas de Manejo – Embarque e Transporte

Veja as recomendações completas do especialista sobre a formatação de lotes para embarque:

VEJA TAMBÉM

Calor e tempo seco predominam sobre o Brasil Central nos próximos dias

Região já está há praticamente três meses sem chuvas; no Sul, chegada de frente fria traz geadas para o RS, SC e divisa do PR com SP

Vencedores da maior etapa do Circuito Nelore de Qualidade em 2019 são revelados

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Três dicas para ganhar dinheiro com confinamento de gado de corte

Pesquisador da Embrapa afirma que pecuarista deve fugir das “receitas de bolo” para não perder oportunidades de buscar ingredientes alternativos no mercado

Novilhas recebem bônus superior a R$ 20 por arroba pela qualidade

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Ajuste da lotação dos caminhões boiadeiros ganha importância em viagens longas

09 agosto 2019
recomendacoes-cuidados-transporte-gado-magro-bem-estar-animal

Em viagens mais longas envolvendo carga viva, como é o caso dos caminhões boiadeiros, o ajuste de lotação dos compartimentos se torna ainda mais relevante. Não que signifique mudança em relação às outras viagens: a quantidade de animais em um veículo é sempre a mesma, alterando somente conforme a sua categoria. Mas deixar espaços vazios ou superlotados em uma carreta em uma viagem maior significa aumentar o tempo de exposição dos animais a um risco de queda e lesões.

Foi isto que apontou no quadro Giro na Estrada exibido no programa desta sexta, 09, o engenheiro agrônomo e coordenador de logística da Friboi, Leonardo Vieira. “Quando você trabalha com poucos animais, eles não tem como se apoiar uns nos outros, então podem se chocar e cair”, exemplificou. De outra forma, a superlotação é igualmente indesejável.

“A quantidade é altamente relevante e, além disto, fazer uma padronização de categoria animal para colocar dentro deste veículo. Você trabalhar em viagens de 500 km, 600 km, dependendo da condição de estrada e relevo, não é tanto o problema. O problema maior é você não ajustar o volume do lote”, resumiu Vieira.

Formação correta de lotes para embarque é saudável para o animal e para o bolso do pecuarista

Qual a importância da uniformidade dos lotes no transporte boiadeiro?

Faça aqui o download dos Manuais de Boas Práticas de Manejo – Embarque e Transporte

Veja as recomendações completas do especialista sobre a formatação de lotes para embarque:

VEJA TAMBÉM

Região já está há praticamente três meses sem chuvas; no Sul, chegada de frente fria traz geadas para o RS, SC e divisa do PR com SP

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Pesquisador da Embrapa afirma que pecuarista deve fugir das “receitas de bolo” para não perder oportunidades de buscar ingredientes alternativos no mercado

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Segundo zootecnista Antônio Chaker, o potencial de retorno financeiro da cria é de 35%; veja passo a passo para reverter o quadro

Fazendas localizadas em Tocantins, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Segundo zootecnista Antônio Chaker, o potencial de retorno financeiro da cria é de 35%; veja passo a passo para reverter o quadro

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Grupo de novilhas meio-sangue Angus de propriedade em Botucatu-SP marcou 100% Verde no Farol da Qualidade e segue para disputa de melhor do mês

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE