Formação correta de lotes para embarque é saudável para o animal e para o bolso do pecuarista

19 julho 2019
recomendacoes-cuidados-transporte-gado-magro-bem-estar-animal

Respeito ao bem-estar animal, menor volume de lesões em carcaça (e portanto, aumento da produção de carne) e, ainda, economia com o frete. O produtor que faz o dever de casa na formação adequada dos lotes que vai embarcar, seja de gado magro para um confinamento, por exemplo, ou gado gordo pronto para o abate, tem uma série de benefícios. Foi o que apontou ao quadro Giro na Estrada desta sexta, 19, o engenheiro agrônomo e coordenador de logística da Friboi, Leonardo Vieira.

O coordenador explicou a razão para o pecuarista não misturar, em uma mesma carga, distintas categorias de animais. “Além de você ter a mistura (indesejável) de categorias de animais, colocar boi com vaca e novilha ou até chegar no ponto de marruco, isso atrapalha e acaba dificultando, principalmente porque você tem problemas de contusão, lesões. Você trabalhar sempre com lote padronizado e com animais da mesma categoria para dentro de uma carga é melhor e você consegue ter benefícios com isso, além de otimizar melhor os veículos”, apontou.

Além disto, é ideal que o produtor trabalhe com lotes sempre com peso padronizado, o que facilita o cálculo de animais que vão caber em determinado caminhão. “Quando você trabalha com diferencial de peso muito grande, por exemplo, transportando um lote de bois muito pesados e novilhas, você não consegue trabalhar dentro do mesmo veículo com uma lotação adequada, aí você acaba com alguns compartimentos ociosos e outros superlotados. Com isto, você tem problemas porque os animais, com a superlotação, acabam sendo espremidos uns pelos outros e acabam já tendo uma contusão quase imediata e, no ocioso, os animais não têm apoio ao longo do percurso e acabam tombando, acabam sofrendo quedas. […] Então você trabalhar com uma carga adequada é o melhor dos mundos tanto para o pecuarista como para quem faz a logística destes veículos”, recomendou Vieira.

+ Faça aqui o download dos Manuais de Boas Práticas de Manejo – Embarque e Transporte

Além de aumentar a produtividade de carne da fazenda adotando estas boas práticas de manejo no embarque, já que evita perda com limpeza de contusões ou até mortes de animais em casos mais graves, o produtor também pode economizar com o frete ao ajustar o volume de veículos destinados ao transporte. “Você consegue otimizar o volume correto de veículos, colocar dentro de cada um a quantidade exata de animais e com isso você tem redução significativa de (preço de) frete”, acrescentou.

Veja o quadro Giro na Estrada na íntegra pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Calor e tempo seco predominam sobre o Brasil Central nos próximos dias

Região já está há praticamente três meses sem chuvas; no Sul, chegada de frente fria traz geadas para o RS, SC e divisa do PR com SP

Vencedores da maior etapa do Circuito Nelore de Qualidade em 2019 são revelados

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Três dicas para ganhar dinheiro com confinamento de gado de corte

Pesquisador da Embrapa afirma que pecuarista deve fugir das “receitas de bolo” para não perder oportunidades de buscar ingredientes alternativos no mercado

Novilhas recebem bônus superior a R$ 20 por arroba pela qualidade

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Formação correta de lotes para embarque é saudável para o animal e para o bolso do pecuarista

19 julho 2019
recomendacoes-cuidados-transporte-gado-magro-bem-estar-animal

Respeito ao bem-estar animal, menor volume de lesões em carcaça (e portanto, aumento da produção de carne) e, ainda, economia com o frete. O produtor que faz o dever de casa na formação adequada dos lotes que vai embarcar, seja de gado magro para um confinamento, por exemplo, ou gado gordo pronto para o abate, tem uma série de benefícios. Foi o que apontou ao quadro Giro na Estrada desta sexta, 19, o engenheiro agrônomo e coordenador de logística da Friboi, Leonardo Vieira.

O coordenador explicou a razão para o pecuarista não misturar, em uma mesma carga, distintas categorias de animais. “Além de você ter a mistura (indesejável) de categorias de animais, colocar boi com vaca e novilha ou até chegar no ponto de marruco, isso atrapalha e acaba dificultando, principalmente porque você tem problemas de contusão, lesões. Você trabalhar sempre com lote padronizado e com animais da mesma categoria para dentro de uma carga é melhor e você consegue ter benefícios com isso, além de otimizar melhor os veículos”, apontou.

Além disto, é ideal que o produtor trabalhe com lotes sempre com peso padronizado, o que facilita o cálculo de animais que vão caber em determinado caminhão. “Quando você trabalha com diferencial de peso muito grande, por exemplo, transportando um lote de bois muito pesados e novilhas, você não consegue trabalhar dentro do mesmo veículo com uma lotação adequada, aí você acaba com alguns compartimentos ociosos e outros superlotados. Com isto, você tem problemas porque os animais, com a superlotação, acabam sendo espremidos uns pelos outros e acabam já tendo uma contusão quase imediata e, no ocioso, os animais não têm apoio ao longo do percurso e acabam tombando, acabam sofrendo quedas. […] Então você trabalhar com uma carga adequada é o melhor dos mundos tanto para o pecuarista como para quem faz a logística destes veículos”, recomendou Vieira.

+ Faça aqui o download dos Manuais de Boas Práticas de Manejo – Embarque e Transporte

Além de aumentar a produtividade de carne da fazenda adotando estas boas práticas de manejo no embarque, já que evita perda com limpeza de contusões ou até mortes de animais em casos mais graves, o produtor também pode economizar com o frete ao ajustar o volume de veículos destinados ao transporte. “Você consegue otimizar o volume correto de veículos, colocar dentro de cada um a quantidade exata de animais e com isso você tem redução significativa de (preço de) frete”, acrescentou.

Veja o quadro Giro na Estrada na íntegra pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Região já está há praticamente três meses sem chuvas; no Sul, chegada de frente fria traz geadas para o RS, SC e divisa do PR com SP

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Pesquisador da Embrapa afirma que pecuarista deve fugir das “receitas de bolo” para não perder oportunidades de buscar ingredientes alternativos no mercado

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Segundo zootecnista Antônio Chaker, o potencial de retorno financeiro da cria é de 35%; veja passo a passo para reverter o quadro

Fazendas localizadas em Tocantins, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Segundo zootecnista Antônio Chaker, o potencial de retorno financeiro da cria é de 35%; veja passo a passo para reverter o quadro

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Grupo de novilhas meio-sangue Angus de propriedade em Botucatu-SP marcou 100% Verde no Farol da Qualidade e segue para disputa de melhor do mês

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE