Esalq/USP recomenda equilíbrio na engorda de vacas de descarte

09 agosto 2018
ponto-otimo-abate-femeas-descarte

O Giro do Boi exibiu nesta mais um material da imersão da equipe de reportagem à sede da Esalq/USP em Piracicaba-SP. Em entrevista com o professor e pesquisador do Laboratório de Fisiologia Animal do Departamento de Zootecnia da Esalq, Eduardo Delgado, engenheiro agrônomo, mestre em zootecnia e doutor em ciência animal, destaque para um estudo que fez descobertas surpreendentes sobre cuidados na terminação de vacas de descarte.

Curta a página do Giro do Boi no Facebook

O pesquisador ressaltou que a categoria de descarte contribui expressivamente para o volume de carne produzida pelo Brasil, daí a importância de dar atenção para a sua boa terminação, que tem potencial para elevar a qualidade média da carne brasileira. “Estes animais contribuem bastante para o volume de carne comercializada no Brasil, então se a gente quer melhorar a qualidade da carne no mercado brasileiro, essa é uma categoria que precisa ser olhada. O que a gente tem visto, e a grande preocupação, é que esses animais já enfrentam um problema de qualidade porque são mais erados e apresentam um problema inerente, que é a maturidade do colágeno na carne”, explicou Delgado.

Por isso Delgado está conduzindo uma pesquisa sobre a melhor forma de terminar vacas de descarte sem aumentar o impacto deste colágeno maturado na qualidade da carne. “O que a gente pôde perceber animal é que o animal quando tem ganho médio relativamente baixo, entre 500 e 600 gramas por dia, com um crescimento lento, embora estejam passando por mudanças nesse tecido do qual faz parte o colágeno, essa mudança gradual acaba favorecendo para que não piore a qualidade desse material”, detalhou.

E ao contrário das suposições iniciais, Delgado constatou na pesquisa que o ganho rápido de peso em animais mais velhos pode comprometer a qualidade da carne das fêmeas de descarte. Isto ocorre porque a deposição de gordura acelerada enrijece e aumenta a fibra de colágeno, endurecendo a proteína.

Confira a explicação em detalhes de Eduardo Delgado sobre a terminação de vacas de descarte pelo vídeo abaixo:

*Agradecimento especial à TV USP Piracicaba pela cessão de imagens que compõem a reportagem.

VEJA TAMBÉM

Pecuária colombiana é exemplo para o Brasil no combate às plantas daninhas

No país sul-americano, é comum a prática de limpeza das áreas de pastagens através da aplicação de herbicidas. Isso faz com que os “ganadeiros” colombianos consigam uma produtividade média de 7/UA/HA, enquanto que no Brasil não atingimos nem a metade desse número, no Mato Grosso, por exemplo, a Embrapa Agrossilvipastoril, sediada em Sinop, estima uma...

Confira as fazendas em destaque desta terça-feira, 19 de março de 2019

Nesta terça-feira o programa Giro do Boi exibiu para todo o Brasil os lotes que mais se destacaram nas unidades de abate dos estados de SP, MT e MS.

Confira as fazendas em destaque desta segunda-feira, 18 de março de 2019

A semana começou com lotes em destaque oriundos dos estados de MS, MT e SP.

Presidente da Angus alerta para “sazonalidade” na oferta de carne no Brasil

Duas alternativas podem ajudar o fazendeiro a ter um equilíbrio na oferta de seu produto o ano todo: o uso da tecnologia da inseminação artificial (IATF) e o confinamento, inclusive no período das águas.

Esalq/USP recomenda equilíbrio na engorda de vacas de descarte

09 agosto 2018
ponto-otimo-abate-femeas-descarte

O Giro do Boi exibiu nesta mais um material da imersão da equipe de reportagem à sede da Esalq/USP em Piracicaba-SP. Em entrevista com o professor e pesquisador do Laboratório de Fisiologia Animal do Departamento de Zootecnia da Esalq, Eduardo Delgado, engenheiro agrônomo, mestre em zootecnia e doutor em ciência animal, destaque para um estudo que fez descobertas surpreendentes sobre cuidados na terminação de vacas de descarte.

Curta a página do Giro do Boi no Facebook

O pesquisador ressaltou que a categoria de descarte contribui expressivamente para o volume de carne produzida pelo Brasil, daí a importância de dar atenção para a sua boa terminação, que tem potencial para elevar a qualidade média da carne brasileira. “Estes animais contribuem bastante para o volume de carne comercializada no Brasil, então se a gente quer melhorar a qualidade da carne no mercado brasileiro, essa é uma categoria que precisa ser olhada. O que a gente tem visto, e a grande preocupação, é que esses animais já enfrentam um problema de qualidade porque são mais erados e apresentam um problema inerente, que é a maturidade do colágeno na carne”, explicou Delgado.

Por isso Delgado está conduzindo uma pesquisa sobre a melhor forma de terminar vacas de descarte sem aumentar o impacto deste colágeno maturado na qualidade da carne. “O que a gente pôde perceber animal é que o animal quando tem ganho médio relativamente baixo, entre 500 e 600 gramas por dia, com um crescimento lento, embora estejam passando por mudanças nesse tecido do qual faz parte o colágeno, essa mudança gradual acaba favorecendo para que não piore a qualidade desse material”, detalhou.

E ao contrário das suposições iniciais, Delgado constatou na pesquisa que o ganho rápido de peso em animais mais velhos pode comprometer a qualidade da carne das fêmeas de descarte. Isto ocorre porque a deposição de gordura acelerada enrijece e aumenta a fibra de colágeno, endurecendo a proteína.

Confira a explicação em detalhes de Eduardo Delgado sobre a terminação de vacas de descarte pelo vídeo abaixo:

*Agradecimento especial à TV USP Piracicaba pela cessão de imagens que compõem a reportagem.

VEJA TAMBÉM

No país sul-americano, é comum a prática de limpeza das áreas de pastagens através da aplicação de herbicidas. Isso faz com que os “ganadeiros” colombianos consigam uma produtividade média de 7/UA/HA, enquanto que no Brasil não atingimos nem a metade desse número, no Mato Grosso, por exemplo, a Embrapa Agrossilvipastoril, sediada em Sinop, estima uma...

Nesta terça-feira o programa Giro do Boi exibiu para todo o Brasil os lotes que mais se destacaram nas unidades de abate dos estados de SP, MT e MS.

A semana começou com lotes em destaque oriundos dos estados de MS, MT e SP.

Duas alternativas podem ajudar o fazendeiro a ter um equilíbrio na oferta de seu produto o ano todo: o uso da tecnologia da inseminação artificial (IATF) e o confinamento, inclusive no período das águas.

Confira a fazenda em destaque desta sexta, localizada na região de MT

“A última chuva que caiu por aqui foi antes do Natal”, disse o entrevistado, acrescentando que os problemas também atingem as cidades que dependem do Rio Pardo, principal da região e que abastece dezenas de cidades ao longo da margem.

No primeiro episódio da série, que estará sendo apresentada no Giro do Boi todas as sextas-feiras, Chaker nos explicou a “ter a fazenda nas mãos”. Foram três dicas importantes sobre pessoas, processos e finanças.

“Caruru gigante” é uma planta invasora muito agressiva, de rápido crescimento, tolerante ao herbicida glifosato e que tem se alastrado no Mato Grosso, principalmente na região de Lucas do Rio Verde, região central do Estado.

Confira a fazenda em destaque desta sexta, localizada na região de MT

Entre as facilidades para efetivar doações particulares está modalidade via imposto de renda; entenda como realizar o processo

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE