Conheça os dois maiores inimigos do lucro de uma fazenda de gado de corte

10 janeiro 2018
custo-fixo-producao-arrobas-hectare-ano-inimigos-lucro-benchmarking-chaker

No quadro G-Tec exibido pelo Giro do Boi nesta quarta, 10, o zootecnista, consultor e diretor do Inttegra, o Instituto Terra de Métricas Agropecuária, Antônio Chaker, revelou aos pecuaristas quais são os dois maiores inimigos do lucro de sua fazenda.

“Ao longo desses anos medindo diferentes fazendas em diversas regiões, a gente buscou o que de fato interfere no lucro, afinal pecuária é sempre multifatorial. Eu tenho raça, chuva, solo, estilos e processos nutricionais, ou seja, a quantidade de decisões que eu tomo em uma fazenda é muito grande. Mas dentre tudo que existe em uma fazenda, quem realmente impede com que a fazenda tenha lucro? E foi interessante que duas coisas apareceram pra nós estudando estas fazendas”, disse o consultor.

1 – Custo fixo alto: custo fixo é quanto o produtor gasto com mão de obra, manutenção, administração e imposto por cabeça ao mês. Segundo Chaker, em resumo, o custo fixo é aquele que se o pecuarista aumentar ou diminuir o seu rebanho não vai aumentar nem diminuir seu custo. “As fazendas que perderam dinheiro, que tiveram prejuízo, tinham um custo fixo na casa de 28 reais por cabeça ao mês, enquanto  as top rentáveis todas têm um custo fixo menor que 17 reais”, apontou Chaker, usando números apurados no último estudo de benchmarking realizado em parceria entre o Inttegra.

2 – Baixa produção de arrobas por hectare: fazendas que tiveram prejuízo de um total de 280 fazendas produziram até seis arrobas por hectare ao ano. Já as fazendas mais lucrativas  produziram de nove a 11 arrobas por hectare ao ano em 2017.

“Ou seja, se eu concentrar toda a minha energia pra reduzir custo fixo e aumentar produção de arrobas por hectare as coisas vão caminhar. Alguém pode até pergunta: mas como eu vou gastar menos e produzir mais? Porque você vai gastar menos com custo fixo, não o custo variável, que tem ligação com pastagem, nutrição, é o que tem a ver com produtividade”, concluiu.

Veja o vídeo na íntegra abaixo:

VEJA TAMBÉM

Trabalho integrado ameniza dificuldades com embarque do gado gordo entre Juara e Juína

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Áreas de instabilidade levam chuva para fronteira do RS com SC no fim de semana

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Seis cadastros obrigatórios para o produtor rural garantir sua segurança jurídica

Gestão de cadastros de propriedades rurais evita problemas em situações como transações imobiliárias, bancárias, ambientais e também possíveis sanções de órgãos do governo

Já saiu o resultado da votação para o melhor lote de janeiro; conheça o vencedor

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Conheça os dois maiores inimigos do lucro de uma fazenda de gado de corte

10 janeiro 2018
custo-fixo-producao-arrobas-hectare-ano-inimigos-lucro-benchmarking-chaker

No quadro G-Tec exibido pelo Giro do Boi nesta quarta, 10, o zootecnista, consultor e diretor do Inttegra, o Instituto Terra de Métricas Agropecuária, Antônio Chaker, revelou aos pecuaristas quais são os dois maiores inimigos do lucro de sua fazenda.

“Ao longo desses anos medindo diferentes fazendas em diversas regiões, a gente buscou o que de fato interfere no lucro, afinal pecuária é sempre multifatorial. Eu tenho raça, chuva, solo, estilos e processos nutricionais, ou seja, a quantidade de decisões que eu tomo em uma fazenda é muito grande. Mas dentre tudo que existe em uma fazenda, quem realmente impede com que a fazenda tenha lucro? E foi interessante que duas coisas apareceram pra nós estudando estas fazendas”, disse o consultor.

1 – Custo fixo alto: custo fixo é quanto o produtor gasto com mão de obra, manutenção, administração e imposto por cabeça ao mês. Segundo Chaker, em resumo, o custo fixo é aquele que se o pecuarista aumentar ou diminuir o seu rebanho não vai aumentar nem diminuir seu custo. “As fazendas que perderam dinheiro, que tiveram prejuízo, tinham um custo fixo na casa de 28 reais por cabeça ao mês, enquanto  as top rentáveis todas têm um custo fixo menor que 17 reais”, apontou Chaker, usando números apurados no último estudo de benchmarking realizado em parceria entre o Inttegra.

2 – Baixa produção de arrobas por hectare: fazendas que tiveram prejuízo de um total de 280 fazendas produziram até seis arrobas por hectare ao ano. Já as fazendas mais lucrativas  produziram de nove a 11 arrobas por hectare ao ano em 2017.

“Ou seja, se eu concentrar toda a minha energia pra reduzir custo fixo e aumentar produção de arrobas por hectare as coisas vão caminhar. Alguém pode até pergunta: mas como eu vou gastar menos e produzir mais? Porque você vai gastar menos com custo fixo, não o custo variável, que tem ligação com pastagem, nutrição, é o que tem a ver com produtividade”, concluiu.

Veja o vídeo na íntegra abaixo:

VEJA TAMBÉM

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Gestão de cadastros de propriedades rurais evita problemas em situações como transações imobiliárias, bancárias, ambientais e também possíveis sanções de órgãos do governo

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Fazendas nos estados de Rondônia e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Teste foi feito em área com lotação média de 10 UA/ha ao longo de dois anos; conclusão é de que não há interferência na fertilidade do solo que prejudique a produção de grãos

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Pecuarista deve fazer download do Termo de Adesão e entregar assinado aos compradores de gado das unidades da indústria; veja como tirar suas dúvidas sobre o processo

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE