Desafio do transporte boiadeiro em Goiânia é “driblar” trânsito das capitais

07 fevereiro 2020
transito-transporte-boiadeiro-goiania

No quadro Giro na Estrada desta sexta, 07, o supervisor do transporte boiadeiro da TRP para a unidade de Goiânia, na capital de Goiás, Pablo Almeida, apresentou os pontos de atenção para o transporte boiadeiro da região e como o pecuarista pode ajudar a pular os obstáculos.

Segundo Almeida, a unidade conta com um time de 32 pessoas, entre equipes administrativa e de motoristas. O principal modelo veicular utilizado utilizado pelos boiadeiros é a carreta com elevador, que tem capacidade para até 54 cabeças de boi gordo. “Ela é uma carreta focada 100% no bem-estar animal, preocupando com cada detalhe, inclusive no momento de embarque, no momento de desembarque porque ela tem um elevador para evitar o estresse do animal e a gente conseguir reduzir isto. (A carreta) prioriza também a qualidade do produto final, que depende do bem-estar do animal”, apresentou o supervisor.

+ Faça aqui o download dos manuais de boas práticas de manejo do Grupo Etco de Embarque e Transporte

Almeida destacou o papel importante desenvolvido pelos profissionais para o sucesso do transporte boiadeiro “Pessoas são a alma do negócio. A gente busca sempre estar capacitando nossos motoristas, nossa equipe administrativa porque elas fazem acontecer. O caminhão é uma ferramenta, ele é necessário, mas quem faz acontecer todo o processo são pessoas e a gente está sempre treinando e capacitando. O nosso papel é dar condições para eles fazerem o trabalho com qualidade”, ressaltou.

Embora a região não tenha problemas mais agudos com atoleiros em meio à estação chuvosa, a logística do boi tem que superar outro desafio distinto. “A gente não deixa de passar (por problemas com atoleiro). A gente está falando de carretas pesadas em estradas de chão […], mas hoje o maior problema que a gente vem enfrentando, e isso é indiferente de chuvas ou não, é o trânsito. Nós estamos localizados dentro de uma capital, que é Goiânia, e próximos a outra capital, que é a nossa grande Brasília. […] Nosso maior problema hoje realmente é a questão do trânsito nestas capitais”, reforçou Almeida.

O supervisor revelou que evitar os horários de tráfego intenso é tarefa a ser realizada em conjunto com o pecuarista, que deve estar disponível para conciliar horários de embarque fora dos momentos de pico. Da parte da indústria, é importante que a frota esteja em dia com manutenção preventiva para que os veículos estejam sempre disponíveis, evitando atrasos na “panha do boi”, o que poderia iniciar uma cadeia de outras consequências.

Pelo bom trabalho desenvolvido no transporte boiadeiro em 2019, Almeida foi reconhecido pela empresa como o melhor supervisor de transporte em todo o Brasil. “Isso não foi mérito meu. Isso é mérito da minha equipe. Eu sozinho não faço nada, tem minha equipe de motoristas, minha equipe administrativa e é graças a eles que tudo acontece aqui em Goiânia. Sou apaixonado pela minha equipe e pela empresa que eu trabalho”, celebrou.

“E estamos aqui disponíveis para toda a fazendeirada goiana. Vou abrir também um parênteses para dizer que a gente está disponível para puxar gado magro, a gente faz muito trabalho de gado magro. E se precisar de nós, basta entrar em contato com a unidade que estamos disponíveis”, concluiu.

Com operação especial de logística, pecuarista economiza 50% no custo do frete

Cinco dicas para não errar no transporte do gado magro

Veja a entrevista completa com Pablo Almeida pelo vídeo abaixo:

 

VEJA TAMBÉM

Casquinha “estralando” e muita suculência: veja resultado da costela 1953 na brasa

Médico veterinário e churrasqueiro Fernando Dambrós, da costelaria Quintal do Primo, em Cuiabá-MT, ressalta importância da qualidade da carne para o resultado da receita

Por que a época das águas é a ideal para controlar as plantas daninhas?

Especialista alerta que produtor precisa aproveitar janela de aplicação de defensivos para evitar o custo elevado com a reforma completa do pasto

Área de baixa pressão forma canal de umidade que vai do Sudeste até a Amazônia

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

Tem dúvidas sobre bem-estar no transporte boiadeiro? Pergunte ao motorista

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Desafio do transporte boiadeiro em Goiânia é “driblar” trânsito das capitais

07 fevereiro 2020
transito-transporte-boiadeiro-goiania

No quadro Giro na Estrada desta sexta, 07, o supervisor do transporte boiadeiro da TRP para a unidade de Goiânia, na capital de Goiás, Pablo Almeida, apresentou os pontos de atenção para o transporte boiadeiro da região e como o pecuarista pode ajudar a pular os obstáculos.

Segundo Almeida, a unidade conta com um time de 32 pessoas, entre equipes administrativa e de motoristas. O principal modelo veicular utilizado utilizado pelos boiadeiros é a carreta com elevador, que tem capacidade para até 54 cabeças de boi gordo. “Ela é uma carreta focada 100% no bem-estar animal, preocupando com cada detalhe, inclusive no momento de embarque, no momento de desembarque porque ela tem um elevador para evitar o estresse do animal e a gente conseguir reduzir isto. (A carreta) prioriza também a qualidade do produto final, que depende do bem-estar do animal”, apresentou o supervisor.

+ Faça aqui o download dos manuais de boas práticas de manejo do Grupo Etco de Embarque e Transporte

Almeida destacou o papel importante desenvolvido pelos profissionais para o sucesso do transporte boiadeiro “Pessoas são a alma do negócio. A gente busca sempre estar capacitando nossos motoristas, nossa equipe administrativa porque elas fazem acontecer. O caminhão é uma ferramenta, ele é necessário, mas quem faz acontecer todo o processo são pessoas e a gente está sempre treinando e capacitando. O nosso papel é dar condições para eles fazerem o trabalho com qualidade”, ressaltou.

Embora a região não tenha problemas mais agudos com atoleiros em meio à estação chuvosa, a logística do boi tem que superar outro desafio distinto. “A gente não deixa de passar (por problemas com atoleiro). A gente está falando de carretas pesadas em estradas de chão […], mas hoje o maior problema que a gente vem enfrentando, e isso é indiferente de chuvas ou não, é o trânsito. Nós estamos localizados dentro de uma capital, que é Goiânia, e próximos a outra capital, que é a nossa grande Brasília. […] Nosso maior problema hoje realmente é a questão do trânsito nestas capitais”, reforçou Almeida.

O supervisor revelou que evitar os horários de tráfego intenso é tarefa a ser realizada em conjunto com o pecuarista, que deve estar disponível para conciliar horários de embarque fora dos momentos de pico. Da parte da indústria, é importante que a frota esteja em dia com manutenção preventiva para que os veículos estejam sempre disponíveis, evitando atrasos na “panha do boi”, o que poderia iniciar uma cadeia de outras consequências.

Pelo bom trabalho desenvolvido no transporte boiadeiro em 2019, Almeida foi reconhecido pela empresa como o melhor supervisor de transporte em todo o Brasil. “Isso não foi mérito meu. Isso é mérito da minha equipe. Eu sozinho não faço nada, tem minha equipe de motoristas, minha equipe administrativa e é graças a eles que tudo acontece aqui em Goiânia. Sou apaixonado pela minha equipe e pela empresa que eu trabalho”, celebrou.

“E estamos aqui disponíveis para toda a fazendeirada goiana. Vou abrir também um parênteses para dizer que a gente está disponível para puxar gado magro, a gente faz muito trabalho de gado magro. E se precisar de nós, basta entrar em contato com a unidade que estamos disponíveis”, concluiu.

Com operação especial de logística, pecuarista economiza 50% no custo do frete

Cinco dicas para não errar no transporte do gado magro

Veja a entrevista completa com Pablo Almeida pelo vídeo abaixo:

 

VEJA TAMBÉM

Médico veterinário e churrasqueiro Fernando Dambrós, da costelaria Quintal do Primo, em Cuiabá-MT, ressalta importância da qualidade da carne para o resultado da receita

Especialista alerta que produtor precisa aproveitar janela de aplicação de defensivos para evitar o custo elevado com a reforma completa do pasto

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Friboi será parceira do evento que começa às 7h da manhã na sede do sindicato, localizado dentro do Parque de Exposições do município do Vale do Rio Doce

Lotes de propriedade em Minas Gerais e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os animais e Farol da Qualidade.

Agrônomo explica quais as alturas ideais de entrada e saída do pastejo, taxa de lotação nas águas e na seca, efeitos da adubação e potencial de produção de matéria seca

Programa de capacitação de profissionais da logística do gado leva informações relevantes também aos pecuaristas dentro de sua porteira

Segundo Nabih El-Aouar, produtor é incentivado a melhorar manejo, nutrição e inserção de tecnologias no rebanho, levando ganhos para toda a cadeia produtiva

Minas Gerais deve voltar a sofrer com as chuvas intensas, que podem chegar aos 150 mm a partir desta sexta até o início da próxima semana

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE