Veja passo a passo como preparar o solo para o plantio da pastagem

24 outubro 2019
passo-a-passo-preparo-solo-formacao-pasto

No quadro Pastagem de A a Z exibido nesta quinta, 24, o engenheiro agrônomo, pós-graduado em pastagens pela Esalq-USP e consultor do Circuito da Pecuária Wagner Pires explicou o passo a passo de como o pecuarista deve preparar o terreno para a formação de sua nova pastagem.

O consultor dividiu em cinco etapas o manejo:

1 – Dessecação: importante principalmente se o produtor desejar trocar de gramínea. Nesta etapa, ele pode aplicar um herbicida dessecante, como glifosato, para assegurar que toda a população anterior tenha sido eliminada. O herbicida ainda ajuda na decomposição da vegetação anterior, contribuindo para sua transformação em matéria orgânica;

2 – Calagem: corrige a acidez solo, mas não deve ser feita “jogando calcário a olho”, alertou Pires. A forma de aplicação do calcário e seu tipo (dolomítico, calcítico ou magnesiano) serão apontados pela análise de solo. Como penetra lentamente no terreno, o calcário deve ser incorporado com ajuda de uma grade, que está no próximo passo;

3 – Gradagem: tombar o terreno é fundamental para ‘jogar para baixo’ o banco de sementes das gramíneas invasoras e incorporar o calcário. Nesta etapa é indicado passar primeiro uma grade intermediária e depois a pesada. Caso haja muitos torrões de terra, uma grade cruzada pode ser recomendada para desfazê-los;

4 – Adubação: aplicar o fertilizante indicado e passar uma grade niveladora para o acabamento do solo;

5 – Conservar o solo: segundo Pires, o produtor não deve se esquecer de planejar esta etapa, pois pode sofrer com degradação e erosão em nascentes, rios e córregos, por exemplo. Dependendo a configuração do relevo, a formação de curvas de nível é fundamental para amenizar os impactos da pisada do boi no terreno.

Seguindo este passo a passo, restam algumas decisões ao pecuarista, como, por exemplo, a época ideal para iniciar este preparo. O agrônomo destacou que é possível iniciar o preparo no final do período das chuvas porque cerca de dois meses de sol e tempo seco ajudam a eliminar as invasoras, diminuindo a probabilidade de uma infestação. O produtor também pode iniciar o preparo do solo assim que ele voltar a ter alguma umidade, facilitando o trabalho da grade.

Outra variável pode aparecer conforme a configuração do relevo da propriedade. Em áreas de morro, muito inclinadas, não é recomendado o preparo tradicional por conta de agravar o risco de erosão. Para estes casos, Pires recomendou um preparo mínimo do solo, iniciando com dessecação e, depois, o pecuarista “passa uma grade cortando e dando uma mexida no terreno”, apontou. Nestas situações, o especialista disse que o plantio pode ser feito sobre a palhada. Pires alertou ainda que não se deve fazer o preparo do solo morro abaixo, “soltando o trator lá em cima”, descendo a área inclinada. “Isso aí acaba provocando muitas erosões”, advertiu.

Outra situação é para as áreas de várzea, em que há acúmulo de água com frequência. Assim, o produtor pode fazer o preparo no período seco e, na primeira ou na segunda chuva, lançar a semente.

“Então, meus amigos, vamos fazer um bom preparo de solo porque somente desta forma nós vamos conseguir ter uma boa formação de pastagem. A semente da gramínea é muito pequena, muito miúda e tem pouca reserva. Daí é fundamental o bom preparo para que a terra consiga envolver corretamente a semente e dar um bom resultado”, concluiu.

Veja o vídeo com as recomendações na íntegra:

Foto: Claudia S. da C. Ribeiro / Reprodução Embrapa

VEJA TAMBÉM

Conheça o novo app de transmissões do Canal Rural

Aplicativo Lance Rural permite ao usuário utilizar outras funções do celular enquanto acompanha eventos como leilões, palestras, dias de campo e julgamentos, além da tv ao vivo

Qual a diferença de trato do boi meio-sangue Angus para o Brangus ⅝?

Zootecnista Alexandre Zadra explicou que quanto maior o grau de sangue europeu, mais exigente é o animal em relação à nutrição

Chove no Nordeste no fim de semana; no Sul, temporais ocorrem a partir de 2ª

CE, RN, PI e MA deverão ver chuvas com certa intensidade a partir desta 6ª; no Sudeste, precipitações podem causar transtornos no sábado

Conheça os “anjos das estrada de terra” do MT

Produtores criaram associação para socorrer veículos atolados na Estrada do Matão, que liga Pontes e Lacerda-MT à Bolívia

Veja passo a passo como preparar o solo para o plantio da pastagem

24 outubro 2019
passo-a-passo-preparo-solo-formacao-pasto

No quadro Pastagem de A a Z exibido nesta quinta, 24, o engenheiro agrônomo, pós-graduado em pastagens pela Esalq-USP e consultor do Circuito da Pecuária Wagner Pires explicou o passo a passo de como o pecuarista deve preparar o terreno para a formação de sua nova pastagem.

O consultor dividiu em cinco etapas o manejo:

1 – Dessecação: importante principalmente se o produtor desejar trocar de gramínea. Nesta etapa, ele pode aplicar um herbicida dessecante, como glifosato, para assegurar que toda a população anterior tenha sido eliminada. O herbicida ainda ajuda na decomposição da vegetação anterior, contribuindo para sua transformação em matéria orgânica;

2 – Calagem: corrige a acidez solo, mas não deve ser feita “jogando calcário a olho”, alertou Pires. A forma de aplicação do calcário e seu tipo (dolomítico, calcítico ou magnesiano) serão apontados pela análise de solo. Como penetra lentamente no terreno, o calcário deve ser incorporado com ajuda de uma grade, que está no próximo passo;

3 – Gradagem: tombar o terreno é fundamental para ‘jogar para baixo’ o banco de sementes das gramíneas invasoras e incorporar o calcário. Nesta etapa é indicado passar primeiro uma grade intermediária e depois a pesada. Caso haja muitos torrões de terra, uma grade cruzada pode ser recomendada para desfazê-los;

4 – Adubação: aplicar o fertilizante indicado e passar uma grade niveladora para o acabamento do solo;

5 – Conservar o solo: segundo Pires, o produtor não deve se esquecer de planejar esta etapa, pois pode sofrer com degradação e erosão em nascentes, rios e córregos, por exemplo. Dependendo a configuração do relevo, a formação de curvas de nível é fundamental para amenizar os impactos da pisada do boi no terreno.

Seguindo este passo a passo, restam algumas decisões ao pecuarista, como, por exemplo, a época ideal para iniciar este preparo. O agrônomo destacou que é possível iniciar o preparo no final do período das chuvas porque cerca de dois meses de sol e tempo seco ajudam a eliminar as invasoras, diminuindo a probabilidade de uma infestação. O produtor também pode iniciar o preparo do solo assim que ele voltar a ter alguma umidade, facilitando o trabalho da grade.

Outra variável pode aparecer conforme a configuração do relevo da propriedade. Em áreas de morro, muito inclinadas, não é recomendado o preparo tradicional por conta de agravar o risco de erosão. Para estes casos, Pires recomendou um preparo mínimo do solo, iniciando com dessecação e, depois, o pecuarista “passa uma grade cortando e dando uma mexida no terreno”, apontou. Nestas situações, o especialista disse que o plantio pode ser feito sobre a palhada. Pires alertou ainda que não se deve fazer o preparo do solo morro abaixo, “soltando o trator lá em cima”, descendo a área inclinada. “Isso aí acaba provocando muitas erosões”, advertiu.

Outra situação é para as áreas de várzea, em que há acúmulo de água com frequência. Assim, o produtor pode fazer o preparo no período seco e, na primeira ou na segunda chuva, lançar a semente.

“Então, meus amigos, vamos fazer um bom preparo de solo porque somente desta forma nós vamos conseguir ter uma boa formação de pastagem. A semente da gramínea é muito pequena, muito miúda e tem pouca reserva. Daí é fundamental o bom preparo para que a terra consiga envolver corretamente a semente e dar um bom resultado”, concluiu.

Veja o vídeo com as recomendações na íntegra:

Foto: Claudia S. da C. Ribeiro / Reprodução Embrapa

VEJA TAMBÉM

Aplicativo Lance Rural permite ao usuário utilizar outras funções do celular enquanto acompanha eventos como leilões, palestras, dias de campo e julgamentos, além da tv ao vivo

Zootecnista Alexandre Zadra explicou que quanto maior o grau de sangue europeu, mais exigente é o animal em relação à nutrição

CE, RN, PI e MA deverão ver chuvas com certa intensidade a partir desta 6ª; no Sudeste, precipitações podem causar transtornos no sábado

Produtores criaram associação para socorrer veículos atolados na Estrada do Matão, que liga Pontes e Lacerda-MT à Bolívia

Modelos mais básicos de cruzamentos podem reduzir um ano do ciclo do boi, mas pecuarista deve estar organizado para intensificar tanto produção quanto gestão

Como a forrageira é de ciclo curto, pecuarista deve intensificar os tratos; veja ainda como controlar as plantas daninhas murici e capim rabo-de-burro

Zootecnista Alexandre Zadra explicou que quanto maior o grau de sangue europeu, mais exigente é o animal em relação à nutrição

CE, RN, PI e MA deverão ver chuvas com certa intensidade a partir desta 6ª; no Sudeste, precipitações podem causar transtornos no sábado

Produtores criaram associação para socorrer veículos atolados na Estrada do Matão, que liga Pontes e Lacerda-MT à Bolívia

Como a forrageira é de ciclo curto, pecuarista deve intensificar os tratos; veja ainda como controlar as plantas daninhas murici e capim rabo-de-burro

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE