Qual é a relação ideal entre número de peões e tamanho do rebanho?

04 dezembro 2019
prejuizo-pecuaristas-gauchos-bicheiras-miiases

A equipe, cada vez mais, é chave para o sucesso das fazendas de pecuária de corte, apontou o zootecnista e mestre em produção animal Antônio Chaker, diretor do Inttegra, no programa especial do Giro do Boi para o lançamento do Benchmarking 2018/19 (*) exibido originalmente em 21/10. “Quanto mais tecnologia vem, quanto mais startup, quanto mais inovação chega, mais a gente vê que a pessoa, que o ser humano, deve estar no centro de todas as atenções”, reforçou o consultor.

No último levantamento para o Benchmarking – um estudo que compara os desempenhos de fazendas de todo o Brasil e países da América Latina para indicar números que sirvam de referência para saber o potencial lucrativo da atividade – Chaker disse que ficou comprovado que a relação peão:rebanho mudou significativamente. “Aquela diferença que se falava antigamente já não existe mais. […] Pela atualização de todo o sistema de trabalho, faz com que você tenha uma relação diferente. Hoje é muito raro você encontrar aquela coisa de 1:1000 (cabeças), uma relação que a gente encontrava anteriormente. Hoje a gente usa mais mão de obra e, por isso, a gente precisa de uma mão de obra muito mais qualificada”, destacou.

De acordo com Chaker, as fazendas de cria mais lucrativas, de acordo com o Benchmarking 2018/19, têm uma relação de um peão para cada 681 animais em média. Na ciclo completo, a relação é de um campeiro para cada 778 cabeças, enquanto na recria-engorda, a relação gira em torno de um peão para 873 animais.

Mais do que buscar este indicador somente para atingir um número de referência, Chaker ponderou que o tamanho da equipe deve ter relação com o tamanho da produção e de seu consequente retorno financeiro. Por exemplo, segundo os dados do Benchmarking, as fazendas de cria que perderam dinheiro tiveram um faturamento médio de R$ 130.833 por campeiro; as propriedades de ciclo completo faturaram R$ 206.266/peão; e as de recria-engorda R$ 299.404. Por outro lado, as fazendas mais lucrativas faturaram em média, por peão, R$ 247.457 na cria; R$ 274.266 no ciclo completo; e R$ 419.701 na recria e engorda.

E conforme a mão de obra qualificada se torna cada vez mais importante para operar novas tecnologias, as fazendas mais lucrativas coincidem com aquelas que pagam melhor seus colaboradores e, na safra 2018/19 do Benchmarking, detectou-se que as fazendas que perderam dinheiro aumentaram o salário dos peões em 5,3% enquanto as mais lucrativas subiram o salário em 9,8%.

Confira os números na íntegra, e a interpretação de Antônio Chaker a respeito deles, pelo vídeo abaixo:

 

* O estudo do Benchmarking está em sua sétima edição, é feito desde 2012, e reúne números de propriedades incluídas em realidades diversas de produção por todo o Brasil e América Latina para efeito de comparação de desempenhos e indicação de referências. Nesta última safra, entre 1º de julho de 2018 e 30 de junho de 2019, foram analisados os dados de 378 fazendas em 12 estados do Brasil, além de Paraguai e Bolívia, propriedades que contam com 5.251 colaboradores, reúnem um rebanho de 1,64 milhão de animais distribuídos em uma área de 1,35 milhão de hectares de pastagem e faturam, em conjunto, R$ 1,76 bilhão.

VEJA TAMBÉM

Gestão da pecuária: “o que me trouxe até aqui não vai me levar adiante”

Descubra os seis pontos em comum entre as fazendas de pecuária de corte mais lucrativas do Brasil

Confira as fazendas em destaque do dia 05 de dezembro de 2019

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Fazenda tem economia milionária ao transformar esterco em adubo

No interior de SP, Agropastoril Paschoal Campanelli fertiliza lavouras de cana-de-açúcar, milho e pastagens usando dejetos do confinamento

Rústico e produtivo com carne de qualidade, raça Nelore é “patrimônio nacional”

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

Qual é a relação ideal entre número de peões e tamanho do rebanho?

04 dezembro 2019
prejuizo-pecuaristas-gauchos-bicheiras-miiases

A equipe, cada vez mais, é chave para o sucesso das fazendas de pecuária de corte, apontou o zootecnista e mestre em produção animal Antônio Chaker, diretor do Inttegra, no programa especial do Giro do Boi para o lançamento do Benchmarking 2018/19 (*) exibido originalmente em 21/10. “Quanto mais tecnologia vem, quanto mais startup, quanto mais inovação chega, mais a gente vê que a pessoa, que o ser humano, deve estar no centro de todas as atenções”, reforçou o consultor.

No último levantamento para o Benchmarking – um estudo que compara os desempenhos de fazendas de todo o Brasil e países da América Latina para indicar números que sirvam de referência para saber o potencial lucrativo da atividade – Chaker disse que ficou comprovado que a relação peão:rebanho mudou significativamente. “Aquela diferença que se falava antigamente já não existe mais. […] Pela atualização de todo o sistema de trabalho, faz com que você tenha uma relação diferente. Hoje é muito raro você encontrar aquela coisa de 1:1000 (cabeças), uma relação que a gente encontrava anteriormente. Hoje a gente usa mais mão de obra e, por isso, a gente precisa de uma mão de obra muito mais qualificada”, destacou.

De acordo com Chaker, as fazendas de cria mais lucrativas, de acordo com o Benchmarking 2018/19, têm uma relação de um peão para cada 681 animais em média. Na ciclo completo, a relação é de um campeiro para cada 778 cabeças, enquanto na recria-engorda, a relação gira em torno de um peão para 873 animais.

Mais do que buscar este indicador somente para atingir um número de referência, Chaker ponderou que o tamanho da equipe deve ter relação com o tamanho da produção e de seu consequente retorno financeiro. Por exemplo, segundo os dados do Benchmarking, as fazendas de cria que perderam dinheiro tiveram um faturamento médio de R$ 130.833 por campeiro; as propriedades de ciclo completo faturaram R$ 206.266/peão; e as de recria-engorda R$ 299.404. Por outro lado, as fazendas mais lucrativas faturaram em média, por peão, R$ 247.457 na cria; R$ 274.266 no ciclo completo; e R$ 419.701 na recria e engorda.

E conforme a mão de obra qualificada se torna cada vez mais importante para operar novas tecnologias, as fazendas mais lucrativas coincidem com aquelas que pagam melhor seus colaboradores e, na safra 2018/19 do Benchmarking, detectou-se que as fazendas que perderam dinheiro aumentaram o salário dos peões em 5,3% enquanto as mais lucrativas subiram o salário em 9,8%.

Confira os números na íntegra, e a interpretação de Antônio Chaker a respeito deles, pelo vídeo abaixo:

 

* O estudo do Benchmarking está em sua sétima edição, é feito desde 2012, e reúne números de propriedades incluídas em realidades diversas de produção por todo o Brasil e América Latina para efeito de comparação de desempenhos e indicação de referências. Nesta última safra, entre 1º de julho de 2018 e 30 de junho de 2019, foram analisados os dados de 378 fazendas em 12 estados do Brasil, além de Paraguai e Bolívia, propriedades que contam com 5.251 colaboradores, reúnem um rebanho de 1,64 milhão de animais distribuídos em uma área de 1,35 milhão de hectares de pastagem e faturam, em conjunto, R$ 1,76 bilhão.

VEJA TAMBÉM

Descubra os seis pontos em comum entre as fazendas de pecuária de corte mais lucrativas do Brasil

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

No interior de SP, Agropastoril Paschoal Campanelli fertiliza lavouras de cana-de-açúcar, milho e pastagens usando dejetos do confinamento

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

Consultor adverte que produtividade de grande parte da pecuária praticada no Brasil cresceu baseada em aumento dos custos e aponta o caminho para produtor evitar o problema

Conforme novas tecnologias são incorporadas no campo, fazendas de gado de corte aumentaram a demanda por mão de obra especializada

Além do retorno financeiro específico da operação de engorda, produtor tem benefícios indiretos como possibilidade de aumentar rebanho e a taxa de lotação

Antônio Chaker apresenta qual etapa do ciclo de produção tem mais oportunidades para aumentar desfrute e renda e elenca números para pecuarista ficar atento

Com o desafio de otimizar o uso da terra, propriedade em Serra Nova Dourada-MT saiu da cria para a recria-engorda utilizando confinamento com grão inteiro

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE