Indústria vai lançar selo indicador de qualidade e boas práticas na produção de carne bovina

12 julho 2018
11-07 - LINS - FAZ FLÓRIDA (1)

O bem-estar também influencia – positivamente – na qualidade da carne bovina. Nesta quinta, 12, o Giro do Boi tratou do tema, que está em destaque durante todo este mês de julho, dedicado ao bem-estar animal. Quem repercutiu o assunto no programa desta manhã foi a diretora de qualidade da JBS, Emília Raucci.

Em conversa com o apresentador Marco Ribeiro, a diretora destacou como é a relação entre bem-estar animal e a qualidade final do produto oferecido ao consumidor. “Primeiro pelo aspecto visual próprio do produto. Imagine na gôndola um produto com uma contusão, podendo ser ocasionada por más práticas de bem-estar. O segundo ponto são as questões mais técnicas da transformação do músculo em carne, em que as boas práticas de bem-estar, como a redução de estresse, são fundamentais e impactam diretamente no processo de transformação”, disse Raucci.

Curta a página do Giro do Boi no Facebook

Uma das ferramentas para garantir que o mercado receberá um produto feito a partir de boas práticas é o treinamento constante dos colaboradores da companhia. Anualmente, 14 mil trabalhadores são capacitados com o objetivo de estarem alinhados às boas práticas de qualidade, entre elas o bem-estar animal. Apenas na divisão de bovinos, são 3 mil funcionários treinados todos os anos para garantir a impressão da qualidade no produto final que chega à mesa do consumidor.

E um consumidor que está, de fato, mudando as suas exigências, confirmou Emília Raucci. “É nítida a mudança desse novo perfil. São consumidores que buscam uma relação de confiança, transparência e que buscam não só comer um produto seguro, que tenha não só os quesitos de qualidade, mas que se conheça a história deste produto. […] Então é um consumidor que está muito mais antenado não só com relação à segurança mas também com o que está por trás desse produto, qual é a história”, disse na entrevista desta manhã ao Giro do Boi. Expressões como rastreabilidade e conhecimento mais profundo do processo produtivo são cada vez mais comuns entre os consumidores de carne.

Grupo Etco disponibiliza manuais de boas práticas de manejo: acesse e faça o download

E um dos grandes desafios da cadeia produtiva é contar de uma forma simples todo o complexo trabalho desenvolvido para entregar este produto que o consumidor quer. Por isso a indústria desenvolveu um selo para comunicar estes processos. “A gente vem trabalhando neste selo há aproximadamente dois anos. É a construção de um conceito diferente, nós somos pioneiros neste conceito. É o Selo de Cadeia de Fornecimento em que a gente tem o objetivo de justamente contar a nossa história e a história do nosso produto. É o link que a gente está buscando com esta nova geração de consumidores”, revelou Emília.

O selo deve fazer parte das etiquetas dos produtos da companhia já neste segundo semestre de 2018 e vai direcionar os interessados por meio de um QR code para um site que reunirá informações sobre a história do produto, da companhia e dos fornecedores. Para dar isenção ao processo, uma empresa terceirizada é responsável pela sua certificação.

Ainda durante sua entrevista, Emília falou sobre a expectativa de receber no Brasil uma das referências mundiais neste trabalho de bem-estar, a pesquisadora Temple Grandin, professora da Colorado State University, que chega ao país no próximo domingo, dia 15, e vai participar de um workshop durante a semana que vem. “Ter a Temple aqui com a gente é um privilégio”, celebrou a diretora.

Veja abaixo a entrevista completa de Emília Raucci ao Giro do Boi desta quinta, 12.

VEJA TAMBÉM

Trabalho integrado ameniza dificuldades com embarque do gado gordo entre Juara e Juína

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Áreas de instabilidade levam chuva para fronteira do RS com SC no fim de semana

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Seis cadastros obrigatórios para o produtor rural garantir sua segurança jurídica

Gestão de cadastros de propriedades rurais evita problemas em situações como transações imobiliárias, bancárias, ambientais e também possíveis sanções de órgãos do governo

Já saiu o resultado da votação para o melhor lote de janeiro; conheça o vencedor

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Indústria vai lançar selo indicador de qualidade e boas práticas na produção de carne bovina

12 julho 2018
11-07 - LINS - FAZ FLÓRIDA (1)

O bem-estar também influencia – positivamente – na qualidade da carne bovina. Nesta quinta, 12, o Giro do Boi tratou do tema, que está em destaque durante todo este mês de julho, dedicado ao bem-estar animal. Quem repercutiu o assunto no programa desta manhã foi a diretora de qualidade da JBS, Emília Raucci.

Em conversa com o apresentador Marco Ribeiro, a diretora destacou como é a relação entre bem-estar animal e a qualidade final do produto oferecido ao consumidor. “Primeiro pelo aspecto visual próprio do produto. Imagine na gôndola um produto com uma contusão, podendo ser ocasionada por más práticas de bem-estar. O segundo ponto são as questões mais técnicas da transformação do músculo em carne, em que as boas práticas de bem-estar, como a redução de estresse, são fundamentais e impactam diretamente no processo de transformação”, disse Raucci.

Curta a página do Giro do Boi no Facebook

Uma das ferramentas para garantir que o mercado receberá um produto feito a partir de boas práticas é o treinamento constante dos colaboradores da companhia. Anualmente, 14 mil trabalhadores são capacitados com o objetivo de estarem alinhados às boas práticas de qualidade, entre elas o bem-estar animal. Apenas na divisão de bovinos, são 3 mil funcionários treinados todos os anos para garantir a impressão da qualidade no produto final que chega à mesa do consumidor.

E um consumidor que está, de fato, mudando as suas exigências, confirmou Emília Raucci. “É nítida a mudança desse novo perfil. São consumidores que buscam uma relação de confiança, transparência e que buscam não só comer um produto seguro, que tenha não só os quesitos de qualidade, mas que se conheça a história deste produto. […] Então é um consumidor que está muito mais antenado não só com relação à segurança mas também com o que está por trás desse produto, qual é a história”, disse na entrevista desta manhã ao Giro do Boi. Expressões como rastreabilidade e conhecimento mais profundo do processo produtivo são cada vez mais comuns entre os consumidores de carne.

Grupo Etco disponibiliza manuais de boas práticas de manejo: acesse e faça o download

E um dos grandes desafios da cadeia produtiva é contar de uma forma simples todo o complexo trabalho desenvolvido para entregar este produto que o consumidor quer. Por isso a indústria desenvolveu um selo para comunicar estes processos. “A gente vem trabalhando neste selo há aproximadamente dois anos. É a construção de um conceito diferente, nós somos pioneiros neste conceito. É o Selo de Cadeia de Fornecimento em que a gente tem o objetivo de justamente contar a nossa história e a história do nosso produto. É o link que a gente está buscando com esta nova geração de consumidores”, revelou Emília.

O selo deve fazer parte das etiquetas dos produtos da companhia já neste segundo semestre de 2018 e vai direcionar os interessados por meio de um QR code para um site que reunirá informações sobre a história do produto, da companhia e dos fornecedores. Para dar isenção ao processo, uma empresa terceirizada é responsável pela sua certificação.

Ainda durante sua entrevista, Emília falou sobre a expectativa de receber no Brasil uma das referências mundiais neste trabalho de bem-estar, a pesquisadora Temple Grandin, professora da Colorado State University, que chega ao país no próximo domingo, dia 15, e vai participar de um workshop durante a semana que vem. “Ter a Temple aqui com a gente é um privilégio”, celebrou a diretora.

Veja abaixo a entrevista completa de Emília Raucci ao Giro do Boi desta quinta, 12.

VEJA TAMBÉM

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Gestão de cadastros de propriedades rurais evita problemas em situações como transações imobiliárias, bancárias, ambientais e também possíveis sanções de órgãos do governo

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Fazendas nos estados de Rondônia e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Teste foi feito em área com lotação média de 10 UA/ha ao longo de dois anos; conclusão é de que não há interferência na fertilidade do solo que prejudique a produção de grãos

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Pecuarista deve fazer download do Termo de Adesão e entregar assinado aos compradores de gado das unidades da indústria; veja como tirar suas dúvidas sobre o processo

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE