Trabalho integrado ameniza dificuldades com embarque do gado gordo entre Juara e Juína

15 fevereiro 2019
transporte-boi-gordo-juina-juara-mt-fevereiro-2019

O excesso de águas sobre as estradas de terra tem dificultado a passagem das carretas boiadeiras na região dos vales do Arinos e do Juruena, no Mato Grosso, mas um trabalho integrado entre duas unidades da indústria da região está ajudando a solucionar problemas de embarque de gado gordo mesmo em meio à temporada de chuvas.

O caso de sucesso foi detalhado nesta sexta, 15, no quadro Giro na Estrada. “Em Juara e Juína todo ano nesta época é apertado. A gente tem bastante dificuldade, pontos de atenção que acabam prejudicando. […] Planejamento é sempre a palavra-chave, principalmente nesta época do ano, a gente leva isso muito à risca. Antever o que tem de informação, conversar com pecuaristas, trazer linha de raciocínio para escoar boiada sem problemas, mantendo horário e frota chegando às fazendas com antecedência. A gente tem alguns riscos nesta época devido ao alto índice pluviométrico, mas a gente tenta fazer um trabalho diferenciado como está sendo feito em Juína e Juara com uma equipe que está fazendo a diferença”, ressaltou o engenheiro agrônomo e coordenador de logística do boi gordo da Friboi, Leonardo Vieira.

“A nossa chuva se inicia por meados de setembro e termina para abril, às vezes prolongando até maio. Normalmente ainda conseguimos andar, mas com a chuva deste ano veio para mostrar a que veio”, revelou Hugo Reis, escalador de gado de Juara.

Entre as soluções propostas para amenizar os problemas decorrentes das precipitações está o trabalho em conjunto do profissional com seu colega na unidade de Juína para otimizar o uso de frota entre carretas e trucks, veículos com capacidades distintas tanto para volume como para rodar em estradas instáveis, de forma a evitar interrupções nos embarques, uma integração com bons resultados.

“Os pecuaristas ficam satisfeitos porque a principal demanda deles é prender o gado, os veículos estarem prontos para carregar e sair tranquilo porque nós vamos cuidar dos animais deles ao longo da viagem. Isto está acontecendo, eles têm sido bem atendidos”, resumiu Robson dos Santos, escalador de gado de Juína-MT.

“Os dois interagem entre eles praticamente o dia inteiro e os transportadores das duas unidades enxergam o atendimento como sendo único, não dividido entre as duas indústrias. […] Esse ano, mesmo com esta chuvarada, a gente está conseguindo cumprir o trabalho”, destacou Leonardo Vieira.

Veja mais detalhes do trabalho integrado pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Veja imagens do Dia de Campo da Fazenda Barra, em Cassilândia-MS

Propriedade é referência na terminação de animais cruzados, em que aproveita a valorização da arroba pelo Protocolo 1953

Confira as fazendas em destaque do dia 15 de julho de 2019

Fazendas localizadas em Goiás, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Com desembolso somente após abate, boitel em SP oferece 4 modelos de negócios a pecuaristas

Unidade no município de Castilho atende criadores com propriedades em São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais

Aplicativo ajuda no cálculo do custo de produção e margem de ganho

Software foi desenvolvido no formato de planilha de Excel e lançado em 2017; pesquisador da Embrapa dá dicas de preenchimento correto dos dados para gerar resultados mais precisos

Trabalho integrado ameniza dificuldades com embarque do gado gordo entre Juara e Juína

15 fevereiro 2019
transporte-boi-gordo-juina-juara-mt-fevereiro-2019

O excesso de águas sobre as estradas de terra tem dificultado a passagem das carretas boiadeiras na região dos vales do Arinos e do Juruena, no Mato Grosso, mas um trabalho integrado entre duas unidades da indústria da região está ajudando a solucionar problemas de embarque de gado gordo mesmo em meio à temporada de chuvas.

O caso de sucesso foi detalhado nesta sexta, 15, no quadro Giro na Estrada. “Em Juara e Juína todo ano nesta época é apertado. A gente tem bastante dificuldade, pontos de atenção que acabam prejudicando. […] Planejamento é sempre a palavra-chave, principalmente nesta época do ano, a gente leva isso muito à risca. Antever o que tem de informação, conversar com pecuaristas, trazer linha de raciocínio para escoar boiada sem problemas, mantendo horário e frota chegando às fazendas com antecedência. A gente tem alguns riscos nesta época devido ao alto índice pluviométrico, mas a gente tenta fazer um trabalho diferenciado como está sendo feito em Juína e Juara com uma equipe que está fazendo a diferença”, ressaltou o engenheiro agrônomo e coordenador de logística do boi gordo da Friboi, Leonardo Vieira.

“A nossa chuva se inicia por meados de setembro e termina para abril, às vezes prolongando até maio. Normalmente ainda conseguimos andar, mas com a chuva deste ano veio para mostrar a que veio”, revelou Hugo Reis, escalador de gado de Juara.

Entre as soluções propostas para amenizar os problemas decorrentes das precipitações está o trabalho em conjunto do profissional com seu colega na unidade de Juína para otimizar o uso de frota entre carretas e trucks, veículos com capacidades distintas tanto para volume como para rodar em estradas instáveis, de forma a evitar interrupções nos embarques, uma integração com bons resultados.

“Os pecuaristas ficam satisfeitos porque a principal demanda deles é prender o gado, os veículos estarem prontos para carregar e sair tranquilo porque nós vamos cuidar dos animais deles ao longo da viagem. Isto está acontecendo, eles têm sido bem atendidos”, resumiu Robson dos Santos, escalador de gado de Juína-MT.

“Os dois interagem entre eles praticamente o dia inteiro e os transportadores das duas unidades enxergam o atendimento como sendo único, não dividido entre as duas indústrias. […] Esse ano, mesmo com esta chuvarada, a gente está conseguindo cumprir o trabalho”, destacou Leonardo Vieira.

Veja mais detalhes do trabalho integrado pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Propriedade é referência na terminação de animais cruzados, em que aproveita a valorização da arroba pelo Protocolo 1953

Fazendas localizadas em Goiás, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Unidade no município de Castilho atende criadores com propriedades em São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais

Software foi desenvolvido no formato de planilha de Excel e lançado em 2017; pesquisador da Embrapa dá dicas de preenchimento correto dos dados para gerar resultados mais precisos

Frente fria vai embora e temperatura deve subir em estados do Centro-Oeste, Norte e Sudeste do Brasil, com máximas que podem chegar aos 35º C

Animais abatidos no Protocolo 1953 foram enviados por fazenda localizada no município de Cáceres, estado do Mato Grosso

Software foi desenvolvido no formato de planilha de Excel e lançado em 2017; pesquisador da Embrapa dá dicas de preenchimento correto dos dados para gerar resultados mais precisos

Propriedade é referência na terminação de animais cruzados, em que aproveita a valorização da arroba pelo Protocolo 1953

Gerente do Rabobank Brasil aponta as duas primeiras medidas para o produtor transformar sua fazenda em uma empresa rural

Fazendas localizadas em Goiás, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE