Programa nutricional dobra desfrute e triplica produção de arrobas em fazenda de Goiás

28 agosto 2017
capa - 1,

Com a adoção de nutrição específica e semiconfinamento, taxa de lotação em fazenda goiana evolui de 1 para 4 UA/ha, desfrute sai dos 30% para alcançar os 50% e produtividade cresce de 4 para até 15 arrobas por hectare ao ano

Depois de um bom tempo nas estradas do Brasil, a equipe de reportagem do Giro do Boi trouxe novos episódios da tradicional série Rota do Boi. Nesta segunda-feira, 28, foi ao ar reportagem gravada em uma propriedade localizada em Israelândia, interior de Goiás. A Fazenda Combuco, gerida por Zeca Fazio,  foi o ponto de encontro para a descoberta dos segredos da alta produtividade no período seco do ano.

E o segredo vem da estratégia de nutrição. Quem contou foi o assistente técnico Luiz Carlos Castro, da Tortuga DSM. Ele deu detalhes do planejamento realizado na fazenda, que antes utilizava apenas suplementação mineral durante o período das águas e sal com ureia na época de seca.

A partir disto, o primeiro passo foi inserir alta tecnologia, iniciando um sistema de suplementação de proteinados para seca e proteico energético na época das águas. Além disso, os animais com mais de 14@ foram direcionados para um semiconfinamento, iniciando a terminação e evitando a perda de peso no período seco.

Taxa de lotação

Adotando as novas ferramentas nutricionais, a taxa de lotação que antes era de apenas  1 UA/ha (unidade animal por hectare) passou para 2 UA/ha com a inserção da suplementação proteinada. Já no sistema de semiconfinamento, a lotação quadruplicou e chegou às 4 UA/ha.

Taxa de desfrute

Antes da evolução do manejo nutricional, taxa de desfrute da fazenda era de apenas 30%. Com os animais consumindo a nutrição diferenciada e a adoção do semiconfinamento, o desfrute passou para 50%. Para o fim de 2017, o objetivo da fazenda é alcançar os 55%.

@/hectare/ano

A produtividade em arrobas por hectare ao ano na Fazenda Combuco também melhorou exponencialmente com as novas tecnologias. Com a utilização de proteico na época de seca, a produção da fazenda passou de 4 para 6@/hectare/ano. Já na época das águas, o resultado chega às de 8@/ha/ano com a disponibilização de um proteico energético. No semiconfinamento, os números quase dobram para 15@ por hectare. De acordo com Luiz Carlos, os resultados obtidos se devem ao modelo de produção adotado na Fazenda Cumbuco e às estratégias de nutrição. “Há uma expectativa de baixa nos preços dos grãos da nossa região. Já temos contas estimadas com uma arroba produzida de até R$ 72, mostrando a viabilidade dentro do formato de terminação. Por isso conseguimos ganhar nos animais de terminação de seis a oito meses de abate de antecipação em função do semiconfinamento”, calculou. Outro ponto positivo é com relação a evolução no peso de abate no período seco, veja o gráfico abaixo.

Confira a reportagem completa no link abaixo.

 

 

VEJA TAMBÉM

Chuvas voltam ao Nordeste, mas também atraem as plantas daninhas

Os pastos verdejantes nessa época do ano no Nordeste não tem sido aproveitados como deveriam pelos pecuaristas. As plantas daninhas são bastante competitivas e roubam todos os nutrientes do capim, inclusive a própria água.

Embrapa afirma que IPF não aumenta incidência de verminoses no rebanho

O monitoramento do gado foi feito durante dois anos e teve como objetivo mensurar os impactos de uma área de pecuária e reflorestamento e outra apenas de pastagens (monocultura). “Pensávamos que haveria prejuízo por causa das sombras proporcionadas com as árvores, mas isso não influenciou em nada um aumento na incidência de vermes no rebanho”,...

Estudos comprovam perdas de 6,5 kg de carne/animal por reações vacinais

O levantamento acompanhou 22 fazendas, localizadas na região norte de MT, e revelou as graves consequências da má aplicação dos medicamentos no rebanho. Roça apontou inúmeros fatores como local inadequado da aplicação; seringas e agulhas impróprias e sem assepsia; a pressa dos peões durante o procedimento e a falta de uso de tronco de contenção...

Excesso de gordura tem atrapalhado qualidade da carne no Brasil

Alguns lotes, principalmente de novilhas de cruzamento industrial, tem apresentado gordura acima do ideal e isso acaba causa dificuldade em colocar o produto no mercado.

Programa nutricional dobra desfrute e triplica produção de arrobas em fazenda de Goiás

28 agosto 2017
capa - 1,

Com a adoção de nutrição específica e semiconfinamento, taxa de lotação em fazenda goiana evolui de 1 para 4 UA/ha, desfrute sai dos 30% para alcançar os 50% e produtividade cresce de 4 para até 15 arrobas por hectare ao ano

Depois de um bom tempo nas estradas do Brasil, a equipe de reportagem do Giro do Boi trouxe novos episódios da tradicional série Rota do Boi. Nesta segunda-feira, 28, foi ao ar reportagem gravada em uma propriedade localizada em Israelândia, interior de Goiás. A Fazenda Combuco, gerida por Zeca Fazio,  foi o ponto de encontro para a descoberta dos segredos da alta produtividade no período seco do ano.

E o segredo vem da estratégia de nutrição. Quem contou foi o assistente técnico Luiz Carlos Castro, da Tortuga DSM. Ele deu detalhes do planejamento realizado na fazenda, que antes utilizava apenas suplementação mineral durante o período das águas e sal com ureia na época de seca.

A partir disto, o primeiro passo foi inserir alta tecnologia, iniciando um sistema de suplementação de proteinados para seca e proteico energético na época das águas. Além disso, os animais com mais de 14@ foram direcionados para um semiconfinamento, iniciando a terminação e evitando a perda de peso no período seco.

Taxa de lotação

Adotando as novas ferramentas nutricionais, a taxa de lotação que antes era de apenas  1 UA/ha (unidade animal por hectare) passou para 2 UA/ha com a inserção da suplementação proteinada. Já no sistema de semiconfinamento, a lotação quadruplicou e chegou às 4 UA/ha.

Taxa de desfrute

Antes da evolução do manejo nutricional, taxa de desfrute da fazenda era de apenas 30%. Com os animais consumindo a nutrição diferenciada e a adoção do semiconfinamento, o desfrute passou para 50%. Para o fim de 2017, o objetivo da fazenda é alcançar os 55%.

@/hectare/ano

A produtividade em arrobas por hectare ao ano na Fazenda Combuco também melhorou exponencialmente com as novas tecnologias. Com a utilização de proteico na época de seca, a produção da fazenda passou de 4 para 6@/hectare/ano. Já na época das águas, o resultado chega às de 8@/ha/ano com a disponibilização de um proteico energético. No semiconfinamento, os números quase dobram para 15@ por hectare. De acordo com Luiz Carlos, os resultados obtidos se devem ao modelo de produção adotado na Fazenda Cumbuco e às estratégias de nutrição. “Há uma expectativa de baixa nos preços dos grãos da nossa região. Já temos contas estimadas com uma arroba produzida de até R$ 72, mostrando a viabilidade dentro do formato de terminação. Por isso conseguimos ganhar nos animais de terminação de seis a oito meses de abate de antecipação em função do semiconfinamento”, calculou. Outro ponto positivo é com relação a evolução no peso de abate no período seco, veja o gráfico abaixo.

Confira a reportagem completa no link abaixo.

 

 

VEJA TAMBÉM

Os pastos verdejantes nessa época do ano no Nordeste não tem sido aproveitados como deveriam pelos pecuaristas. As plantas daninhas são bastante competitivas e roubam todos os nutrientes do capim, inclusive a própria água.

O monitoramento do gado foi feito durante dois anos e teve como objetivo mensurar os impactos de uma área de pecuária e reflorestamento e outra apenas de pastagens (monocultura). “Pensávamos que haveria prejuízo por causa das sombras proporcionadas com as árvores, mas isso não influenciou em nada um aumento na incidência de vermes no rebanho”,...

O levantamento acompanhou 22 fazendas, localizadas na região norte de MT, e revelou as graves consequências da má aplicação dos medicamentos no rebanho. Roça apontou inúmeros fatores como local inadequado da aplicação; seringas e agulhas impróprias e sem assepsia; a pressa dos peões durante o procedimento e a falta de uso de tronco de contenção...

Alguns lotes, principalmente de novilhas de cruzamento industrial, tem apresentado gordura acima do ideal e isso acaba causa dificuldade em colocar o produto no mercado.

Quem trouxe os primeiros registros, dessa primeira etapa, foi o gerente regional de Originação MS Oeste, Nelson Jardim, falando ao Giro do Boi desse pontapé inicial do circuito e lembrou do mais novo protocolo firmado entre todas as unidades Friboi do país (10 Estados) com a ACNB na criação de um protocolo específico para a...

A busca por informações e por conhecimento tem sido mais exigidos do produtor rural. São conexões digitais, palestras, reuniões, dias de campo e necessidade de interpretações simultâneas que fizeram com que a professora criasse uma empresa com métodos capazes de, em apenas seis meses, fazer com que a pessoa consiga interpretar o agro na língua...

No primeiro episódio da série, que estará sendo apresentada no Giro do Boi todas as sextas-feiras, Chaker nos explicou a “ter a fazenda nas mãos”. Foram três dicas importantes sobre pessoas, processos e finanças.

Alguns lotes, principalmente de novilhas de cruzamento industrial, tem apresentado gordura acima do ideal e isso acaba causa dificuldade em colocar o produto no mercado.

No Giro do Boi desta quinta-feira, as fazendas em destaque vieram dos estado de SP e MS.

Entre as facilidades para efetivar doações particulares está modalidade via imposto de renda; entenda como realizar o processo

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE