Caroço de algodão em confinamento é recomendável até certo ponto, pondera zootecnista

14 junho 2018
bezerros-nelore-superprecoces-confinamento-guaicara-eduardo-otoboni

No segundo bloco do programa especial do Giro do Boi gravado durante o dia de campo no boitel da JBS em Guaiçara, Mauro Sérgio Ortega conversou com o zootecnista João Paulo Bastos, consultor responsável pelo manejo nutricional dos animais em terminação tanto na unidade do interior paulista como também de Terenos-MS e Lucas do Rio Verde-MT.

O zootecnista destacou que a estratégia para atingir o desempenho esperado da terminação em cocho está focada no adensamento das dietas, usando ureias e gorduras protegidas, mais milho e menos subprodutos em sua formulação. “Justamente para dar aporte de energia maior para os animais, uma energia mais disponível, e com isso conseguir eficiência melhor porque tem redução de consumo, porém se transfere mais energia para a carcaça”, ponderou.

O consultor também recomendou cuidados ao utilizar subprodutos do algodão, como o caroço, nas dietas de confinamento. Em 2018, a alternativa tornou-se mais interessante por conta da valorização do milho. “Recomendo utilizar, porém até um certo ponto é favorável, acima disso você começa a ter comprometimento na carcaça em termos de gosto e qualidade. Isso para o mercado é ruim. Na hora em que (a carne) começa a bater no mercado e voltar, a cadeia sofre. A gente pode trabalhar com até 20% na matéria seca, é o nosso limite de algodão, mais que isso não é recomendável”, limitou o zootecnista em conversa com o apresentador Mauro Sérgio Ortega.

Ainda durante o bloco, o repórter José Neto mostrou uma experiência que o pecuarista Eduardo Otoboni está realizando na unidade do boitel em Guaiçara-SP. Otoboni enviou uma bezerrada Nelore crioula (foto em destaque) vinda do Mato Grosso para ser engordada em confinamento saída direto da desmama, suprimindo a etapa da recria para ser terminada como superprecoce. O lote foi desmamado com cerca de 260 kg e deve ficar no cocho 150 dias ao todo, na modalidade de negócio de ração consumida. “É um experimento que estamos fazendo para aproveitar precocidade do animal”, resumiu Otoboni.

O produtor busca intensificar seu sistema de produção, mas também acredita que o consumidor se beneficia com a carne que disponibilizará ao mercado. “Além do benefício para o produtor, como Cota Hilton, (bonificação por) Protocolo Sinal Verde e outros, para o consumidor final é uma qualidade extremamente perfeita. […] Essa modalidade veio para ficar. O fluxo de caixa da propriedade não pode parar e tem que estar sempre antecipando, e ao mesmo tempo você disponibiliza pasto para outros animais”, indicou Otoboni.

Confira as entrevistas completas clicando no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Área de baixa pressão forma canal de umidade que vai do Sudeste até a Amazônia

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

Tem dúvidas sobre bem-estar no transporte boiadeiro? Pergunte ao motorista

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Sindicato Rural de Governador Valadares-MG realiza edição do “Café Rural” dia 09/03

Friboi será parceira do evento que começa às 7h da manhã na sede do sindicato, localizado dentro do Parque de Exposições do município do Vale do Rio Doce

Confira os lotes em destaque do dia 28 de fevereiro de 2020

Lotes de propriedade em Minas Gerais e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Caroço de algodão em confinamento é recomendável até certo ponto, pondera zootecnista

14 junho 2018
bezerros-nelore-superprecoces-confinamento-guaicara-eduardo-otoboni

No segundo bloco do programa especial do Giro do Boi gravado durante o dia de campo no boitel da JBS em Guaiçara, Mauro Sérgio Ortega conversou com o zootecnista João Paulo Bastos, consultor responsável pelo manejo nutricional dos animais em terminação tanto na unidade do interior paulista como também de Terenos-MS e Lucas do Rio Verde-MT.

O zootecnista destacou que a estratégia para atingir o desempenho esperado da terminação em cocho está focada no adensamento das dietas, usando ureias e gorduras protegidas, mais milho e menos subprodutos em sua formulação. “Justamente para dar aporte de energia maior para os animais, uma energia mais disponível, e com isso conseguir eficiência melhor porque tem redução de consumo, porém se transfere mais energia para a carcaça”, ponderou.

O consultor também recomendou cuidados ao utilizar subprodutos do algodão, como o caroço, nas dietas de confinamento. Em 2018, a alternativa tornou-se mais interessante por conta da valorização do milho. “Recomendo utilizar, porém até um certo ponto é favorável, acima disso você começa a ter comprometimento na carcaça em termos de gosto e qualidade. Isso para o mercado é ruim. Na hora em que (a carne) começa a bater no mercado e voltar, a cadeia sofre. A gente pode trabalhar com até 20% na matéria seca, é o nosso limite de algodão, mais que isso não é recomendável”, limitou o zootecnista em conversa com o apresentador Mauro Sérgio Ortega.

Ainda durante o bloco, o repórter José Neto mostrou uma experiência que o pecuarista Eduardo Otoboni está realizando na unidade do boitel em Guaiçara-SP. Otoboni enviou uma bezerrada Nelore crioula (foto em destaque) vinda do Mato Grosso para ser engordada em confinamento saída direto da desmama, suprimindo a etapa da recria para ser terminada como superprecoce. O lote foi desmamado com cerca de 260 kg e deve ficar no cocho 150 dias ao todo, na modalidade de negócio de ração consumida. “É um experimento que estamos fazendo para aproveitar precocidade do animal”, resumiu Otoboni.

O produtor busca intensificar seu sistema de produção, mas também acredita que o consumidor se beneficia com a carne que disponibilizará ao mercado. “Além do benefício para o produtor, como Cota Hilton, (bonificação por) Protocolo Sinal Verde e outros, para o consumidor final é uma qualidade extremamente perfeita. […] Essa modalidade veio para ficar. O fluxo de caixa da propriedade não pode parar e tem que estar sempre antecipando, e ao mesmo tempo você disponibiliza pasto para outros animais”, indicou Otoboni.

Confira as entrevistas completas clicando no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Friboi será parceira do evento que começa às 7h da manhã na sede do sindicato, localizado dentro do Parque de Exposições do município do Vale do Rio Doce

Lotes de propriedade em Minas Gerais e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Em nova edição do quadro Zadra Responde, zootecnista destaca características dos machos para corte e matrizes F1 que resultam deste cruzamento

Segundo Nabih El-Aouar, produtor é incentivado a melhorar manejo, nutrição e inserção de tecnologias no rebanho, levando ganhos para toda a cadeia produtiva

Agrônomo explica quais as alturas ideais de entrada e saída do pastejo, taxa de lotação nas águas e na seca, efeitos da adubação e potencial de produção de matéria seca

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Segundo Nabih El-Aouar, produtor é incentivado a melhorar manejo, nutrição e inserção de tecnologias no rebanho, levando ganhos para toda a cadeia produtiva

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE