Atrasar o combate a plantas daninhas aumenta custo do pecuarista

18 julho 2019
limpeza-pastagem-inicio-aguas

Nesta quinta, 18, em entrevista concedida ao Giro do Boi, o zootecnista Bernardo Veras, representante técnico e comercial da Corteva Agriscience, reforçou a importância do produtor planejar o controle de plantas daninhas em suas pastagens logo para executar a tarefa logo no início da estação das águas.

A recomendação é para que as plantas indesejáveis sejam combatidas enquanto ainda não estão amadurecidas, o que aumentaria o volume da dose necessária para de defensivo, aumentando o custo da aplicação. A espera também pode oferecer tempo necessário para que as plantas espalhem sementes, dificultando a limpeza. Além disto, realizando este manejo no início das águas, o produtor ganha com a produtividade das forrageiras logo no início do período chuvoso.

“É só desabafar, tirar a competição e a gente tem um resultado só com pastagens”, salientou Veras. “A gente sabe que a base alimentar da pecuária em nosso país é a pastagem. Se a gente não tiver um bom cuidado com nossas forrageiras, não vai ter bom resultado na produção de carne”, declarou Veras.

Veja as indicações para a limpeza de pasto no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Calor e tempo seco predominam sobre o Brasil Central nos próximos dias

Região já está há praticamente três meses sem chuvas; no Sul, chegada de frente fria traz geadas para o RS, SC e divisa do PR com SP

Vencedores da maior etapa do Circuito Nelore de Qualidade em 2019 são revelados

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Três dicas para ganhar dinheiro com confinamento de gado de corte

Pesquisador da Embrapa afirma que pecuarista deve fugir das “receitas de bolo” para não perder oportunidades de buscar ingredientes alternativos no mercado

Novilhas recebem bônus superior a R$ 20 por arroba pela qualidade

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Atrasar o combate a plantas daninhas aumenta custo do pecuarista

18 julho 2019
limpeza-pastagem-inicio-aguas

Nesta quinta, 18, em entrevista concedida ao Giro do Boi, o zootecnista Bernardo Veras, representante técnico e comercial da Corteva Agriscience, reforçou a importância do produtor planejar o controle de plantas daninhas em suas pastagens logo para executar a tarefa logo no início da estação das águas.

A recomendação é para que as plantas indesejáveis sejam combatidas enquanto ainda não estão amadurecidas, o que aumentaria o volume da dose necessária para de defensivo, aumentando o custo da aplicação. A espera também pode oferecer tempo necessário para que as plantas espalhem sementes, dificultando a limpeza. Além disto, realizando este manejo no início das águas, o produtor ganha com a produtividade das forrageiras logo no início do período chuvoso.

“É só desabafar, tirar a competição e a gente tem um resultado só com pastagens”, salientou Veras. “A gente sabe que a base alimentar da pecuária em nosso país é a pastagem. Se a gente não tiver um bom cuidado com nossas forrageiras, não vai ter bom resultado na produção de carne”, declarou Veras.

Veja as indicações para a limpeza de pasto no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Região já está há praticamente três meses sem chuvas; no Sul, chegada de frente fria traz geadas para o RS, SC e divisa do PR com SP

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Pesquisador da Embrapa afirma que pecuarista deve fugir das “receitas de bolo” para não perder oportunidades de buscar ingredientes alternativos no mercado

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Segundo zootecnista Antônio Chaker, o potencial de retorno financeiro da cria é de 35%; veja passo a passo para reverter o quadro

Fazendas localizadas em Tocantins, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Etapa de Barra do Garças-MT, a 11ª do ano da série de abates da ACNB, reuniu 1.380 cabeças no feito no último dia 16

Segundo zootecnista Antônio Chaker, o potencial de retorno financeiro da cria é de 35%; veja passo a passo para reverter o quadro

Fêmeas cruzadas foram abatidas no Protocolo 1953 com peso médio de 15,8@ e marcaram 100% Verde no Farol da Qualidade

Grupo de novilhas meio-sangue Angus de propriedade em Botucatu-SP marcou 100% Verde no Farol da Qualidade e segue para disputa de melhor do mês

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE