O que é verdadeiro e o que é fake news na hora de escolher um touro?

17 setembro 2019
touros montana

Com a chegada da temporada de leilões de touros no Brasil, as ofertas e opções são inúmeras. Mas será que tudo que se diz é verdade? Será que o reprodutor que cobrir a vacada vai resultar em bons bezerros para o criador? Ultimamente o que mais se ouve nas redes sociais é fake news e a todo momento somos bombardeados com informações e, infelizmente, nem todas são verdadeiras, não condizem com uma realidade esperada. Na hora de convencer o cliente vale tudo, vendedores prometem, mas não capazes de entregar a expectativa. Foi o que disse no Giro do Boi desta terça-feira, a zootecnista e gerente do Programa Montana, Gabriela Giacomini. Segundo a especialista, independente da raça que você usar no rebanho é preciso ficar atento a alguns detalhes (checklist) como uma análise da sua fazenda, como estão seus pastos, seu manejo, a suplementação e a questão sanitária, além do clima. Veja se o animal que você quer comprar vai se adaptar bem na sua região e no seu sistema de produção. Também observe o mercado da sua região, é preciso saber o que os seus possíveis clientes querem comprar. Somente então defina uma raça.

Escolhida a raça, analise os vendedores. Procure negociar com quem faz um trabalho sério, faça uma visita, veja quantos machos ele produz e quantos estão sendo oferecidos como touros. Se for mais do que 40%, desconfie. Ninguém produz só cabeceira, por melhor que seja o rebanho. Seu vendedor ou raça tem um programa de avaliação genética? Fica aqui uma ressalva sobre DEPs. “Prova de ganho de peso, comparações intra-rebanho com animais da mesma safra não é avaliação genética”, explica Giacomini, acrescentando que “vivemos numa era com muita informação disponível, aceitar comprar touros que não sejam avaliados geneticamente é um tiro no pé”. Já ficou para trás o tempo de comprar touro se baseando em peso atual, perímetro escrotal e pedigree. Os vendedores podem, e devem, oferecer mais.

Seu vendedor ou raça possuem o CEIP? O CEIP é um certificado emitido pelo Ministério da Agricultura para programas de melhoramento genético e garante que somente os melhores animais da safra são comercializados. No caso do Montana, Gabriela afirma que são comercializados somente os TOP 26,5% de cada safra, mas o máximo possível para programas CEIP é 40%. Touro é um investimento que irá gerar receita. Ele será o responsável pela produção dos bezerros, bois gordos e futuras matrizes da sua propriedade. A conta é simples: touro ruim produz filho ruim. Não adianta comprar touro pelo preço de carne e achar que está fazendo bom negócio. Você está levando um belo refugo para trabalhar na sua fazenda. Mesmo que esteja gordo e de pêlo liso, se está saindo pelo preço de abate, é refugo.

Apesar dos leilões serem tratados como festa, na verdade deveriam ser encarados como escritórios, pois os compradores vão aos leilões para negociar os melhores animais com os vendedores. Deve-se encarar um leilão com a razão, nunca com a emoção. Lembre-se, pecuária é um negócio, não uma paixão. Este foi o alerta da especialista para que o pecuarista não caia em fake news. 

Gabriela também nos apresentou uma nova pelagem de touro da raça Montana pouco conhecida no Brasil, a pelagem preta. O touro está cobrindo numa fazenda do Rio Grande do Sul e chamou bastante a atenção dos telespectadores. Veja abaixo:

A entrevista completa você confere abaixo: 

VEJA TAMBÉM

Como transformar sua fazenda em uma máquina de colher bezerro – e dinheiro?

Segundo Benchmarking 2018-19, fazendas de cria mais rentáveis do Brasil tiveram margem sobre a venda de até 36,4% focando em gestão de custos e produtividade

Confira as fazendas em destaque do dia 22 de outubro de 2019

Fazendas localizadas no Pará, São Paulo e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade.

Quais são as duas realidades da pecuária brasileira?

No 1º de 7 blocos do Giro do Boi especial de lançamento do Benchmarking 2018-19, consultor diz que pecuária está dividida duas “bem distintas” realidades

Como encontrar a combinação perfeita entre peão e patrão?

Especialista traz dicas para pecuaristas definirem perfil do colaborador desejado e ajuda peões a encontrar fazendas que o valorizem

O que é verdadeiro e o que é fake news na hora de escolher um touro?

17 setembro 2019
touros montana

Com a chegada da temporada de leilões de touros no Brasil, as ofertas e opções são inúmeras. Mas será que tudo que se diz é verdade? Será que o reprodutor que cobrir a vacada vai resultar em bons bezerros para o criador? Ultimamente o que mais se ouve nas redes sociais é fake news e a todo momento somos bombardeados com informações e, infelizmente, nem todas são verdadeiras, não condizem com uma realidade esperada. Na hora de convencer o cliente vale tudo, vendedores prometem, mas não capazes de entregar a expectativa. Foi o que disse no Giro do Boi desta terça-feira, a zootecnista e gerente do Programa Montana, Gabriela Giacomini. Segundo a especialista, independente da raça que você usar no rebanho é preciso ficar atento a alguns detalhes (checklist) como uma análise da sua fazenda, como estão seus pastos, seu manejo, a suplementação e a questão sanitária, além do clima. Veja se o animal que você quer comprar vai se adaptar bem na sua região e no seu sistema de produção. Também observe o mercado da sua região, é preciso saber o que os seus possíveis clientes querem comprar. Somente então defina uma raça.

Escolhida a raça, analise os vendedores. Procure negociar com quem faz um trabalho sério, faça uma visita, veja quantos machos ele produz e quantos estão sendo oferecidos como touros. Se for mais do que 40%, desconfie. Ninguém produz só cabeceira, por melhor que seja o rebanho. Seu vendedor ou raça tem um programa de avaliação genética? Fica aqui uma ressalva sobre DEPs. “Prova de ganho de peso, comparações intra-rebanho com animais da mesma safra não é avaliação genética”, explica Giacomini, acrescentando que “vivemos numa era com muita informação disponível, aceitar comprar touros que não sejam avaliados geneticamente é um tiro no pé”. Já ficou para trás o tempo de comprar touro se baseando em peso atual, perímetro escrotal e pedigree. Os vendedores podem, e devem, oferecer mais.

Seu vendedor ou raça possuem o CEIP? O CEIP é um certificado emitido pelo Ministério da Agricultura para programas de melhoramento genético e garante que somente os melhores animais da safra são comercializados. No caso do Montana, Gabriela afirma que são comercializados somente os TOP 26,5% de cada safra, mas o máximo possível para programas CEIP é 40%. Touro é um investimento que irá gerar receita. Ele será o responsável pela produção dos bezerros, bois gordos e futuras matrizes da sua propriedade. A conta é simples: touro ruim produz filho ruim. Não adianta comprar touro pelo preço de carne e achar que está fazendo bom negócio. Você está levando um belo refugo para trabalhar na sua fazenda. Mesmo que esteja gordo e de pêlo liso, se está saindo pelo preço de abate, é refugo.

Apesar dos leilões serem tratados como festa, na verdade deveriam ser encarados como escritórios, pois os compradores vão aos leilões para negociar os melhores animais com os vendedores. Deve-se encarar um leilão com a razão, nunca com a emoção. Lembre-se, pecuária é um negócio, não uma paixão. Este foi o alerta da especialista para que o pecuarista não caia em fake news. 

Gabriela também nos apresentou uma nova pelagem de touro da raça Montana pouco conhecida no Brasil, a pelagem preta. O touro está cobrindo numa fazenda do Rio Grande do Sul e chamou bastante a atenção dos telespectadores. Veja abaixo:

A entrevista completa você confere abaixo: 

VEJA TAMBÉM

Segundo Benchmarking 2018-19, fazendas de cria mais rentáveis do Brasil tiveram margem sobre a venda de até 36,4% focando em gestão de custos e produtividade

Fazendas localizadas no Pará, São Paulo e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade.

No 1º de 7 blocos do Giro do Boi especial de lançamento do Benchmarking 2018-19, consultor diz que pecuária está dividida duas “bem distintas” realidades

Especialista traz dicas para pecuaristas definirem perfil do colaborador desejado e ajuda peões a encontrar fazendas que o valorizem

Consultor jurídico enumera as cinco principais mudanças da medida provisória e explica como funciona o novo dispositivo

Segundo produtor, animais que passam pelo processo na recria são engordados em menos tempo com mais padrão e melhor acabamento de gordura

Consultor jurídico enumera as cinco principais mudanças da medida provisória e explica como funciona o novo dispositivo

Segundo Benchmarking 2018-19, fazendas de cria mais rentáveis do Brasil tiveram margem sobre a venda de até 36,4% focando em gestão de custos e produtividade

Segundo produtor, animais que passam pelo processo na recria são engordados em menos tempo com mais padrão e melhor acabamento de gordura

No lançamento do Benchmarking 2018-19, Antônio Chaker afirmou que resultado da pecuária de ciclo completo “não se compra, se conquista”

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE