Como transformar sua fazenda em uma máquina de colher bezerro – e dinheiro?

22 outubro 2019
Bezerros clonados em Pirassununga (SP) a partir de touro nelore reprodutor

Cria não dá dinheiro? Depende da gestão do criador. No segundo bloco do Giro do Boi especial para o lançamento do Benchmarking 2018-19, o consultor Antônio Chaker escancarou os números que devem ser perseguidos pelas fazendas de criação de bezerros caso queiram mudar para o time das propriedades que lucram.

O zootecnista informou que a “turma do prejuízo” teve na safra 2018-19 uma taxa média de prenhez de 70,9%, enquanto as top rentáveis tiveram 82,8%, com potencial de chegar a até 86,8%. “E estas fazendas já são profissionais, a gente acredita que a média no Brasil é muito menor do que isso”, lamentou Chaker.

Já a taxa de desmame das fazendas de cria com prejuízo chegou a 66,1%, enquanto as mais lucrativas tivera 75,8% de desmame com potencial para chegar a até 78,7%. No entanto, o consultor destacou que não basta desmamar indivíduos, mas sim quilos de bezerro por vaca exposta, uma equação que considera peso dos bezerros x quantidade de bezerros desmamados dividido pelo total de matrizes em monta.

O ideal é que se busque indivíduos acima de 200 kg e um indicador de kg de bezerros desmamados por vaca exposta de 164 kg, que é o que obtiveram as fazendas top rentáveis, enquanto as menos rentáveis ficaram com 145 kg de bezerros desmamados por vaca exposta. Chaker acredita que a média brasileira é ainda pior, descendo aos 88 kg. “Por isso a turma afirma que cria não dá lucro”, completou.

Chaker disse que um indicador cada vez mais presente nas fazendas de cria que dão lucro é a taxa de aproveitamento de fêmeas 18 meses ou menos, que avalia quantas fêmeas existem nesta categoria na fazenda e quantas entraram em monta. Nas fazendas que tiveram prejuízo, 88,9% destas fêmeas foram aproveitadas, enquanto nas fazendas de cria top rentáveis, 105% desta categoria foram entouradas. “Mas como assim eu vou entourar 105% das fêmeas abaixo de 18 meses? Se eu entoureirei 105% delas, significa que eu entourei fêmeas abaixo de 18 meses, ou seja, a precocidade aqui escancarando potencial de aumento de lucro”, explicou.

+ Lançamento Benchmarking 2018-19 / 1º bloco: Quais são as duas realidades da pecuária brasileira?

Lançamento Benchmarking 2018-19 / 3º bloco: Pecuarista não pode “tapar o buraco da ineficiência” com dinheiro, diz consultor

Lançamento Benchmarking 2018-19 / 4º bloco: Por que o pecuarista de recria e engorda deve estar atento à “torneira do desembolso”?

Lançamento Benchmarking 2018-19 / 5º bloco: Fazendas mais lucrativas do Brasil pagam mais a funcionários

Lançamento Benchmarking 2018-19 / 6º bloco: Aprenda a regra de ouro para lucrar com pecuária de corte

Lançamento Benchmarking 2018-19 / 7º bloco: Seis fatores que sustentam a margem das fazendas de pecuária mais lucrativas

Em resumo, Chaker indicou que o criador deve buscar um gasto de R$ 35 por mês com o conjunto vaca e bezerro, produzindo uma arroba de R$ 98 e desmamando um bezerro de R$ 705. Isto porque as fazendas que tiveram prejuízo desmamaram bezerros com valor que chega até ao dobro disto, R$ 1.488. Chaker afirmou que, segundo análises do Benchmarking, as fazendas de cria mais rentáveis do Brasil têm margem sobre a venda chega a 36,4%.

Antes do fim do segundo bloco, o produtor Moacir Hernandes Nonato, da Fazenda Terra Boa, localizada em Nioaque-MS, falou suas impressões sobre a gestão adequada da pecuária de cria.

Confira o segundo bloco do Giro do Boi especial de lançamento do Benchmarking 2018-19 pelo vídeo abaixo:

Benchmarking Inttegra 2018-2019: veja apresentação completa dos números

VEJA TAMBÉM

Como fazer divisão de pasto na fazenda?

Agrônomo destaca que sem a divisão não é possível fazer manejo de pastagem; confira recomendações para intensificar o sistema desde o pastejo alternado até o rotacionado

Confira as fazendas em destaque do dia 21 de novembro de 2019

Fazendas localizadas em São Paulo, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade.

Etapa de Campo Grande-MS encerra Circuito Nelore de Qualidade 2019

Abate técnico ocorreu na quarta, 20, e avaliou as carcaças de mais de 1.500 animais; etapa definirá a classificação do ranking nacional

“Sinergia entre indústria, pecuarista e consumidor é positiva e necessária”

Em entrevista ao Giro do Boi, Bruno Brainer, gerente de originação da Friboi para Rondônia e Acre, falou sobre parceria com produtor em 2019 e evolução da pecuária na região

Como transformar sua fazenda em uma máquina de colher bezerro – e dinheiro?

22 outubro 2019
Bezerros clonados em Pirassununga (SP) a partir de touro nelore reprodutor

Cria não dá dinheiro? Depende da gestão do criador. No segundo bloco do Giro do Boi especial para o lançamento do Benchmarking 2018-19, o consultor Antônio Chaker escancarou os números que devem ser perseguidos pelas fazendas de criação de bezerros caso queiram mudar para o time das propriedades que lucram.

O zootecnista informou que a “turma do prejuízo” teve na safra 2018-19 uma taxa média de prenhez de 70,9%, enquanto as top rentáveis tiveram 82,8%, com potencial de chegar a até 86,8%. “E estas fazendas já são profissionais, a gente acredita que a média no Brasil é muito menor do que isso”, lamentou Chaker.

Já a taxa de desmame das fazendas de cria com prejuízo chegou a 66,1%, enquanto as mais lucrativas tivera 75,8% de desmame com potencial para chegar a até 78,7%. No entanto, o consultor destacou que não basta desmamar indivíduos, mas sim quilos de bezerro por vaca exposta, uma equação que considera peso dos bezerros x quantidade de bezerros desmamados dividido pelo total de matrizes em monta.

O ideal é que se busque indivíduos acima de 200 kg e um indicador de kg de bezerros desmamados por vaca exposta de 164 kg, que é o que obtiveram as fazendas top rentáveis, enquanto as menos rentáveis ficaram com 145 kg de bezerros desmamados por vaca exposta. Chaker acredita que a média brasileira é ainda pior, descendo aos 88 kg. “Por isso a turma afirma que cria não dá lucro”, completou.

Chaker disse que um indicador cada vez mais presente nas fazendas de cria que dão lucro é a taxa de aproveitamento de fêmeas 18 meses ou menos, que avalia quantas fêmeas existem nesta categoria na fazenda e quantas entraram em monta. Nas fazendas que tiveram prejuízo, 88,9% destas fêmeas foram aproveitadas, enquanto nas fazendas de cria top rentáveis, 105% desta categoria foram entouradas. “Mas como assim eu vou entourar 105% das fêmeas abaixo de 18 meses? Se eu entoureirei 105% delas, significa que eu entourei fêmeas abaixo de 18 meses, ou seja, a precocidade aqui escancarando potencial de aumento de lucro”, explicou.

+ Lançamento Benchmarking 2018-19 / 1º bloco: Quais são as duas realidades da pecuária brasileira?

Lançamento Benchmarking 2018-19 / 3º bloco: Pecuarista não pode “tapar o buraco da ineficiência” com dinheiro, diz consultor

Lançamento Benchmarking 2018-19 / 4º bloco: Por que o pecuarista de recria e engorda deve estar atento à “torneira do desembolso”?

Lançamento Benchmarking 2018-19 / 5º bloco: Fazendas mais lucrativas do Brasil pagam mais a funcionários

Lançamento Benchmarking 2018-19 / 6º bloco: Aprenda a regra de ouro para lucrar com pecuária de corte

Lançamento Benchmarking 2018-19 / 7º bloco: Seis fatores que sustentam a margem das fazendas de pecuária mais lucrativas

Em resumo, Chaker indicou que o criador deve buscar um gasto de R$ 35 por mês com o conjunto vaca e bezerro, produzindo uma arroba de R$ 98 e desmamando um bezerro de R$ 705. Isto porque as fazendas que tiveram prejuízo desmamaram bezerros com valor que chega até ao dobro disto, R$ 1.488. Chaker afirmou que, segundo análises do Benchmarking, as fazendas de cria mais rentáveis do Brasil têm margem sobre a venda chega a 36,4%.

Antes do fim do segundo bloco, o produtor Moacir Hernandes Nonato, da Fazenda Terra Boa, localizada em Nioaque-MS, falou suas impressões sobre a gestão adequada da pecuária de cria.

Confira o segundo bloco do Giro do Boi especial de lançamento do Benchmarking 2018-19 pelo vídeo abaixo:

Benchmarking Inttegra 2018-2019: veja apresentação completa dos números

VEJA TAMBÉM

Agrônomo destaca que sem a divisão não é possível fazer manejo de pastagem; confira recomendações para intensificar o sistema desde o pastejo alternado até o rotacionado

Fazendas localizadas em São Paulo, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade.

Abate técnico ocorreu na quarta, 20, e avaliou as carcaças de mais de 1.500 animais; etapa definirá a classificação do ranking nacional

Em entrevista ao Giro do Boi, Bruno Brainer, gerente de originação da Friboi para Rondônia e Acre, falou sobre parceria com produtor em 2019 e evolução da pecuária na região

Fazendas localizadas no Mato Grosso do Sul e Minas Gerais foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade.

Veja imagens do lote de novilhas meio-sangue Angus da Fazenda São Luiz, em Santa Tereza-GO, que marcou 98% Verde no Farol da Qualidade

Cuidar das forrageiras é essencial para fazendas de pecuária a pasto, mas existe um fator limitante para o sucesso do produtor; saiba qual é

Abate técnico ocorreu na quarta, 20, e avaliou as carcaças de mais de 1.500 animais; etapa definirá a classificação do ranking nacional

Agrônomo Maurício Nogueira falou em entrevista sobre como investir da maneira certa no momento de alta e os impactos das mentiras sobre a sustentabilidade do setor

Declaração para o imposto venceu em setembro, mas os problemas começam depois do fim do prazo; confira as dicas do consultor jurídico

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE