Aprenda a fazer adubação de pasto

28 novembro 2019
aprenda-adubacao-pastagem

“Há quantos anos você vem tirando do seu solo os nutrientes e nada repõe? Uma hora a casa cai, a mina seca”, alertou nesta quinta, 28, no quadro Pastagem de A a Z, o engenheiro agrônomo, pós-graduado em pastagens pela Esalq-USP e consultor do Circuito da Pecuária Wagner Pires.

O especialista construiu uma espécie de beabá da adubação de pasto para o produtor que quer começar a fazer em sua fazenda. Pires indicou que o primeiro passo é a análise de solo. Com R$ 40 a R$ 50 o produtor pode realizá-la e saber o quanto precisa aplicar de nutriente em determinado piquete. Para efeito de comparação, a tonelada de fertilizante custa entre R$ 1.200 a R$ 1.500.

O agrônomo disse que o produtor não precisa coletar amostras de todas as suas áreas, mas pode escolher as principais, como uma coleta de uma variedade e outra coleta com outra forrageira, por exemplo. Ciente desta informação, o produtor deve entender as necessidades das gramíneas que ele cultiva, pois variedades distintas têm exigências diferentes de adubação.

Pires falou da importância da calagem para equilibrar o pH do solo, o que permite que a planta acesse os nutrientes disponíveis. Esta calagem pode ser jogada em cobertura na área, sempre com pasto rebaixado para facilitar a distribuição no solo e também na entrada das chuvas porque a aplicação só terá efeito com umidade.

A fosfatagem também é etapa imprescindível da adubação do solo. Segundo o consultor, um boi abatido com 500 kg tem cerca de 5 kg de fósforo em sua carcaça que são retirados do solo, fora o que é consumido no cocho. “A saúde do seu boi, o peso do seu boi vai sair de onde? Do nutriente que está disponível lá no solo”, reforçou. Por isso a tomada de decisão na aplicação de fósforo é importante e o produtor tem algumas opções, como o fósforo de alta e baixa solubilização, ou ainda mista, que tem tempos diferentes de absorção total pela planta – em até dois anos ou em até cinco anos, respectivamente.

Com o fósforo de alta solubilização, a planta tem um pico de crescimento, mas o efeito é suspenso em até dois anos. Já na baixa solubilização, a planta absorve o fósforo em até cinco anos, o que Pires particularmente julga ser melhor para o perfil de grande parte da pecuária brasileira porque permite que o produtor vá adubando todas as suas áreas de pasto e, ao terminar o ciclo, volte para a primeira área perto do fim do efeito do fósforo de baixa solubilização.

O agrônomo avisou ainda sobre uma mudança importante que vem junto com a adubação de pasto. Com a produtividade crescente da forrageira, o pecuarista precisa estar atento para uma nova dinâmica da colheita deste pasto e aprender sobre isto até que esteja apto a partir para a adubação de uma área maior. “Se você nunca adubou, você não tem noção da força com que seu capim explode, cresce, então muda o manejo”, explicou. “Então não queira adubar grandes áreas da sua fazenda, comece aos poucos”, recomendou.

Pires deu ainda um “puxão de orelha” nos pecuaristas que afirmam que adubação de pastagens não se paga. “A pecuária não paga incompetência, produção pequena e subutilização do potencial da sua terra. Isso a pecuária não paga”, reforçou.

Veja o oitavo episódio do quadro Pastagem de A a Z na íntegra:

 

Acesse nos links abaixo os demais episódios do quadro Pastagem de A a Z:

 

VEJA TAMBÉM

Gestão da pecuária: “o que me trouxe até aqui não vai me levar adiante”

Descubra os seis pontos em comum entre as fazendas de pecuária de corte mais lucrativas do Brasil

Confira as fazendas em destaque do dia 05 de dezembro de 2019

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Fazenda tem economia milionária ao transformar esterco em adubo

No interior de SP, Agropastoril Paschoal Campanelli fertiliza lavouras de cana-de-açúcar, milho e pastagens usando dejetos do confinamento

Rústico e produtivo com carne de qualidade, raça Nelore é “patrimônio nacional”

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

Aprenda a fazer adubação de pasto

28 novembro 2019
aprenda-adubacao-pastagem

“Há quantos anos você vem tirando do seu solo os nutrientes e nada repõe? Uma hora a casa cai, a mina seca”, alertou nesta quinta, 28, no quadro Pastagem de A a Z, o engenheiro agrônomo, pós-graduado em pastagens pela Esalq-USP e consultor do Circuito da Pecuária Wagner Pires.

O especialista construiu uma espécie de beabá da adubação de pasto para o produtor que quer começar a fazer em sua fazenda. Pires indicou que o primeiro passo é a análise de solo. Com R$ 40 a R$ 50 o produtor pode realizá-la e saber o quanto precisa aplicar de nutriente em determinado piquete. Para efeito de comparação, a tonelada de fertilizante custa entre R$ 1.200 a R$ 1.500.

O agrônomo disse que o produtor não precisa coletar amostras de todas as suas áreas, mas pode escolher as principais, como uma coleta de uma variedade e outra coleta com outra forrageira, por exemplo. Ciente desta informação, o produtor deve entender as necessidades das gramíneas que ele cultiva, pois variedades distintas têm exigências diferentes de adubação.

Pires falou da importância da calagem para equilibrar o pH do solo, o que permite que a planta acesse os nutrientes disponíveis. Esta calagem pode ser jogada em cobertura na área, sempre com pasto rebaixado para facilitar a distribuição no solo e também na entrada das chuvas porque a aplicação só terá efeito com umidade.

A fosfatagem também é etapa imprescindível da adubação do solo. Segundo o consultor, um boi abatido com 500 kg tem cerca de 5 kg de fósforo em sua carcaça que são retirados do solo, fora o que é consumido no cocho. “A saúde do seu boi, o peso do seu boi vai sair de onde? Do nutriente que está disponível lá no solo”, reforçou. Por isso a tomada de decisão na aplicação de fósforo é importante e o produtor tem algumas opções, como o fósforo de alta e baixa solubilização, ou ainda mista, que tem tempos diferentes de absorção total pela planta – em até dois anos ou em até cinco anos, respectivamente.

Com o fósforo de alta solubilização, a planta tem um pico de crescimento, mas o efeito é suspenso em até dois anos. Já na baixa solubilização, a planta absorve o fósforo em até cinco anos, o que Pires particularmente julga ser melhor para o perfil de grande parte da pecuária brasileira porque permite que o produtor vá adubando todas as suas áreas de pasto e, ao terminar o ciclo, volte para a primeira área perto do fim do efeito do fósforo de baixa solubilização.

O agrônomo avisou ainda sobre uma mudança importante que vem junto com a adubação de pasto. Com a produtividade crescente da forrageira, o pecuarista precisa estar atento para uma nova dinâmica da colheita deste pasto e aprender sobre isto até que esteja apto a partir para a adubação de uma área maior. “Se você nunca adubou, você não tem noção da força com que seu capim explode, cresce, então muda o manejo”, explicou. “Então não queira adubar grandes áreas da sua fazenda, comece aos poucos”, recomendou.

Pires deu ainda um “puxão de orelha” nos pecuaristas que afirmam que adubação de pastagens não se paga. “A pecuária não paga incompetência, produção pequena e subutilização do potencial da sua terra. Isso a pecuária não paga”, reforçou.

Veja o oitavo episódio do quadro Pastagem de A a Z na íntegra:

 

Acesse nos links abaixo os demais episódios do quadro Pastagem de A a Z:

 

VEJA TAMBÉM

Descubra os seis pontos em comum entre as fazendas de pecuária de corte mais lucrativas do Brasil

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

No interior de SP, Agropastoril Paschoal Campanelli fertiliza lavouras de cana-de-açúcar, milho e pastagens usando dejetos do confinamento

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

Consultor adverte que produtividade de grande parte da pecuária praticada no Brasil cresceu baseada em aumento dos custos e aponta o caminho para produtor evitar o problema

Conforme novas tecnologias são incorporadas no campo, fazendas de gado de corte aumentaram a demanda por mão de obra especializada

Além do retorno financeiro específico da operação de engorda, produtor tem benefícios indiretos como possibilidade de aumentar rebanho e a taxa de lotação

Antônio Chaker apresenta qual etapa do ciclo de produção tem mais oportunidades para aumentar desfrute e renda e elenca números para pecuarista ficar atento

Com o desafio de otimizar o uso da terra, propriedade em Serra Nova Dourada-MT saiu da cria para a recria-engorda utilizando confinamento com grão inteiro

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE