Programa nutricional dobra desfrute e triplica produção de arrobas em fazenda de Goiás

28 agosto 2017
capa - 1,

Com a adoção de nutrição específica e semiconfinamento, taxa de lotação em fazenda goiana evolui de 1 para 4 UA/ha, desfrute sai dos 30% para alcançar os 50% e produtividade cresce de 4 para até 15 arrobas por hectare ao ano

Depois de um bom tempo nas estradas do Brasil, a equipe de reportagem do Giro do Boi trouxe novos episódios da tradicional série Rota do Boi. Nesta segunda-feira, 28, foi ao ar reportagem gravada em uma propriedade localizada em Israelândia, interior de Goiás. A Fazenda Combuco, gerida por Zeca Fazio,  foi o ponto de encontro para a descoberta dos segredos da alta produtividade no período seco do ano.

E o segredo vem da estratégia de nutrição. Quem contou foi o assistente técnico Luiz Carlos Castro, da Tortuga DSM. Ele deu detalhes do planejamento realizado na fazenda, que antes utilizava apenas suplementação mineral durante o período das águas e sal com ureia na época de seca.

A partir disto, o primeiro passo foi inserir alta tecnologia, iniciando um sistema de suplementação de proteinados para seca e proteico energético na época das águas. Além disso, os animais com mais de 14@ foram direcionados para um semiconfinamento, iniciando a terminação e evitando a perda de peso no período seco.

Taxa de lotação

Adotando as novas ferramentas nutricionais, a taxa de lotação que antes era de apenas  1 UA/ha (unidade animal por hectare) passou para 2 UA/ha com a inserção da suplementação proteinada. Já no sistema de semiconfinamento, a lotação quadruplicou e chegou às 4 UA/ha.

Taxa de desfrute

Antes da evolução do manejo nutricional, taxa de desfrute da fazenda era de apenas 30%. Com os animais consumindo a nutrição diferenciada e a adoção do semiconfinamento, o desfrute passou para 50%. Para o fim de 2017, o objetivo da fazenda é alcançar os 55%.

@/hectare/ano

A produtividade em arrobas por hectare ao ano na Fazenda Combuco também melhorou exponencialmente com as novas tecnologias. Com a utilização de proteico na época de seca, a produção da fazenda passou de 4 para 6@/hectare/ano. Já na época das águas, o resultado chega às de 8@/ha/ano com a disponibilização de um proteico energético. No semiconfinamento, os números quase dobram para 15@ por hectare. De acordo com Luiz Carlos, os resultados obtidos se devem ao modelo de produção adotado na Fazenda Cumbuco e às estratégias de nutrição. “Há uma expectativa de baixa nos preços dos grãos da nossa região. Já temos contas estimadas com uma arroba produzida de até R$ 72, mostrando a viabilidade dentro do formato de terminação. Por isso conseguimos ganhar nos animais de terminação de seis a oito meses de abate de antecipação em função do semiconfinamento”, calculou. Outro ponto positivo é com relação a evolução no peso de abate no período seco, veja o gráfico abaixo.

Confira a reportagem completa no link abaixo.

 

 

VEJA TAMBÉM

Exigência aumenta e indústria da carne reforça ações dedicadas ao bem-estar

Além do ponto de vista ético, tratamento adequado aos animais melhora a qualidade do produto; veja as principais ações dedicadas ao bem-estar e faça download de publicações atualizadas sobre o tema

Confira as fazendas em destaque do dia 16 de janeiro de 2019

Fazendas nos estados do Acre, São Paulo e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Manual de Boas Práticas de Manejo – Bovinos de Corte

Publicação está em consonância com os manuais de boas práticas de manejo lançados e atualizados pelo Grupo Etco e reúnes as informações mais importantes de cada um dos livretos; faça o download

Oxigênio da pecuária é margem, não o preço da arroba, destaca analista

Intensificando a gestão, pecuarista pode ganhar dinheiro em ciclos de alta e de baixa, afirmou consultor Rodrigo Albuquerque, editor do Notícias do Front

Programa nutricional dobra desfrute e triplica produção de arrobas em fazenda de Goiás

28 agosto 2017
capa - 1,

Com a adoção de nutrição específica e semiconfinamento, taxa de lotação em fazenda goiana evolui de 1 para 4 UA/ha, desfrute sai dos 30% para alcançar os 50% e produtividade cresce de 4 para até 15 arrobas por hectare ao ano

Depois de um bom tempo nas estradas do Brasil, a equipe de reportagem do Giro do Boi trouxe novos episódios da tradicional série Rota do Boi. Nesta segunda-feira, 28, foi ao ar reportagem gravada em uma propriedade localizada em Israelândia, interior de Goiás. A Fazenda Combuco, gerida por Zeca Fazio,  foi o ponto de encontro para a descoberta dos segredos da alta produtividade no período seco do ano.

E o segredo vem da estratégia de nutrição. Quem contou foi o assistente técnico Luiz Carlos Castro, da Tortuga DSM. Ele deu detalhes do planejamento realizado na fazenda, que antes utilizava apenas suplementação mineral durante o período das águas e sal com ureia na época de seca.

A partir disto, o primeiro passo foi inserir alta tecnologia, iniciando um sistema de suplementação de proteinados para seca e proteico energético na época das águas. Além disso, os animais com mais de 14@ foram direcionados para um semiconfinamento, iniciando a terminação e evitando a perda de peso no período seco.

Taxa de lotação

Adotando as novas ferramentas nutricionais, a taxa de lotação que antes era de apenas  1 UA/ha (unidade animal por hectare) passou para 2 UA/ha com a inserção da suplementação proteinada. Já no sistema de semiconfinamento, a lotação quadruplicou e chegou às 4 UA/ha.

Taxa de desfrute

Antes da evolução do manejo nutricional, taxa de desfrute da fazenda era de apenas 30%. Com os animais consumindo a nutrição diferenciada e a adoção do semiconfinamento, o desfrute passou para 50%. Para o fim de 2017, o objetivo da fazenda é alcançar os 55%.

@/hectare/ano

A produtividade em arrobas por hectare ao ano na Fazenda Combuco também melhorou exponencialmente com as novas tecnologias. Com a utilização de proteico na época de seca, a produção da fazenda passou de 4 para 6@/hectare/ano. Já na época das águas, o resultado chega às de 8@/ha/ano com a disponibilização de um proteico energético. No semiconfinamento, os números quase dobram para 15@ por hectare. De acordo com Luiz Carlos, os resultados obtidos se devem ao modelo de produção adotado na Fazenda Cumbuco e às estratégias de nutrição. “Há uma expectativa de baixa nos preços dos grãos da nossa região. Já temos contas estimadas com uma arroba produzida de até R$ 72, mostrando a viabilidade dentro do formato de terminação. Por isso conseguimos ganhar nos animais de terminação de seis a oito meses de abate de antecipação em função do semiconfinamento”, calculou. Outro ponto positivo é com relação a evolução no peso de abate no período seco, veja o gráfico abaixo.

Confira a reportagem completa no link abaixo.

 

 

VEJA TAMBÉM

Além do ponto de vista ético, tratamento adequado aos animais melhora a qualidade do produto; veja as principais ações dedicadas ao bem-estar e faça download de publicações atualizadas sobre o tema

Fazendas nos estados do Acre, São Paulo e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Publicação está em consonância com os manuais de boas práticas de manejo lançados e atualizados pelo Grupo Etco e reúnes as informações mais importantes de cada um dos livretos; faça o download

Intensificando a gestão, pecuarista pode ganhar dinheiro em ciclos de alta e de baixa, afirmou consultor Rodrigo Albuquerque, editor do Notícias do Front

Fazendas nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Diretor do Qualitas Melhoramento Genético afirma que ganho de peso deve ser de ao menos 675 g por dia para alcançar o resultado

Fazendas nos estados do Acre, São Paulo e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Publicação está em consonância com os manuais de boas práticas de manejo lançados e atualizados pelo Grupo Etco e reúnes as informações mais importantes de cada um dos livretos; faça o download

Pecuarista deve fazer download do Termo de Adesão e entregar assinado aos compradores de gado das unidades da indústria; veja como tirar suas dúvidas sobre o processo

Diretor do Qualitas Melhoramento Genético afirma que ganho de peso deve ser de ao menos 675 g por dia para alcançar o resultado

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE