Aplicação aérea de herbicidas pode cobrir área até 20 vezes maior do que o trator em um dia

07 junho 2018
aplicacao-herbicidas-aeronave-x-trator

No quadro Giro pelo Brasil desta quinta, 7, o médico veterinário Guto Catanante, representante técnico e comercial da Corteva Agriscience, a divisão agrícola Dow Dupont, conversou com o apresentador Mauro Sérgio Ortega sobre a popularização da aplicação aérea de herbicidas para pastagens.

Leia também:
Vai aplicar herbicida no seu pasto? Não comece antes de ver estas duas dicas
Saiba como ajustar a pressão do pulverizador para otimizar a aplicação de defensivos
Saiba como posicionar coletores no pasto para calibrar o avião que pulveriza produtos para pastagem

“Cada dia mais o pecuarista tem se atentado a esta tecnologia de controle químico através de aeronaves. Então nós percebemos que houve um incremento na adesão desta técnica, não só na Região do Bolsão, mas em todo o estado do Mato Grosso do Sul nós temos observado isto”, comemorou o veterinário. Segundo Catanante, no Brasil a aplicação aérea de defensivos é feita desde a década de 1950, mas sua popularização ocorreu dos anos 1990 até os dias atuais, uma vez que os profissionais brasileiros se especializaram e dominaram a técnica e seus detalhes e variáveis.

“O pecuarista vai ganhar principalmente na otimização do tempo dele, porque quando passa uma aeronave e faz um tiro de herbicida, a faixa varia de 15 a 25 metros, a uma velocidade média de 200 km/h. Enquanto no trator a gente uma faixa de 10 a 12 metros no máximo com uma velocidade de 4 a 6 km/h. A otimização do tempo é um ponto chave da aplicação aérea. No trator a gente faz de 20 a 25 hectares por dia. Na aeronave a gente pode fazer de 300 a até 500 hectares no mesmo período”, calculou Catanante.

Durante o quadro, o representante ainda comentou o lançamento da mais recente edição do Informativo Pasto Livre, publicação feita em parceria entre a Corteva Agriscience e a Scot Consultoria, disponível para download no link abaixo:

+ Informativo Pasto Livre – Abril e Maio/2018

Veja a participação completa de Guto Catanante, com dicas para a correta aplicação aérea de herbicidas para pastagens, pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Qual é o momento certo de tratar a infestação de carrapatos na minha boiada?

Você sabia que o boi perde um grama de carne para cada carrapato graúdo em seu corpo? Saiba identificar o ciclo do parasita para fazer a intervenção mais adequada

O que é american BBQ e por que ele está cada vez mais popular no Brasil?

Popularização de técnica é consequência da evolução da pecuária brasileira, que viabilizou a agregação de valor a mais cortes da carcaça do boi

Giro do Dia: importância do manejo pré-abate para a qualidade da carne

Veja quais os cuidados da indústria no pré-abate dos animais para assegurar bem-estar e pH sem alterações indesejáveis

Confira os lotes em destaque do dia 17 de fevereiro de 2020

Lotes de propriedades em Minas Gerais e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Aplicação aérea de herbicidas pode cobrir área até 20 vezes maior do que o trator em um dia

07 junho 2018
aplicacao-herbicidas-aeronave-x-trator

No quadro Giro pelo Brasil desta quinta, 7, o médico veterinário Guto Catanante, representante técnico e comercial da Corteva Agriscience, a divisão agrícola Dow Dupont, conversou com o apresentador Mauro Sérgio Ortega sobre a popularização da aplicação aérea de herbicidas para pastagens.

Leia também:
Vai aplicar herbicida no seu pasto? Não comece antes de ver estas duas dicas
Saiba como ajustar a pressão do pulverizador para otimizar a aplicação de defensivos
Saiba como posicionar coletores no pasto para calibrar o avião que pulveriza produtos para pastagem

“Cada dia mais o pecuarista tem se atentado a esta tecnologia de controle químico através de aeronaves. Então nós percebemos que houve um incremento na adesão desta técnica, não só na Região do Bolsão, mas em todo o estado do Mato Grosso do Sul nós temos observado isto”, comemorou o veterinário. Segundo Catanante, no Brasil a aplicação aérea de defensivos é feita desde a década de 1950, mas sua popularização ocorreu dos anos 1990 até os dias atuais, uma vez que os profissionais brasileiros se especializaram e dominaram a técnica e seus detalhes e variáveis.

“O pecuarista vai ganhar principalmente na otimização do tempo dele, porque quando passa uma aeronave e faz um tiro de herbicida, a faixa varia de 15 a 25 metros, a uma velocidade média de 200 km/h. Enquanto no trator a gente uma faixa de 10 a 12 metros no máximo com uma velocidade de 4 a 6 km/h. A otimização do tempo é um ponto chave da aplicação aérea. No trator a gente faz de 20 a 25 hectares por dia. Na aeronave a gente pode fazer de 300 a até 500 hectares no mesmo período”, calculou Catanante.

Durante o quadro, o representante ainda comentou o lançamento da mais recente edição do Informativo Pasto Livre, publicação feita em parceria entre a Corteva Agriscience e a Scot Consultoria, disponível para download no link abaixo:

+ Informativo Pasto Livre – Abril e Maio/2018

Veja a participação completa de Guto Catanante, com dicas para a correta aplicação aérea de herbicidas para pastagens, pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Você sabia que o boi perde um grama de carne para cada carrapato graúdo em seu corpo? Saiba identificar o ciclo do parasita para fazer a intervenção mais adequada

Popularização de técnica é consequência da evolução da pecuária brasileira, que viabilizou a agregação de valor a mais cortes da carcaça do boi

Veja quais os cuidados da indústria no pré-abate dos animais para assegurar bem-estar e pH sem alterações indesejáveis

Lotes de propriedades em Minas Gerais e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

“Hoje em dia não tem mais carne de 1ª ou 2ª. Tem carne de qualidade, e qualidade começa no dianteiro vai até o traseiro”, disse Guillermo Sanchez

Aplicativo Lance Rural permite ao usuário utilizar outras funções do celular enquanto acompanha eventos como leilões, palestras, dias de campo e julgamentos, além da tv ao vivo

Popularização de técnica é consequência da evolução da pecuária brasileira, que viabilizou a agregação de valor a mais cortes da carcaça do boi

Zootecnista especialista em cruzamento industrial Alexandre Zadra respondeu a dúvida e destacou que tão importante quanto a escolha da raça é usar touros provados

Produtores criaram associação para socorrer veículos atolados na Estrada do Matão, que liga Pontes e Lacerda-MT à Bolívia

Veja quais os cuidados da indústria no pré-abate dos animais para assegurar bem-estar e pH sem alterações indesejáveis

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE