Conheça as regras de ouro para o bom manejo de pastagens

14 novembro 2019
conheca-as-regras-de-ouro-do-manejo-de-pastagem

Na edição desta quinta, 14, do quadro Pastagem de A a Z, o engenheiro agrônomo, pós-graduado em pastagens pela Esalq-USP e consultor do Circuito da Pecuária Wagner Pires fez uma lista com as regras de ouro do manejo de pastagens. “Tenho certeza que se você seguir as informações que eu vou passar pra você agora e começar a mudar a cultura dentro da sua fazenda, dentro do seu projeto, nós juntos vamos mudar a história deste país”, frisou o consultor.

Pires informou que a regra número 1 para o bom manejo de pasto é a clássica “o olho do dono engorda a boiada”. Neste contexto, o agrônomo explicou que trata-se de conhecer bem a estrutura das forrageiras usadas em sua fazenda. Saber como está dividida em folhas, talo e raiz, onde está a gema apical, como se comporta o perfilhamento do capim e como está sua reserva de nutrientes.

Para aplicar este conhecimento, Wagner alertou também a única forma de manejar corretamente o pasto é fazendo sua divisão em piquetes. Isto é essencial para respeitar o período de descanso de que a planta precisa.

Por isso, o agrônomo esclareceu que o produtor deve retirar o gado de um determinado piquete com uma sobra foliar de cerca de 50%. Como o capim só consegue se desenvolver por meio de fotossíntese, sem esta sobra de folhas a planta não consegue se recuperar prontamente, daí a importância desta etapa.

Segundo Pires, cada gramínea tem seu período ideal de descanso, e cresce em média 2 cm ao dia. A constante aqui é que, conforme afirmou o especialista, em áreas com adubação este período é menor.

Pires chamou atenção ainda para o cuidado que o pecuarista precisa ter com o período das chuvas. O ponto-chave aqui é entender que na estação das águas, as plantas têm seu ciclo acelerado por conta da dinâmica de consumo das folhas pelo animais e recuperação por meio da queima de suas reservas, que impacta no crescimento das raízes. A recomendação é para que cerca de 30 dias antes do fim das chuvas o produtor administre uma adubação foliar ou aplicação de nitrogênio para reforçar a capacidade de suporte da gramínea e acelerar sua recuperação após este período intenso de pastejo.

Confira todas as regras do bom manejo de pasto no quadro “Pastagem de A a Z” disponível no player a seguir:

VEJA TAMBÉM

Gestão da pecuária: “o que me trouxe até aqui não vai me levar adiante”

Descubra os seis pontos em comum entre as fazendas de pecuária de corte mais lucrativas do Brasil

Confira as fazendas em destaque do dia 05 de dezembro de 2019

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Fazenda tem economia milionária ao transformar esterco em adubo

No interior de SP, Agropastoril Paschoal Campanelli fertiliza lavouras de cana-de-açúcar, milho e pastagens usando dejetos do confinamento

Rústico e produtivo com carne de qualidade, raça Nelore é “patrimônio nacional”

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

Conheça as regras de ouro para o bom manejo de pastagens

14 novembro 2019
conheca-as-regras-de-ouro-do-manejo-de-pastagem

Na edição desta quinta, 14, do quadro Pastagem de A a Z, o engenheiro agrônomo, pós-graduado em pastagens pela Esalq-USP e consultor do Circuito da Pecuária Wagner Pires fez uma lista com as regras de ouro do manejo de pastagens. “Tenho certeza que se você seguir as informações que eu vou passar pra você agora e começar a mudar a cultura dentro da sua fazenda, dentro do seu projeto, nós juntos vamos mudar a história deste país”, frisou o consultor.

Pires informou que a regra número 1 para o bom manejo de pasto é a clássica “o olho do dono engorda a boiada”. Neste contexto, o agrônomo explicou que trata-se de conhecer bem a estrutura das forrageiras usadas em sua fazenda. Saber como está dividida em folhas, talo e raiz, onde está a gema apical, como se comporta o perfilhamento do capim e como está sua reserva de nutrientes.

Para aplicar este conhecimento, Wagner alertou também a única forma de manejar corretamente o pasto é fazendo sua divisão em piquetes. Isto é essencial para respeitar o período de descanso de que a planta precisa.

Por isso, o agrônomo esclareceu que o produtor deve retirar o gado de um determinado piquete com uma sobra foliar de cerca de 50%. Como o capim só consegue se desenvolver por meio de fotossíntese, sem esta sobra de folhas a planta não consegue se recuperar prontamente, daí a importância desta etapa.

Segundo Pires, cada gramínea tem seu período ideal de descanso, e cresce em média 2 cm ao dia. A constante aqui é que, conforme afirmou o especialista, em áreas com adubação este período é menor.

Pires chamou atenção ainda para o cuidado que o pecuarista precisa ter com o período das chuvas. O ponto-chave aqui é entender que na estação das águas, as plantas têm seu ciclo acelerado por conta da dinâmica de consumo das folhas pelo animais e recuperação por meio da queima de suas reservas, que impacta no crescimento das raízes. A recomendação é para que cerca de 30 dias antes do fim das chuvas o produtor administre uma adubação foliar ou aplicação de nitrogênio para reforçar a capacidade de suporte da gramínea e acelerar sua recuperação após este período intenso de pastejo.

Confira todas as regras do bom manejo de pasto no quadro “Pastagem de A a Z” disponível no player a seguir:

VEJA TAMBÉM

Descubra os seis pontos em comum entre as fazendas de pecuária de corte mais lucrativas do Brasil

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

No interior de SP, Agropastoril Paschoal Campanelli fertiliza lavouras de cana-de-açúcar, milho e pastagens usando dejetos do confinamento

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

Consultor adverte que produtividade de grande parte da pecuária praticada no Brasil cresceu baseada em aumento dos custos e aponta o caminho para produtor evitar o problema

Conforme novas tecnologias são incorporadas no campo, fazendas de gado de corte aumentaram a demanda por mão de obra especializada

Além do retorno financeiro específico da operação de engorda, produtor tem benefícios indiretos como possibilidade de aumentar rebanho e a taxa de lotação

Antônio Chaker apresenta qual etapa do ciclo de produção tem mais oportunidades para aumentar desfrute e renda e elenca números para pecuarista ficar atento

Com o desafio de otimizar o uso da terra, propriedade em Serra Nova Dourada-MT saiu da cria para a recria-engorda utilizando confinamento com grão inteiro

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE