O que fazer ao receber um auto de infração ambiental? Consultor jurídico responde

13 junho 2019
cadastro-ambiental-rural-perdeu-prazo-recomendacoes

O que o produtor rural deve fazer assim que recebe um auto de infração referente à transgressão da legislação ambiental? No quadro Direito Agrário exibido nesta quinta, 13, o advogado, professor de pós-graduação de direito agrário e ambiental, consultor jurídico e sócio-diretor da P&M Consultoria Jurídica, Pedro Puttini Mendes respondeu à dúvida.

Segundo Puttini, o proprietário deve pedir a identificação do fiscal responsável por entregar o auto de infração, observar se ele está devidamente caracterizado e de qual órgão é, ou seja, qual a origem da notificação (da Polícia Ambiental, Ibama ou outros órgãos estaduais, por exemplo).

O consultor destacou que o produtor tem o direito de responder dúvidas dos fiscais no momento da fiscalização conforme seus cadastros já preenchidos e entregues às autoridades responsáveis, como CCIR, CAR e até motivar o fiscal a acionar os técnicos responsáveis por estes documentos, como um engenheiro ambiental. Lembre quais são estes cadastros no link abaixo:

+ Seis cadastros obrigatórios para o produtor rural garantir sua segurança jurídica

O fiscal, então, deve ser orientado pelo produtor a buscar estes documentos previamente existentes para que faça parte do contexto de seu auto de infração não somente aquilo observado em campo, mas também o que já está homologado, certificado em órgãos competentes.

Caso o fiscal não forneça as informações necessárias, como a lei infringida e mais detalhes sobre o porquê de ele estar sendo penalizado, o proprietário não é obrigado a assinar o recebimento da notificação. “São requisitos mínimos que, se não observados pelo fiscal no momento da fiscalização, podem gerar uma boa defesa para o produtor e acabar anulando esta multa. Interessante: o produtor não deve assinar o auto de infração se ele não estiver descrevendo corretamente os fatos que foram ali fiscalizados”, recomendou.

Mais dúvidas podem ser enviadas para o e-mail contato@pmadvocacia.com. Veja as considerações de Pedro Puttini Mendes na íntegra pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Confira as fazendas em destaque do dia 22 de agosto de 2019

Fazendas localizadas em Tocantins, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Giro Inspiração: como utilizar a ambição como combustível motivacional na fazenda?

Neste 4º episódio da série, consultora Helda Elaine explica diferença entre ganância e ambição e afirma que é por meio desta que o pecuarista faz sacrifícios pelos resultados

Agrônomo viaja o mundo pesquisando o agro e traz lições para o Brasil

Profissional foi contemplado com uma bolsa para realizar intercâmbio e, em entrevista, contou suas experiências e impressões sobre a produção rural mundo afora

Confira as fazendas em destaque do dia 21 de agosto de 2019

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

O que fazer ao receber um auto de infração ambiental? Consultor jurídico responde

13 junho 2019
cadastro-ambiental-rural-perdeu-prazo-recomendacoes

O que o produtor rural deve fazer assim que recebe um auto de infração referente à transgressão da legislação ambiental? No quadro Direito Agrário exibido nesta quinta, 13, o advogado, professor de pós-graduação de direito agrário e ambiental, consultor jurídico e sócio-diretor da P&M Consultoria Jurídica, Pedro Puttini Mendes respondeu à dúvida.

Segundo Puttini, o proprietário deve pedir a identificação do fiscal responsável por entregar o auto de infração, observar se ele está devidamente caracterizado e de qual órgão é, ou seja, qual a origem da notificação (da Polícia Ambiental, Ibama ou outros órgãos estaduais, por exemplo).

O consultor destacou que o produtor tem o direito de responder dúvidas dos fiscais no momento da fiscalização conforme seus cadastros já preenchidos e entregues às autoridades responsáveis, como CCIR, CAR e até motivar o fiscal a acionar os técnicos responsáveis por estes documentos, como um engenheiro ambiental. Lembre quais são estes cadastros no link abaixo:

+ Seis cadastros obrigatórios para o produtor rural garantir sua segurança jurídica

O fiscal, então, deve ser orientado pelo produtor a buscar estes documentos previamente existentes para que faça parte do contexto de seu auto de infração não somente aquilo observado em campo, mas também o que já está homologado, certificado em órgãos competentes.

Caso o fiscal não forneça as informações necessárias, como a lei infringida e mais detalhes sobre o porquê de ele estar sendo penalizado, o proprietário não é obrigado a assinar o recebimento da notificação. “São requisitos mínimos que, se não observados pelo fiscal no momento da fiscalização, podem gerar uma boa defesa para o produtor e acabar anulando esta multa. Interessante: o produtor não deve assinar o auto de infração se ele não estiver descrevendo corretamente os fatos que foram ali fiscalizados”, recomendou.

Mais dúvidas podem ser enviadas para o e-mail contato@pmadvocacia.com. Veja as considerações de Pedro Puttini Mendes na íntegra pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Fazendas localizadas em Tocantins, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Neste 4º episódio da série, consultora Helda Elaine explica diferença entre ganância e ambição e afirma que é por meio desta que o pecuarista faz sacrifícios pelos resultados

Profissional foi contemplado com uma bolsa para realizar intercâmbio e, em entrevista, contou suas experiências e impressões sobre a produção rural mundo afora

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Especialista apontou intensificação dos sistemas de produção, como semiconfinamento e confinamento, como principal fator de impacto para a melhoria

Professor da Mackenzie destaca que rastreabilidade traz “uma série de benefícios do ponto de vista prático e operacional” para os pecuaristas

Professor da Mackenzie destaca que rastreabilidade traz “uma série de benefícios do ponto de vista prático e operacional” para os pecuaristas

Segundo consultor jurídico, texto deixa brecha para que empreendedores familiares não tenham liberdade econômica plena em relação a contratos agrários

Fêmeas podem receber preço de boi mais premiações do Protocolo Sinal Verde, Europa/Hilton e Protocolo 1953

Fazendas localizadas em Tocantins, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE