Pré-abate: currais adaptados e manejo garantem bem-estar animal na indústria

10 janeiro 2019
09-03 - PEDRA PRETA - fazenda Recanto Itiquira MT 100 Novilhas

Controle térmico, critérios na formação da equipe que recepciona os animais, o trabalho da garantia da qualidade e o tratamento de dejetos. Você conhece o caminho que os bois percorrem no curral da indústria até a sala de abates e qual a importância dos cuidados nesta etapa da fase de produção?

Curta a página do Giro do Boi no Facebook

O Giro do Boi desta quinta, 10, tratou do assunto em entrevista com Guilherme Ribeiro, supervisor de produção da unidade da indústria em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul. O profissional revelou que, ao chegar à unidade de abates, os animais são recebidos por uma equipe de cerca de dez pessoas responsáveis pela acomodação nas baias do curral e posterior locomoção até a sala de abates.

O curral, em formato “espinha de peixe”, foi construído seguindo o modelo desenvolvido pela Dra. Temple Grandin, uma das maiores especialistas em bem-estar animal do mundo. A estrutura previne quedas, escorregões e pausas no fluxo de locomoção. Ao final do corredor até a sala de abates está a chamada entrada em “S”, seguindo o movimento natural dos bovinos em semi-círculo, facilitando o trabalho dos colaboradores, evitando prejuízos ao pecuarista e o estresse, que pode impactar na qualidade da carne.

+ Confira a entrevista exclusiva da Dra. Temple Grandin ao Giro do Boi

De acordo com Guilherme Ribeiro, as baias do curral devem ser grandes o suficiente para que os animais consigam se locomover e deitar sem prejuízo ao conforto, com cerca de 2,5 metros quadrados por cabeça. Em dias de calor, aspersores de água são ligados para manter a temperatura agradável. A água também é fornecida à vontade para os lotes até o momento do abate. Depois da saída dos animais, a limpeza é feita nas baias e os dejetos seguem para uma estação de tratamento, evitando com que o próximo lote chegue em um local sujo e também a dispersão de agentes de contaminação na natureza.

Veja as informações completas pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Chuvas voltam ao Nordeste, mas também atraem as plantas daninhas

Os pastos verdejantes nessa época do ano no Nordeste não tem sido aproveitados como deveriam pelos pecuaristas. As plantas daninhas são bastante competitivas e roubam todos os nutrientes do capim, inclusive a própria água.

Embrapa afirma que IPF não aumenta incidência de verminoses no rebanho

O monitoramento do gado foi feito durante dois anos e teve como objetivo mensurar os impactos de uma área de pecuária e reflorestamento e outra apenas de pastagens (monocultura). “Pensávamos que haveria prejuízo por causa das sombras proporcionadas com as árvores, mas isso não influenciou em nada um aumento na incidência de vermes no rebanho”,...

Estudos comprovam perdas de 6,5 kg de carne/animal por reações vacinais

O levantamento acompanhou 22 fazendas, localizadas na região norte de MT, e revelou as graves consequências da má aplicação dos medicamentos no rebanho. Roça apontou inúmeros fatores como local inadequado da aplicação; seringas e agulhas impróprias e sem assepsia; a pressa dos peões durante o procedimento e a falta de uso de tronco de contenção...

Excesso de gordura tem atrapalhado qualidade da carne no Brasil

Alguns lotes, principalmente de novilhas de cruzamento industrial, tem apresentado gordura acima do ideal e isso acaba causa dificuldade em colocar o produto no mercado.

Pré-abate: currais adaptados e manejo garantem bem-estar animal na indústria

10 janeiro 2019
09-03 - PEDRA PRETA - fazenda Recanto Itiquira MT 100 Novilhas

Controle térmico, critérios na formação da equipe que recepciona os animais, o trabalho da garantia da qualidade e o tratamento de dejetos. Você conhece o caminho que os bois percorrem no curral da indústria até a sala de abates e qual a importância dos cuidados nesta etapa da fase de produção?

Curta a página do Giro do Boi no Facebook

O Giro do Boi desta quinta, 10, tratou do assunto em entrevista com Guilherme Ribeiro, supervisor de produção da unidade da indústria em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul. O profissional revelou que, ao chegar à unidade de abates, os animais são recebidos por uma equipe de cerca de dez pessoas responsáveis pela acomodação nas baias do curral e posterior locomoção até a sala de abates.

O curral, em formato “espinha de peixe”, foi construído seguindo o modelo desenvolvido pela Dra. Temple Grandin, uma das maiores especialistas em bem-estar animal do mundo. A estrutura previne quedas, escorregões e pausas no fluxo de locomoção. Ao final do corredor até a sala de abates está a chamada entrada em “S”, seguindo o movimento natural dos bovinos em semi-círculo, facilitando o trabalho dos colaboradores, evitando prejuízos ao pecuarista e o estresse, que pode impactar na qualidade da carne.

+ Confira a entrevista exclusiva da Dra. Temple Grandin ao Giro do Boi

De acordo com Guilherme Ribeiro, as baias do curral devem ser grandes o suficiente para que os animais consigam se locomover e deitar sem prejuízo ao conforto, com cerca de 2,5 metros quadrados por cabeça. Em dias de calor, aspersores de água são ligados para manter a temperatura agradável. A água também é fornecida à vontade para os lotes até o momento do abate. Depois da saída dos animais, a limpeza é feita nas baias e os dejetos seguem para uma estação de tratamento, evitando com que o próximo lote chegue em um local sujo e também a dispersão de agentes de contaminação na natureza.

Veja as informações completas pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Os pastos verdejantes nessa época do ano no Nordeste não tem sido aproveitados como deveriam pelos pecuaristas. As plantas daninhas são bastante competitivas e roubam todos os nutrientes do capim, inclusive a própria água.

O monitoramento do gado foi feito durante dois anos e teve como objetivo mensurar os impactos de uma área de pecuária e reflorestamento e outra apenas de pastagens (monocultura). “Pensávamos que haveria prejuízo por causa das sombras proporcionadas com as árvores, mas isso não influenciou em nada um aumento na incidência de vermes no rebanho”,...

O levantamento acompanhou 22 fazendas, localizadas na região norte de MT, e revelou as graves consequências da má aplicação dos medicamentos no rebanho. Roça apontou inúmeros fatores como local inadequado da aplicação; seringas e agulhas impróprias e sem assepsia; a pressa dos peões durante o procedimento e a falta de uso de tronco de contenção...

Alguns lotes, principalmente de novilhas de cruzamento industrial, tem apresentado gordura acima do ideal e isso acaba causa dificuldade em colocar o produto no mercado.

Quem trouxe os primeiros registros, dessa primeira etapa, foi o gerente regional de Originação MS Oeste, Nelson Jardim, falando ao Giro do Boi desse pontapé inicial do circuito e lembrou do mais novo protocolo firmado entre todas as unidades Friboi do país (10 Estados) com a ACNB na criação de um protocolo específico para a...

A busca por informações e por conhecimento tem sido mais exigidos do produtor rural. São conexões digitais, palestras, reuniões, dias de campo e necessidade de interpretações simultâneas que fizeram com que a professora criasse uma empresa com métodos capazes de, em apenas seis meses, fazer com que a pessoa consiga interpretar o agro na língua...

No primeiro episódio da série, que estará sendo apresentada no Giro do Boi todas as sextas-feiras, Chaker nos explicou a “ter a fazenda nas mãos”. Foram três dicas importantes sobre pessoas, processos e finanças.

Alguns lotes, principalmente de novilhas de cruzamento industrial, tem apresentado gordura acima do ideal e isso acaba causa dificuldade em colocar o produto no mercado.

No Giro do Boi desta quinta-feira, as fazendas em destaque vieram dos estado de SP e MS.

Entre as facilidades para efetivar doações particulares está modalidade via imposto de renda; entenda como realizar o processo

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE