Qual a importância da uniformidade dos lotes no transporte boiadeiro?

02 agosto 2019
boas-praticas-de-manejo-embarque-gado-gordo-abate

A padronização de animais é fator fundamental para a produtividade do transporte boiadeiro. Formar lotes homogêneos em peso e categoria otimiza a lotação das cargas nos caminhões e evita lesões, seja por falta de apoio dos animais ao longo da viagem ou por disputas entre indivíduos em um mesmo compartimento. O assunto foi destaque do Giro na Estrada exibido no programa desta sexta, 02.

“Se ele fizer um lote padronizado e uma apartação bem feita, ele consegue diminuir a quantidade de veículos que ele vai contratar. Colocando animais de uma maneira mais homogênea o possível para formar esta carga, ele consegue ter ganho de frete, pode contratar menos veículos para chegar na fazenda dele e com isso acaba tendo menos gasto. A despesa dele ficar bem menor. É um ponto de atenção para o pecuarista poder formatar as próximas cargas dele”, explanou.

O bem-estar também é contemplado com o manejo pré-embarque realizado adequadamente, pois resolve certos problemas da viagem. “Quando você trabalha com animais grandes no meio de animais pequenos, você tem espaços sobrando dentro do veículo, então os animais não conseguem se equilibrar. Um animal acaba não se apoiando no outro. Então acaba tendo um aumento no risco de queda”, acrescentou Vieira.

Em entrevista recente ao Giro do Boi, a pesquisadora da Ivanna Moraes de Oliveira, graduada, mestre e doutora em zootecnia que atua pela Apta, tratou do tema. Veja no link abaixo:

Chances de lesões em carcaças saltam de 13% para 140% com estruturas da fazenda em más condições

Veja também:

Formação correta de lotes para embarque é saudável para o animal e para o bolso do pecuarista

Além de destacar que o preenchimento dos compartimentos das carretas com lotes padronizados é bem feito, Vieira também usou como argumentou a redução do estresse que acontece se há cuidado com a apartação. “Vamos dizer que você coloca um marruco no meio de fêmeas, fazendo o embarque em um veículo só. Se você já tem dificuldade de manejar ele no curral, dentro da fazenda, imagine a dificuldade que isso vai gerar dentro do caminhão. Então quando você puder fazer um processo de apartação bem feito e homogeneizar estas categorias, é melhor, mesmo que trabalhe com pesos diferentes, mas a categoria é muito importante trabalhar apartando marrucos, vacas, novilhas, bezerros, fazendo a distribuição de uma maneira que fique o mais igual possível dentro do compartimento dentro do curral e do caminhão”, destacou.

Veja o quadro Giro na Estrada na íntegra no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Calor e tempo seco predominam sobre o Brasil Central nos próximos dias

Região já está há praticamente três meses sem chuvas; no Sul, chegada de frente fria traz geadas para o RS, SC e divisa do PR com SP

Vencedores da maior etapa do Circuito Nelore de Qualidade em 2019 são revelados

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Três dicas para ganhar dinheiro com confinamento de gado de corte

Pesquisador da Embrapa afirma que pecuarista deve fugir das “receitas de bolo” para não perder oportunidades de buscar ingredientes alternativos no mercado

Novilhas recebem bônus superior a R$ 20 por arroba pela qualidade

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Qual a importância da uniformidade dos lotes no transporte boiadeiro?

02 agosto 2019
boas-praticas-de-manejo-embarque-gado-gordo-abate

A padronização de animais é fator fundamental para a produtividade do transporte boiadeiro. Formar lotes homogêneos em peso e categoria otimiza a lotação das cargas nos caminhões e evita lesões, seja por falta de apoio dos animais ao longo da viagem ou por disputas entre indivíduos em um mesmo compartimento. O assunto foi destaque do Giro na Estrada exibido no programa desta sexta, 02.

“Se ele fizer um lote padronizado e uma apartação bem feita, ele consegue diminuir a quantidade de veículos que ele vai contratar. Colocando animais de uma maneira mais homogênea o possível para formar esta carga, ele consegue ter ganho de frete, pode contratar menos veículos para chegar na fazenda dele e com isso acaba tendo menos gasto. A despesa dele ficar bem menor. É um ponto de atenção para o pecuarista poder formatar as próximas cargas dele”, explanou.

O bem-estar também é contemplado com o manejo pré-embarque realizado adequadamente, pois resolve certos problemas da viagem. “Quando você trabalha com animais grandes no meio de animais pequenos, você tem espaços sobrando dentro do veículo, então os animais não conseguem se equilibrar. Um animal acaba não se apoiando no outro. Então acaba tendo um aumento no risco de queda”, acrescentou Vieira.

Em entrevista recente ao Giro do Boi, a pesquisadora da Ivanna Moraes de Oliveira, graduada, mestre e doutora em zootecnia que atua pela Apta, tratou do tema. Veja no link abaixo:

Chances de lesões em carcaças saltam de 13% para 140% com estruturas da fazenda em más condições

Veja também:

Formação correta de lotes para embarque é saudável para o animal e para o bolso do pecuarista

Além de destacar que o preenchimento dos compartimentos das carretas com lotes padronizados é bem feito, Vieira também usou como argumentou a redução do estresse que acontece se há cuidado com a apartação. “Vamos dizer que você coloca um marruco no meio de fêmeas, fazendo o embarque em um veículo só. Se você já tem dificuldade de manejar ele no curral, dentro da fazenda, imagine a dificuldade que isso vai gerar dentro do caminhão. Então quando você puder fazer um processo de apartação bem feito e homogeneizar estas categorias, é melhor, mesmo que trabalhe com pesos diferentes, mas a categoria é muito importante trabalhar apartando marrucos, vacas, novilhas, bezerros, fazendo a distribuição de uma maneira que fique o mais igual possível dentro do compartimento dentro do curral e do caminhão”, destacou.

Veja o quadro Giro na Estrada na íntegra no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Região já está há praticamente três meses sem chuvas; no Sul, chegada de frente fria traz geadas para o RS, SC e divisa do PR com SP

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Pesquisador da Embrapa afirma que pecuarista deve fugir das “receitas de bolo” para não perder oportunidades de buscar ingredientes alternativos no mercado

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Segundo zootecnista Antônio Chaker, o potencial de retorno financeiro da cria é de 35%; veja passo a passo para reverter o quadro

Fazendas localizadas em Tocantins, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Segundo zootecnista Antônio Chaker, o potencial de retorno financeiro da cria é de 35%; veja passo a passo para reverter o quadro

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Grupo de novilhas meio-sangue Angus de propriedade em Botucatu-SP marcou 100% Verde no Farol da Qualidade e segue para disputa de melhor do mês

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE